QUAN­DO O EX­CES­SO DE SU­OR PO­DE SER SINAL DE PRO­BLE­MA

Sport Life - - SAÚDE -

Cer­ca de 6 mi­lhões de bra­si­lei­ros so­frem com a cha­ma­da hi­pe­ri­dro­se, uma do­en­ça que faz com que as glân­du­las su­do­rí­pa­ras tra­ba­lhem ex­ces­si­va­men­te o tem­po to­do, le­van­do a pes­soa a trans­pi­rar mais do que de­ve­ria, es­pe­ci­al­men­te nas mãos, nos pés, nas axi­las e no ros­to. Os es­pe­ci­a­lis­tas ain­da não sa­bem ex­pli­car exa­ta­men­te o que le­va ao aparecimento des­se pro­ble­ma, que po­de dar as ca­ras nas mais va­ri­a­das si­tu­a­ções, du­ran­te o re­pou­so ou mes­mo quan­do o cli­ma es­tá ame­no, fa­zen­do com que o in­di­ví­duo en­fren­te si­tu­a­ções cons­tran­ge­do­ras e, em ca­sos mais ex­tre­mos, co­me­ce a so­frer com fo­bia so­ci­al e te­nha que mu­dar de pro­fis­são. “Exis­te tam­bém um ti­po de hi­pe­ri­dro­se cha­ma­da de se­cun­dá­ria, que é de­sen­ca­de­a­da por fa­to­res co­mo me­di­ca­men­tos, do­en­ças da ti­re­oi­de e al­te­ra­ções hor­mo­nais”, con­ta Edu­ar­do We­re­be, ci­rur­gião ge­ral do Hos­pi­tal Is­ra­e­li­ta Al­bert Eins­tein, de São Pau­lo. “In­fe­liz­men­te não há um exa­me pa­ra di­fe­ren­ci­ar uma da ou­tra e, por is­so, uti­li­za­mos as ca­rac­te­rís­ti­cas tí­pi­cas da hi­pe­ri­dro­se pri­má­ria, a lo­ca­li­za­ção do pro­ble­ma, o iní­cio dos sin­to­mas, a he­re­di­ta­ri­e­da­de, o so­no e os es­tí­mu­los emo­ci­o­nais co­mo pa­râ­me­tros”, con­ta We­re­be. In­de­pen­den­te­men­te do ca­so, se o seu su­or é um incô­mo­do mui­to gran­de, se­ja pe­la quan­ti­da­de ou pe­lo odor, o ide­al é pro­cu­rar um mé­di­co pa­ra que ele fa­ça uma ava­li­a­ção e re­co­men­de o me­lhor tra­ta­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.