Fon­tes de ener­gia não re­no­vá­vel

Superguia Enem - Atualidades - - Atualidades Para Vestibular E Enem -

Atu­al­men­te, a pro­cu­ra de ener­gia se ba­seia nas fon­tes não re­no­vá­veis, que têm tec­no­lo­gia di­fun­di­da, mas pos­su­em um ele­va­do im­pac­to am­bi­en­tal. Go­ver­nos ten­tam in­ver­ter es­sa ten­dên­cia, tor­nan­do seu uso mais efi­ci­en­te e subs­ti­tuin­do gra­du­al­men­te o con­su­mo de ener­gia por fon­tes re­no­vá­veis lim­pas.

A Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Ener­gia (IEA, na si­gla em in­glês) des­ta­cou a mu­dan­ça pa­ra as ener­gi­as re­no­vá­veis co­mo uma das prin­ci­pais ra­zões pa­ra as emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa per­ma­ne­ce­rem es­tá­veis em 2016, em­bo­ra a eco­no­mia glo­bal te­nha cres­ci­do 3,1%.

Uma re­por­ta­gem da re­vis­ta Exa­me15, de abril de 2017, de­mons­trou que o “in­ves­ti­men­to glo­bal em fon­tes lim­pas to­ta­li­zou US$ 53,6 bi­lhões no pri­mei­ro tri­mes­tre”, se­gun­do a aná­li­se da Blo­om­berg New Energy Fi­nan­ce (Bnef).

Já em ma­té­ria pu­bli­ca­da em mar­ço de 2017, a mes­ma re­vis­ta Exa­me16 des­ta­cou que o re­la­tó­rio da Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Ener­gia Re­no­vá­vel (Ire­na, na si­gla em in­glês) di­vul­ga­do du­ran­te a reu­nião do G20 (con­fe­rên­cia que reú­ne os prin­ci­pais to­ma­do­res de de­ci­são da in­dús­tria, dos go­ver­nos e da so­ci­e­da­de ci­vil do gru­po for­ma­do por di­ri­gen­tes das 19 mai­o­res eco­no­mi­as do mun­do mais a União Eu­ro­peia), re­a­li­za­do em Ber­lim, que as “emis­sões mun­di­ais de dió­xi­do de car­bo­no (CO ) re­la­ci­o­na­das ao se­tor de ener­gia po­de

2 ri­am ser re­du­zi­das em 70% até 2050, e com­ple­ta­men­te eli­mi­na­das até 2060”.

A re­por­ta­gem re­ve­la que “a trans­for­ma­ção é pos­sí­vel, mas exi­gi­rá re­for­mas po­lí­ti­cas sig­ni­fi­ca­ti­vas, cus­tos e ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca adi­ci­o­nais pa­ra ga­ran­tir que cer­ca de 70% do mix glo­bal de for­ne­ci­men­to de ener­gia em 2050 se­ja de bai­xo car­bo­no”. A Ire­na des­ta­ca ain­da que “atu­al­men­te as ener­gi­as re­no­vá­veis re­pre­sen­tam 24% da pro­du­ção mun­di­al de ener­gia e 16% da ofer­ta de

15 Dis­po­ní­vel em: http:// exa­me. abril. com. br/ eco­no­mia/2017-co­me­ca-mor­no-pa­ra-ener­gi­as-re­no­va­veis/. Aces­so em: 3 jun. 2017.

16 Dis­po­ní­vel em: http://exa­me.abril.com.br/eco­no­mia/ se­tor-ener­ge­ti­co-po­de­ria-re­du­zir-emis­so­es-em-70-ate-2050/. Aces­so em: 3 jun. 2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.