Ca­deia de si­nais

Exis­tem al­guns tra­ços que in­di­cam o sur­gi­men­to do dis­túr­bio. Apren­da a de­tec­tá-los

Segredos da Mente - - Índice - TEX­TO AU­GUS­TO BIASON/CO­LA­BO­RA­DOR EN­TRE­VIS­TAS E EDI­ÇÃO RI­CAR­DO PICCINATO DE­SIGN JAMILE CURY GANDARA E BEATRIZ MARIGONDA DE ARAUJO/COLABORADORA

A de­pres­são tem um ape­li­do na­da agra­dá­vel: o mal do sé­cu­lo 21. Não é pa­ra me­nos. De acor­do com uma pro­je­ção da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), em pou­co mais de uma dé­ca­da, a do­en­ça se­rá a de mai­or abran­gên­cia no mun­do — in­clu­si­ve, atu­al­men­te, ela é con­si­de­ra­da a mais in­ca­pa­ci­tan­te das pa­to­lo­gi­as.

Pa­ra um gru­po for­ma­do por mé­di­cos e pes­qui­sa­do­res vo­lun­tá­ri­os (a For­ça Ta­re­fa pa­ra Ser­vi­ços Pre­ven­ti­vos dos Es­ta­dos Uni­dos — USPSTF, na si­gla em in­glês), a apli­ca­ção de ava­li­a­ções que vi­sam o diagnóstico de ca­sos de­pres­si­vos de­ve­ria ser cons­tan­te pa­ra adul­tos de to­das as ida­des. O mo­ti­vo pa­ra is­so se­ria o fa­to de que, se­gun­do a equi­pe, a iden­ti­fi­ca­ção pre­co­ce do dis­túr­bio aju­da­ria na re­cu­pe­ra­ção e a diminuir os pre­juí­zos cau­sa­dos pe­la do­en­ça. Ou­tra or­ga­ni­za­ção que fez re­co­men­da­ção se­me­lhan­te foi a Aca­de­mia Ame­ri­ca­na de Pe­di­a­tria, mas, des­sa vez, com os tes­tes voltados a cri­an­ças a par­tir dos 11 anos.

A re­le­vân­cia

Tal­vez, mais im­por­tan­te do que o pro­gres­so do tra­ta­men­to da de­pres­são se­ja a ob­ser­va­ção dos sin­to­mas e o diagnóstico do trans­tor­no em si. Is­so por­que, pa­ra que a re­cu­pe­ra­ção se­ja efi­ci­en­te, o re­co­nhe­ci­men­to pre­ci­so lo­go no iní­cio do qua­dro é es­sen­ci­al, le­van­do-se em con­ta os as­pec­tos pes­so­ais de ca­da um e o con­tex­to em que es­tá in­se­ri­do.

Pa­ra se ter uma ideia da im­por­tân­cia da aná­li­se cor­re­ta, mais da me­ta­de dos pa­ci­en­tes iden­ti­fi­ca­dos com o qua­dro de­pres­si­vo não pas­sa por acom­pa­nha­men­to mé­di­co, se­gun­do a Pes­qui­sa Na­ci­o­nal de Saú­de, re­a­li­za­da em 2013, pe­lo Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca ( IBGE). Des­ses, 73,4% ale­gou não se sen­tir mais de­pri­mi­do, ape­sar do diagnóstico.

De­tec­tan­do a de­pres­são

A iden­ti­fi­ca­ção do es­ta­do de­pres­si­vo é fei­ta ba­se­a­da nos re­la­tos dos pa­ci­en­tes. Um dos mé­to­dos uti­li­za­dos é a par­tir da apli­ca­ção de ques­ti­o­ná­ri­os, co­mo os re­co­men­da­dos pe­las or­ga­ni­za­ções ame­ri­ca­nas. Nos Es­ta­dos Uni­dos, in­clu­si­ve, há mo­de­los pa­dro­ni­za­dos, que po­dem ser apli­ca­dos ini­ci­al­men­te por mé­di­cos de as­sis­tên­cia bá­si­ca.

Já no Bra­sil, es­ses ques­ti­o­ná­ri­os, tra­du­zi­dos do in­glês, tam­bém são uti­li­za­dos, mas ape­nas qu­an­do há uma sus­pei­ta ini­ci­al ou co­mo acom­pa­nha­men­to de pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas. Por aqui, o diagnóstico com­ple­to é re­a­li­za­do por um pro­fis­si­o­nal de qual­quer área du­ran­te uma con­sul­ta mé­di­ca. “O mé­di­co de­ve en­ca­mi­nhar pa­ra o psi­qui­a­tra, que é o es­pe­ci­a­lis­ta in­di­ca­do pa­ra tra­tar do­en­ças emo­ci­o­nais e men­tais”, ex­pli­ca a psi­qui­a­tra Ma­ria Cris­ti­na de Ste­fa­no. A par­tir dis­so, a pes­soa de­pri­mi­da pas­sa a re­la­tar as ocor­rên­ci­as re­la­ci­o­na­das à do­en­ça. “Ela in­for­ma ao psi­qui­a­tra quais são seus sen­ti­men­tos, pen­sa­men­tos, so­fri­men­tos emo­ci­o­nais, des­de qu­an­do co­me­çou a se sen­tir as­sim, se já so­freu ou­tros epi­só­di­os e ou­tras in­for­ma­ções que pos­sam aju­dar no me­lhor diagnóstico e, con­se­quen­te­men­te, no me­lhor tra­ta­men­to”, com­ple­ta.

Os si­nais

En­ga­na-se quem pen­sa que o úni­co sin­to­ma da de­pres­são é a sen­sa­ção cons­tan­te de tris­te­za. Es­se sen­ti­men­to é, se­gun­do os es­pe­ci­a­lis­tas, uma das prin­ci­pais ma­ni­fes­ta­ções da do­en­ça mas, as­sim co­mo ou­tras pa­to­lo­gi­as, há di­ver­sos tra­ços que in­di­cam o qua­dro de­pres­si­vo.

Is­so não sig­ni­fi­ca, en­tre­tan­to, que to­dos os pa­ci­en­tes vão apre­sen­tar, ne­ces­sa­ri­a­men­te, to­dos es­ses pon­tos. “É por is­so que ob­ser­va­mos tan­ta va­ri­e­da­de de ocor­rên­ci­as clí­ni­cas de pa­ci­en­tes com de­pres­são. Po­rém, uma das ma­ni­fes­ta­ções co­muns à mai­o­ria das do­en­ças de­pres­si­vas é a exis­tên­cia de um trans­tor­no psi­quiá­tri­co acom­pa­nha­do de ou­tros sin­to­mas”, ob­ser­va o psi­qui­a­tra Ro­dri­go Pes­sa­nha.

Além de uma va­ri­e­da­de de sin­to­mas, Ro­dri­go lem­bra que a de­pres­são po­de de­sen­ca­de­ar ou­tros pro­ble­mas de saú­de. “Ape­sar de sa­ber­mos que tra­ta- se de uma do­en­ça da men­te, é pos­sí­vel tam­bém di­zer que é uma do­en­ça do cé­re­bro e que afeta o or­ga­nis­mo co­mo um to­do”, ava­lia. En­tre os re­fle­xos que um qua­dro de­pres­si­vo po­de cau­sar no cor­po, es­tão as alterações car­di­o­vas­cu­la­res, en­dó­cri­no-me­ta­bó­li­cas e no sis­te­ma imu­no­ló­gi­co – sen­do que ne­nhu­ma des­sas alterações é es­pe­cí­fi­ca da de­pres­são. Acom­pa­nhe, a se­guir, os re­fle­xos da de­pres­são no cor­po e na men­te.

O diagnóstico da de­pres­são po­de ser re­a­li­za­do por mé­di­cos de qual­quer área, mas o ca­so de­ve ser en­ca­mi­nha­do pa­ra um psi­qui­a­tra, o es­pe­ci­a­lis­ta in­di­ca­do pa­ra tra­tar do­en­ças men­tais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.