Tem­po fe­cha­do pa­ra a men­te

O dis­túr­bio co­nhe­ci­do co­mo “o mal do sé­cu­lo” já ado­e­ceu mais de 320 mi­lhões de pes­so­as

Segredos da Mente - - Índice - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TA LE­O­NAR­DO GUERINO/ CO­LA­BO­RA­DOR DE­SIGN JOSEMARA NAS­CI­MEN­TO

“Ade­pres­são não é sim­ples­men­te sinô­ni­mo de tris­te­za e nem ape­nas o equi­va­len­te a um es­ta­do pas­sa­gei­ro e se­cun­dá­rio de uma al­te­ra­ção fí­si­ca. É, sim, uma do­en­ça pro­pri­a­men­te di­ta, com seus sin­to­mas e si­nais bem de­li­mi­ta­dos”. Es­sa fra­se, do psi­qui­a­tra Ro­dri­go Pes­sa­nha de Cas­tro, ser­ve de aler­ta pa­ra uma das prin­ci­pais di­fi­cul­da­des que as pes­so­as com de­pres­são en­fren­tam: a ba­na­li­za­ção so­bre seu es­ta­do psi­co­ló­gi­co e a não com­pre­en­são de ou­tros in­di­ví­du­os so­bre o dis­túr­bio.

É que ge­ral­men­te a de­pres­são é er­ro­ne­a­men­te re­la­ci­o­na­da a pes­so­as fra­cas, que se en­con­tram em al­gum mo­men­to de tris­te­za, dei­xam-se aba­ter pe­lo mo­men­to e, in­clu­si­ve, es­tão ten­tan­do cha­mar a aten­ção pa­ra si. Po­rém, es­te so­fri­men­to du­ra­dou­ro de­mons­tra ter um po­ten­ci­al de des­trui­ção ele­va­do e, qu­an­do não tra­ta­do, po­de ge­rar sé­ri­os efei­tos em seus por­ta­do­res.

Dia após dia, con­tu­do, es­te es­tig­ma tem si­do per­di­do, ain­da mais qu­an­do o nú­me­ro de ocor­rên­ci­as de pa­ci­en­tes di­ag­nos­ti­ca­dos com qua­dros de­pres­si­vos vem au­men­tan­do con­si­de­ra­vel­men­te. Es­sa in­for­ma­ção é va­li­da­da, além dis­so, por da­dos da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), que viu a in­ci­dên­cia de ca­sos de de­pres­são au­men­tar 18% en­tre 2005 e 2015, to­ta­li­zan­do ho­je mais de 320 mi­lhões de in­di­ví­du­os di­ag­nos­ti­ca­dos com a do­en­ça em to­do o glo­bo, sen­do na mai­o­ria mu­lhe­res. Só no Bra­sil fo­ram re­gis­tra­dos qua­se 18 mi­lhões de pes­so­as com o dis­túr­bio, o equi­va­len­te a cer­ca de 9% de

sua po­pu­la­ção to­tal. É vá­li­do lem­brar que, ain­da de acor­do com es­sa pes­qui­sa da OMS, a de­pres­são é a mai­or cau­sa de in­ca­pa­ci­da­de em to­do o mun­do, ge­ran­do enor­mes gas­tos fi­nan­cei­ros à eco­no­mia mun­di­al, além de con­tri­buir de ma­nei­ra de­ci­si­va pa­ra o au­men­to da car­ga glo­bal de do­en­ças.

Ape­sar da exis­tên­cia de mé­to­dos com­pro­va­da­men­te efi­ca­zes pa­ra se tra­tar o dis­túr­bio, de acor­do com in­for­ma­ções da Or­ga­ni­za­ção Pan-Ame­ri­ca­na de Saú­de (OPAS), par­cei­ra da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), me­nos da me­ta­de das pes­so­as afetadas pe­lo trans­tor­no re­ce­bem tra­ta­men­to pa­ra ele. De acor­do com a ins­ti­tui­ção, as prin­ci­pais cau­sas da au­sên­cia na te­ra­pia se de­ve à fal­ta de re­cur­sos, de pro­fis­si­o­nais ca­pa­ci­ta­dos, além da pre­sen­ça de um pre­con­cei­to so­ci­al re­la­ci­o­na­do aos trans­tor­nos men­tais. Ain­da con­for­me a OPAS, ou­tro item que pre­ju­di­ca um aten­di­men­to efi­caz é a ava­li­a­ção im­pre­ci­sa so­bre a do­en­ça, fa­tor pre­sen­te em paí­ses com to­dos os ti­pos de ren­da.

Prin­ci­pais si­nais

Ca­ta­lo­ga­da e des­cri­ta na quin­ta edi­ção do Ma­nu­al Diagnóstico e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor­nos Men­tais (DSM-5), a de­pres­são é de­fi­ni­da pe­lo psi­qui­a­tra Ro­dri­go Pes­sa­nha co­mo uma dis­fun­ção psi­quiá­tri­ca men­tal ca­rac­te­ri­za­da por um pa­drão per­sis­ten­te que faz pre­va­le­cer uma sé­rie de do­mí­ni­os da vi­da pes­so­al, acom­pa­nha­da de tra­ços co­mo bai­xa au­to-es­ti­ma, per­da de in­te­res­se em ati­vi­da­des que an­tes eram ti­das co­mo sa­tis­fa­tó­ri­as e di­fi­cul­da­des de ex­pe­ri­men­ta­ção de pra­zer. “Há tam­bém pa­ci­en­tes com sin­to­mas cog­ni­ti­vos, ou se­ja, alterações de aten­ção, con­cen­tra­ção, me­mó­ria e tem­po de re­a­ção”, afir­ma Ro­dri­go.

É que a de­pres­são es­tá tam­bém in­ti­ma­men­te li­ga­da com o nú­me­ro de ca­sos de sui­cí­dio. De acor­do com a OMS, so­men­te no ano de 2012, no mun­do, fo­ram re­gis­tra­das mais de 800 mil mor­tes de sui­ci­das, sen­do es­ta a se­gun­da prin­ci­pal cau­sa de óbi­to – vá­ri­os des­tes jus­ta­men­te re­sul­tan­tes de cri­ses de­pres­si­vas. “Es­ta­tis­ti­ca­men­te, o ris­co de sui­cí­dio em pa­ci­en­tes com de­pres­são-mai­or é su­pe­ri­or do que a po­pu­la­ção em ge­ral. Con­tu­do, nem to­do pa­ci­en­te de­pri­mi­do tem idei­as sui­ci­das, ou se­ja, não quer di­zer que exis­ta um pe­ri­go emi­nen­te de sui­cí­dio. Is­so pre­ci­sa ser ava­li­a­do ca­so a ca­so”, pon­de­ra o psi­qui­a­tra.

Cau­te­la do­bra­da

A de­pres­são, mes­mo sen­do ini­ci­a­da na men­te, cau­sa da­nos em di­ver­sas áre­as do cor­po hu­ma­no, des­de o cé­re­bro até alterações car­di­o­vas­cu­la­res, en­dó­cri­no-me­ta­bó­li­cas e imu­no­ló­gi­cas.

Po­rém, ne­nhum des­ses qua­dros é es­pe­cí­fi­co da de­pres­são, o que faz com que, até o pre­sen­te mo­men­to, não se te­nha ne­nhum mé­to­do de diagnóstico la­bo­ra­to­ri­al con­clu­si­vo que pos­sa de­ter­mi­nar a do­en­ça ou mes­mo as sín­dro­mes de­pres­si­vas. “Des­ta for­ma, o diagnóstico é emi­nen­te­men­te clí­ni­co, e se ba­seia na ob­ser­va­ção do com­por­ta­men­to do pa­ci­en­te e dos re­la­tos que ele faz a res­pei­to das su­as vi­vên­ci­as de­pres­si­vas, da nar­ra­ção de fa­mi­li­a­res ou pes­so­as pró­xi­mas a res­pei­to do com­por­ta­men­to do in­di­ví­duo, e de uma aná­li­se de­ta­lha­da de sua his­tó­ria pes­so­al, ou se­ja, a in­ves­ti­ga­ção se hou­ve epi­só­di­os de­pres­si­vos an­te­ri­o­res em seu his­tó­ri­co fa­mi­li­ar”, ex­pli­ca Ro­dri­go.

CON­SUL­TO­RIA Ro­dri­go Pes­sa­nha de Cas­tro, psi­qui­a­tra.

“A de­pres­são não é sim­ples­men­te sinô­ni­mo de tris­te­za e nem ape­nas o equi­va­len­te a um es­ta­do pas­sa­gei­ro e se­cun­dá­rio de uma al­te­ra­ção fí­si­ca. Mas, sim, uma do­en­ça pro­pri­a­men­te di­ta, com seus sin­to­mas e si­nais bem de­li­mi­ta­dos”. Ro­dri­go Pes­sa­nha de Cas­tro, psi­qui­a­tra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.