O pa­pel do in­cons­ci­en­te

A psi­ca­ná­li­se mos­trou que a intuição é al­go mui­to além dos sen­ti­men­tos. Mas co­mo a per­cep­ção atua na men­te hu­ma­na?

Segredos da Mente - - Editorial -

Qu­al é a re­la­ção en­tre a men­te hu­ma­na e o pro­ces­so de per­cep­ção

A in­da que car­re­gue al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas de so­bre­na­tu­ral ou di­vi­na, a intuição é com­pro­va­da pe­la ci­ên­cia co­mo um pro­ces­so da men­te hu­ma­na – com­ple­xo e ain­da pas­sí­vel de ques­ti­o­na­men­tos. No en­tan­to, sa­be-se que o in­cons­ci­en­te pos­sui um pa­pel de­ter­mi­nan­te nas de­ci­sões e es­co­lhas que to­ma­mos sem mui­ta ra­zão, ape­nas pe­la sen­sa­ção de es­tar cer­to. Aliás, é jus­ta­men­te fo­ra dos do­mí­ni­os da ra­ci­o­na­li­da­de que a per­cep­ção atua. Os mo­vi­men­tos psí­qui­cos

Uma das ca­rac­te­rís­ti­cas da intuição é seu ca­rá­ter ime­di­a­to, di­re­to, em que a com­pre­en­são se ex­ter­na sem uma pro­va con­cre­ta ou por meio do ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co. “A per­cep­ção da intuição se ba­seia em pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes e su­bli­mi­na­res, abrin­do a pos­si­bi­li­da­de de pre­vi­são de no­vos ca­mi­nhos ad­vin­dos in­clu­si­ve do in­cons­ci­en­te co­le­ti­vo, ge­ran­do um sa­ber que o in­di­ví­duo não iden­ti­fi­ca de on­de veio ou co­mo foi cons­truí­do, mas que ne­le sur­giu tor­nan­do-se consciente”, afir­ma a psi­có­lo­ga Adri­a­na Sch­nei­der.

Por con­ta des­sa “au­sên­cia de ra­zão”, Sig­mund Freud, o pai da psi­ca­ná­li­se, acre­di­ta­va que a

intuição era uma for­ma de co­mu­ni­ca­ção di­re­ta de in­cons­ci­en­te a in­cons­ci­en­te, sem qual­quer pre­sen­ça da cons­ci­ên­cia hu­ma­na. Es­se pro­ces­so ti­nha um ca­rá­ter não ver­bal e ocor­ria na re­la­ção ana­lí­ti­ca e, prin­ci­pal­men­te, em nível afe­ti­vo. Es­se é um dos mo­ti­vos pe­los quais se en­ten­de que a per­cep­ção é co­nhe­ci­da tam­bém co­mo a “voz do co­ra­ção”.

Mas foi o psi­qui­a­tra suí­ço Carl Gus­tav Jung, um dos prin­ci­pais dis­cí­pu­los de Freud, que es­tu­dou mais a fun­do a re­la­ção en­tre a intuição e o in­cons­ci­en­te. Em um de seus es­tu­dos, Jung cons­ta­tou que ha­via mui­tas di­fe­ren­ças in­di­vi­du­ais na psi­co­lo­gia de ca­da ser hu­ma­no e, con­se­quen­te­men­te, a ma­nei­ra co­mo ca­da pes­soa se re­la­ci­o­na com os fa­tos co­ti­di­a­nos tam­bém se dis­tin­gue.

Des­sa ma­nei­ra, Jung propôs que o ser hu­ma­no pos­sui du­as ati­tu­des, a in­tro­ver­ti­da e a ex­tro­ver­ti­da, que re­gem a ma­nei­ra co­mo nos re­la­ci­o­na­mos com o ob­je­to de in­te­res­se. Mas são os qua­tro mo­vi­men­tos psí­qui­cos, os mo­dos pe­los quais ca­da um re­gis­tra as ex­pe­ri­ên­ci­as de vi­da e re­a­ge a elas, que são pre­pon­de­ran­tes: pen­sa­men­to, sen­ti­men­to, sen­sa­ção e intuição.

“A intuição de­cor­re de um pro­ces­so in­cons­ci­en­te, da­do que o seu re­sul­ta­do é uma ideia sú­bi­ta, a ir­rup­ção de um con­teú­do in­cons­ci­en­te na cons­ci­ên­cia” Carl Gus­tav Jung, em sua obra A Na­tu­re­za da Psi­que

O lo­cal da de­ci­são

E qu­al o pa­pel do sis­te­ma ner­vo­so em re­la­ção à intuição? Uma das áre­as do cé­re­bro mais en­vol­vi­das nes­se pro­ces­sa­men­to é o cór­tex pré-frontal. Es­ta re­gião é res­pon­sá­vel por pra­ti­ca­men­te to­dos os pro­ces­sos men­tais e cog­ni­ti­vos mais com­ple­xos, co­mo ex­pres­são de per­so­na­li­da­de, do com­por­ta­men­to so­ci­al e a to­ma­da de de­ci­sões – di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­da à per­cep­ção.

É no cór­tex pré-frontal on­de acon­te­cem as cha­ma­das “fun­ções exe­cu­ti­vas”. Co­mo a to­ma­da de ações de­pen­de fun­da­men­tal­men­te do en­ten­di­men­to hu­ma­no se uma coi­sa é boa ou ruim, es­sa re­gião é a res­pon­sá­vel por ava­li­ar o am­bi­en­te em que se to­ma a de­ci­são e até mes­mo es­ta­be­le­cer al­gum con­tro­le do pen­sa­men­to ca­so se­ja ne­ces­sá­rio.

A psi­có­lo­ga Eva­ni San­tos res­sal­ta, no en­tan­to, que o cór­tex pré-frontal é a es­tru­tu­ra mais mo­ro­sa em re­la­ção ao ama­du­re­ci­men­to. “De cer­ta for­ma, is­to po­de ex­pli­car por­que as pes­so­as mais jo­vens to­mam de­ci­sões im­pen­sa­das, sem uti­li­zar a ca­pa­ci­da­de da intuição. As­sim co­mo acon­te­ce nos so­nhos, é as­si­mi­la­da de ma­nei­ra sim­bó­li­ca, a par­tir de flashes ou de uma re­a­li­da­de re­ta­lha­da, e ca­da um in­ter­pre­ta sua sim­bo­lo­gia de ma­nei­ra sub­je­ti­va”, pon­tua.

Ou­tra es­tru­tu­ra que es­tá re­la­ci­o­na­da com a intuição é a glân­du­la pi­ne­al. Lo­ca­li­za­da na re­gião cen­tral do cé­re­bro, é res­pon­sá­vel pe­la pro­du­ção de me­la­to­ni­na, um hormô­nio de­ri­va­do da se­ro­to­ni­na que re­gu­la pa­drões de so­no. Con­tu­do, acre­di­ta-se que ela te­nha um pa­pel re­la­ci­o­na­do à es­pi­ri­tu­a­li­da­de, já que, quan­do es­ti­mu­la­da, tor­na a pes­soa mais sen­sí­vel ao meio. Is­so au­men­ta sua ca­pa­ci­da­de de per­ce­ber as emo­ções e as ener­gi­as do am­bi­en­te.

Tais fun­ções da cons­ci­ên­cia, ex­pli­ca Adri­a­na, re­la­ci­o­nam-se en­tre si em cer­to nível de flui­dez, e ca­da pes­soa é ca­paz de ex­pe­ri­men­tá-las sem a ne­ces­si­da­de de se fi­xar em uma de­las. “Se­gun­do Jung, a sen­sa­ção nos diz que al­go exis­te, e o pen­sa­men­to nos diz o que é es­se al­go. O sen­ti­men­to é que dá va­lor, um pro­pó­si­to, e a intuição nos mos­tra as vá­ri­as pos­si­bi­li­da­des das si­tu­a­ções e coi­sas, do que fa­zer com es­se al­go, ou se­ja, ela nos ori­en­ta pa­ra o fu­tu­ro e pa­ra a re­so­lu­ção de de­sa­fi­os ou pro­ble­mas”, res­sal­ta.

Foi es­ta ex­pres­são que o psi­qui­a­tra suí­ço uti­li­zou pa­ra fa­zer uma com­pa­ra­ção com a intuição. Ela se­ria uma fun­ção psí­qui­ca em que a per­cep­ção dos fa­tos ocor­re por meio do in­cons­ci­en­te. Pa­ra is­so, o ser hu­ma­no se va­le dos cin­co sen­ti­dos pa­ra ob­ter uma res­pos­ta a de­ter­mi­na­do acon­te­ci­men­to, mas que não de­pen­de ne­ces­sa­ri­a­men­te da re­a­li­da­de con­cre­ta. Is­so acon­te­ce, co­mo es­cre­veu Jung em sua obra A Na­tu­re­za da Psi­que, “no in­cons­ci­en­te en­con­tra­mos tam­bém as qua­li­da­des que não fo­ram ad­qui­ri­das in­di­vi­du­al­men­te, mas são her­da­das, ou se­ja, os ins­tin­tos en­quan­to im­pul­sos des­ti­na­dos a pro­du­zir ações que re­sul­tam de uma ne­ces­si­da­de in­te­ri­or, sem uma mo­ti­va­ção consciente”. A intuição se­ria a ir­rup­ção de um con­teú­do in­cons­ci­en­te no âm­bi­to da cons­ci­ên­cia, ou, co­mo des­cre­ve o au­tor, uma “per­cep­ção in­cons­ci­en­te”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.