4. DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO SUS­TEN­TÁ­VEL

Superguia Enem - Atualidades - - Sumário -

4.1 Os 17 Ob­je­ti­vos do De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel (ODS)

Uma no­va agen­da de de­sen­vol­vi­men­to subs­ti­tuiu os Ob­je­ti­vos do Mi­lê­nio, aque­las me­tas es­ta­be­le­ci­das pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) em 2000, com o apoio de 191 na­ções, que fi­ca­ram co­nhe­ci­das co­mo Ob­je­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to do Mi­lê­nio (ODM). Os no­vos ob­je­ti­vos e me­tas en­tra­ram em vi­gor no dia 1º de ja­nei­ro de 2016 e ori­en­ta­rão as de­ci­sões to­ma­das pe­la ONU ao lon­go dos pró­xi­mos quin­ze anos.

O do­cu­men­to in­ti­tu­la­do 17 Ob­je­ti­vos do De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel (ODS) é uma re­so­lu­ção con­ven­ci­o­na­da na reu­nião de Cú­pu­la da ONU so­bre o De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel 2015, re­a­li­za­da em No­va Ior­que. Fo­ram reu­ni­dos re­pre­sen­tan­tes de 193 Es­ta­dos-mem­bros das Na­ções Uni­das en­tre os di­as 25 e 27 de se­tem­bro. A agen­da con­vo­ca to­dos os paí­ses a to­ma­rem uma sé­rie de ações pa­ra so­lu­ci­o­na­rem os pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos a cau­sas pro­fun­das da po­bre­za, além de con­cla­mar as na­ções pa­ra au­men­tar o cres­ci­men­to econô­mi­co e a pros­pe­ri­da­de, sem dei­xar de abran­ger pro­ble­mas li­ga­dos à saú­de, edu­ca­ção e ne­ces­si­da­des so­ci­ais das pes­so­as, ao mes­mo tem­po em que pre­vê a pro­te­ção do meio am­bi­en­te.

A no­va agen­da subs­ti­tui os ODM e ori­en­ta­rá o de­sen­vol­vi­men­to do mun­do to­do até 2030. Ape­sar de ter apre­sen­ta­do gran­de su­ces­so na re­du­ção da ex­tre­ma po­bre­za, os ODM fi­ca­ram lon­ge de cum­prir ou­tras me­tas pa­ra con­ter a de­si­gual­da­de no mun­do. Va­mos re­lem­brar quais eram os 8 Jei­tos de Mu­dar o Mun­do:

1. Aca­bar com a fo­me e a mi­sé­ria.

2. Ofe­re­cer edu­ca­ção bá­si­ca de qua­li­da­de pa­ra to­dos. 3. Pro­mo­ver a igual­da­de en­tre os se­xos e a au­to­no­mia das mu­lhe­res. 4. Re­du­zir a mor­ta­li­da­de in­fan­til. 5. Me­lho­rar a saú­de das ges­tan­tes. 6. Com­ba­ter a Aids, a ma­lá­ria e ou­tras do­en­ças. 7. Ga­ran­tir qua­li­da­de de vi­da e res­pei­to ao meio am­bi­en­te.

8. Es­ta­be­le­cer par­ce­ri­as pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to.

Os 17 Ob­je­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel in­clu­em me­tas que se­rão mo­ni­to­ra­das e te­rão o de­sem­pe­nho me­di­do por 300 in­di­ca­do­res ela­bo­ra­dos pe­la ONU. Os com­pro­mis­sos en­vol­vem tan­to os paí­ses ri­cos co­mo os po­bres e têm co­mo ei­xo cen­tral a er­ra­di­ca­ção da po­bre­za ex­tre­ma. Va­mos co­nhe­cê-los.

1. Aca­bar com a po­bre­za em to­das as su­as for­mas, em to­dos os lu­ga­res.

2. Aca­bar com a fo­me, al­can­çar a se­gu­ran­ça ali­men­tar e me­lho­ria da nu­tri­ção e pro­mo­ver a agri­cul­tu­ra sus­ten­tá­vel.

3. As­se­gu­rar uma vi­da sau­dá­vel e pro­mo­ver o bem-es­tar pa­ra to­dos, em to­das as ida­des.

4. As­se­gu­rar a edu­ca­ção in­clu­si­va e equi­ta­ti­va e de qua­li­da­de, e pro­mo­ver opor­tu­ni­da­des de apren­di­za­gem ao lon­go da vi­da pa­ra to­dos.

5. Al­can­çar a igual­da­de de gê­ne­ro e em­po­de­rar to­das as mu­lhe­res e me­ni­nas.

6. As­se­gu­rar a dis­po­ni­bi­li­da­de e ges­tão sus­ten­tá­vel da água e sa­ne­a­men­to pa­ra to­dos.

7. As­se­gu­rar o aces­so con­fiá­vel, sus­ten­tá­vel, mo­der­no e a pre­ço aces­sí­vel à ener­gia pa­ra to­dos.

8. Pro­mo­ver o cres­ci­men­to econô­mi­co sus­ten­ta­do, in­clu­si­vo e sus­ten­tá­vel, em­pre­go ple­no e pro­du­ti­vo e tra­ba­lho de­cen­te pa­ra to­dos.

9. Cons­truir in­fra­es­tru­tu­ras re­si­li­en­tes, pro­mo­ver a in­dus­tri­a­li­za­ção in­clu­si­va e sus­ten­tá­vel e fo­men­tar a ino­va­ção.

10. Re­du­zir a de­si­gual­da­de den­tro dos paí­ses e en­tre eles.

11. Tor­nar as ci­da­des e os as­sen­ta­men­tos hu­ma­nos

(Fon­te: http://na­co­e­su­ni­das.org/wp-con­tent/uplo­ads/2015/09/ agen­da2030-pt-br.pdf )

in­clu­si­vos, se­gu­ros, re­si­li­en­tes e sus­ten­tá­veis.

12. As­se­gu­rar pa­drões de pro­du­ção e de con­su­mo sus­ten­tá­veis.

13. To­mar me­di­das ur­gen­tes pa­ra com­ba­ter a mu­dan­ça cli­má­ti­ca e seus im­pac­tos.

14. Con­ser­va­ção e uso sus­ten­tá­vel dos oce­a­nos, dos ma­res e dos re­cur­sos ma­ri­nhos pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel.

15. Pro­te­ger, re­cu­pe­rar e pro­mo­ver o uso sus­ten­tá­vel dos ecos­sis­te­mas terrestres, ge­rir de for­ma sus­ten­tá­vel as flo­res­tas, com­ba­ter a de­ser­ti­fi­ca­ção, de­ter e re­ver­ter a de­gra­da­ção da ter­ra e de­ter a per­da de bi­o­di­ver­si­da­de.

16. Pro­mo­ver so­ci­e­da­des pa­cí­fi­cas e in­clu­si­vas pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, pro­por­ci­o­nar o aces­so à jus­ti­ça pa­ra to­dos e cons­truir ins­ti­tui­ções efi­ca­zes, res­pon­sá­veis e in­clu­si­vas em to­dos os ní­veis.

17. For­ta­le­cer os mei­os de im­ple­men­ta­ção e re­vi­ta­li­zar a par­ce­ria glo­bal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel.

Bot­tom Bil­li­on Es­sa é uma obra de Paul Col­li­er, um eco­no­mis­ta in­glês e pro­fes­sor de Ox­ford apresenta um de­ba­te so­bre a efi­cá­cia da aju­da in­ter­na­ci­o­nal na re­du­ção da po­bre­za e na pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to de paí­ses po­bres.

4.2 Con­ven­ção Qua­dro das Na­ções Uni­das so­bre Mu­dan­ça do Cli­ma (UNFCCC)

No item nº 13 da Agen­da 17 ODS, foi men­ci­o­na­do que as me­di­das ur­gen­tes pa­ra com­ba­ter a mu­dan­ça cli­má­ti­ca e seus im­pac­tos re­co­nhe­cem que a Con­ven­ção Qua­dro das Na­ções Uni­das so­bre Mu­dan­ça do Cli­ma (UNFCCC) é o fó­rum in­ter­na­ci­o­nal in­ter­go­ver­na­men­tal res­pon­sá­vel por ne­go­ci­ar a so­lu­ção glo­bal pa­ra as­sun­tos re­la­ci­o­na­dos à mu­dan­ça do cli­ma.

A Con­fe­rên­cia das Par­tes so­bre Mu­dan­ças Cli­má­ti­cas (COP), tam­bém cha­ma­da de Con­fe­rên­cia das Par­tes, con­sis­te em um en­con­tro de paí­ses, or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais, li­de­ran­ças in­dí­ge­nas e or­ga­ni­za­ções am­bi­en­ta­lis­tas e aca­dê­mi­cas com a fi­na­li­da­de de pro­mo­ver mai­or en­vol­vi­men­to de re­pre­sen­tan­tes dos di­fe­ren­tes se­to­res do go­ver­no e da so­ci­e­da­de ci­vil pa­ra a to­ma­da de de­ci­sões so­bre a bi­o­di­ver­si­da­de no âm­bi­to in­ter­na­ci­o­nal.

A Con­fe­rên­cia do Cli­ma de Mar­ra­kesh (COP22) foi re­a­li­za­da em no­vem­bro de 2016, mas não apre­sen­tou gran­des avan­ços. Se­gun­do re­por­ta­gem do jor­nal O Glo­bo6, “Re­pre­sen­tan­tes de cer­ca de 190 paí­ses as­si­na­ram um do­cu­men­to, a Pro­cla­ma­ção de Mar­ra­kesh, re­a­fir­man­do seu com­pro­mis­so po­lí­ti­co de apli­car o Acor­do de Pa­ris. Des­ta for­ma, va­li­dam a me­ta de li­mi­tar o aque­ci­men­to glo­bal a, no má­xi­mo, dois graus Cel­sius. Além dis­so, os paí­ses de­sen­vol­vi­dos pro­me­tem des­ti­nar US$ 100 bi­lhões por ano, a par­tir de 2020, pa­ra que na­ções po­bres apli­quem po­lí­ti­cas de mi­ti­ga­ção e adap­ta­ção con­tra as mu­dan­ças cli­má­ti­cas”.

O Acor­do de Pa­ris foi as­si­na­do na 21ª Con­fe­rên­cia das Par­tes (COP21) da UNFCCC, apro­va­do pe­los 195 paí­ses Par­te da UNFCCC pa­ra re­du­zir emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa (GEE) no con­tex­to do de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, apro­va­do em 12 de de­zem­bro 2015. De acor­do com as in­for­ma­ções do si­te do Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te bra­si­lei­ro, “o com­pro­mis­so ocor­re no sen­ti­do de man­ter o au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra mé­dia glo­bal em bem me­nos de 2°C aci­ma dos ní­veis pré-in­dus­tri­ais e de en­vi­dar es­for­ços pa­ra li­mi­tar o au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra a 1,5°C aci­ma dos ní­veis pré-in­dus­tri­ais”.

Leia o tre­cho a se­guir pa­ra com­pre­en­der a si­tu­a­ção do Bra­sil no acor­do cli­má­ti­co.

Após a apro­va­ção pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal, o Bra­sil con­cluiu, em 12 de se­tem­bro de 2016, o pro­ces­so de ra­ti­fi­ca­ção do Acor­do de Pa­ris. No dia 21 de se­tem­bro, o ins­tru­men­to foi en­tre­gue às Na­ções Uni­das. Com is­so, as me­tas bra­si­lei­ras dei­xa­ram de ser pre­ten­di­das e tor­na­ram-se com­pro­mis­sos ofi­ci­ais.

A Cons­ti­tui­ção Na­ci­o­nal­men­te De­ter­mi­na­da (NDC, na si­gla em in­glês) do Bra­sil com­pro­me­te-se a re­du­zir as emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa em 37% abai­xo dos ní­veis de 2005, em 2025, com uma con­tri­bui­ção in­di­ca­ti­va sub­se­quen­te de re­du­zir as emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa em 43% abai­xo dos ní­veis de 2005, em 2030. Pa­ra is­so, o país se com­pro­me­te a au­men­tar a par­ti­ci­pa­ção de bi­o­e­ner­gia sus­ten­tá­vel na sua ma­triz ener­gé­ti­ca pa­ra apro­xi­ma­da­men­te 18% até 2030, res­tau­rar e re­flo­res­tar 12 mi­lhões de hec­ta­res de flo­res­tas, bem co­mo al­can­çar uma par­ti­ci­pa­ção es­ti­ma­da de 45% de ener­gi­as re­no­vá­veis na com­po­si­ção da ma­triz ener­gé­ti­ca em 2030.

6 Dis­po­ní­vel em: https://oglo­bo.glo­bo.com/so­ci­e­da­de/ sus­ten­ta­bi­li­da­de/con­fe­ren­cia-do-cli­ma-ter­mi­na-sem-mui­to­sa­van­cos-20492009. Aces­so em 15 maio 2017.

A NDC do Bra­sil cor­res­pon­de a uma re­du­ção es­ti­ma­da em 66% em ter­mos de emis­sões de ga­ses efei­to de es­tu­fa por uni­da­de do PIB (in­ten­si­da­de de emis­sões) em 2025 e em 75% em ter­mos de in­ten­si­da­de de emis­sões em 2030, am­bas em re­la­ção a 2005. O Bra­sil, por­tan­to, re­du­zi­rá emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa no con­tex­to de um au­men­to con­tí­nuo da po­pu­la­ção e do PIB, bem co­mo da ren­da per ca­pi­ta, o que con­fe­re am­bi­ção a es­sas me­tas.

4.3 Re­la­tó­rio do De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no (RDH) 2016

Em mar­ço de 2017, foi di­vul­ga­do o Re­la­tó­rio do Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PNUD) de 2016, o qual apre­sen­tou o Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no (IDH), com da­dos de 2015. O le­van­ta­men­to apon­tou que “o de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no tem por ob­je­ti­vo as li­ber­da­des hu­ma­nas: a li­ber­da­de de de­sen­vol­ver to­do o po­ten­ci­al de ca­da vi­da hu­ma­na – não ape­nas de al­guns, tam­pou­co da mai­o­ria, mas de to­das as vi­das que ha­bi­tam o pla­ne­ta”.

O PNUD cons­ta­tou ain­da que, ape­sar de ser ob­ser­va­do no mun­do um im­pres­si­o­nan­te pro­gres­so em mui­tas áre­as de de­sen­vol­vi­men­to, tais co­mo a mai­or lon­ge­vi­da­de da po­pu­la­ção, mais pes­so­as sain­do do es­ta­do de po­bre­za ex­tre­ma e me­nos so­fren­do pe­la des­nu­tri­ção e o fla­ge­lo da fo­me, in­fe­liz­men­te o de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no não ocor­re na mes­ma me­di­da pa­ra to­dos.

Al­guns dos de­sa­fi­os re­la­ci­o­na­dos pe­la ONU nos 17 Ob­je­ti­vos do De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel (ODS) acen­tu­am ain­da mais as de­si­gual­da­des. Em­bo­ra al­guns de­sa­fi­os se­jam no­vos, por exem­plo, a exa­cer­ba­ção do ex­tre­mis­mo vi­o­len­to, ou­tros re­per­cu­tem o bem-es­tar. Par­te da po­pu­la­ção mun­di­al não tem ex­pe­ri­men­ta­do o de­sen­vol­vi­men­to, co­mo é o ca­so das mi­no­ri­as ét­ni­cas, po­vos in­dí­ge­nas re­fu­gi­a­dos e mi­gran­tes, ou se­ja, os po­bres, os mar­gi­na­li­za­dos e os gru­pos mais vul­ne­rá­veis.

En­tre os obs­tá­cu­los ao uni­ver­sa­lis­mo, se­gun­do o re­la­tó­rio, “ca­be ci­tar as pri­va­ções e de­si­gual­da­des, a dis­cri­mi­na­ção e a ex­clu­são, os va­lo­res e as nor­mas so­ci­ais, as­sim co­mo os pre­con­cei­tos e a intolerância”. O PNUD apon­ta tam­bém as “dis­tin­tas bar­rei­ras de gê­ne­ro que se re­for­çam mu­tu­a­men­te e que ne­gam a mui­tas mu­lhe­res as opor­tu­ni­da­des e o em­po­de­ra­men­to ne­ces­sá­ri­os pa­ra de­sen­vol­ver ao má­xi­mo o po­ten­ci­al de su­as vi­das”.

Ape­sar de o Bra­sil ocu­par o 79º lu­gar en­tre 188 na­ções nos in­di­ca­do­res de IDH, con­si­de­ran­do-se edu­ca­ção, ren­da e saú­de, des­pen­cou 19 po­si­ções na clas­si­fi­ca­ção cor­res­pon­den­te à di­fe­ren­ça en­tre ri­cos e po­bres, pas­san­do a fi­gu­rar en­tre os 10 paí­ses mais de­si­guais do mun­do. O re­la­tó­rio re­ve­lou gran­de di­fe­ren­ça en­tre ri­cos e po­bres e as acen­tu­a­das des­va­lo­ri­za­ção e bai­xa re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de da mu­lher.

A so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra não tem si­do ca­paz de se de­sen­vol­ver em con­for­mi­da­de com os ob­je­ti­vos das Na­ções Uni­das, uma vez que as ga­ran­ti­as pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no de to­dos – e, re­pi­ta-se, não sim­ples­men­te da mai­o­ria – não de­pen­dem so­men­te de se con­se­guir de­ter­mi­nar quais são as cau­sas das pri­va­ções que im­pe­dem a igual­da­de. É ne­ces­sá­rio ha­ver po­lí­ti­cas pú­bli­cas de­ter­mi­nan­tes pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to in­clu­si­vo, por exem­plo, “as­se­gu­rar os di­rei­tos hu­ma­nos, a voz e a au­to­no­mia, a ca­pa­ci­da­de co­le­ti­va e a in­ter­de­pen­dên­cia de opor­tu­ni­da­des aos que se en­con­tram ex­cluí­dos”, con­for­me des­ta­ca o PNUD.

(Fon­te: http://www.mma.gov.br/cli­ma/con­ven­cao-das-na­co­es-uni­das/acor­do-de-pa­ris)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.