Tes­te

Res­pon­da às per­gun­tas e des­cu­bra se es­tá na ho­ra de pro­cu­rar aju­da pa­ra se li­vrar de al­guns per­ten­ces

Segredos da Mente - - SUMÁRIO -

Des­cu­bra se o trans­tor­no es­tá co­me­çan­do a se tor­nar uma re­a­li­da­de em sua vida

N ão há ne­nhum pro­ble­ma ter aque­le re­ceio de per­der um com­pro­van­te de de­pó­si­to ban­cá­rio ou o cer­ti­fi­ca­do de ga­ran­tia de al­gum ele­tro­do­més­ti­co com­pra­do. De­pen­den­do da oca­sião, cer­ta­men­te es­ses do­cu­men­tos po­de­rão ser úteis e po­de va­ler ape­na guar­dá- los. Con­tu­do, exis­te uma gran­de di­fe­ren­ça en­tre ar­ma­ze­nar es­se ti­po de arquivo e acu­mu­lar to­do e qu­al­quer pa­pel­zi­nho re­ce­bi­do na rua. Es­sa dis­tin­ção po­de ser um dos in­di­ca­ti­vos ca­pa­zes de aler­tar pa­ra o Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção ( TA).

É por is­so que, com o au­xí­lio de pro­fis­si­o­nais da saú­de, ela­bo­ra­mos um ques­ti­o­ná­rio par afa­zer vo­cê re­fle­tir so­bre o seu con­su­mo ma­te­ri­al e per­ce­ber se o TA es­tá pró­xi­mo de seu dia a dia. É im­por­tan­te res­pon­der as per­gun­tas com to­tal sin­ce­ri­da­de e lem­brar que es­se tes­te não pre­ten­de agir co­mo um di­ag­nós­ti­co, e sim uma fer­ra­men­ta de aná­li­se às ati­tu­des in­di­vi­du­ais.

• Vo­cê pos­sui ob­je­tos que não usa há um, dois, três ou cin­co anos?

Ve­ri­fi­que se aque­les uten­sí­li­os guar­da­dos são re­al­men­te re­le­van­tes, se es­tão em bo­as con­di­ções de uso e pos­su­em uma fun­ção on­de es­tão.

• Vo­cê tem me­do de jo­gar fo­ra em­ba­la­gens, pa­péis ou eti­que­tas e sen­tir fal­ta de­les de­pois?

O ape­go a ob­je­tos des­car­tá­veis po­de ser um in­dí­cio de que a acu­mu­la­ção es­tá pró­xi­ma.

• Os seus ma­te­ri­ais acu­mu­la­dos cos­tu­mam for­mar gran­des bagunça?

Mui­tas ve­zes, a vi­são de ou­tra pes­soa é mais cla­ra do que a sua.

• É di­fí­cil or­ga­ni­zar seus ob­je­tos por­que vo­cê tem mui­ta coi­sa?

Se a res­pos­ta pa­ra es­sa questão for “sim”, o que acha de se des­fa­zer de al­gu­mas des­sas pe­ças?

• Al­gu­ma pes­soa pró­xi­ma já re­cla­mou de sua de­sor­ga­ni­za­ção?

A vi­são de al­guém que­ri­do po­de ser­vir de aler­ta so­bre o pro­ble­ma.

• O há­bi­to de guar­dar coisas cos­tu­ma atra­pa­lhar sua vida pessoal, so­ci­al ou pro­fis­si­o­nal?

É co­mum que a acu­mu­la­ção oca­si­o­ne se­que­las em di­ver­sos as­pec­tos do co­ti­di­a­no dos pacientes.

• Vo­cê gosta de re­ce­ber pes­so­as em sua ca­sa?

O me­do so­bre o que ou­tros in­di­ví­du­os vão pen­sar so­bre aque­la de­sor­ga­ni­za­ção aju­da a afas­tar os en­tes queridos da ro­ti­na do acumulador – agra­van­do o qua­dro.

• Vo­cê se de­sa­pe­ga fa­cil­men­te de su­as rou­pas?

Até mes­mo as pe­ças an­ti­gas que não ser­vem mais ou es­tão est ra­ga­das cont inu­am pre­sen­tes em seu guarda- rou­pa? Aten­ção a es­se com­por­ta­men­to!

• Vo­cê se sen­te an­gus­ti­a­do quan­do pre­ci­sa jo­gar al­gum ob­je­to fo­ra?

A afei­ção ex­tre­ma a ob­je­tos sem ut i l ida­de é um dos prin­ci­pais sin­to­mas dos acumuladores.

• Vo­cê tem di­fi­cul­da­de em achar do­cu­men­tos im­por­tan­tes em meio à de­sor­ga­ni­za­ção de seus per­ten­ces?

Até mes­mo ob­je­tos im­por­tan­tes pa­ra a sua vida se en­con­tram per­di­dos em meio a sua bagunça? Es­te é mais um aler­ta pa­ra o TA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.