Co­nhe­cer pa­ra cui­dar

Fa­lar so­bre o te­ma sig­ni­fi­ca es­cla­re­cer dú­vi­das e pre­ve­nir ocor­rên­ci­as

Segredos da Mente - - Índice - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TA FE­LI­PE MON­TEI­RO/CO­LA­BO­RA­DOR DE­SIGN BEATRIZ MARIGONDA DE ARAUJO/COLABORADORA CON­SUL­TO­RIA Mary Sca­bo­ra, psi­có­lo­ga.

Li­dar com al­gum dis­túr­bio da men­te po­de pa­re­cer uma jor­na­da so­li­tá­ria, já que a fal­ta de co­nhe­ci­men­to é fon­te de pre­con­cei­to e ex­clu­são. En­tre­tan­to, exis­tem ca­mi­nhos que po­dem ofe­re­cer am­pa­ro a quem en­fren­ta es­sa si­tu­a­ção. Con­tar com os fa­mi­li­a­res tam­bém é uma ma­nei­ra de ga­nhar apoio emo­ci­o­nal pa­ra se­guir em fren­te, mas é pre­ci­so que as pes­so­as pró­xi­mas es­te­jam ins­truí­das de co­mo pro­ce­der no so­cor­ro.

En­ten­der é pre­ci­so

Uma das for­mas de pre­ve­nir os da­nos li­ga­dos à de­pres­são é bus­car in­for­ma­ção so­bre o as­sun­to. Com­pre­en­der co­mo a do­en­ça se ma­ni­fes­ta e seus efei­tos so­bre o pa­ci­en­te é im­por­tan­te pa­ra sa­ber li­dar com o en­te qu­e­ri­do, bem co­mo apoiá-lo nas si­tu­a­ções diá­ri­as. Sem co­nhe­ci­men­to so­bre o as­sun­to, mui­tos er­ros po­dem ser co­me­ti­dos e, com is­so, cau­sar da­nos a quem con­vi­ve com o trans­tor­no.

Um am­bi­en­te emo­ci­o­nal equi­li­bra­do é uma for­ma efi­ci­en­te de au­xí­lio. Con­tar com um nú­cleo fa­mi­li­ar aco­lhe­dor é es­sen­ci­al, já que “pa­ren­tes e ami­gos têm um pa­pel fun­da­men­tal no tra­ta­men­to e no pro­ces­so de cu­ra, pois tra­ta-se de um trans­tor­no in­ca­pa­ci­tan­te que afeta to­das as áre­as da vi­da da pes­soa”, co­mo ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Mary Sca­bo­ra.

Ou­tro as­pec­to fun­da­men­tal é o diá­lo­go. Em al­guns qua­dros, a pes­soa que tem o dis­túr­bio po­de não ex­por seus sen­ti­men­tos. Por­tan­to, é pre­ci­so con­ver­sar aber­ta­men­te nes­ses ca­sos, sem jul­ga­men­tos nem idei­as pré-con­ce­bi­das. Ou­vir o de­sa­ba­fo já é um pas­so a ca­mi­nho do tra­ta­men­to e do alí­vio das do­res emo­ci­o­nais.

Al­go que po­de ocor­rer com frequên­cia e de­ve ser evitado são as crí­ti­cas e as co­bran­ças. Apon­tar pro­ble­mas no com­por­ta­men­to de al­guém em es­ta­do emo­ci­o­nal de­pri­mi­do não aju­da em sua me­lho­ra, pe­lo con­trá­rio, po­de tor­nar o in­di­ví­duo mais re­traí­do. Co­brar me­lho­ras, em­pe­nho no tra­ta­men­to ou que te­nha po­si­ti­vi­da­de tam­bém são ações ine­fi­ci­en­tes. Li­dar com o trans­tor­no emo­ci­o­nal é do­lo­ri­do e re­quer es­for­ço, por is­so, as exi­gên­ci­as po­dem ge­rar blo­quei­os.

Tra­ta­men­to

Ao no­tar os si­nais de de­pres­são, a pri­mei­ra coi­sa a ser fei­ta é bus­car aju­da pro­fis­si­o­nal. O pa­ci­en­te pre­ci­sa de psi­co­te­ra­pia pa­ra apren­der a res­sig­ni­fi­car os sen­ti­men­tos, li­dar com pro­ble­mas diá­ri­os e apren­der me­ca­nis­mos de pre­ven­ção. É im­por­tan­te sa­ber, en­tre as li­nhas de atu­a­ção da psi­co­te­ra­pia, qual se en­cai­xa me­lhor pa­ra de­ter­mi­na­dos per­fis. Além dis­so, se­rá ne­ces­sá­rio au­xí­lio de psi­qui­a­tras que in­di­ca­rão a me­di­ca­ção mais ade­qua­da pa­ra o qua­dro. Os re­mé­di­os ini­bem sin­to­mas e co­la­bo­ram com os efei­tos da te­ra­pia psi­co­ló­gi­ca.

Um dos fa­to­res que po­de di­fi­cul­tar a bus­ca por tra­ta­men­to é a re­cu­sa do in­di­ví­duo. Nos ca­sos de trans­tor­nos da men­te, é co­mum que as pes­so­as não as­su­mam ter al­gum pro­ble­ma ou que pre­ci­sam de aju­da. Par­te dis­so se de­ve por sin­to­mas do dis­túr­bio. Po­rém, a psi­co­fo­bia (dis­cri­mi­na­ção con­tra in­di­ví­du­os com tais dis­túr­bi­os) infelizmente ain­da é re­a­li­da­de em nos­sa so­ci­e­da­de.

A psi­có­lo­ga Mary Sca­bo­ra co­men­ta que “a saú­de men­tal ain­da é mui­to ne­gli­gen­ci­a­da no Bra­sil, o que tem co­mo con­sequên­cia o pre­con­cei­to em re­la­ção às ques­tões li­ga­das a saú­de men­tal e emo­ci­o­nal”. Por mais que ha­ja te­ra­pia na re­de pú­bli­ca de saú­de, é ra­ro ver cam­pa­nhas que es­cla­re­çam a po­pu­la­ção quan­to ao as­sun­to. Uma fon­te de in­for­ma­ção e am­pa­ro são os gru­pos de apoio; ne­les é pos­sí­vel en­con­trar aju­da tan­to pa­ra o pa­ci­en­te co­mo pa­ra os fa­mi­li­a­res.

Co­mo o tra­ta­men­to pro­fis­si­o­nal é es­sen­ci­al, não po­de­ria es­tar res­tri­to a pe­que­nos gru­pos. Pa­ra quem não pos­sui mui­tos re­cur­sos, o Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS) pos­sui pro­fis­si­o­nais que po­dem ofe­re­cer as­sis­tên­cia; há tam­bém o Cen­tro de Aten­ção Psi­cos­so­ci­al (CAPS), que são uni­da­des de aten­di­men­to a in­di­ví­du­os com trans­tor­nos da men­te. Já nas ci­da­des que con­tam com cen­tros uni­ver­si­tá­ri­os, é pos­sí­vel en­con­trar psi­có­lo­gos e psi­qui­a­tras com pre­ços re­du­zi­dos ou até gra­tui­ta­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.