Co­po meio cheio

En­xer­gar a vi­da de uma for­ma mais po­si­ti­va tem be­ne­fí­ci­os re­ais tan­to pa­ra a men­te quan­to pa­ra o cé­re­bro. En­ten­da co­mo de­sen­vol­ver sua po­si­ti­vi­da­de

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Gi­o­va­ne Ro­cha de­si gn jo­se­ma­ra nas­ci­men­to

En­ten­da co­mo o pen­sa­men­to positivo po­de ser de­ci­si­vo no be­mes­tar diá­rio

Pen­sar positivo é mui­to mais do que um sim­ples con­se­lho de li­vros de au­to­a­ju­da ou de al­guém que não sa­be mais o que fa­lar pa­ra ani­mar vo­cê. Acre­di­te ou não, seu cé­re­bro é di­re­ta­men­te afe­ta­do pe­lo ní­vel da sua po­si­ti­vi­da­de e es­pe­ci­a­lis­tas com­pro­vam es­se fa­to.

Além de tra­zer à to­na emo­ções e sen­ti­men­tos bons, por exem­plo, ale­gria e es­pe­ran­ça, pen­sar positivo, co­mo afir­ma a psi­có­lo­ga Ch­ris­ti­a­ne Vi­lhe­na, “co­lo­ca em ação a bus­ca por no­vos e me­lho­res ân­gu­los, am­plia a vi­são por­que in­ci­de em sua fle­xi­bi­li­za­ção, au­men­ta pa­drões e al­te­ra a fun­ci­o­na­li­da­de ce­re­bral”.

Es­tru­tu­ras ce­re­brais

An­tes de fa­lar so­bre co­mo a po­si­ti­vi­da­de atua no seu cé­re­bro, é ne­ces­sá­rio des­ta­car as di­fe­ren­ças en­tre pen­sar positivo e se sen­tir positivo. Quan­do vo­cê co­lo­ca na ca­be­ça que pre­ci­sa, por exem­plo, ter mais cau­te­la ao to­mar al­gu­ma de­ci­são, “aci­o­na os sis­te­mas cog­ni­ti­vos que for­mam os pen­sa­men­tos, co­mo os apren­di­dos pe­la es­co­la­ri­za­ção ou me­mo­ri­za­ção”, in­di­ca o neu­ro­lo­gis­ta Mar­tin Port­ner.

Por ou­tro la­do, se o as­sun­to são os sen­ti­men­tos po­si­ti­vos, co­mo o al­truís­mo e a ad­mi­ra­ção, ou­tras es­tru­tu­ras ce­re­brais es­tão en­vol­vi­das. O pro­fis­si­o­nal apon­ta que es­ses cir­cui­tos neu­ro­ló­gi­cos “in­clu­em o sis­te­ma lím­bi­co, a ín­su­la e o gi­ro cin­gu­la­do an­te­ri­or, além da li­ga­ção com neurô­ni­os que ope­ram na in­ti­mi­da­de do cór­tex pré-fron­tal”. Is­so ocor­re de­vi­do à ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va ser me­nos “po­ten­te” do que a emo­ci­o­nal no cé­re­bro. “Na prá­ti­ca, to­da a ação – ou de­ci­são in­ter­na – ba­se­a­da em sen­ti­men­tos fun­ci­o­na me­lhor do que o pen­sar positivo”, fi­na­li­za o neu­ro­lo­gis­ta.

Co­po meio va­zio

As­sim co­mo pen­sar e se sen­tir positivo afe­tam o cé­re­bro, o opos­to tam­bém ocor­re. Ou se­ja, ter uma car­ga de pes­si­mis­mo e pen­sa­men­tos ne­ga­ti­vos po­de sa­bo­tar seu dia a dia por pre­ju­di­car as fun­ções ce­re­brais. Quan­do vo­cê fi­ca com um pé atrás, seu or­ga­nis­mo se pre­pa­ra pa­ra is­so, e o res­pon­sá­vel é o sis­te­ma ner­vo­so sim­pá­ti­co, que co­lo­ca o cor­po em es­ta­do de alerta, dei­xan­do-o pron­to pa­ra a de­fe­sa.

No mo­men­to de perigo, é es­ti­mu­la­da a pro­du­ção de hormô­ni­os co­mo a adre­na­li­na e a no­ra­dre­na­li­na, au­men­tan­do a pres­são ar­te­ri­al e des­per­tan­do sintomas re­la­ci­o­na­dos ao es­tres­se e à an­si­e­da­de. Po­rém, o pro­ble­ma ocor­re se, em vez de um me­ca­nis­mo de­fen­si­vo, as re­a­ções ex­tra­po­lam, de­sen­ca­de­an­do uma sé­rie de emo­ções ne­ga­ti­vas que, em ex­ces­so, tor­nam-se no­ci­vas à saú­de con­for­me es­ses pen­sa­men­tos são cul­ti­va­dos. Se vo­cê vi­ve ir­ri­ta­do e en­xer­ga mais o la­do ne­ga­ti­vo no co­ti­di­a­no, saiba que é pos­sí­vel apre­sen­tar, co­mo alerta a es­pe­ci­a­lis­ta em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal Se­ma­dar Marques, “uma pro­du­ção exa­ge­ra­da do hormô­nio cor­ti­sol, o que traz di­ver­sos pro­ble­mas ao cor­po, co­mo per­da de me­mó­ria, ir­ri­ta­ção e en­fra­que­ci­men­to do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co”.

Por o pes­si­mis­mo ter um ca­rá­ter sen­ti­men­tal, ele es­tá li­ga­do à amíg­da­la ce­re­bral, ao hi­po­cam­po e ao cin­gu­la­do pos­te­ri­or. “Es­sas re­giões es­tão ati­vas quan­do es­ta­mos em mo­do ru­mi­na­ção, tra­zen­do à aten­ção lem­bran­ças ne­ga­ti­vas, de­sa­gra­dá­veis e der­ro­tas so­fri­das ao lon­go da vi­da”, es­cla­re­ce Mar­tin Port­ner. O es­ta­do de ru­mi­na­ção pro­mo­ve uma co­mu­ni­ca­ção ex­ces­si­va de cir­cui­tos ce­re­brais, o que le­va o in­di­ví­duo a pen­sar de­mais em um pro­ble­ma sem con­se­guir en­con­trar uma solução pa­ra tal. Em ca­sos mais ex­tre­mos, is­so tam­bém po­de le­var a qua­dros gra­ves de de­pres­são (saiba mais na pá­gi­na 10).

Van­ta­gens

Além de apre­sen­tar efei­tos que aju­dam na sua ro­ti­na, a in­ter­ven­ção da po­si­ti­vi­da­de no mo­do de pen­sar po­de ser útil até pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da de quem en­fren­ta dis­túr­bi­os men­tais, co­mo trans­tor­nos an­si­o­sos e de­pres­si­vos. Is­so por­que a ne­ga­ti­vi­da­de “po­de nos pa­ra­li­sar e cri­ar uma ro­ta neu­ro­nal ne­ga­ti­va que, man­ti­da no tem­po, é pos­sí­vel le­var à de­pres­são emo­ci­o­nal”, afir­ma o pa­les­tran­te mo­ti­va­ci­o­nal Ra­fe­ek Al­ber­to­ni.

Uma vez que es­tes são qua­dros re­la­ci­o­na­dos, prin­ci­pal­men­te, às emo­ções, a po­si­ti­vi­da­de aju­da no sen­ti­do de au­xi­li­ar a se des­pren­der de frus­tra­ções ou sen­ti­men­tos que pos­sam re­a­vi­var um trau­ma ou ati­var ou­tro ga­ti­lho que de­sen­ca­deia os sintomas em ques­tão. Ao di­re­ci­o­nar um olhar mais com­pre­en­si­vo pa­ra si mes­mo, bus­can­do o au­to­co­nhe­ci­men­to e a acei­ta­ção, “nos tor­na­mos

“Não se tra­ta de ig­no­rar um pro­ble­ma ou uma dor, mas de se que­rer ou não ado­tar uma ati­tu­de re­so­lu­ti­va di­an­te de­les” Ch­ris­ti­a­ne Vi­lhe­na, psi­có­lo­ga

capazes de com­pre­en­der, pro­fun­da­men­te, que o on­tem e o ama­nhã não exis­tem; o ago­ra é o úni­co mo­men­to pos­sí­vel, por­tan­to, é pre­ci­so des­fru­tá-lo e tor­ná-lo o mais pra­ze­ro­so e pro­du­ti­vo pos­sí­vel”, elu­ci­da He­loí­sa Ca­pe­las, es­pe­ci­a­lis­ta em au­to­co­nhe­ci­men­to e in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal.

Va­le res­sal­tar que es­se es­ti­lo de pen­sa­men­to é ape­nas um aden­do aos tra­ta­men­tos me­di­ca­men­to­sos e te­ra­pi­as mais con­ven­ci­o­nais de trans­tor­nos neu­ro­ló­gi­cos.

Es­ti­mu­le a po­si­ti­vi­da­de

É im­por­tan­te ter em men­te que, no dia a dia, não há co­mo ter con­tro­le to­tal so­bre to­das as si­tu­a­ções e pos­sí­veis ad­ver­si­da­des. Con­tu­do, o que es­tá ao seu al­can­ce é a es­co­lha de co­mo lidar com ca­da um des­ses mo­men­tos e não ig­no­rar as di­fi­cul­da­des. "Não se tra­ta de ne­gar um pro­ble­ma ou uma dor, mas de se que­rer ou não ado­tar uma ati­tu­de re­so­lu­ti­va di­an­te de­les”, ex­põe Ch­ris­ti­a­ne Vi­lhe­na. Mar­tin Port­ner in­di­ca a me­di­ta­ção mind­ful

ness pa­ra es­ti­mu­lar a po­si­ti­vi­da­de, além de ser con­si­de­ra­da uma for­ma de tra­ta­men­to efi­caz pa­ra an­si­e­da­de e de­pres­são. A prá­ti­ca, se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, “aju­da a re­gu­lar o es­ta­do de fo­co mental que man­tém o pes­si­mis­mo à dis­tân­cia”.

Ou­tro meio de pen­sar mais positivo é não ter re­ceio de ex­pres­sar o que sen­te. “Cul­ti­ve vín­cu­los nos quais su­as emo­ções se­jam acei­tas e res­pei­ta­das, as­sim co­mo su­as escolhas”, acon­se­lha Se­ma­dar.

Por fim, te­nha cer­te­za do que faz bem a vo­cê e pro­cu­re fi­car cer­ca­do da­qui­lo. “Se idei­as con­trá­ri­as vi­e­rem à men­te quan­do vo­cê pen­sar nis­so, lem­bre-se: pen­sa­men­tos po­dem ser mo­di­fi­ca­dos. Vo­cê me­re­ce fa­zer o que lhe faz bem. In­vis­ta nis­so”, com­ple­ta a es­pe­ci­a­lis­ta em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal. Por is­so, pro­cu­re de­sen­vol­ver seu fo­co, pois, ao fo­car nos as­pec­tos po­si­ti­vos, neu­ro­trans­mis­so­res re­la­ci­o­na­dos às sen­sa­ções de bem-es­tar e pra­zer, por exem­plo, a do­pa­mi­na, com­ba­tem os hormô­ni­os es­tres­so­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.