5. DE­SI­GUAL­DA­DE DE GÊ­NE­RO

Superguia Enem - Atualidades - - Sumário -

No Bra­sil, a de­si­gual­da­de de gê­ne­ro ain­da é bas­tan­te acen­tu­a­da, pois o le­van­ta­men­to de­mons­trou que, mes­mo as mu­lhe­res ten­do mai­or ex­pec­ta­ti­va de vi­da e mais es­co­la­ri­da­de, a sua ren­da per ca­pi­ta é 66,2% in­fe­ri­or à dos ho­mens. A bai­xa re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de da mu­lher no Con­gres­so Na­ci­o­nal tam­bém é le­va­da em con­ta no re­la­tó­rio do PNUD, o qual apon­ta que as mu­lhe­res bra­si­lei­ras ocu­pam so­men­te 10,8% das ca­dei­ras nas ca­sas le­gis­la­ti­vas, nú­me­ro bem in­fe­ri­or à mé­dia mun­di­al de 22,5%, me­nor até que paí­ses com IDH bai­xo, co­mo a Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, a úl­ti­ma co­lo­ca­da do ran­king, mas com 12,5% de seu par­la­men­to ocu­pa­do por re­pre­sen­tan­tes do se­xo fe­mi­ni­no.

É im­por­tan­te lem­brar que, em 2015, a pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção que in­clui­ria na Car­ta Mag­na a re­ser­va de 51 das 513 ca­dei­ras na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos foi re­jei­ta­da na vo­ta­ção per­me­a­da de ob­ser­va­ções ma­chis­tas. Em­bo­ra o per­cen­tu­al de mu­lhe­res elei­to­ras se­ja de 52%, a re­pre­sen­ta­ção fe­mi­ni­na no Par­la­men­to bra­si­lei­ro fi­ca atrás até de paí­ses on­de as mu­lhe­res têm me­nos di­rei­tos do que ho­mens. Nas elei­ções de 2014, 51 mu­lhe­res fo­ram elei­tas, mas são ape­nas 50 de­pu­ta­das

atu­an­tes den­tre os 513 de­pu­ta­dos.

O Pac­to In­ter­na­ci­o­nal de Di­rei­tos Ci­vis e Po­lí­ti­cos da ONU, ado­ta­do pe­la 21ª Ses­são da As­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das, em 16 de de­zem­bro de 1966, o qual foi pro­mul­ga­do e en­trou em vi­gor no Bra­sil em 24 de abril de 1992, no ar­ti­go 3º de­ter­mi­na que os “Es­ta­dos Par­tes com­pro­me­tem-se a as­se­gu­rar a ho­mens e mu­lhe­res igual­da­de no go­zo de to­dos os di­rei­tos ci­vis e po­lí­ti­cos”.

5.1 Ou­tras de­si­gual­da­des

Se­gun­do in­for­ma­ções da Agên­cia Bra­sil7, no pro­gra­ma Bra­si­li­a­nas, da TV Bra­sil, le­va­do ao ar em ja­nei­ro de 2016, o pro­fes­sor Ricardo Pa­es de Bar­ros, ti­tu­lar da Cá­te­dra Ayr­ton Sen­na no Ins­ti­tu­to de En­si­no e Pes­qui­sa Ins­per, afir­mou que “um dos fa­to­res de­ter­mi­nan­tes pa­ra a de­si­gual­da­de so­ci­al no país tem si­do a edu­ca­ção”. Pa­es de Bar­ros de­fen­de que “é tal­vez a mai­or e mais im­por­tan­te de­si­gual­da­de que a gen­te vê no Bra­sil. O sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal bra­si­lei­ro, em vez de com­ba­ter, re­pro­duz es­sas de­si­gual­da­des”.

Ao de­fen­der os pro­gra­mas Bol­sa Fa­mí­lia e a po­lí­ti­ca de co­tas, o es­pe­ci­a­lis­ta de­cla­rou que “a re­sis­tên­cia de al­guns se­to­res da so­ci­e­da­de a ações co­mo o Bol­sa Fa­mí­lia e às co­tas nas uni­ver­si­da­des de­ve-se a uma ideia er­ra­da de que são pro­gra­mas con­trá­ri­os à me­ri­to­cra­cia. A mai­or par­te des­sas pes­so­as tem a per­cep­ção de que es­sas po­lí­ti­cas são in­com­pa­tí­veis com me­ri­to­cra­cia. Tal­vez te­nha fal­ta­do um pou­co de­mons­trar co­mo não há na­da mais me­ri­to­crá­ti­co do que o Bol­sa Fa­mí­lia. O pro­gra­ma ali­via a po­bre­za, de for­ma que vo­cê te­nha con­tro­le so­bre sua pró­pria vi­da e pos­sa to­mar de­ci­sões so­bre o fu­tu­ro”.

A ma­té­ria pu­bli­ca­da no si­te da ONU Bra­sil8, em 21 de mar­ço de 2017, des­ta­cou os gru­pos so­ci­ais que não se be­ne­fi­ci­am do de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, con­for­me abor­da­do pe­lo Re­la­tó­rio do De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­nos (RDH) 2016, lan­ça­do mun­di­al­men­te pe­lo Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PNUD), o qual re­la­ci­o­na as po­lí­ti­cas e es­tra­té­gi­as na­ci­o­nais e glo­bais ne­ces­sá­ri­as pa­ra al­can­çar as po­pu­la­ções atu­al­men­te ex­cluí­das, or­ga­ni­za­das em qua­tro ei­xos:

I) Pi­so de pro­te­ção so­ci­al (po­lí­ti­cas uni­ver­sais de saú­de e edu­ca­ção; de as­sis­tên­cia so­ci­al, co­mo o Bol­sa Fa­mí­lia e o Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da; be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os pa­ra gru­pos vul­ne­rá­veis; in­clu­são fi­nan­cei­ra);

II) Po­lí­ti­cas de ação afir­ma­ti­va (pa­ra mu­lhe­res, ne­gros, in­dí­ge­nas, pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia en­tre ou­tros gru­pos vul­ne­rá­veis);

III) De­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no sus­ten­tá­vel (pa­ra que cho­ques, co­mo re­ces­sões econô­mi­cas, epi­de­mi­as e de­sas­tres na­tu­rais não fa­çam as pes­so­as vol­ta­rem à si­tu­a­ção de po­bre­za);

IV) Par­ti­ci­pa­ção e au­to­no­mia dos ex­cluí­dos (efe­ti­var os tra­ta­dos de di­rei­tos hu­ma­nos, ga­ran­tir o aces­so à jus­ti­ça, pro­mo­ver in­clu­são, efe­ti­var o di­rei­to à in­for­ma­ção).

A intolerância que ve­mos na atu­a­li­da­de, es­pe­ci­al­men­te na co­mu­ni­ca­ção nas re­des so­ci­ais ten­den­tes a in­fe­ri­o­ri­zar pes­so­as em ra­zão de ca­rac­te­rís­ti­cas co­mo et­nia, ra­ça, re­li­gião, ori­en­ta­ção se­xu­al, ori­gem, en­tre ou­tras dis­cri­mi­na­ções, cons­ti­tui a ge­ne­ra­li­za­ção de pre­con­cei­to, mui­tas ve­zes con­fun­di­da com li­ber­da­de de ex­pres­são.

Em­bo­ra o ar­ti­go 5º da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral de­ter­mi­ne que “a prá­ti­ca do ra­cis­mo cons­ti­tui cri­me ina­fi­an­çá­vel e im­pres­cri­tí­vel su­jei­to à pe­na de re­clu­são” e a Lei nº 7.716/1989, em seu ar­ti­go 1º, es­ta­be­le­ça que “se­rão pu­ni­dos os cri­mes re­sul­tan­tes de dis­cri­mi­na­ção ou pre­con­cei­to de ra­ça, cor, et­nia, re­li­gião ou pro­ce­dên­cia na­ci­o­nal”, ain­da não te­mos uma di­mi­nui­ção drás­ti­ca de dis­cur­sos de ódio no Bra­sil.

Às ve­zes até de for­ma su­til a ex­pres­são pre­con­cei­tu­o­sa po­de es­tar em uma con­ver­sa ou comentário apa­ren­te­men­te ino­fen­si­vo so­bre as­sun­tos co­mo pe­na de mor­te, ma­chis­mo, ra­cis­mo e ho­mo­fo­bia, mas que re­pro­du­zem, na ver­da­de, a intolerância e o pre­con­cei­to.

No dia 17 de maio de 2017 (da­ta de­di­ca­da pa­ra o Dia In­ter­na­ci­o­nal Con­tra a Ho­mo­fo­bia), a Agên­cia Bra­sil9 es­tam­pou re­por­ta­gem com in­for­ma­ções do Gru­po Gay da Bahia (GGB) de­mons­tran­do que a ca­da

7 Dis­po­ní­vel em: http://agen­ci­a­bra­sil.ebc.com.br/ge­ral/ no­ti­cia/2016-01/bra­si­li­a­nas-en­tre­vis­ta-ricardo-pa­es-de-bar­ros­so­bre-po­li­ti­cas-pu­bli­cas. Ace­so em: 7 jun. 2017.

8 Dis­po­ní­vel em: http:// www. br. undp. org/ con­tent/ bra­zil/ pt/ ho­me/ pres­s­cen­ter/ ar­ti­cles/ 2017/ 03/ 21/ re­lat- ri­o­do-pnud-des­ta­ca-gru­pos-so­ci­ais-que-n-o-se-be­ne­fi­ci­am-do­de­sen­vol­vi­men­to-hu­ma­no.html. Ace­so em: 7 jun. 2017.

9 Dis­po­ní­vel em: http://agen­ci­a­bra­sil.ebc.com.br/di­rei­toshu­ma­nos/no­ti­cia/2017-05/dia-de-com­ba­te-ho­mo­fo­bia-se­ra­mar­ca­do-por-de­ba­tes-em-sal­va­dor. Aces­so em: 6 jun. 2017.

25 ho­ras uma pes­soa LGBT (lés­bi­cas, gays, bis­se­xu­ais e tran­se­xu­ais) é as­sas­si­na­da no Bra­sil.

Ge­nil­son Coutinho, mi­li­tan­te LGBT e mem­bro ho­no­rá­rio do GGB, des­ta­cou que a cres­cen­te vi­o­lên­cia con­tra pes­so­as LGBT po­de ser atri­buí­da a di­ver­sos fa­to­res, so­bre­tu­do à im­pu­ni­da­de, por­que não há ne­nhu­ma lei que tor­ne cri­me es­se ti­po de vi­o­lên­cia”. Se­gun­do Coutinho, “não há uma lei que cri­mi­na­li­ze a ho­mo­fo­bia no país, que fa­ça com que as pes­so­as abram os olhos e de­sa­pro­vem is­so. A im­pu­ni­da­de for­ta­le­ce a vi­o­lên­cia diá­ria. O cri­mi­no­so ma­ta ho­je e com um ha­be­as cor­pus é li­be­ra­do. Is­so ins­ti­tui a ba­na­li­za­ção, por­que a ca­da 25 ho­ras um ho­mos­se­xu­al é as­sas­si­na­do no Bra­sil, a ca­da dia uma fa­mí­lia é di­la­ce­ra­da pe­la mor­te de fi­lhos LGBT”.

Em fe­ve­rei­ro de 2017, a Sa­fer­net (or­ga­ni­za­ção que mo­ni­to­ra cri­mes e vi­o­la­ções dos di­rei­tos hu­ma­nos na in­ter­net) in­for­mou ha­ver acir­ra­men­to do dis­cur­so de ódio nas re­des so­ci­ais, já que os in­ter­nau­tas se valem do ano­ni­ma­to pa­ra ex­pres­sa­rem a sua intolerância às di­fe­ren­ças. Mas ocor­re que a in­ter­net não é uma ter­ra sem lei. Se hou­ver in­ves­ti­ga­ção, os agres­so­res po­dem ser iden­ti­fi­ca­dos e res­pon­sa­bi­li­za­dos.

O por­tal de no­tí­ci­as UOL10 di­vul­gou que a Uni­ver­si­da­de de Har­vard, lo­ca­li­za­da em Mas­sa­chu­setts, Es­ta­dos Uni­dos, can­ce­lou a apro­va­ção de pe­lo me­nos 10 alu­nos após to­mar co­nhe­ci­men­to de pos­ta­gens obs­ce­nas e ra­cis­tas em um gru­po in­ter­no de fu­tu­ros es­tu­dan­tes no iní­cio de ju­nho de 2017. Em um gru­po do Fa­ce­bo­ok, que em de­ter­mi­na­do mo­men­to te­ria si­do in­ti­tu­la­do “Me­mes de Har­vard pa­ra ado­les­cen­tes bur­gue­ses”, eles tro­ca­vam men­sa­gens de in­cen­ti­vo ao es­tu­pro e iro­ni­za­vam mi­no­ri­as, co­mo os la­ti­nos, os ne­gros e os ju­deus.

En­tre­tan­to, a uni­ver­si­da­de ad­ver­te os es­tu­dan­tes que po­de re­vo­gar a ad­mis­são em ca­sos de os jo­vens se en­ga­ja­rem em si­tu­a­ções que co­lo­quem em dú­vi­da a ho­nes­ti­da­de, ma­tu­ri­da­de ou ca­rá­ter. Es­sa me­di­da bem que po­de­ria ser ado­ta­da pe­las uni­ver­si­da­des bra­si­lei- ras, on­de di­ver­sos ca­sos de ra­cis­mo e de misoginia já ocor­re­ram e, pe­lo vis­to, tra­ta-se de um pro­ble­ma ain­da de di­fí­cil so­lu­ção.

O go­ver­no da Ale­ma­nha tam­bém to­mou me­di­das con­tra os co­men­tá­ri­os rai­vo­sos que des­ti­lam ódio na in­ter­net. Se­gun­do in­for­ma­ções do jor­nal O Es­ta­do de Mi­nas11, “o con­se­lho de mi­nis­tros ale­mão apro­vou, no iní­cio de abril de 2017, um pro­je­to de lei que in­clui mul­tas de até 50 mi­lhões de eu­ros pa­ra as re­des so­ci­ais que não su­pri­mi­rem as men­sa­gens de ódio e as in­for­ma­ções fal­sas cri­mi­no­sas”. O mes­mo jor­nal in­for­mou ain­da que, se­gun­do co­mu­ni­ca­do do go­ver­no de An­ge­la Mer­kel, “Qu­an­do não são com­ba­ti­dos de ma­nei­ra efe­ti­va e não são al­vos de pro­ces­sos ju­di­ci­ais, os cri­mes de ódio re­pre­sen­tam uma gran­de ame­a­ça pa­ra a co­e­xis­tên­cia pa­cí­fi­ca em uma so­ci­e­da­de li­vre, aber­ta e de­mo­crá­ti­ca”.

Res­sal­te-se que a pro­va de re­da­ção do ves­ti­bu­lar 2017 da Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de Mi­nas Ge­rais (Puc-mi­nas) te­ve co­mo te­ma uma car­ta aber­ta so­bre o te­ma “Os dis­cur­sos de ódio na in­ter­net e os li­mi­tes da li­ber­da­de de ex­pres­são”.

O si­te da ONU Bra­sil12 in­for­mou que, em ja­nei­ro de 2017, a Ali­an­ça de Ci­vi­li­za­ções da ONU e a União Eu­ro­peia pro­mo­ve­ram um sim­pó­sio em Bru­xe­las, na Bélgica, pa­ra abor­dar o de­sa­fio cres­cen­te do dis­cur­so de ódio con­tra mi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos em to­do o mun­do. Nas­sir Ab­du­la­ziz Al-nas­ser, al­to re­pre­sen­tan­te da Ali­an­ça, afir­mou que “o êxo­do em mas­sa de mi­gran­tes que fo­gem de con­fli­tos e po­bre­za em Ira­que, Sí­ria, Lí­bia e ou­tros paí­ses com des­ti­no à Eu­ro­pa ali­men­tou te­mo­res, pre­con­cei­tos e até mes­mo ódio con­tra aque­les que são vis­tos co­mo “es­tra­nhos” pe­las po­pu­la­ções lo­cais. Tais per­cep­ções dis­tor­ci­das tam­bém le­va­ram a re­a­ções vi­o­len­tas den­tro das so­ci­e­da­des de aco­lhi­men­to”.

10 Dis­po­ní­vel em: https://no­ti­ci­as.uol.com.br/in­ter­na­ci­o­nal/ul­ti­mas-no­ti­ci­as/2017/06/05/har­vard-ve­ta-apro­va­cao-de­a­lu­nos-que-fi­ze­ram-pos­ta­gens-obs­ce­nas-e-ra­cis­tas-no-fa­ce­bo­ok. htm. Aces­so em: 6 jun. 2017.

11 Dis­po­ní­vel em: http://www.em.com.br/app/no­ti­cia/ in­ter­na­ci­o­nal/2017/04/05/in­ter­na_in­ter­na­ci­o­nal,860061/ ale­ma­nha-fi­xa-mul­tas-con­tra-re­des-so­ci­ais-por-dis­cur­sos-de­o­dio.shtml. Aces­so em: 6 jun. 2017.

12 Dis­po­ní­vel em: https://na­co­e­su­ni­das.org/sim­po­si­o­dis­cu­te-com­ba­te-ao-dis­cur­so-odio-con­tra-re­fu­gi­a­dos/. Aces­so em: 6 jun. 2017.

Já no Bra­sil, se­gun­do o jor­nal O Glo­bo13, ma­ni­fes­tan­tes do gru­po Di­rei­ta São Pau­lo e do Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre mar­cha­ram na Ave­ni­da Pau­lis­ta, no dia 2 de maio de 2017, com car­ta­zes pro­tes­tan­do con­tra a no­va Lei de Mi­gra­ção bra­si­lei­ra. Es­sa lei de­pen­de da san­ção pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer pa­ra en­trar em vi­gor e subs­ti­tuir a le­gis­la­ção atu­al, cha­ma­da de Es­ta­tu­to do Es­tran­gei­ro, de 1980. A no­va lei de­fi­ne os di­rei­tos e os de­ve­res do mi­gran­te e do vi­si­tan­te no Bra­sil; re­gu­la a en­tra­da e a permanência de es­tran­gei­ros; e es­ta­be­le­ce nor­mas de pro­te­ção ao bra­si­lei­ro no ex­te­ri­or, além de anis­ti­ar al­guns imi­gran­tes que en­tra­ram no Bra­sil até 6 de ju­lho de 2016 e que fi­ze­rem o pe­di­do até um ano após o iní­cio de vi­gên­cia da lei, in­de­pen­den­te­men­te da si­tu­a­ção mi­gra­tó­ria an­te­ri­or.

Um dos prin­ci­pais pro­ble­mas da dis­se­mi­na­ção do ódio é jus­ta­men­te a ne­ga­ção de re­fú­gio aos imi­gran­tes que fo­gem de si­tu­a­ção de gu­er­ra, pes­tes e fo­me no mun­do to­do. De acor­do com o Fun­do In­ter­na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Agrí­co­la (Fi­da), da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das, cer­ca de 250 mi­lhões de imi­gran­tes vi­vem fo­ra de seus paí­ses.

Se­gun­do re­por­ta­gem da re­vis­ta Ve­ja14, de 2 de ju­nho de 2017, após o de­cre­to an­ti-imi­gra­ção do pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no Do­nald Trump ter si­do con­si­de­ra­do dis­cri­mi­na­tó­rio em di­ver­sas ins­tân­ci­as do Ju­di­ciá­rio dos Es­ta­dos Uni­dos, o che­fe do Exe­cu­ti­vo não de­sis­tiu de bar­rar a en­tra­da de imi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos mu­çul­ma­nos no país. O De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça so­li­ci­tou a Su­pre­ma Cor­te que jul­gue a or­dem exe­cu­ti­va do pre­si­den­te Trump, a qual proí­be a emis­são de vis­tos pa­ra ci­da­dãos do Irã, Lí­bia, So­má­lia, Su­dão, Sí­ria e Iê­men por 90 di­as, a fim de man­ter a na­ção segura e pro­te­gi­da do ter­ro­ris­mo.

Ao lon­go de 2016 e tam­bém no pri­mei­ro se­mes­tre de 2017, o mun­do as­sis­tiu aos res­ga­tes que a Guar­da Cos­tei­ra da Itá­lia tem fei­to pa­ra sal­var as vi­das dos imi­gran­tes que vi­a­jam em em­bar­ca­ções pe­lo Ca­nal da Si­cí­lia na ten­ta­ti­va de che­gar àque­le país. O go­ver­no ita­li­a­no cal­cu­la que vai re­ce­ber cer­ca de 250 mil imi­gran­tes em 2017, nú­me­ro que re­pre­sen­ta 70 mil pes­so­as a mais do que em 2016.

As­sim sen­do, a no­va Lei de Mi­gra­ção bra­si­lei­ra de­ve co­lo­car o Bra­sil en­tre os mais mo­der­nos do mun­do no aco­lhi­men­to de imi­gran­tes.

O dis­cur­so de ódio que se es­pa­lha não ape­nas nas re­des so­ci­ais, mas tam­bém em vá­ri­os gru­pos nas so­ci­e­da­des, re­pre­sen­ta uma gra­ve ame­a­ça aos di­rei­tos hu­ma­nos. As pes­so­as pre­ci­sam pra­ti­car a to­le­rân­cia a fim de de­sen­vol­ve­rem um mun­do li­vre do pre­con­cei­to e com igual­da­de pa­ra to­dos.

13 Dis­po­ní­vel em: https://oglo­bo.glo­bo.com/opi­ni­ao/ dis­cur­so-de-odio-nao-tem-lu­gar-no-bra­sil-21327455. Aces­so em: 6 jun. 2017.

14 Dis­po­ní­vel em: http://ve­ja.abril.com.br/mun­do/trump­pe­de-que-su­pre­ma-cor­te-re­vi­va-seu-de­cre­to-an­ti-imi­gra­cao/. Aces­so em: 6 jun. 2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.