An­tes só do que acom­pa­nha­do

Nem sem­pre cor­rer em gru­po é uma boa. Ve­ja al­gu­mas si­tu­a­ções em que é me­lhor es­tar só do que acom­pa­nha­do.

Sport Life - - PARABÓLICA# RUNNING -

Seu pa­ce ain­da não es­tá afi­a­do

Até que vo­cê con­si­ga im­pri­mir al­gu­ma ve­lo­ci­da­de nos trei­nos, tal­vez se­ja uma boa ideia cor­rer so­zi­nho. Uma di­ca pa­ra sa­ber se vo­cê es­tá dan­do con­ta de en­ca­rar o pa­ce pe­di­do pe­lo trei­na­dor pa­ra uma de­ter­mi­na­da ses­são é no­tar co­mo res­pi­ra. Es­tá mui­to ofe­gan­te? Es­tá tran­qui­lo?

Vo­cê es­tá vol­tan­do após uma le­são

Mús­cu­los e li­ga­men­tos le­vam um tem­po pa­ra se adap­tar; por­tan­to, até que es­te­ja li­be­ra­do pe­lo mé­di­co, o me­lhor é pe­gar le­ve. Trei­nar em gru­po po­de es­ti­mu­lá-lo a cor­rer mais do que de­ve­ria.

O gru­po é mais rá­pi­do (ou mais de­va­gar) que vo­cê

Se o pa­ce mé­dio do gru­po for me­nor do que o seu, não irá aju­dá-lo a de­sen­vol­ver ve­lo­ci­da­de. Ago­ra, se for bem mai­or, vo­cê es­ta­rá cor­ren­do o ris­co de se ma­chu­car ou mes­mo de se sen­tir de­sen­co­ra­ja­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.