So­lu­ci­o­nan­do os pro­ble­mas

Mes­mo sen­do um ca­mi­nho di­fí­cil de ser ven­ci­do, o trans­tor­no de acu­mu­la­ção pos­sui di­ver­sas op­ções de tra­ta­men­to a se­rem uti­li­za­dos

Segredos da Mente - - SUMÁRIO -

Con­fi­ra os tra­ta­men­tos mais in­di­ca­dos no com­ba­te ao dis­túr­bio acu­mu­la­ti­vo

Gra­ças à po­pu­la­ri­da­de dos pro­gra­mas de te­le­vi­são que abor­dam o te­ma, o Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção (TA) pa­re­ce ocor­rer com in­ci­dên­cia ca­da vez mai­or. Cla­ro que há um la­do po­si­ti­vo em to­da es­sa divulgação, ten­do em vis­ta que quan­to mais pro­du­ções a res­pei­to des­sa te­má­ti­ca fo­rem exi­bi­das, mais as pes­so­as sa­be­rão da exis­tên­cia do qua­dro. En­tre­tan­to, é pre­ci­so que se apre­sen­te es­se dis­túr­bio de uma pers­pe­ti­va re­al, mos­tran­do quais são as di­fi­cul­da­des vi­ven­ci­a­das pe­los pacientes e quais são os de­sa­fi­os en­fren­ta­dos pa­ra ven­cer a do­en­ça.

Ape­sar de não ser um ca­mi­nho fá­cil, exis­tem di­ver­sos tra­ta­men­tos ca­pa­zes de aju­dar no com­ba­te ao trans­tor­no da acu­mu­la­ção. Mas, pa­ra que eles se­jam re­a­li­za­dos é pri­mei­ro ne­ces­sá­rio que o pa­ci­en­te iden­ti­fi­que e ad­mi­ta o pro­ble­ma em si mes­mo. “Em al­guns ca­sos os pacientes com TA po­dem su­bes­ti­mar a gra­vi­da­de dos seus sin­to­mas, di­fi­cul­tan­do a bus­ca pe­lo tra­ta­men­to ade­qua­do”, ex­pli­ca o psi­có­lo­go Di­e­go Ra­fa­el Sch­midt. Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, is­so acon­te­ce por­que o juí­zo crí­ti­co da pes­soa é pre­ju­di­ca­do pe­lo trans­tor­no. “Na mai­o­ria das ve­zes, a iden­ti­fi­ca­ção des­se dis­túr­bio é tão di­fí­cil quan­to o seu tra­ta­men­to, pois am­bas as al­ter­na­ti­vas en­vol­vem um cer­to grau de mo­ti­va­ção por par­te do acumulador”, acres­cen­ta Di­e­go. A boa no­tí­cia é que, de acor­do com a li­te­ra­tu­ra es­pe­ci­a­li­za­da, há re­sul­ta­dos pro­mis­so­res na te­ra­pêu­ti­ca da acu­mu­la­ção quan­do há o en­ga­ja­men­to dos in­di­ví­du­os.

Ca­da ca­so, um ca­so

Gran­de par­te da di­fi­cul­da­de na com­pre­en­são do trans­tor­no acu­mu­la­ti­vo se de­ve a es­cas­sez de in­for­ma­ções so­bre a do­en­ça. Tan­to é ver­da­de que os es­pe­ci­a­lis­tas nem mes­mo che­ga­ram a um con­sen­so so­bre a quan­ti­da­de de pacientes que apre­sen­tam es­se dis­túr­bio. Al­guns pro­fis­si­o­nais es­ti­mam que o va­lor es­te­ja en­tre 4% e 6% da po­pu­la­ção mun­di­al – al­go que re­pre­sen­ta por vol­ta de 280 a 420 mi­lhões de in­di­ví­du­os.

To­da es­sa pre­ca­ri­e­da­de im­pos­si­bi­li­ta me­lho­res com­pro­va­ções a res­pei­to dos tra­ta­men­tos mais in­di­ca­dos. O que se sa­be é que ca­da pes­soa apre­sen­ta par­ti­cu­la­ri­da­des em seu di­ag­nós­ti­co, ne­ces­si­tan­do de uma ava­li­a­ção in­di­vi­du­al pa­ra ini­ci­ar seu pro­ces­so cu­ra­ti­vo. E o prin­ci­pal re­cur­so que vem sen­do uti­li­za­do so­bre o TA é a Terapia cog­ni­ti­vo com­por­ta­men­tal.

Usan­do o TCC

Es­sa é a abre­vi­a­ção do no­me da te­ra­pêu­ti­ca. Ela se ba­seia na in­ter­pre­ta­ção pessoal do in­di­ví­duo bus­can­do res­sig­ni­fi­car seu com­por­ta­men­to a fa­vor da cu­ra. Tal atitude per­mi­te ao pa­ci­en­te re­fle­tir so­bre as con­sequên­ci­as de seus há­bi­tos, des­co­brin­do co­mo atu­ar me­di­an­te eles, ate­nu­an­do, as­sim, seus efei­tos.

En­tre­tan­to, é co­mum que a acu­mu­la­ção es­te­ja as­so­ci­a­da a ou­tras do­en­ças co­mo a es­qui­zo­fre­nia, o Trans­tor­no ob­ses­si­vo-com­pul­si­vo (TOC) e a de­pres­são. Des­sa for­ma, po­de ser ne­ces­sá­rio que, con­jun­ta­men­te à TCC, se­jam re­cei­ta­dos me­di­ca­men­tos pa­ra o con­tro­le sin­to­má­ti­co. Os fár­ma­cos re­cor­ren­te­men­te apli­ca­dos são tran­qui­li­zan­tes ou an­ti­de­pres­si­vos. “No en­tan­to, é im­por­tan­te res­sal­tar que, pa­ra o su­ces­so do tra­ta­men­to, faz-se ne­ces­sá­rio uma prá­ti­ca mul­ti­pro­fis­si­o­nal, con­tan­do com o au­xí­lio de psi­có­lo­gos, as­sis­ten­tes so­ci­ais e en­fer­mei­ros, além do mé­di­co psi­qui­a­tra”, co­men­ta a psi­có­lo­ga clí­ni­ca, Ales­san­dra de Fá­ti­ma Cruz Leão.

Bo­as al­ter­na­ti­vas

Ou­tra op­ção que po­de ser ex­plo­ra­das no ge­ren­ci­a­men­to do TA é a terapia do es­que­ma. De­sen­vol­vi­da pe­lo psi­có­lo­go es­ta­du­ni­den­se Jef­frey E. Young, es­sa téc­ni­ca uniu di­ver­sas con­cep­ções de ou­tras te­ra­pêu­ti­cas, com o ob­je­ti­vo de ex­plo­rar os pen­sa­men­tos in­di­vi­du­ais do pa­ci­en­te. Ela per­mi­te que o acumulador, por exem­plo, de­ses­tru­tu­re sua re­a­li­da­de, tor­nan­do-a me­nos rí­gi­da à sua aná­li­se. Es­sa atitude des­cons­trói cer­tos pa­drões dis­fun­ci­o­nais que, ao de­cor­rer do tem­po, com­pro­me­tem a saú­de men­tal.

Mas não são so­men­te as abor­da­gens clás­si­cas que es­tão sen­do apli­ca­das nos tra­ta­men­tos. Di­ver­sos pro­fis­si­o­nais afir­mam que as te­ra­pi­as al­ter­na­ti­vas tam­bém são ca­pa­zes de ge­rar re­sul­ta­dos po­si­ti­vos no com­ba­te a acu­mu­la­ção. Ve­ja a se­guir al­gu­mas de­las. • Aro­ma­te­ra­pia tra­di­ci­o­nal e aro­ma­te­ra­pia vi­bra­ci­o­nal: se­gun­do a My­ri­am Ba­ral­dos, aro­ma­te­ra­peu­ta e psi­ca­na­lis­ta, os óle­os es­sen­ci­ais agem no in­cons­ci­en­te in­di­vi­du­al, au­xi­li­an­do na cons­ci­en­ti­za­ção. “A quí­mi­ca des­sas subs­tân­ci­as atua no cé­re­bro e aju­da

“Na mai­o­ria das ve­zes, a iden­ti­fi­ca­ção des­se dis­túr­bio é tão di­fí­cil quan­to o seu tra­ta­men­to, pois am­bas as al­ter­na­ti­vas en­vol­vem um cer­to grau de mo­ti­va­ção por par­te do pa­ci­en­te” Di­e­go Ra­fa­el Sch­midt, psi­có­lo­go

a pes­soa a res­pon­der de for­ma mais pon­tu­al e tran­qui­la”, ex­pli­ca a pro­fis­si­o­nal.

• Terapia uti­li­zan­do Pro­gra­ma­ção Neu­ro­lin­guís­ti­ca: de acor­do com My­ri­am, por meio das pa­la­vras, a neu­ro­ci­ên­cia com­pro­va que o cé­re­bro re­co­nhe­ce a pos­si­bi­li­da­de de efe­tu­ar mu­dan­ças em si, re­sol­ven­do seus con­fli­tos in­ter­nos.

• Cons­te­la­ção Fa­mi­li­ar: nes­sa me­to­do­lo­gia, o in­di­ví­duo ana­li­sa o sis­te­ma no qu­al es­tá in­se­ri­do e sua for­ma de atu­a­ção, pos­si­bi­li­tan­do que­brar as per­cep­ções de me­do, rai­va, tris­te­za e per­das que o afli­gem.

• Hip­no­te­ra­pia: es­sa téc­ni­ca bus­ca tra­ba­lhar a cons­ci­en­ti­za­ção do pa­ci­en­te so­bre o pro­ble­ma que o atin­ge. So­men­te de­pois des­sa au­tor­re­fle­xão é que ele es­ta­rá ap­to a cui­dar de sua do­en­ça. “As téc­ni­cas abor­dam o de­sen­vol­vi­men­to da or­ga­ni­za­ção e da dis­ci­pli­na men­tal. Além dis­so, tam­bém apos­ta na con­ta­bi­li­za­ção das mu­dan­ças bem-su­ce­di­das, in­cen­ti­van­do o acumulador a con­ti­nu­ar o tra­ta­men­to", con­ta a hip­no­te­ra­peu­ta clí­ni­ca, Lu­ci­e­ne Li­ma.

In­de­pen­den­te­men­te da abor­da­gem a ser uti­li­za­da, é fun­da­men­tal que o pa­ci­en­te se­ja au­xi­li­a­do a co­nhe­cer seus sin­to­mas e a sua con­di­ção atu­al. “Apren­der so­bre o seu di­ag­nós­ti­co po­de fa­ci­li­tar a ade­são ao tra­ta­men­to e a me­lho­ra dos sin­to­mas, fa­vo­re­cen­do a qua­li­da­de de vida do in­di­ví­duo”, fi­na­li­za o psi­có­lo­go Di­e­go Sch­midt.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.