Vo­cê tem me­do de pe­da­lar NA RUA?

Se a sua res­pos­ta for sim, saiba que não es­tá so­zi­nho. Mas, com de di­cas de es­pe­ci­a­lis­tas e al­guns cui­da­dos pa­ra dei­xar o pro­ces­so mais se­gu­ro, é pos­sí­vel re­ver­ter es­se qua­dro

Sport Life - - BIKE - por THAIS SZEGÖ

Mui­tas pes­so­as que cur­tem an­dar de bi­ke têm von­ta­de de se aven­tu­rar pe­las vi­as da ci­da­de, se­ja pa­ra dar uma vol­ta, se des­lo­car até um par­que ou mes­mo pa­ra uti­li­zá- la co­mo op­ção de trans­por­te. Es­se gru­po es­tá cres­cen­do, o que tem fei­to mui­tos pre­fei­tos in­ves­ti­rem na cons­tru­ção de ci­clo­vi­as e ci­clo­fai­xas. Mes­mo as­sim, boa par­te des­sa tur­ma aca­ba mu­dan­do de ideia por ter re­ceio em di­vi­dir es­pa­ço com car­ros, ca­mi­nhões, ôni­bus e mo­tos. Es­sa não é uma ta­re­fa fá­cil, es­pe­ci­al­men­te nos lo­cais on­de o trân­si­to é pe­sa­do. Mas is­so não pre­ci­sa ser um fa­tor li­mi­tan­te: com a aju­da de al­gu­mas ori­en­ta­ções de ex­perts é pos­sí­vel com­ba­ter es­sa apre­en­são. “O ide­al é se ex­por gra­du­al­men­te à si­tu­a­ção que pro­vo­ca o me­do, pa­ra que a pes­soa pos­sa se am­bi­en­tar aos pou­cos e, com is­so, con­se­guir neu­tra­li­zar as sen­sa­ções ruins que po­de­ri­am de­sen­ca­de­ar es­se sen­ti­men­to de­sa­gra­dá­vel”, acon­se­lha a psi­có­lo­ga Cris­ti­a­ne Mo­ra­es Per­tu­si, de São Pau­lo ( SP), dou­to­ra em psi­co­lo­gia do de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no. Se o seu ob­je­ti­vo é ir ao tra­ba­lho pe­da­lan­do, por exem­plo, an­tes de fa­zer o ca­mi­nho to­do, fa­ça pe­que­nos tes­tes aos fi­nais de se­ma­na e fe­ri­a­dos, quan­do há me­nos gen­te tra­fe­gan­do pe­las vi­as. “Trei­nar pe­lo bair­ro, par­ques ou ru­as tran­qui­las é ou­tra boa pe­di­da, pois faz com que o in­di­ví­duo ga­nhe mais ex­pe­ri­ên­cia”, diz Mis­sa­ki Ideha­ra, ar­ti­cu­la­dor do Bi­ke An­jo, uma re­de de ci­clis­tas que aju­da pes­so­as a co­me­ça­rem a uti­li­zar a bi­ci­cle­ta nas ci­da­des. “É in­di­ca­do pla­ne­jar o per­cur­so an­tes de sair de ca­sa e es­tu­dar bem as al­ter­na­ti­vas”, acres­cen­ta Ideha­ra. No iní­cio, o me­lhor é op­tar por ru­as me­nos mo­vi­men­ta­das, mes­mo que is­so im­pli­que um tra­je­to mais lon­go. Es­sa pre­pa­ra­ção aju­da a co­nhe­cer bem o fun­ci­o­na­men­to da bi­ci­cle­ta e a ga­nhar mais fô­le­go. “Uma au­la de spin

ning na aca­de­mia tam­bém po­de con­tri­buir pa­ra um me­lhor con­di­ci­o­na­men­to”, su­ge­re Pau­lo de Tar­so, fun­da­dor do Sam­pa Bi­kers. Es­se clu­be de ci­clis­tas pau­lis­ta­no, fun­da­do em 1992, or­ga­ni­za to­do ti­po de ati­vi­da­de re­la­ci­o­na­da à ma­gre­la. “É bom que os ci­clis­tas te­nham sem­pre um di­nhei­ro guar­da­do pa­ra o tá­xi, ca­so ha­ja al­gum pro­ble­ma du­ran­te a vi­a­gem e ele não con­si­ga che­gar ao seu des­ti­no pe­da­lan­do”, re­co­men­da.

Quem re­sol­ver in­ves­tir pa­ra va­ler na vi­da so­bre du­as ro­das po­de ain­da se ma­tri­cu­lar em um gru­po de ci­clis­mo ou em uma as­ses­so­ria es­por­ti­va. “É uma óti­ma ideia pa­ra que o in­di­ví­duo co­me­ce a se sol­tar mais ao pe­da­lar e apren­da ob­ser­van­do o comportamento de pes­so­as mais ex­pe­ri­en­tes”, diz Fel­li­pe Sa­vi­o­li, mé­di­co do es­por­te e tri­a­tle­ta ama­dor. Além dis­so, pe­da­lar co­mo par­te de uma equi­pe de pra­ti­can­tes re­sul­ta em mai­or se­gu­ran­ça, pois cos­tu­ma ha­ver um guia trei­na­do pa­ra or­ga­ni­zar o pas­seio e dar uma mão pa­ra quem pre­ci­sa. Os com­pa­nhei­ros de pedal tam­bém po­dem au­xi­liá- lo, e fi­ca mui­to mais fá­cil ser vis­to e res­pei­ta­do pe­los veí­cu­los mo­to­ri­za­dos. Ou­tro be­ne­fí­cio é que o gru­po aju­da a afas­tar as­sal­tan­tes. Por fim, são sem­pre gran­des as chan­ces de fa­zer no­vos ami­gos, in­cen­ti­vo ex­tra pa­ra pas­sar mais tem­po com a bi­ci­cle­ta. “Pa­ra quem ti­ver con­di­ções, ou­tra al­ter­na­ti­va é con­tra­tar um per

so­nal bi­ker”, diz Pau­lo de Tar­so. Es­se pro­fis­si­o­nal tem bas­tan­te co­nhe­ci­men­to no as­sun­to e acom­pa­nha o alu­no o tem­po to­do, dan­do di­cas so­bre as­sun­tos prá­ti­cos e téc­ni­cos e ofe­re­cen­do apoio emo­ci­o­nal. O Bi­ke An­jo, que es­tá pre­sen­te em mais de 250 ci­da­des bra­si­lei­ras e em ou­tros paí­ses , foi cri­a­do exa­ta­men­te com es­se in­tui­to: tra­zer no­vos ci­clis­tas pa­ra as ru­as, aju­dan­do pes­so­as a apren­der a pe­da­lar e a per­der o me­do de se des­lo­car nas vi­as pú­bli­cas. Ou­tras ver­ten­tes ba­ca­nas do gru­po são os pas­sei­os, pa­les­tras edu­ca­ti­vas e ofi­ci­nas, mui­to úteis pa­ra quem es­tá que­ren­do des­bra­var os ca­mi­nhos da ci­da­de com a sua ma­gre­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.