WOD PA­RA COR­RE­DO­RES

Des­cu­bra os di­as do ci­clo que são fa­vo­rá­veis pa­ra os trei­nos e ti­re o má­xi­mo de pro­vei­to des­se pe­río­do

Sport Life - - NESTA EDIÇÃO - por EVA FERRER, gi­ne­co­lo­gis­ta do es­por­te na Es­pa­nha

Aprenda mo­vi­men­tos pa­ra po­ten­ci­a­li­zar ao má­xi­mo a sua per­for­man­ce

Ote­ma é ta­bu pa­ra atle­tas ama­do­ras e de al­to ren­di­men­to. Afi­nal, a mens­tru­a­ção po­de ser um pe­sa­de­lo na vi­da de al­gu­mas es­por­tis­tas, que che­gam a pas­sar mal com en­jo­os, ton­tu­ras e ou­tros des­con­for­tos du­ran­te o pe­río­do mens­tru­al. Tais sin­to­mas po­dem atra­pa­lhar bas­tan­te o de­sem­pe­nho nos trei­na­men­tos. Des­de a me­nar­ca ( pri­mei­ra mens­tru­a­ção), o cor­po fe­mi­ni­no pas­sa por di­ver­sas trans­for­ma- ções re­la­ci­o­na­das à pro­du­ção de hormô­ni­os. Ao lon­go de 28 di­as ( mé­dia de du­ra­ção do ci­clo mens­tru­al), o úte­ro se pre­pa­ra pa­ra uma pos­sí­vel gra­vi­dez. Se vo­cê não en­gra­vi­da, mens­trua nor­mal­men­te. Em fun­ção dis­so, os ní­veis hor­mo­nais são di­fe­ren­tes em ca­da eta­pa do ci­clo. Ao fi­nal da mens­tru­a­ção, por exem­plo, se dá a fa­se fo­li­cu­lar, a qual os ní­veis de es­tro­gê­nio es­tão ele­va­dos e a tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral gi­ra em tor­no de 36 ºC. Lá pe­lo 14 º dia do ci­clo mens­tru­al, os ní­veis de es­tro­gê­nio di­mi­nu­em, dan­do lu­gar ao au­men­to da pro­ges­te­ro­na e da tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral, que vai pa­ra 37 ºC. Com es­se vai- e- vem de hormô­ni­os, não há quem re­sis­ta ao cur­so da na­tu­re­za de for­ma ple­na, não é mes­mo? No ca­so das atle­tas de al­to ren­di­men­to, que de­pen­dem 100% da in­te­gri­da­de fí­si­ca, is­so não é di­fe­ren­te. Na fa­se pré-mens­tru­al, o cor­po ex­pe­ri­men­ta mu­dan­ças na

frequên­cia car­día­ca, que­da na eco­no­mia de ener­gia, me­nor con­cen­tra­ção de he­mo­glo­bi­na e au­men­to do pe­so cor­po­ral por con­ta da re­ten­ção de lí­qui­dos. Es­sa TPM re­sul­ta em fa­di­ga pre­co­ce nos trei­nos, me­nos agi­li­da­de, for­ça e re­sis­tên­cia, além da co­nhe­ci­da va­ri­a­ção de hu­mor. De acor­do com es­tu­dos fei­tos re­cen­te­men­te com ti­mes de vo­lei­bol fe­mi­ni­no, hou­ve uma que­da de 85% no ren­di­men­to das atle­tas du­ran­te os pe­río­dos pré e du­ran­te a mens­tru­a­ção. Ou­tra pes­qui­sa ava­li­ou jo­ga­do­ras de fu­te­bol na Es­pa­nha, que co­men­ta­ram que du­ran­te o ci­clo exis­tia uma cor­re­la­ção ne­ga­ti­va ele­va­da en­tre os re­sul­ta­dos em pro­vas fí­si­cas e mag­ni­tu­de da per­cep­ção de es­for­ço. No en­tan­to, na fa­se pós-mens­tru­al, a si­tu­a­ção é ou­tra: o de­sem­pe­nho ge­ral é mais al­to, jun­to com uma eco­no­mia fun­ci­o­nal e rá­pi­da ca­pa­ci­da­de de re­cu­pe­ra­ção. Por is­so, é im­por- tan­te que vo­cê te­nha em men­te um cer­to ti­po de pla­ne­ja­men­to pa­ra seus trei­nos e pro­vas de acor­do com a fa­se que seu cor­po es­tá en­fren­tan­do. Ou­tro fa­tor é ter cons­ci­ên­cia de seu es­ta­do fí­si­co e ava­li­ar se va­le a pe­na se­guir com um trei­na­men­to pe­sa­do nas fa­ses crí­ti­cas. Ca­da uma tem sua for­ma de re­a­gir ao pro­ces­so mens­tru­al: con­ver­se sem­pre com um es­pe­ci­a­lis­ta no as­sun­to pa­ra aju­dá-la a al­can­çar seus ob­je­ti­vos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.