CORRIDA SE­GU­RA

De re­pen­te, o atle­ta que es­ta­va na par­ti­da de fu­te­bol, jo­gan­do com to­do o vi­gor, cai de­sa­cor­da­do. Por que is­so acon­te­ce? E o mais im­por­tan­te: é pos­sí­vel evitar a si­tu­a­ção?

Sport Life - - NESTA EDIÇÃO - Fel­li­pe Sa­vi­o­li

En­ten­da o mal da mor­te sú­bi­ta e co­mo evi­tá-la

Co­mo es­pe­ci­a­lis­ta em me­di­ci­na es­por­ti­va, afir­mo que 99,9% dos ca­sos de mor­te sú­bi­ta po­dem ser evi­ta­dos. Is­so por­que, na mai­o­ria das ve­zes, o atle­ta já tem um pro­ble­ma no co­ra­ção que ain­da não foi de­tec­ta­do. En­tre atle­tas com me­nos de 35 anos, os pro­ble­mas car­día­cos con­gê­ni­tos (que nas­ce­ram com a pes­soa, co­mo má for­ma­ção) são os prin­ci­pais fa­to­res. Em atle­tas com mais de 35 anos, o mai­or ris­co é a do­en­ça ate­ros­cle­ró­ti­ca co­ro­na­ri­a­na, ou se­ja, o acú­mu­lo de gor­du­ra nos va­sos san­guí­ne­os, que le­va à obs­tru­ção ou rom­pi­men­to dos te­ci­dos. No en­tan­to, há uma si­tu­a­ção que eu con­si­de­ro mui­to mais pe­ri­go­sa: a mi­o­car­di­te, uma in­fla­ma­ção no co­ra­ção que po­de ser cau­sa­da por do­en­ças sis­tê­mi­cas (co­mo lú­pus) ou por in­fec­ções vi­rais. Di­go que ela é pe­ri­go­sa por­que mui­tas ve­zes o atle­ta re­a­li­zou to­dos os exa­mes pos­sí­veis, mas os re­sul­ta­dos não apon­ta­ram ne­nhu­ma anor­ma­li­da­de. Em uma cer­ta ma­nhã, ele acor­da com fe­bre e de­ci­de ir cor­rer uma pro­va ou trei­nar, pois acre­di­ta ser ape­nas uma vi­ro­se. Nes­se ca­so, a chan­ce de mi­o­car­di­te é pe­que­na, mas ela exis­te e po­de le­var à mor­te sú­bi­ta. Por­tan­to, mi­nha re­co­men­da­ção é nun­ca com­pe­tir ou trei­nar com fe­bre. Ou­tra si­tu­a­ção dra­má­ti­ca é o com­mo­tio cor­dis, que na­da mais é do que um gol­pe ou pan­ca­da na re­gião do co­ra­ção que po­de cau­sar ar­rit­mia se­gui­da de mor­te sú­bi­ta. Mais uma vez, é um ca­so que o pa­ci­en­te po­de­ria ter re­a­li­za­do to­dos os ti­pos de exa­mes sem al­te­ra­ções. Es­se gol­pe po­de ocor­rer na prá­ti­ca de ar­tes mar­ci­ais, em uma par­ti­da de fu­te­bol ou de bas­que­te, em­bo­ra se­ja mais co­mum no ba­se­ball e hoc­key no ge­lo (por con­ta do trau­ma di­re­to da bo­la ou do dis­co). Tal trau­ma cau­sa mor­te ime­di­a­ta em 50% dos ca­sos. Por is­so, to­do atle­ta, ama­dor ou pro­fis­si­o­nal, de­ve ser sub­me­ti­do a uma ava­li­a­ção cri­te­ri­o­sa. Se hou­ver al­gum ca­so de mor­te sú­bi­ta na fa­mí­lia, cri­an­ças de­ve­rão re­a­li­zar uma sé­rie de exa­mes. Se for cons­ta­ta­do que uma cri­an­ça ou um ado­les­cen­te te­nha al­gum ti­po de al­te­ra­ção con­gê­ni­ta do co­ra­ção que de­sa­con­se­lhe ati­vi­da­des es­por­ti­vas, o mé­di­co de­ve­rá es­cre­ver no pron­tuá­rio do clu­be, avi­sar o pa­ci­en­te e to­dos os en­vol­vi­dos. Por úl­ti­mo, mas não me­nos im­por­tan­te, con­sul­te seu car­di­o­lo­gis­ta ou mé­di­co do es­por­te com re­gu­la­ri­da­de pa­ra evitar es­ses ma­les.

Fel­li­pe Sa­vi­o­li é or­to­pe­dis­ta do es­por­te e tri­a­tle­ta ama­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.