PE­DA­LA­DAS

Sport Life - - NESTA EDIÇÃO - João Ma­ga­lhães

A evo­lu­ção da pe­da­la­da

Do veí­cu­lo rús­ti­co pa­ra as top bi­kes de car­bo­no, a in­dús­tria da bi­ci­cle­ta ca­mi­nha a pas­sos rá­pi­dos

Na úl­ti­ma me­ta­de dos anos 1970, o mun­do pre­sen­ci­ou uma gran­de mu­dan­ça em re­la­ção à bi­ci­cle­ta: ela dei­xou de ser só um ins­tru­men­to de la­zer pa­ra se trans­for­mar em no­va op­ção de es­por­te. Um gru­po de ami­gos cis­mou em des­cer as tri­lhas mon­ta­nho­sas da re­gião de Ma­rin County, na Ca­li­fór­nia (EUA), com bi­kes an­ti­gas adap­ta­das. A di­ver­são, que de­pois vi­rou com­pe­ti­ção, era des­cer a mon­ta­nha no me­nor tem­po pos­sí­vel. Pa­ra is­so, as ve­lhas bi­kes ga­nha­ram frei­os re­for­ça­dos e pneus-ba­lão, além de gui­dões de mo­to­cross adap­ta­dos. De lá pa­ra cá, a evo­lu­ção só con­ti­nu­ou, com o apa­re­ci­men­to de frei­os a dis­co hi­dráu­li­cos, tec­no­lo­gi­as pa­ra ge­ren­ci­ar o ca­lor pro­du­zi­do por eles (Ice Te­ch­no­lo­gi­es, da Shi­ma­no), sus­pen­sões pró­pri­as e qua­dros de car­bo­no de úl­ti­ma ge­ra­ção. Ho­je, o no­me co­mum pa­ra uma bi­ke des­sas é moun­tain bi­ke, mas as pos­si­bli­da­des que ela ofe­re­ce são inú­me­ras. As bi­ci­cle­tas de ci­clis­mo de es­tra­da e con­trar­re­ló­gio não fi­ca­ram atrás. Elas ga­nha­ram com­po­nen­tes de al­ta pre­ci­são e sis­te­mas eletrônicos de mu­dan­ça de mar­cha pa­ra aten­der às ne­ces­si­da­des cres­cen­tes de atle­tas de al­ta per­for­man­ce. A tec­no­lo­gia no de­sen­vol­vi­men­to des­ses com­po­nen­tes evo­lui tan­to e tão ra­pi­da­men­te que se com­pa­ra à da Fór­mu­la 1! Tu­do faz sen­ti­do quan­do os re­sul­ta­dos apa­re­cem. Em mui­tos ca­sos, uma me­da­lha de ou­ro, fru­to de mui­to in­ves­ti­men­to e anos de tra­ba­lho, é de­fi­ni­da por al­guns pou­cos se­gun­dos. Es­se tem­po mí­ni­mo, mas de­ci­si­vo, po­de ter si­do ga­nho na mai­or pre­ci­são da mu­dan­ça de mar­chas ou na eco­no­mia de pe­so no de­cor­rer de uma pro­va des­gas­tan­te. Cla­ro que to­da es­sa evo­lu­ção não sig­ni­fi­ca­ria na­da sem o atle­ta, mas quan­do te­mos tan­tos ci­clis­tas com­pe­tin­do em ní­veis tão al­tos de pre­pa­ra­ção, o equi­pa­men­to que ele uti­li­za faz a di­fe­ren­ça no to­po de uma su­bi­da exi­gen­te, no sprint fi­nal e na li­nha de che­ga­da. Car­bo­no, câm­bio ele­trô­ni­co Di2, frei­os a dis­co hi­dráu­li­cos, ro­das de al­ta tec­no­lo­gia. O bom do ci­clis­mo é que, di­fe­ren­te­men­te da Fór­mu­la 1, o equi­pa­men­to que o cam­peão do Tour de France uti­li­za es­tá à dis­po­si­ção do ci­clis­ta co­mum. Bas­ta com­prar! Tal­vez por is­so a in­dús­tria da bi­ci­cle­ta evo­lua tan­to e tra­ga tan­tas ino­va­ções ano a ano. Vo­cê mes­mo po­de pedalar uma bi­ke ul­tra­top, se pu­der pa­gar pe­lo equi­pa­men­to, cla­ro. E em tem­pos em que a úni­ca se­me­lhan­ça das nos­sas bi­kes com a drai­si­a­na, pri­mei­ro pro­tó­ti­po de uma bi­ci­cle­ta, é a pro­pul­são pe­la for­ça do ho­mem, ago­ra te­mos tam­bém as e-bi­kes. As elé­tri­cas ou as­sis­ti­das che­ga­ram pa­ra de­mo­cra­ti­zar ain­da mais o que já era po­pu­lar. E nin­guém po­de di­zer que uma bi­ke com um mo­tor elé­tri­co (des­de que ain­da te­nha pe­di­ve­la pa­ra que se pos­sa pe­da­lá-la) não é uma bi­ci­cle­ta. Ela sim­ples­men­te dá a op­ção de um au­xí­lio pa­ra a ho­ra em que vo­cê se can­sar. Pa­re­ce lou­cu­ra, mas com tan­ta tec­no­lo­gia e op­ções, só nos res­ta agra­de­cer a Karl Drais, in­ven­tor da drai­si­a­na, por ter pos­to a mão na mas­sa e ma­te­ri­a­li­za­do um so­nho que pro­va­vel­men­te mui­tos na épo­ca acha­ram lou­cu­ra.

Mar­ke­ting da Shi­ma­no La­tin Ame­ri­ca bi­ke.shi­ma­no.com.br

João Ma­ga­lhães

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.