1. A DE­MO­CRA­CIA

Superguia Enem - Atualidades - - Sumário -

Es­ta obra foi ide­a­li­za­da pa­ra que os es­tu­dan­tes que dis­pu­ta­rão va­gas no en­si­no su­pe­ri­or te­nham o sub­sí­dio de pes­qui­sas re­a­li­za­das em di­fe­ren­tes fon­tes de con­sul­ta pa­ra fi­ca­rem atu­a­li­za­dos com os as­sun­tos mais im­por­tan­tes que afe­tam a nos­sa so­ci­e­da­de.

O lei­tor no­ta­rá em um úni­co te­ma a va­ri­e­da­de de fon­tes em que fo­ram pes­qui­sa­das in­for­ma­ções, de mo­do que po­de­rá se va­ler da mes­ma me­to­do­lo­gia pa­ra apro­fun­dar os co­nhe­ci­men­tos so­bre um de­ter­mi­na­do as­sun­to ou pa­ra pes­qui­sar ou­tro de seu in­te­res­se.

Os te­mas es­co­lhi­dos di­zem res­pei­to mais aos pro­ble­mas bra­si­lei­ros, uma vez que re­sol­ve­mos abran­ger o má­xi­mo de in­for­ma­ções pa­ra ca­pa­ci­tar os lei­to­res no que cor­res­pon­de ao re­per­tó­rio so­ci­o­cul­tu­ral ne­ces­sá­rio pa­ra reu­nir ar­gu­men­tos, fa­tos e co­nhe­ci­men­tos que po­dem ser utilizados nas pro­vas de re­da­ção de ves­ti­bu­la­res e do Exa­me Na­ci­o­nal do En­si­no Mé­dio. As­sim, os es­tu­dan­tes po­dem ter uma vi­são abran­gen­te da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra pa­ra res­pon­de­rem mais ra­pi­da­men­te aos enun­ci­a­dos pro­pos­tos pe­las or­ga­ni­za­do­ras nas pro­vas ob­je­ti­vas.

Tan­to nas pro­vas de re­da­ção co­mo nas ques­tões ob­je­ti­vas e dis­ser­ta­ti­vas, o es­tu­dan­te que ti­ver pré­vio co­nhe­ci­men­to dos pro­ble­mas so­ci­ais po­de­rá apon­tar mais ra­pi­da­men­te a al­ter­na­ti­va cor­re­ta ou pro­du­zir um tex­to com mai­or ve­lo­ci­da­de em ra­zão de tra­zer pa­ra a pro­va uma ba­ga­gem cul­tu­ral bem mais apro­pri­a­da que os de­mais con­cor­ren­tes que não to­ma­ram o cui­da­do de se atu­a­li­zar.

Mais ba­se­a­do em di­rei­tos hu­ma­nos, es­ta obra fo­ca a de­mo­cra­cia e ou­tras di­re­tri­zes ali­nha­das com os tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais que di­gam res­pei­to ao aler­ta que pre­ci­sa ser fei­to pe­los edu­ca­do­res so­bre a cons­tru­ção ide­o­ló­gi­ca do apartheid so­ci­al em cur­so no Bra­sil e no mun­do.

1. De­mo­cra­cia

Mes­mo os que preferem não acre­di­tar na par­te es­pi­ri­tu­al de que de­ve ha­ver um criador, ou se­ja, aque­les que são pro­cla­ma­dos “ateus”, que preferem não acre­di­tar na exis­tên­cia de di­vin­da­des, não po­dem dei­xar de le­var em con­si­de­ra­ção o la­do da His­tó­ria que re­ve­lou ha­ver um ho­mem que vi­veu em fun­ção de dis­se­mi­nar te­o­ri­as, con­cei­tos e en­si­na­men­tos fi­lo­só­fi­cos que mo­di­fi­ca­ram boa par­te do pen­sa­men­to da hu­ma­ni­da­de até os di­as atu­ais.

Tam­bém cha­ma­do de “O Fi­lho do Ho­mem”, Je­sus de Nazaré foi in­ti­tu­la­do “Rei dos Ju­deus” por Pôn­cio Pi­la­tos, o go­ver­na­dor (uma es­pé­cie de pre­fei­to dos di­as de ho­je) da pro­vín­cia ro­ma­na da Ju­deia en­tre os anos 26 e 36 d.c. Pi­la­tos atu­ou co­mo juiz da cau­sa que con­de­nou Je­sus Cris­to à mor­te na cruz, mes­mo ten­do pro­fe­ri­do pu­bli­ca­men­te não ter en­con­tra­do cul­pa al­gu­ma no epi­só­dio que en­trou pa­ra a His­tó­ria em que o ma­gis­tra­do la­va as mãos.

Os sen­ten­ci­a­dos à pe­na ca­pi­tal que eram pen­du­ra­dos em um ma­dei­ro pa­ra mor­rer len­ta­men­te re­ce­bi­am uma pla­ca aci­ma de su­as ca­be­ças. Ne­la, con­ti­nham os di­ze­res acer­ca do cri­me que ha­vi­am co­me­ti­do pa­ra se­rem con­de­na­dos a uma mor­te tão cru­el. Pi­la­tos ha­via or­de­na­do que a pla­ca da ra­zão da pe­na de Je­sus fos­se es­cri­ta em he­brai­co, gre­go e la­tim, por is­so fi­cou “Je­sus Na­za­re­no, Rei dos Ju­deus”.

Co­mo es­ta não é uma au­la de re­li­gião ou de cris­ti­a­nis­mo, mas de ci­ên­cia po­lí­ti­ca, es­ta­mos fa­lan­do so­bre co­mo o fi­ló­so­fo que trou­xe no­vos con­cei­tos de hu­ma­nis­mo pa­ra a so­ci­e­da­de de sua épo­ca aler­tou seus se­gui­do­res so­bre a ne­ces­si­da­de de co­nhe­ci­men­to. “Co­nhe­ce­reis ver­da­de e a ver­da­de vos li­ber­ta­rá!” ( João 8:32, na Bí­blia Sa­gra­da), ex­cla­mou o mes­tre aos seus dis­cí­pu­los. Des­sa for­ma, Je­sus pre­ten­dia es­cla­re­cer que, em tem­pos som­bri­os, de di­ta­du­ras em que um dos di­rei­tos re­ti­ra­do das pes­so­as é jus­ta­men­te o aces­so ao sa­ber, à in­for­ma­ção. As­sim, seu ob­je­ti­vo é que as pes­so­as fos­sem ca­pa­zes de ter pen­sa­men­to crí­ti­co so­bre os acon­te­ci­men­tos e não ape­nas acre­di­tar no que é trans­mi­ti­do pe­los que se uti­li­zam do mo­no­pó­lio da co­mu­ni­ca­ção pa­ra in­cu­tir na mai­o­ria a for­ma­ção de opi­nião que vá ao en­con­tro dos in­te­res­ses dos po­de­ro­sos.

Va­le des­ta­car que a So­ci­e­da­de In­te­ra­me­ri­ca­na de Im­pren­sa (SIP) co­lo­cou o Bra­sil na lis­ta dos paí­ses mais pe­ri­go­sos pa­ra o exer­cí­cio da pro­fis­são de jor­na­lis­ta in­de­pen­den­te, os cha­ma­dos blo­guei­ros. Se­gun­do o Jor­nal do Bra­sil, em ma­té­ria de ju­lho de 2016, in­ti­tu­la­da “So­ci­e­da­de In­te­ra­me­ri­ca­na de Im­pren­sa con­de­na as­sas­si­na­to de jor­na­lis­ta em Goiás”:

Em 2015, o Bra­sil fi­cou em quin­to lu­gar en­tre os paí­ses mais pe­ri­go­sos pa­ra o exer­cí­cio da ati­vi­da­de jor­na­lís­ti­ca, com oi­to as­sas­si­na­tos, de acor­do com a or­ga­ni­za­ção in­ter­na­ci­o­nal Co­mi­tê pa­ra a Pro­te­ção dos Jor­na­lis­tas, (CJP, na si­gla em in­glês). O país fi­cou à fren­te de na­ções em gu­er­ra, co­mo Ira­que e Su­dão do Sul. A mai­or par­te dos pro­fis­si­o­nais as­sas­si­na­das apu­ra­va ca­sos de cor­rup­ção en­vol­ven­do po­lí­ti­cos. Já em 2017, o jor­na­lis­ta e blo­guei­ro Edu­ar­do Gui-

ma­rães, do Blog da Ci­da­da­nia, foi le­va­do co­er­ci­ti­va­men­te pa­ra pres­tar de­poi­men­to na se­de da Po­lí­cia Fe­de­ral em São Pau­lo em ra­zão de ter si­do con­si­de­ra­do “veí­cu­lo de pro­pa­gan­da po­lí­ti­ca” pe­la Jus­ti­ça Fe­de­ral do Pa­ra­ná. Foi de­cre­ta­da a con­du­ção co­er­ci­ti­va do jor­na­lis­ta por su­pos­ta­men­te ter di­vul­ga­do in­for­ma­ções si­gi­lo­sas que po­de­ri­am ter co­lo­ca­do em ris­co as in­ves­ti­ga­ções da Ope­ra­ção La­va Ja­to.

Pa­ra o ad­vo­ga­do Fer­nan­do Hi­deo La­cer­da, a con­du­ção co­er­ci­ti­va foi ile­gal, e a bus­ca e apre­en­são na ca­sa de Edu­ar­do Gui­ma­rães vi­o­lou o si­gi­lo de fon­te ga­ran­ti­do pe­la Cons­ti­tui­ção. Além dis­so, o juiz Sér­gio Mo­ro foi o au­tor da ação con­tra o blo­guei­ro, e, por ser par­te, não po­de­ria ter si­do o ma­gis­tra­do que atu­ou de­ter­mi­nan­do a bus­ca e apre­en­são e a con­du­ção co­er­ci­ti­va. De acor­do com a le­gis­la­ção bra­si­lei­ra, o juiz de­ve­ria ter se de­cla­ra­do im­pe­di­do.

A “ver­da­de” no ca­so de Je­sus Cris­to se tra­ta­va de os dis­cí­pu­los co­nhe­ce­rem me­lhor o la­do hu­ma­no e os di­rei­tos di­tos “na­tu­rais” do ser hu­ma­no, que tra­zem a ideia uni­ver­sal de jus­ti­ça. Em ou­tras pa­la­vras, di­rei­tos na­tu­rais têm a ver com o con­jun­to de nor­mas e di­rei­tos que já nas­cem in­cor­po­ra­dos ao ho­mem, co­mo o di­rei­to à vi­da.

1.1 Li­ber­da­de e igual­da­de

Se­gun­do a “De­cla­ra­ção de di­rei­tos do ho­mem e do ci­da­dão”, pu­bli­ca­da na Fran­ça em 26 de agos­to de 1789, pe­los “re­pre­sen­tan­tes do po­vo fran­cês, reu­ni­dos em As­sem­bleia Na­ci­o­nal, ten­do em vis­ta que a ig­no­rân­cia, o es­que­ci­men­to ou o des­pre­zo dos di­rei­tos do ho­mem são as úni­cas cau­sas dos ma­les pú­bli­cos e da cor­rup­ção dos Go­ver­nos”, os di­rei­tos na­tu­rais do ser hu­ma­no são:

Art.1º. Os ho­mens nas­cem e são li­vres e iguais em di­rei­tos. As dis­tin­ções so­ci­ais só po­dem fun­da­men­tar-se na uti­li­da­de co­mum.

Art. 2º. A fi­na­li­da­de de to­da as­so­ci­a­ção po­lí­ti­ca é a con­ser­va­ção dos di­rei­tos na­tu­rais e im­pres­cri­tí­veis do ho­mem. Es­ses di­rei­tos são a li­ber­da­de, a pro­pri­e­da­de a se­gu­ran­ça e a re­sis­tên­cia à opres­são. Por es­sas pre­mis­sas, há um li­mi­te pa­ra o exer­cí­cio da li­ber­da­de, is­to é, não se de­ve fe­rir a li­ber­da­de de ou­tra pes­soa e ter pro­pri­e­da­de, se­gu­ran­ça e de ter o di­rei­to de re­sis­tir à opres­são, as­sim co­mo de não vi­o­lar ou­tras leis. A igual­da­de é con­si­de­rar to­dos iguais em di­rei­tos, ou se­ja, pe­ran­te a lei e, con­se­quen­te­men­te, tam­bém em de­ve­res. Lem­bran­do que es­sa igual­da­de é ju­rí­di­ca, e não sig­ni­fi­ca igual­da­de so­ci­al.

Um ar­ti­go da De­cla­ra­ção é es­sen­ci­al pa­ra a com­pre­en­são da de­mo­cra­cia: o ar­ti­go 6º, o qual dei­xa cla­ro que:

A lei é a ex­pres­são da von­ta­de ge­ral. To­dos os ci­da­dãos têm o di­rei­to de con­cor­rer, pes­so­al­men­te ou atra­vés de man­da­tá­ri­os, pa­ra a sua for­ma­ção. Ela de­ve ser a mes­ma pa­ra to­dos, se­ja pa­ra pro­te­ger, se­ja pa­ra pu­nir. To­dos os ci­da­dãos são iguais a seus olhos e igual­men­te ad­mis­sí­veis a to­das as dig­ni­da­des, lu­ga­res e em­pre­gos pú­bli­cos, se­gun­do a sua ca­pa­ci­da­de e sem ou­tra dis­tin­ção que não se­ja a das su­as vir­tu­des e dos seus ta­len­tos. Se­gun­do Bo­a­ven­tu­ra de Sou­sa San­tos, di­re­tor do Cen­tro de Es­tu­dos So­ci­ais da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra e co­or­de­na­dor ci­en­tí­fi­co do Ob­ser­va­tó­rio Per­ma­nen­te da Jus­ti­ça de Por­tu­gal, “Vi­ve­mos em so­ci­e­da­des po­li­ti­ca­men­te de­mo­crá­ti­cas, mas so­ci­al­men­te fas­cis­tas”, ao afir­mar que “o ide­al de­mo­crá­ti­co con­ti­nua a cap­tar a ima­gi­na­ção dos que as­pi­ram a uma so­ci­e­da­de que com­bi­ne a li­ber­da­de com a jus­ti­ça so­ci­al, mas na prá­ti­ca a de­mo­cra­cia es­tá ca­da vez mais lon­ge des­te ide­al” em en­tre­vis­ta pa­ra o Ins­ti­tu­to Hu­ma­ni­tas Uni­si­nos – IHU1.

Pa­ra a me­lhor com­pre­en­são de von­ta­de ge­ral dos ci­da­dãos, é pre­ci­so en­ten­der as di­fe­ren­ças en­tre for­ma de Es­ta­do, for­ma de go­ver­no e sis­te­ma de go­ver­no. Mas é ne­ces­sa­rio sa­ber co­mo se deu a ins­ti­tui­ção das re­gras dis­pos­tas na atu­al Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil de 1988, a Car­ta Po­lí­ti­ca em vi­gor, pa­ra en­ten­der os prin­cí­pi­os de Ci­ên­cia Po­lí­ti­ca que re­gem a nos­sa de­mo­cra­cia.

1.2 A Cons­ti­tui­ção ci­da­dã

Pa­ra que a de­mo­cra­cia pos­sa va­ler ver­da­dei­ra­men­te, é pre­ci­so que o po­vo pos­sa con­tro­lar a atu­a­ção dos agen­tes pú­bli­cos. Após o pe­río­do de di­ta­du­ra mi­li­tar no Bra­sil (1964 a 1985), ca­rac­te­ri­za­do pe­la fal­ta de li­ber­da­de em ra­zão da su­pres­são de di­rei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais, cen­su­ra, per­se­gui­ção po­lí­ti­ca e re­pres­são aos que se po­si­ci­o­na­ram con­tra o re­gi­me, tor­nou-se ação de fun­da­men­tal im­por­tân­cia a apro­va­ção de uma Cons­ti­tui­ção. Des­sa for­ma, o po­vo po­de­ria ele­ger e tam­bém des­ti­tuir di­re­ta­men­te o che­fe do Po­der Exe­cu­ti­vo, es­co­lher os parlamentares e, as­sim, de­ter­mi-

1 Dis­po­ní­vel em: http://www.ihu.uni­si­nos.br/563035a-di­fi­cil-rein­ven­cao-da-de­mo­cra­cia-fren­te-ao-fas­cis­mo-so­ci­a­len­tre­vis­ta-es­pe­ci­al-com-bo­a­ven­tu­ra-de-sou­sa-san­tos#. Aces­so em: 11 maio 2017.

nar as di­re­tri­zes da ação es­ta­tal, au­to­ri­zar ou re­fe­ren­dar as de­ci­sões po­lí­ti­cas mais im­por­tan­tes.

Uma As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te foi ins­ta­la­da (19871988) no Con­gres­so Na­ci­o­nal 21 anos de­pois do go­ver­no ad­mi­nis­tra­do pe­los mi­li­ta­res. A cha­pa Tan­cre­do Neves e Jo­sé Sar­ney for­ma­da pe­lo Cen­tro De­mo­crá­ti­co (PMDB, PFL, PTB, PDS e par­ti­dos me­no­res), tam­bém co­nhe­ci­da co­mo “Cen­trão”, ven­ceu as elei­ções que ocor­re­ram pe­lo re­gra­men­to da Cons­ti­tui­ção de 1967. Du­ran­te to­do o Im­pé­rio, a Cons­ti­tui­ção de 1824 reu­nia o re­gra­men­to que to­dos os bra­si­lei­ros de­ve­ri­am se­guir. Na Re­pú­bli­ca, as Cons­ti­tui­ções de 1891, 1934, 1937, 1946 e 1967 de­ter­mi­na­ram as re­gras que de­ve­ri­am ser se­gui­das pe­los ci­da­dãos. Po­rém, em 1969, com o fa­le­ci­men­to do pre­si­den­te Ar­tur da Cos­ta e Silva, a Pre­si­dên­cia do Bra­sil foi as­su­mi­da por uma Jun­ta Mi­li­tar, a qual com a edi­ção do Ato Ins­ti­tu­ci­o­nal (AI) nº 12 ofi­ci­a­li­zou a in­ves­ti­du­ra de uma jun­ta cons­ti­tuí­da por três mi­nis­tros mi­li­ta­res, dei­xan­do de fo­ra o vi­ce-pre­si­den­te Pe­dro Alei­xo, substituto cons­ti­tu­ci­o­nal do en­tão pre­si­den­te Cos­ta e Silva.

As elei­ções ocor­re­ram em 1985 após a mo­bi­li­za­ção ci­vil cha­ma­da Di­re­tas Já, em que ci­da­dãos de to­das as par­tes do país exi­gi­am elei­ções di­re­tas. Os can­di­da­tos que dis­pu­ta­ram a Pre­si­dên­cia eram Pau­lo Ma­luf – su­ces­sor da an­ti­ga ARE­NA, o par­ti­do de apoio ao re­gi­me mi­li­tar – e Tan­cre­do Neves. Na ver­da­de, as elei­ções nun­ca acon­te­ce­ram, uma vez que Tan­cre­do foi es­co­lhi­do in­di­re­ta­men­te pe­lo Co­lé­gio Elei­to­ral pa­ra ser o pre­si­den­te pa­ra um man­da­to de seis anos.

O Co­lé­gio Elei­to­ral era com­pos­to por con­gres­sis­tas e de­le­ga­dos das as­sem­blei­as le­gis­la­ti­vas de to­do o país, que es­co­lhi­am os pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca em elei­ções in­di­re­tas. A par­tir da cri­se po­lí­ti­ca no Bra­sil oca­si­o­na­da pe­la re­nún­cia de Jâ­nio Qua­dros, em 1961, o vi­ce João Gou­lart as­su­miu a pre­si­dên­cia (1961-1964). Po­rém, par­te da so­ci­e­da­de acre­di­tou que o pre­si­den­te do Bra­sil ten­dia pa­ra o la­do so­ci­a­lis­ta, pois nes­te pe­río­do o mun­do vi­via o au­ge da Gu­er­ra Fria. Na úl­ti­ma das elei­ções in­di­re­tas, re­a­li­za­das no Co­lé­gio Elei­to­ral, em 15 de ja­nei­ro de 1985, Tan­cre­do Neves, da opo­si­ção, foi elei­to pe­la co­li­ga­ção en­tre o Par­ti­do do Mo­vi­men­to De­mo­crá­ti­co Bra­si­lei­ro (PMDB) e a Fren­te Li­be­ral.

No dia 14 de mar­ço de 1985, na vés­pe­ra da pos­se, Tan­cre­do foi in­ter­na­do com sin­to­mas de apen­di­ci­te e o vi­ce-pre­si­den­te elei­to Jo­sé Sar­ney, em­pos­sa­do no dia 15. O úl­ti­mo pre­si­den­te mi­li­tar, João Fi­guei­re­do, dei­xou o go­ver­no sem pas­sar o co­man­do do país e a fai­xa pre­si­den­ci­al pa­ra Jo­sé Sar­ney.

A pri­mei­ra ver­da­dei­ra elei­ção di­re­ta pa­ra a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca após a di­ta­du­ra mi­li­tar se deu em 1989, qu­an­do o ven­ce­dor foi o ex-go­ver­na­dor de Ala­go­as Fer­nan­do Col­lor de Mel­lo, que fi­cou me­nos de dois anos no po­der em ra­zão de ter en­fren­ta­do um pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment que o re­ti­rou do po­der. Quem se tor­nou pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca foi o en­tão vi­ce Ita­mar Fran­co.

Ins­ta­la­da ofi­ci­al­men­te no dia 1º de ja­nei­ro de 1987, a As­sem­bleia Na­ci­o­nal Cons­ti­tuin­te deu iní­cio aos tra­ba­lhos do pro­ces­so de ela­bo­ra­ção de uma Cons­ti­tui­ção que se­ria o mar­co da tran­si­ção do re­gi­me au­to­ri­tá­rio pa­ra o de­mo­crá­ti­co, ele­gen­do re­pre­sen­tan­tes (so­men­te 24 mu­lhe­res) com a mar­ca do plu­ra­lis­mo par­ti­dá­rio. Os cons­ti­tuin­tes de­ci­di­ram que a Car­ta Po­lí­ti­ca se­ria pau­ta­da pe­los di­rei­tos so­ci­ais, ga­ran­ti­as in­di­vi­du­ais e pe­la pre­va­lên­cia dos di­rei­tos hu­ma­nos.

Os tra­ba­lhos da Cons­ti­tuin­te fo­ram en­cer­ra­dos em 22 de se­tem­bro de 1988, após a vo­ta­ção e apro­va­ção do tex­to fi­nal da no­va Cons­ti­tui­ção ape­li­da­da de “Ci­da­dã”. Mes­mo com su­as atu­ais 96 emen­das (a úl­ti­ma foi a que au­to­ri­zou a prá­ti­ca da va­que­ja­da no país), con­tém as re­gras pa­ra to­dos os bra­si­lei­ros em con­for­mi­da­de com os prin­cí­pi­os de­mo­crá­ti­cos es­ta­be­le­ci­dos pe­los tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais de di­rei­tos hu­ma­nos que vi­go­ram des­de o fim da Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al, es­pe­ci­al­men­te a De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos.

Se­gun­do os en­si­na­men­tos de Léon Du­guit (1996. p. 25-26):

O ho­mem vi­ve em so­ci­e­da­de e só po­de as­sim vi­ver; a so­ci­e­da­de man­tém-se ape­nas pe­la so­li­da­ri­e­da­de que une seus in­di­ví­du­os. As­sim uma re­gra de con­du­ta im­põe-se ao ho­mem so­ci­al pe­las pró­pri­as con­tin­gên­ci­as con­tex­tu­ais, e es­ta re­gra po­de for­mu­lar-se do se­guin­te mo­do: não pra­ti­car na­da que pos­sa aten­tar con­tra a so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al sob qual­quer das su­as for­mas [...] A re­gra de di­rei­to é so­ci­al pe­lo seu fun­da­men­to, no sen­ti­do de que só exis­te por­que os ho­mens vi­vem em so­ci­e­da­de. Is­so sig­ni­fi­ca que to­do bra­si­lei­ro de­ve se­guir as re­gras que fo­ram ins­ti­tuí­das pe­la es­co­lha da mai­o­ria já que, se­gun­do o art. 1º da Cons­ti­tui­ção, “A Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil, for­ma­da pe­la união in­dis­so­lú­vel dos Es­ta­dos e Mu­ni­cí­pi­os e do Dis­tri­to Fe­de­ral, cons­ti­tui-se em Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to e tem co­mo fun­da­men­tos: I - a so­be­ra­nia; II - a ci­da­da­nia;

III - a dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na; IV - os va­lo­res so­ci­ais do tra­ba­lho e da li­vre ini­ci­a­ti­va; V - o plu­ra­lis­mo po­lí­ti­co”, que em seu pa­rá­gra­fo úni­co es­ta­be­le­ce que “To­do o po­der ema­na do po­vo, que o exer­ce por meio de re­pre­sen­tan­tes elei­tos ou di­re­ta­men­te, nos ter­mos des­ta Cons­ti­tui­ção”.

As in­te­ra­ções e re­pre­sen­ta­ções en­tre pes­so­as hu­ma­nas e até mes­mo al­gu­mas não hu­ma­nas pre­ci­sam de re­gras pa­ra que a li­ber­da­de de um não se­ja usur­pa­da por ou­trem e o Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to aba­la­do. O ju­ris­ta Tér­cio Sam­paio Fer­raz Jú­ni­or (2008) ci­ta co­mo exem­plo uma sa­la de au­la. Pa­ra que uma sa­la se trans­for­me em um con­jun­to ao qual pos­sa­mos de­no­mi­nar “sa­la de au­la”, é ne­ces­sá­rio ha­ver uma es­tru­tu­ra que or­de­ne os ele­men­tos pre­sen­tes no es­pa­ço.

Pa­ra o ju­ris­ta, as re­gras es­ta­be­le­cem os li­mi­tes do or­de­na­men­to ju­rí­di­co e con­fe­rem a ele sua for­ma es­pe­cí­fi­ca. En­tre as nor­mas ju­rí­di­cas or­ga­ni­za­das pe­la re­gra es­tru­tu­ral das fon­tes do Di­rei­to, há hi­e­rar­quia en­tre nor­mas mais for­tes e mais fra­cas, além de pro­du­ção de efei­tos de­li­mi­ta­da pe­lo tem­po em si­tu­a­ções que po­dem re­gu­lar ações no pas­sa­do ou não. Além dis­so, há re­qui­si­tos pa­ra que uma nor­ma dei­xe de ter va­li­da­de ju­rí­di­ca.

O con­jun­to de nor­mas de­ve per­mi­tir a re­so­lu­ção de con­tro­vér­si­as com o mí­ni­mo de per­tur­ba­ção so­ci­al. Po­de-se afir­mar que to­da no­va nor­ma de­ve ser co­e­ren­te com ou­tras nor­mas ju­rí­di­cas su­pe­ri­o­res, ou se­ja, uma nor­ma in­fe­ri­or não po­de, em te­se, con­tra­di­zer ou­tra su­pe­ri­or. Uma lei mu­ni­ci­pal ou mes­mo um ar­ti­go da Cons­ti­tui­ção Es­ta­du­al de de­ter­mi­na­do es­ta­do não po­de con­tra­ri­ar um ar­ti­go da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral, por exem­plo. É im­por­tan­te des­ta­car que po­de ha­ver cer­tos com­por­ta­men­tos ain­da não re­gu­la­dos e que, por­tan­to, es­tão fo­ra das re­gras que o clas­si­fi­quem co­mo cri­me, co­mo o que acon­te­cia há bem pou­co tem­po com as re­gras com­por­ta­men­tais da in­ter­net e até das re­des so­ci­ais. No ca­so de não ha­ver uma nor­ma re­gu­la­men­tan­do de­ter­mi­na­das ações, o juiz po­de­rá de­ci­dir se es­tá ou não em con­for­mi­da­de com a lei em vi­gor, ca­so a ca­so. Des­ta­que-se ain­da que bra­si­lei­ro al­gum po­de ale­gar o des­co­nhe­ci­men­to da lei.

É im­por­tan­te sa­li­en­tar que os tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais de di­rei­tos hu­ma­nos têm co­mo fon­te o “Di­rei­to In­ter­na­ci­o­nal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos”, que é o Di­rei­to que sur­giu após as atro­ci­da­des co­me­ti­das du­ran­te o na­zis­mo. A Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das foi fun­da­da em 1948, apro­van­do a De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, co­mo um có­di­go de prin­cí­pi­os e va­lo­res uni­ver­sais a se­rem res­pei­ta­dos pe­los paí­ses-mem­bros.

Co­me­çan­do pe­la in­cor­po­ra­ção, em 1989, da Con­ven­ção con­tra a Tor­tu­ra e Ou­tros Tra­ta­men­tos Cruéis, De­su­ma­nos ou De­gra­dan­tes, ou­tros im­por­tan­tes tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais de pro­te­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos fo­ram in­se­ri­dos no or­de­na­men­to ju­rí­di­co bra­si­lei­ro na Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral de 1988, en­tre eles: a Con­ven­ção In­te­ra­me­ri­ca­na pa­ra Pre­ve­nir e Pu­nir a Tor­tu­ra, em 20 de ju­lho de 1989; a Con­ven­ção so­bre os Di­rei­tos da Cri­an­ça, em 24 de se­tem­bro de 1990; o Pac­to In­ter­na­ci­o­nal dos Di­rei­tos Ci­vis e Po­lí­ti­cos, em 24 de ja­nei­ro de 1992; o Pac­to In­ter­na­ci­o­nal dos Di­rei­tos Econô­mi­cos, So­ci­ais e Cul­tu­rais, em 24 de ja­nei­ro de 1992; a Con­ven­ção Ame­ri­ca­na de Di­rei­tos Hu­ma­nos, em 25 de se­tem­bro de 1992; a Con­ven­ção In­te­ra­me­ri­ca­na pa­ra Pre­ve­nir, Pu­nir e Er­ra­di­car a Vi­o­lên­cia con­tra a Mu­lher, em 27 de no­vem­bro de 1995.

De acor­do com o pa­rá­gra­fo 2º do ar­ti­go 5º da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral, “os di­rei­tos e ga­ran­ti­as ex­pres­sos nes­ta Cons­ti­tui­ção não ex­clu­em ou­tros de­cor­ren­tes do re­gi­me e dos prin­cí­pi­os por ela ado­ta­dos, ou dos tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais que a Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil se­ja par­te”. As­sim, os tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais de pro­te­ção aos di­rei­tos hu­ma­nos ra­ti­fi­ca­dos pe­lo Bra­sil têm for­ça de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal, além de apli­ca­ção ime­di­a­ta, não po­den­do em hi­pó­te­se al­gu­ma ser re­vo­ga­dos por lei or­di­ná­ria pos­te­ri­or.

1.3 For­ma, re­gi­me ou sis­te­ma de go­ver­no

Na Co­reia do Nor­te, os ci­da­dãos têm pou­cos ou li­mi­ta­dos di­rei­tos, fa­tor que faz com que as pes­so­as te­nham de se­guir es­tri­ta­men­te a for­ma im­pos­ta sem ques­ti­o­nar. Se uma re­gra pre­ci­sa ser mo­der­ni­za­da ou mes­mo su­pri­mi­da em ra­zão de ter fi­ca­do ul­tra­pas­sa­da pa­ra os es­ti­los de com­por­ta­men­to atu­ais, nin­guém po­de con­tes­tar.

A Che­chê­nia, par­te da Fe­de­ra­ção da Rús­sia atu­al­men­te en­vol­vi­da em con­fli­to pa­ra con­se­guir a sua in­de­pen­dên­cia, se­gun­do in­for­ma­ções do jor­nal bri­tâ­ni­co Daily Mail, tem per­se­gui­do, de­ti­do e de­sa­pa­re­ci­do com ci­vis sob a acu­sa­ção de se­rem gays. Há re­la­tos de ci­vis que te­ri­am si­do mor­tos a man­do das au­to­ri­da­des che­che­nas por se­rem ho­mos­se­xu­ais. O re­gi­me

do pre­si­den­te Ram­zan Kady­rov, que in­tro­du­ziu o is­la­mis­mo no país, é acu­sa­do de gra­ves vi­o­la­ções dos di­rei­tos hu­ma­nos.

Uma re­por­ta­gem do si­te G12, ba­se­a­do nas in­for­ma­ções do jor­nal de opo­si­ção rus­so No­vaya Ga­ze­ta, des­ta­cou a no­tí­cia da jor­na­lis­ta Ele­na Mi­lashi­na. Se­gun­do a re­por­ta­gem, a pro­fis­si­o­nal re­la­tou que “A so­ci­e­da­de che­che­na é pro­fun­da­men­te tra­di­ci­o­nal e ba­se­a­da em for­tes có­di­gos fa­mi­li­a­res, le­al­da­de a clãs e à re­li­gião is­lâ­mi­ca. Ter um pa­ren­te gay é con­si­de­ra­do uma man­cha que se es­ten­de a to­da a fa­mí­lia”. En­ti­da­des de de­fe­sa da co­mu­ni­da­de LGBT dis­se­ram que na­que­la lo­ca­li­da­de im­pe­ra o có­di­go da le­gí­ti­ma de­fe­sa da hon­ra e, as­sim, os pró­pri­os fa­mi­li­a­res po­dem de­nun­ci­ar ou até mes­mo par­ti­ci­par de ata­ques a ho­mos­se­xu­ais. De acor­do com o jor­nal The New York Ti­mes, vá­ri­os ho­mos­se­xu­ais apa­ga­ram seus per­fis nas re­des so­ci­ais por­que as au­to­ri­da­des atra­em gays pa­ra en­con­tros fal­sos com o ob­je­ti­vo de pren­dê-los.

Os dois ex­me­plos men­ci­o­na­dos são ape­nas al­guns em que a for­ma de go­ver­no não per­mi­te a to­tal li­ber­da­de. Va­mos ver co­mo é a for­ma de go­ver­no:

For­ma de go­ver­no: con­sis­te na mo­da­li­da­de pe­la qual o cha­ma­do po­der exe­cu­ti­vo é exer­ci­do. De acor­do com o si­te Es­co­la de Go­ver­no3:

Nas an­ti­gas mo­nar­qui­as, o rei de­sig­na­va ser­vi­do­res es­pe­ci­ais, seus mi­nis­tros (a pa­la­vra tem exa­ta­men­te es­se sig­ni­fi­ca­do no por­tu­guês clás­si­co, pois mi­nis­tro vem de mi­nus), pa­ra cum­prir as fun­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas, re­ser­van­do-se o mo­nar­ca o po­der le­gis­la­ti­vo e o ju­di­ciá­rio. Com a Re­vo­lu­ção In­gle­sa do fi­nal do sé­cu­lo XVII, o rei acei­tou de­sig­nar co­mo seus mi­nis­tros as pes­so­as in­di­ca­das pe­lo par­la­men­to, pe­ran­te o qual elas pas­sa­ram a res­pon­der de seus atos. Cri­ou-se, as­sim, a for­ma ou sis­te­ma par­la­men­tar de go­ver­no, ado­ta­da em se­gui­da tam­bém por paí­ses nos quais a mo­nar­quia foi abo­li­da. A fi­gu­ra do pri­mei­ro-mi­nis­tro sur­giu epi­so­di­ca­men­te du­ran­te o rei­no de Jor­ge II, prín­ci­pe de Ha­no­ver, tra­zi­do ao tro­no in­glês por ra­zões de su­ces­são di­nás­ti­ca, e que rei­nou de 1727 a 1760. Co­mo ele mal do­mi­na­va a lín­gua in­gle­sa, aca­bou por de­le­gar as fun­ções de pre­si­dir as sessões do Par­la­men­to e as reu­niões mi­nis­te­ri­ais a Ro­bert Wal­po­le, che­fe dos li­be­rais (whigs) e lí­der da Câ­ma­ra dos Co­muns.

Sen­do as­sim, na atu­a­li­da­de, o mun­do tem so­men­te du­as for­mas de go­ver­no, a mo­nar­quia e a re­pú­bli­ca. En­quan­to na mo­nar­quia o che­fe da fa­mí­lia re­al é o che­fe de Es­ta­do, na re­pú­bli­ca é ne­ces­sá­rio que al­guém se­ja o ges­tor do Es­ta­do.

De acor­do com a for­ma de go­ver­no, um sis­te­ma de go­ver­no pre­ci­sa ser ado­ta­do. Va­mos ver o seu sig­ni­fi­ca­do:

Sis­te­mas de go­ver­no: a or­ga­ni­za­ção do go­ver­no é de­no­mi­na­da sis­te­ma de go­ver­nos. Exis­tem três sis­te­mas de go­ver­no: mo­no­crá­ti­co, par­la­men­ta­ris­ta e pre­si­den­ci­a­lis­ta.

No sis­te­ma mo­no­crá­ti­co, as fun­ções exe­cu­ti­va e le­gis­la­ti­va são exer­ci­das por um lí­der re­li­gi­o­so, mi­li­tar ou de um par­ti­do, por exem­plo. Já no sis­te­ma par­la­men­ta­ris­ta, a che­fia de go­ver­no e Es­ta­do é se­pa­ra­da. No pre­si­den­ci­a­lis­mo, o che­fe de go­ver­no tam­bém exer­ce a fun­ção de che­fe de Es­ta­do e li­de­ra o Po­der Exe­cu­ti­vo, se­pa­ra­do do Po­der Le­gis­la­ti­vo e do Po­der Ju­di­ciá­rio, co­mo acon­te­ce no Bra­sil. Va­le lem­brar que, nas re­pú­bli­cas, há a se­pa­ra­ção de po­de­res en­tre Exe­cu­ti­vo, Le­gis­la­ti­vo e Ju­di­ciá­rio.

No par­la­men­ta­ris­mo, o rei se­rá o che­fe de Es­ta­do e o pri­mei­ro-mi­nis­tro, o che­fe de go­ver­no; es­te úl­ti­mo é elei­to en­tre os de­pu­ta­dos mais vo­ta­dos de uma de­ter­mi­na­da le­gen­da. O par­la­men­to é elei­to pe­lo po­vo, que tem seus re­pre­sen­tan­tes (de­pu­ta­dos), sen­do que os par­ti­dos que ob­ti­ve­rem a mai­o­ria de de­pu­ta­dos elei­tos cons­ti­tu­em o go­ver­no. A mai­o­ria dos paí­ses que op­ta­ram pe­lo sis­te­ma par­la­men­ta­ris­ta tam­bém têm pre­si­den­tes, co­mo a Ale­ma­nha, Ín­dia, Ir­lan­da, Is­ra­el e Itá­lia.

É ne­ces­sá­rio ain­da que a com­pre­en­são de re­gi­me po­lí­ti­co se­ja bem ab­sor­vi­da pa­ra que os es­tu­dan­tes com­pre­en­dam a po­lí­ti­ca, ou se­ja, co­mo os as­sun­tos pú­bli­cos e a to­ma­da de de­ci­sões são ge­ren­ci­a­das, já que são ori­en­ta­das por ide­o­lo­gi­as di­ver­sas.

Re­gi­me po­lí­ti­co: é o con­jun­to de ins­ti­tui­ções po­lí­ti­cas por meio das quais um país se or­ga­ni­za a fim de exer­cer o seu po­der so­bre a so­ci­e­da­de. Mes­mo que o go­ver­no se­ja con­si­de­ra­do ile­gí­ti­mo, ele te­rá um re­gi­me, o qual po­de­rá ser mais aber­to ou fe­cha­do, is­to

2 ` Cam­pos de con­cen­tra­ção pa­ra ho­mos­se­xu­ais': a cres­cen­te per­se­gui­ção a gays na Che­chê­nia. Dis­po­ní­vel em: http:// g1.glo­bo.com/mun­do/no­ti­cia/cam­pos-de-con­cen­tra­cao-pa­raho­mos­se­xu­ais-a-cres­cen­te-per­se­gui­cao-a-gays-na-che­che­nia. ghtml. Aces­so em: 13 maio 2017.

3 Dis­po­ní­vel em: http://www.es­co­la­de­go­ver­no.org.br/ in­dex.php/bi­bli­o­te­ca/162-re­gi­mes-po­li­ti­cos. Aces­so em: 13 maio 2017.

é, com mai­or ou me­nor par­ti­ci­pa­ção da po­pu­la­ção nas de­ci­sões do Es­ta­do e nas fun­ções de po­der. Os re­gi­mes po­lí­ti­cos da atu­a­li­da­de no mun­do são o Es­ta­do de Di­rei­to (de­mo­cra­cia) e o re­gi­me di­ta­to­ri­al, tam­bém de­no­mi­na­do Es­ta­do de Ex­ce­ção.

Tu­do o que vi­mos até aqui tem re­la­ção com o hu­ma­nis­mo, que vem cres­cen­do no mun­do, afi­nal, as idei­as cha­ma­das “po­li­ti­ca­men­te cor­re­tas” es­tão sem­pre atre­la­das aos di­rei­tos hu­ma­nos. A edu­ca­ção no Bra­sil pro­cu­ra in­cu­tir nos alu­nos os ide­ais de li­ber­da­de, fraternidade e igual­da­de da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa (17891799), o pe­río­do de in­qui­e­ta­ção po­lí­ti­ca que mo­di­fi­cou a vi­da dos fran­ce­ses e in­flu­en­ci­ou as re­pú­bli­cas e as de­mo­cra­ci­as ao re­dor do mun­do. Não po­de­mos dei­xar de men­ci­o­nar que no dia 14 de ju­lho é co­me­mo­ra­do o Dia In­ter­na­ci­o­nal da Li­ber­da­de, uma re­fe­rên­cia ao epi­só­dio sím­bo­lo da Re­vo­lu­ção: a Que­da da Bas­ti­lha, ocor­ri­da em 1789.

E é jus­ta­men­te des­ta da­ta a “De­cla­ra­ção de Di­rei­tos do Ho­mem e do Ci­da­dão”, da qual re­ti­ra­mos mais ar­ti­gos pa­ra de­mons­trar a im­por­tân­cia dos con­cei­tos e fun­da­men­tos ne­la ins­ti­tuí­dos pa­ra o re­gra­men­to ju­rí­di­co bra­si­lei­ro, dis­pos­to na Cons­ti­tui­ção de 1988:

Art. 6º. A lei é a ex­pres­são da von­ta­de ge­ral. To­dos os ci­da­dãos têm o di­rei­to de con­cor­rer, pes­so­al­men­te ou atra­vés de man­da­tá­ri­os, pa­ra a sua for­ma­ção. Ela de­ve ser a mes­ma pa­ra to­dos, se­ja pa­ra pro­te­ger, se­ja pa­ra pu­nir. To­dos os ci­da­dãos são iguais a seus olhos e igual­men­te ad­mis­sí­veis a to­das as dig­ni­da­des, lu­ga­res e em­pre­gos pú­bli­cos, se­gun­do a sua ca­pa­ci­da­de e sem ou­tra dis­tin­ção que não se­ja a das su­as vir­tu­des e dos seus ta­len­tos.

Art. 7º. Nin­guém po­de ser acu­sa­do, pre­so ou de­ti­do se­não nos ca­sos de­ter­mi­na­dos pe­la lei e de acor­do com as for­mas por es­ta pres­cri­tas. Os que so­li­ci­tam, ex­pe­dem, exe­cu­tam ou man­dam exe­cu­tar or­dens ar­bi­trá­ri­as de­vem ser pu­ni­dos; mas qual­quer ci­da­dão con­vo­ca­do ou de­ti­do em vir­tu­de da lei de­ve obe­de­cer ime­di­a­ta­men­te, ca­so con­trá­rio tor­na-se cul­pa­do de re­sis­tên­cia.

Art. 8º. A lei ape­nas de­ve es­ta­be­le­cer pe­nas es­tri­ta e evi­den­te­men­te ne­ces­sá­ri­as e nin­guém po­de ser pu­ni­do se­não por for­ça de uma lei es­ta­be­le­ci­da e pro­mul­ga­da an­tes do de­li­to e le­gal­men­te apli­ca­da.

Art. 9º. To­do acu­sa­do é con­si­de­ra­do ino­cen­te até ser de­cla­ra­do cul­pa­do e, se jul­gar in­dis­pen­sá­vel pren­dê-lo, to­do o ri­gor des­ne­ces­sá­rio à guar­da da sua pes­soa de­ve­rá ser se­ve­ra­men­te re­pri­mi­do pe­la lei. Por meio dos ar­ti­gos ci­ta­dos, po­de-se ve­ri­fi­car que a lei de­ve ser igual pa­ra to­dos. É jus­ta­men­te es­se o mo­ti­vo de nos alon­gar­mos com ex­pli­ca­ções de ci­ên­cia po­lí­ti­ca nes­ta obra. A com­pre­en­são dos fa­to­res que le­va­ram bra­si­lei­ros e bra­si­lei­ras ao es­ta­do atu­al de evo­lu­ção de nos­sa so­ci­e­da­de, re­cen­te­men­te saí­da de um re­gi­me di­ta­to­ri­al, ser­vi­rá pa­ra o en­ten­di­men­to das ra­zões pe­la qual to­dos de­vem obe­de­cer às re­gras e ain­da de­nun­ci­ar aque­les que in­sis­ti­rem em de­so­be­de­cê-las.

1.4 Po­lí­ti­ca e ci­da­da­nia

Mais adi­an­te nes­ta mes­ma obra, ve­re­mos o cha­ma­do “dis­cur­so de ódio”. Por ora, va­mos ver um pe­que­no re­su­mo de po­lí­ti­ca e de ci­da­da­nia. Ca­be res­sal­tar que na Gré­cia An­ti­ga era con­si­de­ra­do ci­da­dão o ho­mem que par­ti­ci­pa­va das de­ci­sões, já que às mu­lhe­res es­se di­rei­to não era ga­ran­ti­do. A par­ti­ci­pa­ção se da­va por meio das as­sem­blei­as, dos con­se­lhos e dos tribunais na cha­ma­da Eclé­sia ou as­sem­bleia com­pos­ta por ho­mens com o ser­vi­ço mi­li­tar já cum­pri­do. As fun­ções de le­gis­lar e de fis­ca­li­zar eram re­a­li­za­das pe­la as­sem­bleia, a qual dis­cu­tia e apro­va­va as leis, de­ci­dia so­bre a gu­er­ra ou a paz, ne­go­ci­a­va tra­ta­dos, con­tro­la­va as fi­nan­ças e as obras pú­bli­cas, além de jul­gar cri­mes po­lí­ti­cos. As de­ci­sões eram to­ma­das por mai­o­ria, em vo­ta­ção.

Um exem­plo da atu­a­li­da­de que res­sal­ta a im­por­tân­cia de to­da a so­ci­e­da­de ter o co­nhe­ci­men­to da

le­gis­la­ção e de su­as con­sequên­ci­as pa­ra a co­le­ti­vi­da­de é a en­tra­da em vi­gor, no dia 12 de abril de 2017, da Lei nº 13.434/2017. Se­gun­do a lei, fi­ca proi­bi­do o uso de al­ge­mas em mu­lhe­res du­ran­te os atos mé­di­co-hos­pi­ta­la­res pre­pa­ra­tó­ri­os pa­ra a re­a­li­za­ção do par­to e du­ran­te o tra­ba­lho de par­to, em uma ati­tu­de de hu­ma­ni­za­ção das de­ten­tas.

Des­de 2003, o go­ver­no fe­de­ral mo­di­fi­cou uma sé­rie de po­lí­ti­cas pú­bli­cas em aten­ção às rei­vin­di­ca­ções de mo­vi­men­tos so­ci­ais de mu­lhe­res no Bra­sil. Uma das mu­dan­ças foi a trans­fe­rên­cia da en­tão Se­cre­ta­ria de Es­ta­do dos Di­rei­tos da Mu­lher, vin­cu­la­da ao Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, pa­ra a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca em ra­zão de ser con­si­de­ra­da es­sen­ci­al pa­ra a eli­mi­na­ção das de­si­gual­da­des de gê­ne­ro.

So­men­te três anos de­pois, com a Lei Ma­ria da Pe­nha (Lei nº 11.340/2006), as mu­lhe­res pas­sa­ram a con­tar com um ins­tru­men­to le­gal que as­se­gu­ra a de­fe­sa de ví­ti­mas de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e fa­mi­li­ar. Re­cen­te­men­te, mais pre­ci­sa­men­te em 2014, a am­pli­a­ção dos ins­tru­men­tos ju­rí­di­cos de de­fe­sa da mu­lher con­tra a vi­o­lên­cia tor­nou-se uma re­a­li­da­de com a lei que ti­pi­fi­ca o fe­mi­ni­cí­dio co­mo ho­mi­cí­dio qua­li­fi­ca­do, a Lei nº 13.104. Pe­la lei, o fe­mi­ni­cí­dio pas­sou a ser con­si­de­ra­do cri­me he­di­on­do.

Tais as­sun­tos apa­re­ce­ram fre­quen­te­men­te em ques­tões de ves­ti­bu­la­res e na pro­va de re­da­ção do Enem. É pos­sí­vel per­ce­ber que os ava­li­a­do­res que for­mu­lam pro­ces­sos se­le­ti­vos pa­ra in­gres­so no en­si­no su­pe­ri­or se valem das re­gras do país pa­ra ela­bo­rar ques­tões de pro­vas.

O te­ma da edi­ção 2015 da pro­va de re­da­ção do Enem, “A per­sis­tên­cia da vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher na so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra”, po­de ter seus da­dos atu­a­li­za­dos pa­ra o acom­pa­nha­men­to dos ca­sos de vi­o­lên­cia con­tra as mu­lhe­res, que não di­mi­nuiu com o no­vo re­gra­men­to que tor­na o com­ba­te con­tra os ti­pos de com­por­ta­men­to ina­de­qua­do e cri­mi­no­so. No car­na­val de 2017, a Cen­tral de Aten­di­men­to à Mu­lher (Li­gue 180) re­gis­trou 2.132 aten­di­men­tos a mu­lhe­res ví­ti­mas de di­ver­sos ti­pos de agres­são, se­gun­do in­for­ma­ções do Por­tal Bra­sil4. De acor­do com o si­te, “a vi­o­lên­cia fí­si­ca foi prin­ci­pal mo­ti­vo das li­ga­ções de de­nún­ci­as (1.136 con­ta­tos), se­gui­do da vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca com 671, vi­o­lên­cia se­xu­al com 109, vi­o­lên­cia mo­ral com 95, cár­ce­re pri­va­do com 68, vi­o­lên­cia pa­tri­mo­ni­al com 49 e trá­fi­co de pes­so­as com 4 aten­di­men­tos [...] um au­men­to de 87,93%, em com­pa­ra­ção com o Car­na­val de 2016”.

4 Dis­po­ní­vel em: http://www.bra­sil.gov.br/ci­da­da­ni­ae- jus­ti­ca/ 2017/ 03/ mais- de- mil- re­la­tos- de- vi­o­len­cia- fi­si­ca­con­tra-a-mu­lher-fo­ram-re­gis­tra­dos-no-car­na­val. Aces­so em: 14 maio 2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.