Intuição no dia a dia

Se­ja no tra­ba­lho ou nas re­la­ções pes­so­ais, co­lo­car a intuição em prá­ti­ca po­de aju­dar nas su­as es­co­lhas do dia a dia

Segredos da Mente - - Editorial -

Se­ja no tra­ba­lho ou nas re­la­ções pes­so­ais, ela po­de ser fundamental nas es­co­lhas

Di­an­te de tan­tas de­ci­sões que pre­ci­sam ser to­ma­das na vi­da, uma aju­da é sem­pre bem-vin­da. A intuição tal­vez não ga­ran­ta que vo­cê es­co­lha a op­ção cor­re­ta, mas é um au­xí­lio im­por­tan­te pa­ra eli­mi­nar al­gu­mas al­ter­na­ti­vas pou­co se­gu­ras. En­ten­da co­mo seu sex­to sen­ti­do po­de ser de­ter­mi­nan­te em vá­ri­os as­pec­tos do dia a dia, as­sim co­mo co­lo­cá-lo em ação quan­do mais precisar.

Apoio di­fe­ren­ci­al

Não são ra­ras as si­tu­a­ções em que pre­ci­sa­mos re­cor­rer à per­cep­ção pa­ra fa­zer uma es­co­lha, já que não te­mos in­for­ma­ções so­bre tu­do. “A intuição po­de e de­ve ser uti­li­za­da no dia a dia de to­da pes­soa, se­ja no seu as­pec­to pes­so­al ou pro­fis­si­o­nal, es­pe­ci­al­men­te pa­ra ana­li­sar ce­ná­ri­os e to­mar de­ci­sões quan­do exis­tem pou­cos da­dos e fa­tos pa­ra res­pal­dá-los”, res­sal­ta Re­na­ta Ara­ne­ga, es­pe­ci­a­lis­ta em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal.

En­tre­tan­to, é im­por­tan­te uma res­sal­va: se­guir a intuição não é ne­ces­sa­ri­a­men­te uma ga­ran­tia de acer­to nas de­ci­sões ou que ela vá apa­re­cer nos mo­men­tos em que mais pre­ci­sa­mos. Nes­ses ca­sos, atu­ar de acor­do com os va­lo­res, as emo­ções, as es­sên­ci­as e a ex­pe­ri­ên­cia de vi­da se tor­na um as­pec­to tão es­sen­ci­al qu­an­to re­cor­rer ao sex­to sen­ti­do.

Por is­so, Re­na­ta su­ge­re um equi­lí­brio en­tre a ra­zão e a per­cep­ção, pois con­tar com du­as for­mas de apoio é sem­pre me­lhor do que ter ape­nas uma. “Acho im­por­tan­te que a pes­soa se­ja ca­paz de com­bi­nar a aná­li­se ló­gi­co-ra­ci­o­nal com a vi­si­o­ná­rio-in­tui­ti­va. Ao atu­ar com es­tas du­as ‘men­tes’, au­men­ta-se a chan­ce de su­ces­so nas to­ma­das de de­ci­são em ge­ral”, com­ple­ta.

Fer­ra­men­ta de tra­ba­lho

A psi­có­lo­ga Eva­ni San­tos acre­di­ta que a ex­pe­ri­ên­cia é um fa­tor fundamental pa­ra que a intuição fi­que mais aflo­ra­da no am­bi­en­te de tra­ba­lho, se­ja em re­la­ção às ta­re­fas, se­ja em re­la­ção ao con­ta­to com as pes­so­as e pro­ces­sos. “Des­se mo­do, po­dem sur­gir pres­sen­ti­men­tos, que le­va­rão o in­di­ví­duo a pen­sar me­lhor an­tes de agir e/ou fa­lar, por exem­plo”, com­ple­men­ta.

Des­sa ma­nei­ra, co­lo­car a intuição em prá­ti­ca re­quer prin­ci­pal­men­te tempo e ob­ser­va­ção, já que co­nhe­cer a cul­tu­ra de um am­bi­en­te de tra­ba­lho não é uma ta­re­fa que se fa­ça em um dia. Além dis­so, co­nhe­cer os de­ta­lhes (por exem­plo, co­mo ca­da pes­soa re­a­ge a de­ter­mi­na­da si­tu­a­ção) é uma ha­bi­li­da­de que pou­cos con­se­guem ad­qui­rir.

Eva­ni sa­li­en­ta que a intuição po­de ser útil em qua­se to­dos os as­pec­tos que en­vol­vem o tra­ba­lho. “Is­so aju­da mui­to na re­so­lu­ção de pro­ble­mas, na su­ges­tão de idei­as de me­lho­ri­as, em si­tu­a­ções de li­dar com a equi­pe de tra­ba­lho e no re­la­ci­o­na­men­to com de­mais co­le­gas. Com is­so, pro­pi­cia-se a cri­a­ção de um am­bi­en­te harmô­ni­co, pro­ces­sos mais le­ves, e o dia flui de ma­nei­ra mui­to me­lhor”.

A re­la­ção com o ou­tro

Ter um re­la­ci­o­na­men­to sau­dá­vel com ou­tra pes­soa, se­ja no âm­bi­to pro­fis­si­o­nal, fa­mi­li­ar, afe­ti­vo ou em um cír­cu­lo de ami­za­des po­de não ser sim­ples. Afi­nal, ca­da ser hu­ma­no é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do ou­tro, com sua his­tó­ria de vi­da, su­as ex­pe­ri­ên­ci­as e seu mo­do de pen­sar. Por is­so, a intuição se tor­na es­sen­ci­al co­mo uma for­ma de fa­zer uma re­fle­xão so­bre quem es­tá do nos­so la­do.

As­sim, a psi­có­lo­ga Eva­ni San­tos re­co­men­da que nos­sa per­cep­ção não de­ve ser re­pri­mi­da, a fim de evi­tar uma ci­la­da de se sur­pre­en­der com sur­tos emo­ci­o­nais de de­se­jos re­pri­mi­dos co­mo as in­tui­ções. Mas ela faz uma res­sal­va: “nos­sas im­pres­sões tam­bém po­dem nos trair e, des­ta for­ma, po­de­mos per­der gran­des opor­tu­ni­da­des. Não so­mos per­fei­tos, so­mos hu­ma­nos, o que in­di­ca que, da mes­ma for­ma, o ou­tro po­de in­tuir de ma­nei­ra er­rô­nea ao nos­so res­pei­to”, con­clui.

“Não so­mos per­fei­tos, so­mos hu­ma­nos, o que in­di­ca que, da mes­ma for­ma, o ou­tro po­de in­tuir de ma­nei­ra er­rô­nea ao nos­so res­pei­to” Eva­ni San­tos, psi­có­lo­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.