Ca­sos re­ais

Exem­plos im­pres­si­o­nan­tes so­bre co­mo a intuição po­de pro­vo­car mu­dan­ças cru­ci­ais no des­ti­no

Segredos da Mente - - Editorial -

His­tó­ri­as im­pres­si­o­nan­tes so­bre os mo­men­tos em que a intuição fa­lou mais al­to

Ca­tás­tro­fe evi­ta­da

O co­ro­nel so­vié­ti­co Sta­nis­lav Pe­trov po­de ser con­si­de­ra­do um herói mun­di­al pe­lo fa­to de ter evi­ta­do o que se­ria a Ter­cei­ra Guer­ra Mun­di­al – e tal­vez a mais des­tru­ti­va ba­ta­lha. Em 1983, os com­pu­ta­do­res do exér­ci­to so­vié­ti­co, que es­ta­vam num bun­ker na ca­pi­tal Mos­cou, de­tec­ta­ram o si­nal de um mís­sil que se mo­via dos Es­ta­dos Uni­dos em di­re­ção à União So­vié­ti­ca. Pe­trov sa­bia que o sis­te­ma de ra­da­res já ha­via co­me­ti­do er­ros an­te­ri­or­men­te. Além dis­so, de­du­ziu que os nor­te-ame­ri­ca­nos não fa­ri­am um ata­que com ape­nas um mís­sil, mas um ver­da­dei­ro bom­bar­deio.

Ain­da as­sim, o ra­dar de­tec­tou mais qua­tro mís­seis. Con­tu­do, Pe­trov se­guiu sua intuição e de­cla­rou que era ape­nas um alar­me fal­so. No fi­nal, o co­ro­nel es­ta­va cer­to, e sua de­ci­são evi­tou um con­fli­to que cer­ta­men­te en­vol­ve­ria armas nu­cle­a­res e uma des­trui­ção ja­mais vis­ta.

“Não cor­ra ama­nhã”

Um dos mo­men­tos mais mar­can­tes na his­tó­ria re­cen­te do Bra­sil foi o aci­den­te que cul­mi­nou na mor­te do pi­lo­to Ayr­ton Sen­na, em 1º de maio de 1994. O bra­si­lei­ro dis­pu­ta­va o Gran­de Prê­mio de San Ma­ri­no, no cir­cui­to de Ímo­la, quan­do o car­ro que pi­lo­ta­va se cho­cou vi­o­len­ta­men­te con­tra o mu­ro da cur­va Tam­bu­rel­lo.

Na vés­pe­ra da fa­tí­di­ca pro­va, Sid Wat­kins, mé­di­co-che­fe da Fór­mu­la 1 e amigo pes­so­al de Sen­na, te­ve que am­pa­rar o bra­si­lei­ro, que cho­ra­va com­pul­si­va­men­te em seu om­bro. Is­so por­que, nos trei­nos de sá­ba­do, o pi­lo­to aus­tría­co Ro­land Rat­zen­ber­ger mor­reu após um gra­ve aci­den­te.

Em seu li­vro Ayr­ton – O herói re­ve­la­do, o jor­na­lis­ta Er­nes­to Ro­dri­gues re­gis­trou um mo­men­to-cha­ve. Sa­ben­do da enor­me pres­são que Sen­na sen­tia, Wat­kins dis­se ao pi­lo­to: “Dei­xe es­sa vi­da. Não cor­ra ama­nhã. Al­go de mui­to ruim vai acon­te­cer. Vo­cê já é tri­cam­peão mun­di­al, é o me­lhor pi­lo­to do mun­do. Não pre­ci­sa mais fi­car se ar­ris­can­do”. Se foi ape­nas um con­se­lho de amigo ou um re­al pres­sen­ti­men­to, a dú­vi­da per­ma­ne­ce. Mas não foi ca­paz de mu­dar o fi­nal trá­gi­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.