So­lu­ção em com­pri­mi­do

O uso de me­di­ca­men­tos po­de ser uma boa op­ção. En­ten­da

Segredos da Mente - - Índice - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS AU­GUS­TO BIASON/CO­LA­BO­RA­DOR DE­SIGN VA­NES­SA SUEISHI

Du­ran­te a dé­ca­da de 1990, uma dro­ga fez fa­ma nas fes­tas ra­ves, pri­mei­ro nos Es­ta­dos Uni­dos e se es­pa­lhan­do ra­pi­da­men­te pe­lo mun­do. Trans­for­ma­da em pó a par­tir de tran­qui­li­zan­tes de ca­va­lo e ga­to, na ba­la­da, seu no­me era Spe­ci­al K. Co­mo me­di­ca­ção, a subs­tân­cia de no­me ofi­ci­al ce­ta­mi­na pos­sui ca­rac­te­rís­ti­cas se­da­ti­vas e anal­gé­si­cas — não à toa, qu­an­do foi sin­te­ti­za­da pe­la pri­mei­ra vez, em 1962, foi uti­li­za­da no tra­ta­men­to de sol­da­dos nor­te-ame­ri­ca­nos du­ran­te a guer­ra do Vi­et­nã.

Mas, no sé­cu­lo 21, a ce­ta­mi­na (às ve­zes cha­ma­da que­ta­mi­na ou, co­mer­ci­al­men­te, Ke­ta­lar) vem pro­cu­ran­do es­pa­ço no mer­ca­do far­ma­cêu­ti­co de ou­tra for­ma: co­mo me­di­ca­men­to no com­ba­te à de­pres­são mai­or, in­clu­si­ve qu­an­do há o ris­co de sui­cí­dio. Es­sa no­va apli­ca­ção da subs­tân­cia pro­me­te re­vo­lu­ci­o­nar o tra­ta­men­to da do­en­ça. Di­fe­ren­te­men­te dos an­ti­de­pres­si­vos con­ven­ci­o­nais, que ge­ral­men­te começam a fa­zer efei­to após se­ma­nas ou me­ses de uso, o re­mé­dio po­de dar re­sul­ta­do em al­guns di­as ou mes­mo ho­ras. Além dis­so, os fár­ma­cos tra­di­ci­o­nais têm efi­cá­cia em ape­nas 58% dos pa­ci­en­tes, fren­te a 70% — en­tre os que já ten­ta­ram de tu­do — da no­va dro­ga.

En­tre­tan­to, o uso da ce­ta­mi­na em de­pres­si­vos ain­da não foi apro­va­do pe­lo ór­gão re­gu­la­dor nor­te-ame­ri­ca­no Fo­od and Drug Ad­mi­nis­tra­ti­on

( FDA). No Bra­sil, a Agên­cia Na­ci­o­nal de Vigilância Sa­ni­tá­ria (An­vi­sa) tam­bém não qua­li­fi­cou o me­di­ca­men­to, por­tan­to, seu uso ain­da é off

-la­bel, ou se­ja, pa­ra um fim não pre­vis­to na bu­la.

Do­en­ça co­mo qual­quer ou­tra

As­sim co­mo a mai­o­ria das do­en­ças, a de­pres­são pos­sui al­guns re­mé­di­os in­di­ca­dos pa­ra um tra­ta­men­to efi­ci­en­te. Por se tra­tar de um de­se­qui­lí­brio quí­mi­co no cé­re­bro, os me­di­ca­men­tos an­ti­de­pres­si­vos têm a fi­na­li­da­de de atu­ar di­re­ta­men­te nes­se pro­ble­ma. “Eles agem mo­di­fi­can­do a neu­ro­trans­mis­são, via de re­gra, au­men­tan­do a quan­ti­da­de de um ou mais neu­ro­trans- mis­so­res na fen­da si­náp­ti­ca. Além dis­so, ini­bem sua re­cap­tu­ra ou sua me­ta­bo­li­za­ção, fa­zen­do com que a dis­po­ni­bi­li­da­de des­tas mo­lé­cu­las se­ja mai­or”, co­men­ta o psi­qui­a­tra Adri­a­no Se­gal.

Gran­de va­ri­e­da­de

Atu­al­men­te, há di­ver­sas clas­ses de me­di­ca­men­tos dis­po­ní­veis no tra­ta­men­to da de­pres­são. Es­sa va­ri­e­da­de se dá de­vi­do às di­fe­ren­tes for­mas de ação das subs­tân­ci­as. “Os an­ti­de­pres­si­vos po­dem ser clas­si­fi­ca­dos de acor­do com a es­tru­tu­ra quí­mi­ca ou as pro­pri­e­da­des far­ma­co­ló­gi­cas”, ex­pli­ca o neu­ro­ci­en­tis­ta Aris­ti­des Bri­to. Is­so per­mi­tiu que ca­da re­mé­dio se­ja in­di­ca­do de­pen­den­do de al­guns fa­to­res, co­mo sin­to­mas, uso de ou­tros me­di­ca­men­tos, do­en­ças já exis­ten­tes, ida­de, pe­so cor­po­ral... Ou se­ja, o tra­ta­men­to tor­na-se mais in­di­vi­du­a­li­za­do.

Os pri­mei­ros me­di­ca­men­tos uti­li­za­dos no com­ba­te à de­pres­são sur­gi­ram em 1958, de­no­mi­na­dos tri­cí­cli­cos. Com uma es­tru­tu­ra apre­sen­tan­do um nú­cleo com três anéis — daí o no­me —, o re­mé­dio atua co­mo ini­bi­dor de re­cap­ta­ção de se­ro­to­ni­na e no­ra­dre­na­li­na e é mais efi­caz em ca­sos de de­pres­são crô­ni­ca ou pro­fun­da. Ele age ve­dan­do os neurô­ni­os, au­men­tan­do a

AN­TI­DE­PRES­SI­VOS ATRAPALHAM O SE­XO?

Um sin­to­ma mui­to co­mum nos qua­dros de­pres­si­vos é a per­da do ape­ti­te se­xu­al: até 50% dos pa­ci­en­tes que não são tra­ta­dos apre­sen­tam al­gu­ma dis­fun­ção re­la­ci­o­na­da ao se­xo. Com o acom­pa­nha­men­to mé­di­co, es­se sin­to­ma po­de me­lho­rar com o uso da te­ra­pia à ba­se de re­mé­di­os. No en­tan­to, o pro­ble­ma po­de aparecer exa­ta­men­te em quem faz o tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so. Cer­ca de 60% das pes­so­as que fa­zem o uso de an­ti­de­pres­si­vos afir­mam ter o ato se­xu­al com­pro­me­ti­do de­vi­do à in­ges­tão dos re­mé­di­os. Os efei­tos co­la­te­rais re­la­ci­o­na­dos à uti­li­za­ção de me­di­ca­men­tos po­dem al­te­rar qual­quer uma das três fa­ses do ci­clo de res­pos­ta se­xu­al: a li­bi­do, a ex­ci­ta­ção (lu­bri­fi­ca­ção na mu­lher e ere­ção no ho­mem) e o or­gas­mo. Mas nem tu­do é de­cep­ção qu­an­do o as­sun­to é a re­la­ção en­tre an­ti­de­pres­si­vos e se­xo. Por exem­plo, a bu­pro­pi­o­na, um prin­cí­pio ati­vo de re­mé­di­os pa­ra de­pres­são que pro­mo­ve o au­men­to de do­pa­mi­na no cé­re­bro, é re­cei­ta­da no com­ba­te à per­da de li­bi­do cau­sa­da por ou­tra clas­se, a ISRS.

As­sim co­mo a mai­o­ria das do­en­ças, a de­pres­são pos­sui al­guns re­mé­di­os in­di­ca­dos pa­ra um tra­ta­men­to efi­ci­en­te. Os an­ti­de­pres­si­vos, co­mo são cha­ma­dos, têm a fi­na­li­da­de de equi­li­brar os ní­veis quí­mi­cos do cé­re­bro.

atu­a­ção dos neu­ro­trans­mis­so­res. “De­vi­do às va­ri­a­das ações em ou­tros sis­te­mas, os tri­cí­cli­cos têm efei­tos ad­ver­sos que im­pe­dem seu uso mais ge­ne­ra­li­za­do, mas tam­bém po­dem apre­sen­tar efei­tos te­ra­pêu­ti­cos mais va­ri­a­dos”, ava­lia Adri­a­no. Uma se­gun­da clas­se de re­mé­di­os é a dos ini­bi­do­res da mo­no­a­mi­na oxi­da­se, mais co­nhe­ci­dos co­mo IMAO. Eles pro­mo­vem um au­men­to gra­du­al da dis­po­ni­bi­li­da­de da se­ro­to­ni­na, já que ini­bem a atu­a­ção da en­zi­ma res­pon­sá­vel pe­la de­gra­da­ção do neu­ro­trans­mis­sor que re­gu­la o hu­mor. Os IMAO são mais usa­dos pa­ra a de­pres­são mai­or e de lon­ga du­ra­ção. Mais re­cen­te­men­te, uma no­va fa­mí­lia de me­di­ca­men­tos foi in­tro­du­zi­da no mer­ca­do. Os ini­bi­do­res se­le­ti­vos da re­cap­ta­ção de se­ro­to­ni­na ( ISRS ou SSRI, na si­gla em in­glês) se di­fe­ren­ci­am pe­lo fa­to de in­ter­vi­rem di­re­ta­men­te no au­men­to do ní­vel de se­ro­to­ni­na, ao ini­bir a sua re­cap­tu­ra pe­lo neurô­nio pré- si­náp­ti­co, en­quan­to os mais an­ti­gos fi­ca­ram co­nhe­ci­dos pe­la atu­a­ção nos sis­te­mas de no­ra­dre­na­li­na. “As­sim, a se­ro­to­ni­na fi­ca mais dis­po­ní­vel pa­ra o cé­re­bro em si, fa­ci­li­tan­do a co­mu­ni­ca­ção en­tre o lo­bo frontal e o sis­te­ma lím­bi­co, além de fa­ci­li­tar a cri­a­ção de no­vos neurô­ni­os, o que reforça a ati­vi­da­de dos cir­cui­tos en­ce­fá­li­cos”, res­sal­ta Aris­ti­des. Con­tu­do, al­guns es­tu­dos su­ge­rem uma menor efe­ti­vi­da­de em re­la­ção às ou­tras ca­te­go­ri­as de an­ti­de­pres­si­vos, por is­so seu uso é in­di­ca­do ape­nas em de­pres­são mo­de­ra­da. Por ou­tro la­do, os ris­cos em­pre­ga­dos pe­los ISRS são me­no­res se com­pa­ra­dos às ou­tras clas­ses, o que con­tri­bui pa­ra que es­tes se­jam os mais re­cei­ta­dos atu­al­men­te em to­do o mun­do. Pa­ra o psi­qui­a­tra Adri­a­no Se­gal, es­ses “são os agen­tes mais usa­dos de­vi­do ao per­fil ade­qua­do de efi­cá­cia e to­le­ra­bi­li­da­de, além de mai­or fa­ci­li­da­de de uti­li­za­ção em re­la­ção às ou­tras clas­ses”.

De­pen­dên­cia?

Uma das gran­des dú­vi­das — e cau­sas do re­ceio em ade­rir ao tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so — é em re­la­ção à pos­si­bi­li­da­de de ví­cio cau­sa­do pe­lo uso dos an­ti­de­pres­si­vos. Um dos mo­ti­vos pa­ra es­sa ima­gem ne­ga­ti­va se dá pe­la uti­li­za­ção de an­si­o­lí­ti­cos no tra­ta­men­to à de­pres­são. Es­ses me­di­ca­men­tos têm a ca­pa­ci­da­de de con­tro­lar a an­si­e­da­de, in­du­zir o so­no e co­lo­car a pes­soa em es­ta­do hip­nó­ti­co. Os fár­ma­cos des­sa clas­se são em­pre­ga­dos ape­nas pe­lo tem­po ne­ces­sá­rio, já que agem em neu­ro­trans­mis­so­res di­fe­ren­tes dos an­ti­de­pres­si­vos, além de di­mi­nuí­rem al­gu­mas das ati­vi­da­des dos neurô­ni­os, sen­do ne­ces­sá­ri­os cui­da­dos mé­di­cos cons­tan­tes.

En­tre­tan­to, ga­ran­tem os es­pe­ci­a­lis­tas, os me­di­ca­men­tos an­ti­de­pres­si­vos não cau­sam tan­to pe­ri­go as­sim. Es­sa im­pres­são ruim das subs­tân­ci­as é cau­sa­da pe­la du­ra­ção do tra­ta­men­to, que dei­xa ape­nas uma sen­sa­ção de que re­al­men­te vi­ci­am. Se­gun­do o psi­qui­a­tra, “não há ne­nhu­ma des­cri­ção de abu­so, to­le­rân­cia ou de­pen­dên­cia em re­la­ção a eles”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.