Só tristeza?

Mes­mo sen­do uma do­en­ça sé­ria que po­de tra­zer di­ver­sos pre­juí­zos à vi­da do pa­ci­en­te, se­gun­do a ci­ên­cia, é pos­sí­vel ti­rar al­guns pon­tos po­si­ti­vos da de­pres­são

Segredos da Mente - - Editorial - Tex­to Gi­o­va­ne Ro­cha En­tre­vis­tas Au­gus­to Bi­a­son e Victor San­tos/Co­la­bo­ra­do­res De­sign jo­se­ma­ra nas­ci­men­to

Ape­sar de ser um trans­tor­no pre­o­cu­pan­te, é pos­sí­vel ab­sor­ver ele­men­tos van­ta­jo­sos da de­pres­são

Mais de 300 milhões de pes­so­as no mun­do: es­se é o nú­me­ro di­vul­ga­do pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) em re­la­ção aos ca­sos de de­pres­são em nos­so pla­ne­ta. Além des­sa in­for­ma­ção alar­man­te, o dis­túr­bio é um dos mai­o­res res­pon­sá­veis pe­los sui­cí­di­os, que ho­je, de acor­do com a ins­ti­tui­ção, che­gam a uma mé­dia de 800 mil por ano, o que ca­rac­te­ri­za o ato co­mo a se­gun­da cau­sa de mor­te mais co­mum en­tre ado­les­cen­tes de 15 anos e adul­tos com 29 anos de ida­de. En­tão, sen­do a de­pres­são uma do­en­ça com da­dos e con­sequên­ci­as tão sé­ri­os, co­mo en­xer­gar o “la­do bom” des­sa ex­pe­ri­ên­cia que pre­ju­di­ca a saú­de fí­si­ca e mental?

Ape­go emo­ci­o­nal

Ape­sar de es­sa ex­pres­são nor­mal­men­te in­di­car uma re­la­ção sen­ti­men­tal po­si­ti­va com al­go im­por­tan­te, pa­ra os de­pres­si­vos, a ba­lan­ça pe­sa mais pa­ra um as­pec­to ne­ga­ti­vo. O que o in­di­ví­duo com o qua­dro faz, se­gun­do a mes­tre em psi­co­lo­gia Mau­ra Al­ba­ne­si, é co­gi­tar de­mais. “Ele pen­sa nos prós e con­tras, e tu­do is­so, às ve­zes, não o co­lo­ca em ação”, ex­pli­ca. E a es­pe­ci­a­lis­ta in­di­ca es­se mo­men­to de re­fle­xão co­mo o pon­to positivo da de­pres­são, uma vez que, em de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções, é pre­ci­so se vol­tar pa­ra dentro de si mes­mo pa­ra en­con­trar uma solução, se­ja em re­la­ção a uma mu­dan­ça de vi­da ou à me­lhor saí­da pa­ra um pro­ble­ma.

Con­tu­do, es­sa ru­mi­na­ção po­de ser um fa­tor trai­ço­ei­ro do dis­túr­bio, pois a pes­soa fi­ca tão imer­sa em seus próprios de­va­nei­os “que, de­pois, não en­con­tra for­ças pa­ra sair. Se ‘mer­gu­lhar’ e pro­lon­gar de­mais, ele se tor­na pa­to­ló­gi­co”.

Adap­ta­ção na­tu­ral?

Des­de seus pri­mór­di­os, os se­res hu­ma­nos evo­luí­ram tan­to em ní­vel mental co­mo fí­si­co — is­so não é no­vi­da­de pa­ra a ci­ên­cia. Ape­sar de nem to­do es­se desenvolvimento ter tra­zi­do van­ta­gens pa­ra a es­pé­cie, co­mo acon­te­ceu com a an­si­e­da­de (saiba mais na pá­gi­na 8), pes­qui­sa­do­res acre­di­tam que ou­tros pro­ces­sos evo­lu­ti­vos te­nham se tor­na­do po­si­ti­vos. Por exem­plo, no ca­so da de­pres­são.

Com is­so em men­te, es­tu­di­o­sos da Uni­ver­si­da­de McMas­ter e do Centro de Es­tu­dos so­bre Ví­cio e Saú­de Mental, am­bos no Ca­na­dá, há pou­cos anos, in­ves­ti­ga­ram as pos­si­bi­li­da­des adap­ta­ti­vas do trans­tor­no com um ar­ti­go pu­bli­ca­do no pe­rió­di­co PLOS ONE. Pa­ra iden­ti­fi­car e aju­dar pes­so­as que es­tão com di­fi­cul­da­des em lidar com seus pro­ble­mas, os es­pe­ci­a­lis­tas for­mu­la­ram e ad­mi­nis­tra­ram um ques­ti­o­ná­rio pa­ra exa­mi­nar a ru­mi­na­ção ana­lí­ti­ca (um dos prin­ci­pais tra­ços da do­en­ça) em cer­ca de 600 vo­lun­tá­ri­os. Os pro­fis­si­o­nais acre­di­tam que tal sin­to­ma, a exem­plo da de­pres­são, te­nha sur­gi­do pa­ra aju­dar o cé­re­bro a re­sol­ver ad­ver­si­da­des mais gra­ves, co­lo­can­do me­nos ener­gia em ou­tros fa­to­res es­sen­ci­ais pa­ra o bem-es­tar, co­mo so­no, ali­men­ta­ção e re­la­ções so­ci­ais.

E as aná­li­ses so­bre o “la­do bom” do trans­tor­no não pa­ram por aí. Com uma pu­bli­ca­ção no Jour­nal of Beha­vi­or The­rapy and Ex­pe­ri­men­tal Psy­chi­a­try, pes­qui­sa­do­res do de­par­ta­men­to de psi­co­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de Je­na, na Ale­ma­nha, che­ga­ram à con­clu­são que sintomas da de­pres­são fa­ci­li­tam a per­cep­ção de que um ob­je­ti­vo é ina­tin­gí­vel. Pa­ra che­gar a tal en­ten­di­men­to, os ci­en­tis­tas apli­ca­ram um tes­te em 40 in­di­ví­du­os de­pres­si­vos e 38 sau­dá­veis. A ava­li­a­ção con­sis­tiu na solução de ana­gra­mas (exer­cí­cio que con­sis­te na for­ma­ção de mais palavras ou fra­ses a par­tir de ou­tras) com e sem res­pos­tas. Nas ati­vi­da­des im­pos­sí­veis, os vo­lun­tá­ri­os com de­pres­são gas­ta­ram me­nos tem­po ten­tan­do re­sol­vê-las. Em re­la­ção aos ana­gra­mas com re­so­lu­ção, não hou­ve di­fe­ren­ça no pe­río­do gas­to en­tre os dois gru­pos.

Po­rém, mes­mo com tais ava­li­a­ções in­di­can­do uma vi­são oti­mis­ta so­bre a de­pres­são, a ci­ên­cia ain­da res­sal­ta a gra­vi­da­de da do­en­ça e a ne­ces­si­da­de da bus­ca por um au­xí­lio mé­di­co.

É dis­túr­bio, não sen­ti­men­to

Can­sa­ço mental, falta de motivação, hu­mor de­pres­si­vo, ir­ri­ta­bi­li­da­de, insô­nia e re­du­ção da li­bi­do são ape­nas al­guns dos sintomas que di­fe­ren­ci­am a do­en­ça da tristeza. Tais sinais são ge­ra­dos por uma al­te­ra­ção quí­mi­ca no or­ga­nis­mo, prin­ci­pal­men­te pe­la pro­du­ção des­re­gu­la­da da se­ro­to­ni­na (neu­ro­trans­mis­sor res­pon­sá­vel pe­lo equi­lí­brio do hu­mor, so­no, en­tre ou­tras fun­ções), dei­xan­do a fra­se “vo­cê es­tá tris­te, lo­go pas­sa” in­vá­li­da pa­ra quem pos­sui o trans­tor­no. Ape­sar de es­se sen­ti­men­to fa­zer par­te do di­ag­nós­ti­co, “na sua for­ma mais gra­ve, a de­pres­são po­de fa­zer com que a pes­soa te­nha sen­ti­men­tos sui­ci­das ou sim­ples­men­te com que quei­ra, pro­po­si­tal­men­te, cor­rer pe­ri­gos cons­tan­tes”, alerta a psi­có­lo­ga Mo­ni­ca Pes­sa­nha.

Por is­so, ao per­ce­ber o apa­re­ci­men­to des­ses tra­ços em con­jun­to, é fun­da­men­tal pro­cu­rar um mé­di­co psi­qui­a­tra pa­ra que ocor­ra a de­vi­da iden­ti­fi­ca­ção da con­di­ção e, pos­te­ri­or­men­te, o tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so e psi­co­te­ra­pêu­ti­co.

Res­pos­ta in­te­ri­or

Mui­tas das di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das du­ran­te a vi­da, se­jam elas de­ri­va­das da de­pres­são ou não, po­de­ri­am ser evi­ta­das por meio do au­to­co­nhe­ci­men­to. Por mais que os re­mé­di­os se­jam in­di­ca­dos por psi­qui­a­tras pa­ra o tra­ta­men­to do qua­dro, se a pes­soa “não sou­ber exa­ta­men­te qual é a cau­sa, o que a fez en­trar e quais são os me­ca­nis­mos que ela mes­ma pos­sui pa­ra po­der sair des­se es­ta­do de­pres­si­vo (ou me­lhor, não dei­xar que is­so to­me con­ta da vi­da de­la), ela não con­se­gui­rá su­pe­rar”, ava­lia Mau­ra de Al­ba­ne­si.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.