Ca­da coi­sa em seu lu­gar

Quan­do al­go pa­re­ce es­tar fo­ra do ei­xo, tal­vez se­ja o mo­men­to de pa­rar e ini­ci­ar a or­ga­ni­za­ção de sua vida

Segredos da Mente - - SUMÁRIO -

Ini­ci­ar a or­ga­ni­za­ção de seus per­ten­ces po­de ser uma boa ma­nei­ra de vol­tar a ter con­tro­le de sua ro­ti­na

Q uan­tos pa­péis im­por­tan­tes já se per­de­ram em meio às ga­ve­tas de­sar­ru­ma­das ou ba­gun­ças in­to­ca­das? Ou, co­mo a acu­mu­la­ção – não ne­ces­sa­ri­a­men­te o trans­tor­no – já atra­pa­lhou seus pla­nos?

Es­ses ques­ti­o­na­men­tos le­vam à re­fle­xão não ape­nas so­bre a for­ma co­mo or­ga­ni­zar a ro­ti­na e os ma­te­ri­ais, mas tam­bém co­mo es­tru­tu­rar o co­ti­di­a­no. Às ve­zes, uma sim­ples mu­dan­ça no dia a dia é ca­paz de pro­por­ci­o­nar gran­des re­sul­ta­dos na men­te dos acumuladores. “Ser or­ga­ni­za­do é uma for­ma de ex­pres­sar sua au­to­es­ti­ma, se le­var a sé­rio e cui­dar da pró­pria vida. É uma ma­nei­ra de olhar pra si mes­mo, de­fi­nir o que é im­por­tan­te e de­li­mi­tar on­de de­se­ja-se che­gar”, afir­ma a psi­có­lo­ga Már­cia Or­si.

O po­der da mu­dan­ça

“Eu nas­ci as­sim, eu cres­ci as­sim, e sou mes­mo as­sim, vou ser sem­pre as­sim”, e men­tal­men­te vo­cê com­ple­ta:

Ga­bri­e­la. Di­fe­ren­te des­se tre­cho con­sa­gra­do pe­la música in­ter­pre­ta­da por Gal Cos­ta, é pos­sí­vel se abrir pa­ra no­vas ações. Quan­do se fa­la em or­ga­ni­za­ção, é fa­to que exis­tem ca­rac­te­rís­ti­cas na­tas. Por exem­plo, há quem ar­ru­ma o pró­prio guarda-rou­pa pen­san­do em ca­da es­ta­ção cli­má­ti­ca e tam­bém quem dei­xa qu­a­se to­das as ves­ti­men­tas pen­du­ra­das em uma ca­dei­ra.

A or­ga­ni­za­ção é um com­bi­na­do de há­bi­tos e mé­to­dos cons­truí­dos no dia a dia que po­dem au­xi­li­ar o de­sem­pe­nho pro­fis­si­o­nal e pessoal do in­di­ví­duo. Lu­cas San­tos, co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em ges­tão do tem­po e pro­du­ti­vi­da­de, con­ta que, se­gun­do a psi­co­te­ra­peu­ta e ame­ri­ca­na Mar­cel­la Mo­ran, o pro­ces­so do en­si­no da or­ga­ni­za­ção nas cri­an­ças é ne­ces­sá­rio por­que o lobo fron­tal (par­te do cé­re­bro res­pon­sá­vel pe­la or­ga­ni­za­ção e pla­ne­ja­men­to) es­tá em de­sen­vol­vi­men­to nes­sa fa­se da vida. “Di­an­te dis­so, vi­mos que, des­de nos­sa in­fân­cia, te­mos a pos­si­bi­li­da­de de aci­o­nar ou não, com mais ou me­nos frequên­cia, nos­so cé­re­bro, pa­ra que se­ja­mos pes­so­as or­ga­ni­za­das”, co­men­ta o co­a­ch.

Sen­do as­sim, ser or­ga­ni­za­do ou não é par­te de um pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to e de mu­dan­ça de há­bi­tos a par­tir da cons­ci­en­ti­za­ção dos be­ne­fí­ci­os de se ter uma vida or­ga­ni­za­da. “En­tão, se uma pes­soa se con­si­de­ra de­sor­ga­ni­za­da ou acu­mu­la­do­ra, po­de mu­dar es­se qua­dro a par­tir da von­ta­de e de ações que a pos­si­bi­li­tem cri­ar com­por­ta­men­tos or­ga­ni­za­dos”, com­ple­men­ta Lu­cas.

Ar­ru­man­do tu­do

In­di­ví­du­os or­ga­ni­za­dos são, na mai­or par­te das ve­zes, mais de­ter­mi­na­dos e fo­ca­dos em seus ob­je­ti­vos, bus­can­do por re­sul­ta­dos di­fe­ren­ci­a­dos. O pla­ne­ja­men­to e de­fi­ni­ção da­qui­lo que é ou não im­por­tan­te é um pas­so es­sen­ci­al pa­ra quem de­se­ja as­su­mir es­sa pos­tu­ra. “A or­ga­ni­za­ção tam­bém é uma for­ma de ama­du­re­ci­men­to. É co­mo to­mar res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre a pró­pria vida, di­ri­gi-la e não dei­xá-la à mer­cê”, con­ta Már­cia Or­si.

Den­tre os be­ne­fí­ci­os na or­ga­ni­za­ção, es­tão a eco­no­mia de tem­po e di­nhei­ro, a re­du­ção dos ní­veis de es­tres­se e frus­tra­ção, além de mo­men­tos com as pes­so­as e ati­vi­da­des que lhe pro­por­ci­o­nam pra­zer. Des­sa for­ma, se vo­cê acre­di­ta que é um acumulador, mas ain­da não se iden­ti­fi­ca com o trans­tor­no men­tal, tal­vez uma mu­dan­ça na for­ma co­mo vi­ve sua ro­ti­na po­de ser um gran­de pas­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.