Es­tou tris­te ou de­pres­si­vo?

Ape­sar de pa­re­ce­rem si­mi­la­res, tris­te­za e de­pres­são são ca­sos bem di­fe­ren­tes

Segredos da Mente - - Índice - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TA LE­O­NAR­DO GUERINO/ CO­LA­BO­RA­DOR DE­SIGN JOSEMARA NAS­CI­MEN­TO

É um cho­ro que não ces­sa, o so­no e o ape­ti­te que não vol­tam. A fa­se mais di­fí­cil é a que vo­cê es­tá ig­no­ran­te so­bre o que es­tá sen­tin­do. Acha que vai mor­rer e não sa­be o que es­tá acon­te­cen­do. Ou­tra fa­se é a em que vo­cê co­me­ça a me­lho­rar, mas não acre­di­ta nis­so até to­mar con­fi­an­ça”. Es­sa des­cri­ção é da can­to­ra Pau­la Fer­nan­des, em um re­la­to ao si­te G1 so­bre o pe­río­do mar­can­te de sua ado­les­cên­cia.

Lo­go aos 16 anos de ida­de, a ar­tis­ta já so­fria os sin­to­mas da de­pres­são. Pa­ra Pau­la e tan­tos ou­tros in­di­ví­du­os com o qua­dro, nem sem­pre é fá­cil re­a­li­zar a iden­ti­fi­ca­ção da pa­to­lo­gia. Não é ra­ro ou­vir que os si­nais de aba­ti­men­to tí­pi­cos se­jam me­ra “fres­cu­ra”, “vi­ti­mis­mo” ou “de­sâ­ni­mo pas­sa­gei­ro”. E é jus­ta­men­te por to­dos es­ses es­tig­mas que o com­ba­te a tal ce­ná­rio con­ti­nua re­pre­sen­tan­do um de­sa­fio.

Pe­río­dos de tris­te­za pro­fun­da re­al­men­te po­dem ser­vir co­mo es­to­pim pa­ra que di­ver­sos trans­tor­nos se ins­tau­rem. En­tre­tan­to, é pre­ci­so en­ten­der que es­tar tris­te e ter de­pres­são são si­tu­a­ções com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes. E não iden­ti­fi­car es­ses ele­men­tos po­de ser al­go ex­tre­ma­men­te pe­ri­go­so pa­ra a saú­de da so­ci­e­da­de.

Na­da pas­sa­gei­ro

Per­der um en­te qu­e­ri­do, rom­per um re­la­ci­o­na­men­to e vi­ver mo­men­tos com­pli­ca­dos du­ran­te a vi­da são si­tu­a­ções co­muns. Mais co­mum ain­da é fi­car­mos aba­ti­dos por es­sas oca­siões, o que é uma res­pos­ta na­tu­ral do or­ga­nis­mo. “A de­pres­são, por ou­tro la­do, não tem cau­sa úni­ca. Ela po­de sur­gir do na­da, sem ne­nhu­ma ex­pli­ca­ção apa­ren­te. Tec­ni­ca­men­te po­de- se ter tu­do na vi­da: di­nhei­ro, fa­mí­lia, amor, e, ain­da, as­sim de­sen­vol­ver a do­en­ça”, con­ta a psi­có­lo­ga Ma­ri­na Vas­con­cel­los.

Os pri­mei­ros sin­to­mas do es­ta­do de­pres­si­vo são pas­sí­veis de con­fu­são com uma sim­ples tris­te­za. E, ten­do em vis­ta os di­as in­ten­sos da mo­der­ni­da­de, re­la­tar even­tu­al can­sa­ço, de­sâ­ni­mo e apa­tia são sen­sa­ções con­si­de­ra­das cor­ri­quei­ras. A tris­te­za, in­clu­si­ve, po­de es­tar fre­quen­te­men­te as­so­ci­a­da a es­ses sen­ti­men­tos. A de­pres­são, en­tre­tan­to, é per­sis­ten­te. Tra­ta-se de um es­ta­do em que os as­pec­tos ne­ga­ti­vos as­su­mem um pe­so mai­or e, aos pou­cos vão fi­can­do mais for­tes e du­ra­dou­ros – tão du­ra­dou­ro, na ver­da­de, que o in­di­ví­duo, por ve­zes, aca­ba se per­den­do na pró­pria do­en­ça. E aque­la im­pres­são que, a prin­cí­pio pa­re­cia tão ino­cen­te, pas­sa a con­su­mir a pes­soa con­ti­nu­a­men­te.

Qua­dro sé­rio

É co­mum que, qu­an­do nos sen­ti­mos de­sa­ni­ma­dos, tris­tes ou an­gus­ti­a­dos, di­ze­mos es­tar “de­pres­si­vos” – ou, mais co­mu­men­te fa­la­do, “meio de­prê”. Con­tu­do, es­sa afir­ma­ção en­tre es­tar tris­te e de­pres­si­vo é uma re­la­ção que me­re­ce mui­to cui­da­do. “Se­ria mais cor­re­to di­zer ‘es­tou tão de­sa­ni­ma­do’. Vo­cê não po­de es­tar em um dia de­pri­mi­do e no ou­tro não. A de­pres­são é uma do­en­ça séria, que fi­ca e que per­se­gue. As pes­so­as con­fun­dem es­ses ter­mos, o que aca­ba ba­na­li­zan­do a si­tu­a­ção”, ex­pli­ca Ma­ri­na Vas­con­cel­los.

Ape­sar des­sas as­so­ci­a­ções dis­pli­cen­tes, é im­por­tan­te que, aos pri­mei­ros si­nais do de­sen­vol­vi­men­to do qua­dro, o in­di­ví­duo pro­cu­re aju­da pa­ra iden­ti­fi­cá-lo com cla­re­za. “Os pa­ci­en­tes, mui­tas ve­zes, têm ver­go­nha de pe­dir au­xí­lio, de so­fre­rem jul­ga­men­to ou se­rem cha­ma­dos de lou­cos”, con­ta Ma­ri­na. Po­rém, pa­ra o bem dos mais de 320 mi­lhões de in­di­ví­du­os di­ag­nos­ti­ca­dos no mun­do to­do, é ne­ces­sá­rio dei­xar de la­do es­se pre­con­cei­to. E que his­tó­ri­as co­mo a de Pau­la Fer­nan­des – e tan­tas ou­tras pes­so­as que tam­bém ven­ce­ram a do­en­ça – se tor­nem ain­da mais co­muns no dia a dia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.