Timidez

A ori­gem des­se tra­ço de per­so­na­li­da­de ain­da es­tá em pes­qui­sa, po­rém os es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos já mos­tram a im­por­tân­cia das pes­so­as tí­mi­das na so­ci­e­da­de

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO Fe­li­pe Monteiro/Co­la­bo­ra­dor De­sign be­a­triz ma­ri­gon­da de arau­jo/co­la­bo­ra­do­ra

Mes­mo con­si­de­ra­do um pro­ble­ma às ve­zes, ser in­tro­ver­ti­do po­de se tor­nar um be­ne­fí­cio

Ter que fa­lar em pú­bli­co, co­nhe­cer al­guém novo, fler­tar, en­tre ou­tras si­tu­a­ções so­ci­ais, po­de cau­sar cer­to em­ba­ra­ço pa­ra al­gu­mas pes­so­as. A timidez é uma ma­ni­fes­ta­ção de me­do e an­si­e­da­de em re­la­ção a de­ter­mi­na­das circunstâncias e, até cer­to pon­to, uma reação na­tu­ral do ser hu­ma­no. Po­rém, de on­de vem es­sa sen­sa­ção de aca­nha­men­to? Por que al­guns con­se­guem su­pe­rá-la sem com­pli­ca­ções em de­tri­men­to da­que­les que so­frem com ela? As res­pos­tas po­dem es­tar na neu­ro­ci­ên­cia e na psi­co­lo­gia.

Ori­gem do cons­tran­gi­men­to

Su­do­re­se ex­ces­si­va, tre­me­dei­ra le­ve e in­con­tro­lá­vel, bo­ca se­ca, uma pres­são na bo­ca do estô­ma­go... são to­dos sinais que po­dem apa­re­cer em qual­quer pes­soa que te­nha que pas­sar por uma si­tu­a­ção so­ci­al des­co­nhe­ci­da. Es­se des­con­for­to acaba pa­ra­li­san­do os in­tro­ver­ti­dos, que por não con­se­gui­rem lidar com es­se mal-es­tar, de­sen­vol­vem fo­bia so­ci­al. Já ou­tros in­di­ví­du­os têm uma res­pos­ta mais sú­til ao cons­tran­gi­men­to e tra­ba­lham seu aca­nha­men­to de ma­nei­ra na­tu­ral.

A fon­te da di­fe­ren­ça en­tre os dois gru­pos ain­da es­tá sen­do pes­qui­sa­da. Com ba­se em resultados ob­ti­dos de pes­qui­sas da neu­ro­ci­ên­cia e da psi­co­lo­gia, che­gou-se a dois pa­no­ra­mas. O pri­mei­ro é o de ori­gem genética e fi­si­o­ló­gi­ca, ou se­ja, ser tí­mi­do tem re­la­ção com a cons­ti­tui­ção do cé­re­bro. Já ou­tro olhar so­bre o te­ma abor­da a for­ma­ção da cri­an­ça fren­te ao am­bi­en­te em que cres­ce.

Um es­tu­do re­a­li­za­do pe­la Uni­ver­si­da­de de Mary­land, nos Es­ta­dos Uni­dos ( EUA), com­pro­vou que exis­te uma re­la­ção en­tre os ge­nes 5-HTT, conhecidos co­mo pro­mo­to­res do trans­por­te da se­ro­to­ni­na (neu­ro­trans­mis­sor li­ga­do à fe­li­ci­da­de e eu­fo­ria). Uma mu­ta­ção nes­sa par­te do DNA tor­na­ria as pes­so­as pro­pen­sas a se­rem mais tí­mi­das e de­sen­vol­ve­rem fo­bia so­ci­al.

Es­sa con­clu­são di­a­lo­ga com uma aná­li­se re­a­li­za­da pe­lo psi­có­lo­go Je­ro­me Ka­gan, da Uni­ver­si­da­de de Har­vard ( EUA), que apon­tou uma re­la­ção en­tre a su­pe­res­ti­mu­la­ção da amíg­da­la ce­re­bral e do hi­po­cam­po, re­giões res­pon­sá­veis pe­las emo­ções. Uma quan­ti­da­de ex­ces­si­va de se­ro­to­ni­na nes­ses nú­cle­os do cé­re­bro pro­vo­ca as re­a­ções de timidez.

Por ou­tro la­do, se­gun­do a psi­co­lo­gia, a ori­gem do com­por­ta­men­to tí­mi­do es­tá na re­la­ção en­tre a for­ma­ção da es­tru­tu­ra psi­co­ló­gi­ca da cri­an­ça e o am­bi­en­te com o qual con­vi­ve. Uma com­po­si­ção fa­mi­li­ar com pais mui­to se­ve­ros ou in­do­len­tes de­mais, por exem­plo, não pro­por­ci­o­na um de­vi­do desenvolvimento da au­to­es­ti­ma e da se­gu­ran­ça, o que po­de de­sen­ca­de­ar a timidez. Fa­to­res es­tres­san­tes ou trau­mas vi­vi­dos na in­fân­cia tam­bém po­dem con­tri­buir pa­ra es­se aca­nha­men­to.

Orgulho tí­mi­do

Al­guns tra­tam a timidez co­mo um blo­queio de per­so­na­li­da­de que não per­mi­te de­sen­vol­ver as ha­bi­li­da­des so­ci­ais; por is­so, ve­em a ne­ces­si­da­de de cor­re­ção. Há, ain­da, a vi­são so­ci­al do­mi­nan­te que atre­la aca­nha­men­to a in­su­ces­so e ex­clu­são. En­tre­tan­to, es­se mo­do de pen­sar é pre­ju­di­ci­al e acaba des­per­di­çan­do mui­to do po­ten­ci­al de tí­mi­dos ta­len­to­sos.

Se­gun­do um es­tu­do re­a­li­za­do pe­lo psi­có­lo­go Ron Ra­pee da Uni­ver­si­da­de de Mac­qua­rie, nos Es­ta­dos Uni­dos, pes­so­as com uma per­so­na­li­da­de mais re­traí­da cos­tu­mam de­sen­vol­ver um con­jun­to de atri­bu­tos po­si­ti­vos. Den­tre as qua­li­da­des, des­ta­cam-se uma gran­de sen­si­bi­li­da­de, um for­te sen­so de ho­nes­ti­da­de e a ca­pa­ci­da­de de em­pa­tia. Es­sa pes­qui­sa apon­tou tam­bém que in­di­ví­du­os com es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas cos­tu­mam se­guir pro­fis­sões da saú­de e do ze­lo com o pró­xi­mo, co­mo en­fer­ma­gem e cui­da­dor de ido­sos.

O psi­có­lo­go chinês Xinyin Chen re­la­ta em sua te­se pa­ra a Uni­ver­si­da­de da Pen­sil­vâ­nia ( EUA) que o con­tex­to cul­tu­ral tam­bém de­ter­mi­na a acei­ta­ção e va­lo­ri­za­ção da timidez. Em gru­pos so­ci­ais in­di­vi­du­a­lis­tas, co­mo gran­de par­te dos paí­ses oci­den­tais, tal tra­ço de per­so­na­li­da­de po­de ser vis­to co­mo um de­fei­to. Po­rém, so­ci­e­da­des com sen­so co­mu­ni­tá­rio for­te, co­mo Chi­na e Co­reia, va­lo­ri­zam os tí­mi­dos por se­rem bons em res­pei­ta­rem os pa­drões co­le­ti­vos.

Co­la­bo­ran­do com as idei­as de in­clu­são e aco­lhi­men­to de in­di­ví­du­os com tem­pe­ra­men­to mais aca­nha­do, di­ver­sos ar­tis­tas têm se ma­ni­fes­ta­do so­bre sua timidez. Em en­tre­vis­ta ao jor­nal es­ta­du­ni­den­se The Washing­ton Post, o can­tor bri­tâ­ni­co Mor­ris­sey dis­se que, ape­sar de não ter su­pe­ra­do des­se com­por­ta­men­to, du­ran­te sua vi­da, foi ca­paz de com­pro­var que o mun­do se­ria um lu­gar me­nos pi­e­do­so sem pes­so­as tí­mi­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.