Pre­ci­sa­mos fa­lar so­bre sui­cí­dio

As mor­tes au­to­pra­ti­ca­das cau­sam pre­o­cu­pa­ção nas au­to­ri­da­des da saú­de. Ve­ja mais in­for­ma­ções so­bre es­sa si­tu­a­ção ex­tre­ma

Segredos da Mente - - Índice - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TA FE­LI­PE MON­TEI­RO/CO­LA­BO­RA­DOR DE­SIGN BEATRIZ MARIGONDA DE ARAUJO/COLABORADORA

Em 2017, um se­ri­a­do es­ta­du­ni­den­se pro­du­zi­do pe­la Net­flix ge­rou po­lê­mi­ca ao abor­dar, em nar­ra­ti­va fic­tí­cia, a vi­da de uma ga­ro­ta do en­si­no mé­dio que co­me­teu sui­cí­dio. In­ti­tu­la­da 13 Re­a­sons Why, mes­mo no­me do li­vro que ins­pi­rou a tra­ma, ca­da epi­só­dio da sé­rie na pri­mei­ra tem­po­ra­da mostrou um mo­ti­vo pe­lo qual a per­so­na­gem ti­rou a pró­pria vi­da, os quais vão des­de bullying até vi­o­lên­cia se­xu­al. Na ten­ta­ti­va de re­tra­tar a re­a­li­da­de por trás dos te­mas, al­guns pon­tos fi­ca­ram aber­tos e ge­ra­ram a ne­ces­si­da­de de uma dis­cus­são mais pro­fun­da e de­ta­lha­da.

En­ten­der o so­fri­men­to

Se­gun­do da­dos do Sis­te­ma de In­for­ma­ção so­bre Mor­ta­li­da­de, ór­gão li­ga­do ao Mi­nis­té­rio da Saú­de, o ín­di­ce de sui­cí­di­os por ano, no Bra­sil, é de 11 mil. Des­ses, a mai­o­ria das ví­ti­mas tem en­tre 15 e 29 anos e é com­pos­ta por ho­mens. No en­tan­to, ana­li­sar es­ses da­dos é uma ta­re­fa com­ple­xa, uma vez que não exis­te um pa­no­ra­ma es­pe­cí­fi­co pa­ra sa­ber os mo­ti­vos que le­vam al­guém a che­gar a tal pon­to. O que se sa­be é que es­se ato ocor­re de­vi­do a uma cri­se di­fí­cil de li­dar com pro­ble­mas e con­fli­tos in­ter­nos, cu­jas mo­ti­va­ções po­dem ser va­ri­a­das.

É fa­to que al­guns ca­sos são as­so­ci­a­dos à de­pres­são ou trans­tor­no bi­po­lar, dis­túr­bi­os da men­te mais pro­pí­ci­os a le­var ao sui­cí­dio. En­tre­tan­to, mes­mo en­tre es­ses qua­dros, o nú­me­ro de in­di­ví­du­os que che­gam a se ma­tar é mi­no­ria. Além dis­so, pes­so­as com do­en­ças ter­mi­nais es­tão in­clu­sos nas es­ta­tís­ti­cas, bem co­mo aque­les que não apre­sen­tam pa­to­lo­gia al­gu­ma.

A psi­có­lo­ga Mary Sca­bo­ra ten­ta en­ten­der a si­tu­a­ção ao ex­pli­car que “não se tra­ta de um re­sul­ta­do de al­go ou de um even­to iso­la­do; en­vol­ve uma in­te­ra­ção com­ple­xa de mui­tos fa­to­res de or­dem bi­op­si­cos­so­ci­ais”. Ele­men­tos que po­dem es­tar atre­la­dos aos mo­ti­vos da mor­te são: pres­são in­ter­na cau­sa­do­ra de so­fri­men­to psi­co­ló­gi­co, sen­ti­men­tos guar­da­dos e não tra­ba­lha­dos e até abu­so de subs­tân­ci­as co­mo ál­co­ol e psi­co­a­ti­vos.

Ca­rac­te­rís­ti­cas

O in­di­ví­duo que pen­sa em co­me­ter sui­cí­dio po­de, al­gu­mas ve­zes, não apre­sen­tar tris­te­za ou de­ses­pe­ran­ça. Não é co­mo uma do­en­ça que ge­ra mar­cas ou que trans­for­ma os com­por­ta­men­tos de al­guém de for­ma brus­ca. Pe­lo con­trá­rio, cos­tu­ma agir gra­du­al e si­len­ci­o­sa­men­te no emo­ci­o­nal da pes­soa. Mas al­guns si­nais po­dem in­di­car que al­go es­tá er­ra­do e é pre­ci­so bus­car aju­da, ou so­cor­rer quem pas­sa por es­sa si­tu­a­ção de­li­ca­da.

Exis­tem três ca­rac­te­rís­ti­cas mar­can­tes em sui­ci­das que de­vem ser ana­li­sa­das. A pri­mei­ra é a am­bi­va­lên­cia, ou se­ja, as von­ta­des de es­ca­par dos pro­ble­mas e de man­ter-se vi­vo ocor­rem ao mes­mo tem­po – tra­ta-se de um ver­da­dei­ro du­e­lo de emo­ções pro­fun­das. Ou­tra mar­ca é a dos pen­sa­men­tos rí­gi­dos, na qual o sui­cí­dio é vis­to co­mo úni­ca ma­nei­ra de su­pe­rar um pro­ble­ma. Por fim, ou­tro atri­bu­to co­mum é da im­pul­si­vi­da­de, in­di­can­do si­tu­a­ções ne­ga­ti­vas que de­sen­ca­dei­am a de­ci­são de se ma­tar.

To­do es­se es­pec­tro, en­tre­tan­to, não é tão evi­den­te pa­ra lei­gos. Psi­có­lo­gos po­dem de­tec­tá-lo com mais fa­ci­li­da­de. Des­sa for­ma, é pre­ci­so uma aná­li­se mais ade­qua­da, pois, qua­dros clí­ni­cos de dis­túr­bi­os da men­te po­dem al­te­rar es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas e tor­nar a si­tu­a­ção mais com­ple­xa.

Re­co­nhe­ça

É im­por­tan­te fi­car aten­to ca­so al­guém pas­se por mu­dan­ças no com­por­ta­men­to, co­mo iso­la­men­to so­ci­al, alterações no so­no e no ape­ti­te, agi­ta­ção, sen­ti­men­tos de cul­pa e de­sâ­ni­mo, além de des­va­lo­ri­zar a pró­pria vi­da. Es­ses po­dem ser si­nais de ten­dên­cia ao sui­cí­dio. Di­fi­cul­da­des com me­mó­ria, con­cen­tra­ção e to­ma­da de de­ci­sões tam­bém acom­pa­nham es­ses in­di­ca­do­res.

A fa­la de um sui­ci­da po­de de­mons­trar su­as in­ten­ções. Ou­vir ma­ni­fes­ta­ções de que es­sas pes­so­as não ve­em mais alegria na vi­da ou que se­ria bom ca­so acon­te­ces­se al­go com elas e até que de­se­ja­ri­am mor­rer pa­ra se li­vrar dos pro­ble­mas são al­guns exem­plos. Em ca­sos de trans­tor­nos psi­có­ti­cos, os pa­ci­en­tes cos­tu­mam não fa­lar so­bre is­so, pois apre­sen­tam di­fi­cul­da­des em ex­pres­sar o que ocor­re den­tre de si.

Uma ca­rac­te­rís­ti­ca mar­can­te no com­por­ta­men­to de quem pen­sa em ti­rar a vi­da é a ela­bo­ra­ção de tal ato. Es­ses in­di­ví­du­os po­dem or­ga­ni­zar su­as vi­das fi­nan­cei­ras pa­ra não ge­rar da­nos à fa­mí­lia e, al­gu­mas ve­zes, des­pe­dem-se de ma­nei­ra ve­la­da dos en­tes mais que­ri­dos. Há ca­sos em que se en­con­tra uma car­ta na qual a pes­soa re­la­ta seu es­ta­do men­tal, des­cul­pa-se pe­lo que es­tá fa­zen­do e até ex­põe os fa­to­res que le­va­ram a ti­rar a vi­da.

Iden­ti­fi­car quem tem pro­pen­são a co­me­ter sui­cí­dio po­de não ser ta­re­fa fá­cil, uma vez que os si­nais ci­ta­dos po­dem pas­sar des­per­ce­bi­dos. To­da­via, uma es­tru­tu­ra fa­mi­li­ar sau­dá­vel po­de as­se­gu­rar me­lho­res con­di­ções de vi­da pa­ra aque­les que pas­sam por es­sa si­tu­a­ção. Mas é pre­ci­so in­for­ma­ção pa­ra re­co­nhe­cer os in­di­ca­do­res, além de de­ba­te so­bre si­tu­a­ções de pres­são e uma cul­tu­ra de fa­lar so­bre os sen­ti­men­tos pa­ra que se ga­ran­ta um qua­dro po­si­ti­vo pa­ra o fu­tu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.