3. ANÁ­LI­SE DA PRO­VA DE RE­DA­ÇÃO DO ENEM 2016

Tex­tos Mo­ti­va­do­res

Superguia Enem - Atualidades - - Sumário -

Tex­to I

Em con­so­nân­cia com a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil e com to­da a le­gis­la­ção que as­se­gu­ra a li­ber­da­de de cren­ça re­li­gi­o­sa às pes­so­as, além de pro­te­ção e res­pei­to às ma­ni­fes­ta­ções re­li­gi­o­sas, a lai­ci­da­de do Es­ta­do de­ve ser bus­ca­da, afas­tan­do a pos­si­bi­li­da­de de in­ter­fe­rên­cia de cor­ren­tes re­li­gi­o­sas em ma­té­ri­as so­ci­ais, po­lí­ti­cas, cul­tu­rais etc.

Tex­to II

O di­rei­to de cri­ti­car dog­mas e en­ca­mi­nha­men­tos é as­se­gu­ra­do co­mo li­ber­da­de de ex­pres­são, mas ati­tu­des agres­si­vas, ofen­sas e tra­ta­men­to di­fe­ren­ci­a­do a al­guém em fun­ção de cren­ça ou de não ter re­li­gião são cri­mes ina­fi­an­çá­veis e im­pres­cri­tí­veis.

Tex­to III

CA­PÍ­TU­LO I Dos Cri­mes Con­tra o Sen­ti­men­to Re­li­gi­o­so Ul­tra­je a cul­to e im­pe­di­men­to ou per­tur­ba­ção de ato a ele re­la­ti­vo

Art. 208 - Es­car­ne­cer de al­guém pu­bli­ca­men­te, por mo­ti­vo de cren­ça ou fun­ção re­li­gi­o­sa; im­pe­dir ou per­tur­bar ce­rimô­nia ou prá­ti­ca de cul­to re­li­gi­o­so; vi­li­pen­di­ar pu­bli­ca­men­te ato ou ob­je­to de cul­to re­li­gi­o­so:

Dis­po­ní­vel em: www.mprj.mp.br. Aces­so em: 21 maio 2016 (frag­men­to). STECK, J. Intolerância re­li­gi­o­sa é cri­me de ódio e fe­re a dig­ni­da­de. Jor­nal do Se­na­do. Aces­so em: 21 maio 2016 (frag­men­to).

Pe­na - de­ten­ção, de um mês a um ano, ou mul­ta. Pa­rá­gra­fo úni­co - Se há em­pre­go de vi­o­lên­cia, a pe­na é au­men­ta­da de um ter­ço, sem pre­juí­zo da cor­res­pon­den­te à vi­o­lên­cia.

Tex­to IV

Intolerância Re­li­gi­o­sa no Bra­sil Fiéis de re­li­giões afro-bra­si­lei­ras são as prin­ci­pais ví­ti­mas de dis­cri­mi­na­ção

3. 1 Pro­pos­ta de re­da­ção e co­men­tá­ri­os

A par­tir da lei­tu­ra dos tex­tos mo­ti­va­do­res e com ba­se nos co­nhe­ci­men­tos cons­truí­dos ao lon­go de sua for­ma­ção, re­di­ja um tex­to dis­ser­ta­ti­vo-ar­gu­men­ta­ti­vo em mo­da­li­da­de es­cri­ta for­mal da lín­gua por­tu­gue­sa so­bre o te­ma “Ca­mi­nhos pa­ra com­ba­ter a intolerância re­li­gi­o­sa no Bra­sil”, apre­sen­tan­do pro­pos­ta de in­ter­ven­ção que res­pei­te os di­rei­tos hu­ma­nos. Se­le­ci­o­ne, or­ga­ni­ze e re­la­ci­o­ne, de for­ma co­e­ren­te e co­e­sa, ar­gu­men­tos e fa­tos pa­ra de­fe­sa de seu pon­to de vis­ta.

Co­men­tá­ri­os:

Mais uma vez, pre­ser­van­do a tra­di­ção de apre­sen­tar te­mas que pro­mo­vam a re­fle­xão so­bre os pro­ble­mas de cu­nhos so­ci­al, po­lí­ti­co, eco­ló­gi­co, en­tre ou­tros as­sun­tos de­ba­ti­dos mun­di­al­men­te, a pro­va de re­da­ção do Enem 2016 de­sa­fi­ou os par­ti­ci­pan­tes a pro­du­zi­rem um tex­to so­bre um as­sun­to que tem aba­la­do o país: o dis­cur­so de ódio.

De mo­do a fa­ci­li­tar a pro­du­ção de tex­tos, a or­ga­ni­za­do­ra seg­men­tou o te­ma, ao es­co­lher so­men­te um ti­po de cri­me de ódio. En­tre­tan­to, não se po­de dei­xar de con­si­de­rar que, em mui­tas das ofen­sas às re­li­giões, os cri­mes de ra­cis­mo e de xe­no­fo­bia es­tão in­ti­ma­men­te re­la­ci­o­na­dos.

No Bra­sil, des­de 2007, foi ins­ti­tuí­do um dia na­ci­o­nal pa­ra que a so­ci­e­da­de te­nha cons­ci­ên­cia e com­ba­ta a intolerância re­li­gi­o­sa. No dia 27 de de­zem­bro da­que­le ano, a Lei nº 11.635 foi san­ci­o­na­da pa­ra in­cluir o dia 21 de ja­nei­ro no Calendário Cí­vi­co da União co­mo a da­ta co­me­mo­ra­ti­va do Dia Na­ci­o­nal de Com­ba­te à Intolerância Re­li­gi­o­sa. A da­ta cí­vi­ca ho­me­na­geia a Mãe Gil­da, do ter­rei­ro Axé-abas­sá de Ogum, de Sal­va­dor (BA). Gil­dá­sia dos San­tos e San­tos (Mãe Gil­da) era uma re­li­gi­o­sa do can­dom­blé que mor­reu após ter so­fri­do um en­far­te ao ver sua pró­pria fo­to es­tam­pa­da em uma man­che­te do jor­nal evan­gé­li­co Fo­lha Uni­ver­sal. O tí­tu­lo em le­tras gar­ra­fais, acu­sa­va a mãe de san­to com os se­guin­tes di­ze­res: “Ma­cum­bei­ros char­la­tões le­sam o bol­so e a vi­da dos cli­en­tes”. Ape­sar de a Igre­ja Uni­ver­sal do Rei­no de Deus ter si­do con­de­na­da a in­de­ni­zar os her­dei­ros da sa­cer­do­ti­sa do can­dom­blé, os cri­mes de ódio por con­ta de re­li­gião não ces­sa­ram.

Os es­tu­dan­tes não po­dem dei­xar de acom­pa­nhar as no­tí­ci­as e da­rem aque­la “pin­ce­la­da”, uma ge­ral, nos acon­te­ci­men­tos, a fim de fi­car a par do que acon­te­ce no Bra­sil du­ran­te o pe­río­do de pre­pa­ra­ção pa­ra en­fren­tar pro­ces­sos se­le­ti­vos pa­ra in­gres­so no en­si­no su­pe­ri­or.

A Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca do Es­ta­do de São Pau­lo tor­nou obri­ga­tó­ria a no­ti­fi­ca­ção de ocor­rên­ci­as com a clas­si­fi­ca­ção de cri­me de ódio des­de no­vem­bro de 2015. Um re­la­tó­rio de no­vem­bro de 2016 re­ve­lou um to­tal de re­gis­tros de cri­mes oca­si­o­na­dos por al­gum ti­po de dis­cri­mi­na­ção, dos quais 42,4% fo­ram de intolerância ra­ci­al, 15,5% de ho­mo­fo­bia,12,7% por intolerância de ori­gem e 6,3% de intolerância re­li­gi­o­sa, de­mons­tran­do ain­da que as prin­ci­pais ví-

BRA­SIL. Có­di­go Pe­nal. Dis­po­ní­vel em: www.pla­nal­to.gov.br. Aces­so em: 21 maio 2016 (frag­men­to).

*Até jul. 2014 / Fon­te: Se­cre­ta­ria de Di­rei­tos Hu­ma­nos da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

Dis­po­ní­vel em: www1.fo­lha.uol.com.br. Aces­so em: 31 maio 2016 (adap­ta­do).

ti­mas são ne­gros, de acor­do com a de­le­ga­da Da­ni­e­la Bran­co, ti­tu­lar da De­le­ga­cia de Po­lí­cia de Re­pres­são aos Cri­mes Ra­ci­ais e De­li­tos de Intolerância (De­cra­di) de São Pau­lo, que de­cla­rou os da­dos aos jor­na­lis­tas do jor­nal O Es­ta­do de São Pau­lo.

A li­ber­da­de de cul­to es­tá as­se­gu­ra­da tan­to pe­la De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos co­mo tam­bém pe­la Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral. A re­li­gião e a cren­ça de uma pes­soa não de­vem ser obs­tá­cu­los pa­ra re­la­ções en­tre os bra­si­lei­ros. To­dos de­vem ser res­pei­ta­dos e tra­ta­dos de ma­nei­ra igual, in­de­pen­den­te da ori­en­ta­ção re­li­gi­o­sa, in­cluin­do quem não pro­fes­sa re­li­gião al­gu­ma e que não crê em di­vin­da­des.

Ape­sar de os tex­tos de apoio te­rem tra­zi­do um pou­co da le­gis­la­ção so­bre a dis­cri­mi­na­ção por cau­sa da re­li­gião, sen­ti­mos fal­ta da in­ser­ção da Cen­tral de De­nún­ci­as (Dis­que 100) co­mo ocor­reu na pro­va de 2015. Pa­ra os ca­sos de dis­cri­mi­na­ção re­li­gi­o­sa, a ví­ti­ma de­ve apre­sen­tar sua de­nún­cia por meio do nú­me­ro da Se­cre­ta­ria de Di­rei­tos Hu­ma­nos. De qual­quer mo­do, as in­for­ma­ções nos tex­tos de apoio eram su­fi­ci­en­tes pa­ra o par­ti­ci­pan­te “re­la­ci­o­nar, or­ga­ni­zar e in­ter­pre­tar in­for­ma­ções, fa­tos, opi­niões e ar­gu­men­tos em de­fe­sa de um pon­to de vis­ta”, de acor­do com a com­pe­tên­cia 3 da pro­va de re­da­ção do Enem.

Na ver­da­de, o te­ma pro­pos­to já so­li­ci­ta­va a in­ter­ven­ção, uma vez que re­que­ria dos can­di­da­tos quais se­ri­am os mei­os pa­ra com­ba­ter a intolerância em ra­zão de op­ção re­li­gi­o­sa. É im­por­tan­te des­ta­car ain­da que a or­ga­ni­za­ção do exa­me per­mi­tia, na épo­ca, que os cha­ma­dos “sa­ba­tis­tas” pu­des­sem re­a­li­zar a pro­va do pri­mei­ro dia so­men­te a par­tir das 19 ho­ras, vis­to que es­tes re­li­gi­o­sos guar­dam o sá­ba­do e tra­ba­lham ou es­tu­dam após o pôr do sol. Eles são obri­ga­dos a che­gar ao lo­cal de pro­va no mes­mo ho­rá­rio das de­mais pes­so­as, mas têm o di­rei­to de aguar­dar em uma sa­la até o ho­rá­rio em que po­dem co­me­çar a ava­li­a­ção.

Na edi­ção de 2017, após as mu­dan­ças, o Exa­me Na­ci­o­nal do En­si­no Mé­dio se­rá re­a­li­za­do em dois do­min­gos se­gui­dos, di­as 5 e 12 de no­vem­bro. A or­dem das pro­vas tam­bém foi al­te­ra­da. Ago­ra, no pri­mei­ro do­min­go, se­rão apli­ca­das as pro­vas de Lin­gua­gens, Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas e Re­da­ção, com 5h30 de du­ra­ção, en­quan­to as pro­vas de Ma­te­má­ti­ca e Ci­ên­ci­as da Na­tu­re­za, com 4h30 de du­ra­ção, se­rão apli­ca­das no se­gun­do do­min­go.

Os mem­bros da Igre­ja Ad­ven­tis­ta do Sé­ti­mo Dia, as­sim co­mo os ju­deus, guar­dam o sá­ba­do em fun­ção de uma con­vic­ção re­li­gi­o­sa de que a Bí­blia de­ter­mi­na nos Dez Man­da­men­tos que es­te dia não de­ve ser usa­do pa­ra o tra­ba­lho. O pon­to é bas­tan­te in­te­res­san­te pa­ra di­fe­ren­ci­ar a crí­ti­ca da intolerância, es­ta úl­ti­ma con­si­de­ra­da uma agres­são aos di­rei­tos hu­ma­nos. É bom lem­brar que o Pac­to In­ter­na­ci­o­nal dos Di­rei­tos Ci­vis e Po­lí­ti­cos, ra­ti­fi­ca­do pe­lo Bra­sil, es­ta­be­le­ce que “To­da pes­soa te­rá di­rei­to a li­ber­da­de de pen­sa­men­to, de cons­ci­ên­cia e de re­li­gião. Es­se di­rei­to im­pli­ca­rá a li­ber­da­de de ter ou ado­tar uma re­li­gião ou uma cren­ça de sua es­co­lha e a li­ber­da­de de pro­fes­sar sua re­li­gião ou cren­ça, in­di­vi­du­al ou co­le­ti­va­men­te, tan­to pú­bli­ca co­mo pri­va­da­men­te, por meio do cul­to, da ce­le­bra­ção de ri­tos, de prá­ti­cas e do en­si­no”.

Uma crí­ti­ca até po­de ser fei­ta so­bre o as­sun­to de guar­dar o sá­ba­do, co­mo o pró­prio Je­sus Cris­to fez ao cri­ti­car aque­les que usa­vam a fé re­li­gi­o­sa pa­ra dei­xar de aten­der ao ape­lo de um ne­ces­si­ta­do no sá­ba­do, mas se a mu­lher per­des­se uma joia pre­ci­o­sa iria dei­xar de guar­dar o dia de des­can­so pa­ra re­vi­rar tu­do até en­con­trá-la. Já a intolerância con­sis­te na agres­são mo­ral, ver­bal ou fí­si­ca, oca­si­o­na­da pe­lo ódio em ra­zão de a ou­tra pes­soa pro­fes­sar uma re­li­gião di­fe­ren­te. O dis­cur­so de ódio é uma for­ma de vi­o­lên­cia. Os cri­mi­no­sos di­re­ci­o­nam as su­as agres­sões às ví­ti­mas sim­ples­men­te por nu­tri­rem pre­con­cei­tos. Di­ri­gem-se de ma­nei­ra hos­til con­tra o mo­do de ser ou de agir de ou­tras pes­so­as.

Co­mo exem­plos, além da intolerância re­li­gi­o­sa, te­mos o ra­cis­mo, a ho­mo­fo­bia, a xe­no­fo­bia, o et­no­cen­tris­mo e o pre­con­cei­to com de­fi­ci­en­tes, to­dos ex­pres­sa­dos por meio de agres­sões fí­si­cas, as­sas­si­na­tos, tor­tu­ras, da­nos à pro­pri­e­da­de da ví­ti­ma, ame­a­ças, in­ti­mi­da­ção de to­dos os ti­pos, co­men­tá­ri­os pre­con­cei­tu­o­sos, in­sul­tos ver­bais, bullying, tra­ta­men­to di­fe­ren­ci­a­do, im­po­si­ção de sa­lá­ri­os me­no­res e até mes­mo o des­pre­zo à for­ma es­té­ti­ca da ví­ti­ma, uma es­pé­cie de per­se­gui­ção.

Fa­zer o cor­re­to equi­lí­brio é im­por­tan­te, a fim de não co­me­ter o er­ro de vi­o­lar os pre­cei­tos dos di­rei­tos hu­ma­nos e aca­bar re­ce­ben­do uma no­ta ze­ro na pro­va de re­da­ção. O Tex­to III apre­sen­tou o ar­ti­go 208 do Có­di­go Pe­nal bra­si­lei­ro. O ter­mo “es­car­ne­cer” sig­ni­fi­ca zom­bar ou ri­di­cu­la­ri­zar al­guém, en­quan­to o vo­cá­bu­lo “vi­li­pen­di­ar” qu­er di­zer con­si­de­rar al­guém co­mo vil, in­dig­no, sem va­lor.

Lo­go em se­gui­da, o Tex­to IV de­mons­trou as de­nún­ci­as de intolerância re­li­gi­o­sa fei­tas à Se­cre­ta­ria de Di­rei­tos Hu­ma­nos da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca e as es­ta­tís­ti­cas de ca­sos que en­vol­ve­ram vi­o­lên­cia fí­si­ca. No grá­fi­co, po­de­mos ve­ri­fi­car três anos de re­gis­tros, com a cons­ta­ta­ção de que a re­li­gião afro-bra­si­lei­ra é de lon­ge a que mais so­fre dis­cri­mi­na­ção. O bom-sen­so, a fraternidade, a com­pre­en­são da di­ver­si­da­de são es­sen­ci­ais no dia a dia pa­ra uma vi­da har­mo­ni­o­sa e, ago­ra, apa­re­ceu na pro­va de re­da­ção do Enem. Co­mo é fá­cil per­ce­ber, a mul­ti­dis­ci­pli­na­ri­da­de es­tá sem­pre pre­sen­te, uma vez que o te­ma re­quer o co­nhe­ci­men­to de so­ci­o­lo­gia, an­tro­po­lo­gia, fi­lo­so­fia, bi­o­lo­gia e ou­tros pa­ra que o tex­to dis­ser­ta­ti­vo-ar­gu­men­ta­ti­vo se­ja pro­du­zi­do.

A in­dis­so­ci­a­bi­li­da­de da edu­ca­ção com a prá­ti­ca so­ci­al é ex­tre­ma­men­te ne­ces­sá­ria. A ma­triz de re­fe­rên­cia de Lin­gua­gens, Có­di­gos e su­as Tec­no­lo­gi­as fo­ram am­pla­men­te de­ba­ti­das com edu­ca­do­res, es­tu­dan­tes e to­da a so­ci­e­da­de. As­sim, po­de-se ob­ser­var que a edu­ca­ção plu­ral, es­ta­be­le­ci­da pe­la Lei nº 9.394/1996 (Lei de Di­re­tri­zes e Ba­ses da Edu­ca­ção), foi cri­a­da com ba­se no prin­cí­pio do di­rei­to uni­ver­sal à edu­ca­ção pa­ra to­dos, com a for­mu­la­ção de di­re­tri­zes fi­lo­só­fi­cas e so­ci­o­ló­gi­cas.

Se­gun­do as Di­re­tri­zes Cur­ri­cu­la­res Na­ci­o­nais pa­ra o En­si­no Mé­dio (Pa­re­cer CNE/CEB 05/2011 e Re­so­lu­ção CNE/CEB 02/2012), a for­ma­ção in­te­gral do es­tu­dan­te tem o tra­ba­lho co­mo prin­cí­pio edu­ca­ti­vo e a pes­qui­sa co­mo prin­cí­pio pe­da­gó­gi­co. A edu­ca­ção em di­rei­tos hu­ma­nos, a sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal e o re­co­nhe­ci­men­to e acei­ta­ção da di­ver­si­da­de fa­zem a in­te­gra­ção en­tre edu­ca­ção e as di­men­sões do tra­ba­lho, da ci­ên­cia, da tec­no­lo­gia e da cul­tu­ra.

Um cui­da­do tam­bém im­por­tan­te que os es­tu­dan­tes que se pre­pa­ram pa­ra ves­ti­bu­la­res e Enem de­vem to­mar tem a ver com o uso de ex­pres­sões co­lo­qui­ais, gí­ri­as, brin­ca­dei­ras e ou­tros ti­pos de lin­gua­gens con­si­de­ra­das im­pro­pé­ri­os pe­las re­gras da ava­li­a­ção. Ca­so o es­tu­dan­te in­si­ra tre­chos co­pi­a­dos dos tex­tos de apoio ou par­te de­li­be­ra­da­men­te des­co­nec­ta­da do te­ma pro­pos­to, se­rá uma ra­zão pa­ra atri­bui­ção da no­ta ze­ro por par­te dos ava­li­a­do­res, as­sim co­mo o des­res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos.

Lem­bra­mos ain­da que a im­plan­ta­ção do no­vo en­si­no mé­dio es­tá pre­vis­ta pa­ra me­a­dos de 2017, uma vez que a Ba­se Na­ci­o­nal Co­mum Cur­ri­cu­lar (BNCC), que es­ta­be­le­ce­rá as com­pe­tên­ci­as, os ob­je­ti­vos de apren­di­za­gem e os co­nhe­ci­men­tos ne­ces­sá­ri­os pra a for­ma­ção ge­ral do alu­no, se­rá en­ca­mi­nha­da ao Con­se­lho Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção pa­ra ser apro­va­da e, de­pois, ser ho­mo­lo­ga­da pe­lo MEC.

Pas­sa­re­mos a ve­ri­fi­car ago­ra co­mo é pos­sí­vel fi­car atu­a­li­za­do com os acon­te­ci­men­tos no Bra­sil e no mun­do, com fo­co nos ves­ti­bu­la­res e no Enem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.