Fon­tes re­no­vá­veis de ener­gia

Superguia Enem - Atualidades - - Atualidades Para Vestibular E Enem -

1) So­lar

Pra­ti­ca­men­te ines­go­tá­vel, a ener­gia so­lar po­de ser usa­da pa­ra a pro­du­ção de ele­tri­ci­da­de atra­vés de pai­néis so­la­res e cé­lu­las fo­to­vol­tai­cas. No Bra­sil, a quan­ti­da­de de sol abun­dan­te du­ran­te qua­se to­do o ano es­ti­mu­la o uso des­se re­cur­so. Exis­tem as for­mas ati­va e pas­si­va de uti­li­zar a ener­gia so­lar. En­quan­to o mé­to­do ati­vo se ba­seia em trans­for­mar os rai­os so­la­res em ou­tras for­mas de ener­gia (tér­mi­ca ou elé­tri­ca), o pas­si­vo é uti­li­za­do pa­ra o aque­ci­men­to de edi­fí­ci­os ou pré­di­os por meio de con­cep­ções e es­tra­té­gi­as cons­tru­ti­vas. Es­sa apli­ca­ção é mais co­mum na Eu­ro­pa, on­de o frio de­man­da op­ções pa­ra a ca­le­fa­ção.

Os pai­néis fo­to­vol­tai­cos são uma das mais pro­mis­so­ras fon­tes de ener­gia re­no­vá­vel. A prin­ci­pal van­ta­gem é a qua­se to­tal au­sên­cia de po­lui­ção. No en­tan­to, a gran­de li­mi­ta­ção dos dis­po­si­ti­vos fo­to­vol­tai­cos é seu bai­xo ren­di­men­to. Ou­tro in­con­ve­ni­en­te são os ele­va­dos cus­tos de pro­du­ção dos pai­néis, de­vi­do à pou­ca dis­po­ni­bi­li­da­de de ma­te­ri­ais se­mi­con­du­to­res.

2) Eó­li­ca

A ener­gia eó­li­ca é a ge­ra­da pe­lo ven­to. Uti­li­za­da há anos sob a for­ma de moi­nhos de ven­to, po­de ser ca­na­li­za­da pe­las mo­der­nas tur­bi­nas eó­li­cas ou pe­lo tra­di­ci­o­nal ca­ta-ven­to. Os es­pe­ci­a­lis­tas ex­pli­cam que no Bra­sil há ven­tos fa­vo­rá­veis pa­ra a am­pli­a­ção dos ins­tru­men­tos eó­li­cos. A ener­gia ci­né­ti­ca, re­sul­tan­te do des­lo­ca­men­to das mas­sas de ar, po­de ser trans­for­ma­da em ener­gia me­câ­ni­ca ou elé­tri­ca. Pa­ra a pro­du­ção de ener­gia elé­tri­ca em gran­de es­ca­la só são in­te­res­san­tes re­giões que te­nham ven­tos com ve­lo­ci­da­de mé­dia de 6 m/seg ou su­pe­ri­or.

Uma ou­tra res­tri­ção pre­sen­te no apro­vei­ta­men­to da ener­gia eó­li­ca é a ques­tão do es­pa­ço fí­si­co, uma vez que tan­to as tur­bi­nas quan­to os ca­ta-ven­tos são ins­ta­la­ções me­câ­ni­cas gran­des e ocu­pam áre­as ex­ten­sas. To­da­via,

seu im­pac­to am­bi­en­tal é mí­ni­mo, tan­to em ter­mos de ruí­do quan­to no ecos­sis­te­ma.

3) Hí­dri­ca

A ener­gia hí­dri­ca é a que uti­li­za a for­ça ci­né­ti­ca das águas de um rio e a con­ver­te em ener­gia elé­tri­ca, com a ro­ta­ção de uma tur­bi­na hi­dráu­li­ca. À ex­ce­ção das gran­des in­dús­tri­as hi­dre­lé­tri­cas, que aten­dem ao vas­to mer­ca­do, há tam­bém a apli­ca­ção da ener­gia hí­dri­ca no cam­po por meio de pe­que­nas cen­trais hi­dre­lé­tri­cas (PCHI), ba­se­a­das em ri­os de pe­que­no por­te. A re­gião Cen­tro-sul do país é es­pe­ci­al­men­te pro­pí­cia ao uso des­se ti­po de re­cur­so.

As pe­que­nas cen­trais são ca­pa­zes de su­prir uma pro­pri­e­da­de e ali­men­tar seus ge­ra­do­res. Na Eu­ro­pa, mui­tos sí­ti­os e chá­ca­ras se uti­li­zam des­sas ins­ta­la­ções co­mo fon­te al­ter­na­ti­va.

4) Bi­o­mas­sa

Há três clas­ses de bi­o­mas­sa: só­li­da, lí­qui­da e ga­so­sa. A bi­o­mas­sa só­li­da tem co­mo fon­te os pro­du­tos e re­sí­du­os da agri­cul­tu­ra (in­cluin­do subs­tân­ci­as ve­ge­tais e ani­mais), os re­sí­du­os das flo­res­tas e a fra­ção bi­o­de­gra­dá­vel dos re­sí­du­os in­dus­tri­ais e ur­ba­nos.

A bi­o­mas­sa lí­qui­da exis­te em uma sé­rie de bi­o­com­bus­tí­veis lí­qui­dos com po­ten­ci­al de uti­li­za­ção, to­dos com ori­gem nas cha­ma­das “cul­tu­ras ener­gé­ti­cas”. São exem­plos o bi­o­di­e­sel, ob­ti­do a par­tir de óle­os de col­za ou gi­ras­sol; o eta­nol, pro­du­zi­do com a fer­men­ta­ção de hi­dra­tos de car­bo­no (açú­car, ami­do, ce­lu­lo­se); e o me­ta­nol, ge­ra­do pe­la sín­te­se do gás na­tu­ral.

Já a bi­o­mas­sa ga­so­sa é en­con­tra­da nos eflu­en­tes agro­pe­cuá­ri­os pro­ve­ni­en­tes da agroin­dús­tria e do meio ur­ba­no. É acha­da tam­bém nos ater­ros de RSU (re­sí­du­os só­li­dos ur­ba­nos). Es­ses re­sí­du­os são re­sul­ta­do da de­gra­da­ção bi­o­ló­gi­ca ana­e­ró­bia da ma­té­ria or­gâ­ni­ca e são cons­ti­tuí­dos por uma mis­tu­ra de me­ta­no e gás carbô­ni­co. Tais ma­te­ri­ais são sub­me­ti­dos à com­bus­tão pa­ra a ge­ra­ção de ener­gia.

5) Eta­nol

Pro­du­zi­do prin­ci­pal­men­te a par­tir da ca­na-de-açú­car, do eu­ca­lip­to e da be­ter­ra­ba, o eta­nol po­de ser uti­li­za­do pa­ra fa­zer fun­ci­o­nar mo­to­res de veí­cu­los ou pa­ra pro­du­zir ener­gia elé­tri­ca. A van­ta­gem des­sa fon­te re­no­vá­vel é ser me­nos po­lui­do­ra do que a ga­so­li­na.

6) Bi­o­di­e­sel

O bi­o­di­e­sel subs­ti­tui to­tal ou par­ci­al­men­te o óleo di­e­sel de pe­tró­leo em mo­to­res ci­clo di­e­sel. Su­as van- ta­gens são ser re­no­vá­vel e não po­lu­en­te, en­quan­to a des­van­ta­gem con­sis­te no es­go­ta­men­to do so­lo.

ener­gia pri­má­ria. Pa­ra al­can­çar a des­car­bo­ni­za­ção, o re­la­tó­rio afir­ma que elas de­ve­rão re­pre­sen­tar a mai­or par­te da ge­ra­ção de ener­gia em 2050, com ba­se no cres­ci­men­to rá­pi­do e con­tí­nuo, es­pe­ci­al­men­te pa­ra a so­lar e eó­li­ca”.

6.3 Pac­to glo­bal

O Pac­to Glo­bal é uma ini­ci­a­ti­va de­sen­vol­vi­da por Ko­fi An­nan, ex-se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU, com o ob­je­ti­vo de mo­bi­li­zar a co­mu­ni­da­de em­pre­sa­ri­al in­ter­na­ci­o­nal pa­ra a ado­ção, em su­as prá­ti­cas de ne­gó­ci­os, de va­lo­res fun­da­men­tais e in­ter­na­ci­o­nal­men­te acei­tos nas áre­as de di­rei­tos hu­ma­nos, re­la­ções de tra­ba­lho, meio am­bi­en­te e com­ba­te à cor­rup­ção. A im­por­tân­cia do Pac­to Glo­bal pa­ra quem vai par­ti­ci­par de pro­ces­sos se­le­ti­vos pa­ra in­gres­so no en­si­no su­pe­ri­or é jus­ta­men­te con­se­guir se sin­to­ni­zar com as me­tas pro­pos­tas pe­la ONU, as quais in­flu­en­ci­am as po­lí­ti­cas pú­bli­cas dos paí­ses-mem­bros.

In­ti­ma­men­te li­ga­do ao Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PNUD) – bra­ço da ONU pa­ra pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to e eli­mi­nar a po­bre­za no mun­do –, o Pac­to Glo­bal di­vul­gou pes­qui­sa do PNUD re­ve­lan­do, em ou­tu­bro de 2015, que “95% dos en­tre­vis­ta­dos dis­se­ram es­tar in­cli­na­dos a com­prar pro­du­tos ou ser­vi­ços li­ga­dos aos 17 Ob­je­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel17”.

No­te a in­fluên­cia que os 17 ODS têm no mun­do to­do, in­cluin­do o Bra­sil. Se­gun­do o si­te, “na pes­qui­sa co­or­de­na­da pe­la con­sul­to­ria PWC, que ou­viu em­pre­sá­ri­os, exe­cu­ti­vos e pú­bli­co em ge­ral, o país apa­re­ce no to­po do ran­king qu­an­do o as­sun­to são os ser­vi­ços e pro­du­tos ofe­re­ci­dos por em­pre­sas que tra­ba­lham ali­nha­das aos Ob­je­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel (ODS). No­ven­ta e cin­co por cen­to dos en­tre­vis­ta­dos afir­ma­ram que preferem em­pre­sas que de­fen­dem os ODS e têm ações pa­ra me­lho­rar a vi­da de to­dos no pla­ne­ta. Em se­gun­do lu­gar, apa­re­ce a Ín­dia (87%), se­gui­da por Ar­gen­ti­na (86%), Chi­na (85%) e Áfri­ca do Sul (85%)”.

Va­le des­ta­car que o PNUD pro­duz re­la­tó­ri­os e es­tu­dos so­bre o de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no sus­ten­tá­vel e as con­di­ções de vi­da das po­pu­la­ções, além de exe­cu­tar pro­je­tos pa­ra me­lho­rar es­sas con­di­ções de vi­da nos 166 paí­ses on­de pos­sui re­pre­sen­ta­ção. O ór­gão é res­pon­sá­vel pe­la ela­bo­ra­ção do Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no (IDH), cu­ja de­fi­ni­ção do pró­prio PNUD é a “me­di­da com­pa­ra­ti­va usa­da pa­ra clas­si­fi­car os paí­ses pe­lo seu grau de 'de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no' e por aju­dar a clas­si­fi­car os paí­ses co­mo de­sen­vol­vi­dos, em de­sen­vol­vi­men­to e sub­de­sen­vol­vi­dos."

O Pac­to Glo­bal de­fen­de dez prin­cí­pi­os uni­ver­sais, os quais são de­ri­va­dos da De­cla­ra­ção Uni­ver­sal de Di­rei­tos Hu­ma­nos, da De­cla­ra­ção da Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho so­bre Prin­cí­pi­os e Di­rei­tos Fun­da­men­tais no Tra­ba­lho, da De­cla­ra­ção do Rio so­bre Meio Am­bi­en­te e De­sen­vol­vi­men­to e da Con­ven­ção das Na­ções Uni­das Con­tra a Cor­rup­ção. Co­nhe­ça os 10 prin­cí­pi­os:

Di­rei­tos hu­ma­nos

1. As em­pre­sas de­vem apoi­ar e res­pei­tar a pro­te­ção de di­rei­tos hu­ma­nos re­co­nhe­ci­dos in­ter­na­ci­o­nal­men­te; e 2. As­se­gu­rar-se de sua não par­ti­ci­pa­ção em vi­o­la­ções des­tes di­rei­tos.

Tra­ba­lho

3. As em­pre­sas de­vem apoi­ar a li­ber­da­de de as­so­ci­a­ção e o re­co­nhe­ci­men­to efe­ti­vo do di­rei­to à ne­go­ci­a­ção co­le­ti­va;

4. A eli­mi­na­ção de to­das as for­mas de tra­ba­lho for­ça­do ou com­pul­só­rio; 5. A abo­li­ção efe­ti­va do tra­ba­lho in­fan­til; e 6. Eli­mi­nar a dis­cri­mi­na­ção no em­pre­go.

Meio am­bi­en­te

7. As em­pre­sas de­vem apoi­ar uma abor­da­gem pre­ven­ti­va aos de­sa­fi­os am­bi­en­tais;

8. De­sen­vol­ver ini­ci­a­ti­vas pa­ra pro­mo­ver mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de am­bi­en­tal;

9. In­cen­ti­var o de­sen­vol­vi­men­to e di­fu­são de tec­no­lo­gi­as am­bi­en­tal­men­te ami­gá­veis.

Con­tra a cor­rup­ção

10. As em­pre­sas de­vem com­ba­ter a cor­rup­ção em to­das as su­as for­mas, in­clu­si­ve ex­tor­são e pro­pi­na.

O Pac­to Glo­bal en­fa­ti­za o pa­pel das em­pre­sas no en­co­ra­ja­men­to ao apoio con­tí­nuo às ins­ti­tui­ções mul­ti­la­te­rais e na im­ple­men­ta­ção dos va­lo­res glo­bais. Ofe­re­ce o apoio de cin­co agências das Na­ções Uni­das, a sa­ber: o Es­cri­tó­rio do Al­to Co­mis­sa­ri­a­do dos Di­rei­tos Hu­ma­nos (OHCHR); a Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal

17 Dis­po­ní­vel em: http:// www. pac­to­glo­bal. org. br/ Ar­ti­go/ 196/ Bra­sil- li­de­ra- pre­fe­ren­cia- do- con­su­mi­dor- po­rem­pre­sas-que-apli­cam-os-ods. Aces­so em 15 maio 2017. (Fon­te: http://www.pac­to­glo­bal.org.br/ar­ti­go/56/os-10-prin­ci­pi­os)

do Tra­ba­lho (OIT); o Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o Meio Am­bi­en­te (PNUMA); e a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Industrial (Uni­do), li­de­ra­das pe­lo Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PNUD).

As áre­as de di­rei­tos hu­ma­nos, di­rei­tos do tra­ba­lho, pro­te­ção ao meio am­bi­en­te e com­ba­te à cor­rup­ção fo­ram es­co­lhi­das por nós pe­lo po­ten­ci­al efe­ti­vo que têm pa­ra in­flu­en­ci­ar e ge­rar mu­dan­ça po­si­ti­va nas so­ci­e­da­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.