O im­pac­to do ci­gar­ro na cor­ri­da

Sport Life - - RUNNING #VETERANOS -

Sim, to­dos os efei­tos do fu­mo são de­le­té­ri­os. E seus efei­tos so­bre a cor­ri­da não po­de­ri­am ser di­fe­ren­tes.

O VO2 max é um ín­di­ce im­por­tan­tís­si­mo pa­ra me­dir a per­for­man­ce de qual­quer cor­re­dor. Um es­tu­do ame­ri­ca­no acom­pa­nhou um gru­po de cor­re­do­res que fu­ma­vam re­gu­lar­men­te. Eles fo­ram di­vi­di­dos de acor­do com o nú­me­ro de ci­gar­ros que, em mé­dia, fu­ma­vam por dia. O re­sul­ta­do foi ób­vio: q2 ua nO­to­fum­ma­ois­fa­ez­lec­sof­mum­qua­ve­a­ams ,

v mi­a­es­na­oér­re­o­as­se­sue VcOon2tm­ra­ai­xa. m. Mais: ele au­men­ta a cha­ma­da re­sis­tên­cia das vi­as aé­re­as, ou se­ja, a ta­xa de mo­vi­men­ta­ção do ar pa­ra den­tro e pa­ra fo­ra dos pul­mões. Com is­so, fi­ca mais di­fí­cil pa­ra os pul­mões re­ce­be­rem oxi­gê­nio.

Em­bo­ra a per­da de pe­so es­te­ja li­ga­da à me­lho­ra da per­for­man­ce e o fu­mo con­tri­bua pa­ra o ema­gre­ci­men­to, sai­ba: ele não le­va a uma per­da de pe­so sau­dá­vel. O ci­gar­ro não só cau­sa per­da de ape­ti­te (cul­pa da ni­co­ti­na) co­mo tam­bém o au­men­to da ta­xa me­ta­bó­li­ca. O oxi­gê­nio é trans­por­ta­do pa­ra as cé­lu­las li­ga­do a uma pro­teí­na pre­sen­te nas cé­lu­las ver­me­lhas do san­gue cha­ma­da he­mo­glo­bi­na. Em­bo­ra o oxi­gê­nio te­nha uma gran­de afi­ni­da­de com a he­mo­glo­bi­na, a do mo­nó­xi­do de car­bo­no com a he­mo­glo­bi­na é de 200 a 300 ve­zes mai­or. Sen­do as­sim, o trans­por­te de oxi­gê­nio às cé­lu­las mus­cu­la­res é tre­men­da­men­te re­du­zi­do, o que tem um im­pac­to enor­me so­bre a per­for­man­ce.

Os ta­ba­gis­tas po­dem ter ca­pa­ci­da­de ae­ró­bi­ca até 12% me­nor de­vi­do à con­cen­tra­ção de mo­nó­xi­do de car­bo­no no san­gue. Fu­man­tes apre­sen­tam, tam­bém, ní­veis de lac­ta­to mais al­tos, o que faz com que eles se sin­tam ofe­gan­tes e exaus­tos com mais ra­pi­dez. Ou­tro pon­to ne­ga­ti­vo das ba­fo­ra­das é que elas pro­lon­gam o tem­po ne­ces­sá­rio pa­ra que o VO2 atin­ja o cha­ma­do es­ta­do de equi­lí­brio du­ran­te um exer­cí­cio sub­má­xi­mo. “No re­pou­so, uti­li­za­mos uma ta­xa de oxi­gê­nio pe­que­na pa­ra nos man­ter­mos ‘fun­ci­o­nan­do’. Du­ran­te o exer­cí­cio, ela au­men­ta pa­ra pro­du­zir­mos ener­gia su­fi­ci­en­te pa­ra re­a­li­zar a ati­vi­da­de”, ex­pli­ca Gus­ta­vo Ma­gli­oc­ca. “O fu­mo di­fi­cul­ta es­sa adap­ta­ção, o que faz com que a pes­soa gas­te mais gli­co­se nes­sa tran­si­ção e aca­be ten­do me­nos com­bus­tí­vel no fi­nal.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.