7. CO­MO ES­TU­DAR ATU­A­LI­DA­DES

Superguia Enem - Atualidades - - Sumário -

O es­tu­dan­te que pas­sa­rá pe­lo pe­río­do de pre­pa­ra­ção pa­ra en­fren­tar pro­ces­sos se­le­ti­vos de in­gres­so no en­si­no su­pe­ri­or pre­ci­sa, ne­ces­sa­ri­a­men­te, ter uma ideia abran­gen­te de po­lí­ti­ca, eco­no­mia, tec­no­lo­gia, edu­ca­ção, jus­ti­ça, en­tre ou­tros as­sun­tos. Sem co­nhe­cer o que es­tá ocor­ren­do no Bra­sil e no mun­do e ain­da por ci­ma acom­pa­nhan­do os des­fe­chos dos fa­tos, es­sa pes­soa não es­ta­rá atu­a­li­za­da. É im­por­tan­te re­gis­trar que o es­tu­dan­te pre­ci­sa acom­pa­nhar as no­tí­ci­as an­tes da pro­va ou ao me­nos fa­zer uma atu­a­li­za­ção a res­pei­to dos te­mas mais abor­da­dos pe­la im­pren­sa no úl­ti­mo se­mes­tre que an­te­ce­de a pro­va. O que pre­ten­de­mos de­mons­trar é a me­to­do­lo­gia que as or­ga­ni­za­do­ras de pro­ces­sos se­le­ti­vos uti­li­zam pa­ra for­mu­lar as ques­tões que fa­rão par­te dos exa­mes nos ves­ti­bu­la­res de di­fe­ren­tes uni­ver­si­da­des e do Enem.

Va­le lem­brar que as pes­so­as que es­te­jam em co­ne­xão com os fa­tos e par­ti­ci­pem de um con­tex­to so­ci­al e po­lí­ti­co apre­sen­tam mai­or de­sen­vol­tu­ra e tam­bém me­lhor de­sem­pe­nho nos exa­mes. É im­por­tan­te no­tar que os te­mas de so­ci­o­lo­gia e de fi­lo­so­fia es­tão in­se­ri­dos nes­ses con­teú­dos, em um grau de co­nhe­ci­men­to mul­ti­dis­ci­pli­nar.

Os exa­mes tor­nam-se a ca­da dia mais so­fis­ti­ca­dos. As or­ga­ni­za­do­ras de pro­vas de­sen­vol­vem no­vos mé­to­dos ava­li­a­ti­vos, nos quais a co­bran­ça de co­nhe­ci­men­tos ge­rais é bas­tan­te re­cor­ren­te. Ques­tões são com­pos­tas no­ções de di­rei­to e ain­da exi­gem ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co, en­tre ou­tras dis­ci­pli­nas, de mo­do a ava­li­ar o de­sem­pe­nho do ava­li­a­do.

As ques­tões são mul­ti­dis­ci­pli­na­res ou in­ter­dis­ci­pli­na­res, is­to é, en­vol­vem dis­ci­pli­nas di­ver­sas em um úni­co enun­ci­a­do. Se­gun­do os es­cla­re­ci­men­tos de Ebe­ne­zer Ta­ku­no de Me­ne­zes e Thais He­le­na dos San­tos (2002):

A mul­ti­dis­ci­pli­na­ri­da­de é um con­jun­to de dis­ci­pli­nas a se­rem tra­ba­lha­das si­mul­ta­ne­a­men­te, sem fa­zer apa­re­cer as re­la­ções que pos­sam exis­tir en­tre elas, des­ti­nan­do-se a um sis­te­ma de um só ní­vel e de ob­je­ti­vos úni­cos, sem ne­nhu­ma co­o­pe­ra­ção. A mul­ti­dis­ci­pli­na­ri­da­de cor­res­pon­de à es­tru­tu­ra tra­di­ci­o­nal de cur­rí­cu­lo nas es­co­las, que se en­con­tra frag­men­ta­do em vá­ri­as dis­ci­pli­nas. [..] De acor­do com o con­cei­to de mul­ti­dis­ci­pli­na­ri­da­de, re­cor­re-se a in­for­ma­ções de vá­ri­as ma­té­ri­as pa­ra es­tu­dar um de­ter­mi­na­do ele­men­to, sem a pre­o­cu­pa­ção de in­ter­li­gar as dis­ci­pli­nas en­tre si. As­sim, ca­da ma­té­ria con­tri­bui com in­for­ma­ções pró­pri­as do seu cam­po de co­nhe­ci­men­to, sem con­si­de­rar que exis­te uma in­te­gra­ção en­tre elas. Es­sa for­ma de re­la­ci­o­na­men­to en­tre as dis­ci­pli­nas é con­si­de­ra­da pou­co efi­caz pa­ra a trans­fe­rên­cia de co­nhe­ci­men­tos, já que im­pe­de uma re­la­ção en­tre os vá­ri­os co­nhe­ci­men­tos

Co­mo o acom­pa­nha­men­to de to­das as no­tí­ci­as é pra­ti­ca­men­te uma ta­re­fa im­pos­sí­vel de ser re­a­li­za­da, ler as man­che­tes de al­guns jor­nais e re­vis­tas ape­nas pa­ra acom­pa­nhar os as­sun­tos mais re­le­van­tes já tor­na bem mais fá­cil a com­pre­en­são de fa­tos po­lí­ti­cos, econô­mi­cos, so­ci­ais e cul­tu­rais. No­vas ter­mi­no­lo­gi­as vão sur­gin­do e a so­ci­e­da­de, evo­luin­do a ca­da dia. A in­ter­net tam­bém se mos­tra ex­tre­ma­men­te útil, vis­to que uma pes­soa po­de pas­sar al­guns mi­nu­tos a ca­da in­ter­va­lo no pe­río­do re­gu­lar de seu tra­ba­lho. Po­rém, em vez de ape­nas fi­car “ba­ten­do pa­po” nas re­des so­ci­ais ou com os pro­gra­mas de tro­ca de men­sa­gens ins­tan­tâ­ne­as, de­ve ler al­gu­mas no­tí­ci­as de si­tes co­mo o UOL, Fo­lha de S. Pau­lo, O Es­ta­do de S. Pau­lo, O Glo­bo, O Es­ta­do de Mi­nas, Ze­ro Ho­ra, Jor­nal do Com­mer­cio, Diá­rio de Per­nam­bu­co, a edi­ção em por­tu­guês dos pe­rió­di­cos El País e BBC, G1, R7, Ter­ra, com o Jor­nal do Bra­sil, além de ve­ri­fi­car as agências de no­tí­ci­as go­ver­na­men­tais, tais co­mo Agências Bra­sil, Se­na­do e Câ­ma­ra, en­tre ou­tras.

Ob­ser­ve que os as­sun­tos po­dem ser re­to­ma­dos. A pro­va de re­da­ção do Enem 2015 trou­xe o de­ba­te so­bre a vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher ao so­li­ci­tar a pro­du­ção de um tex­to so­bre a “per­sis­tên­cia da vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher na so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra”. No Dia In­ter­na­ci­o­nal da Mu­lher de 2017 (8 de mar­ço), uma pes­qui­sa do ins­ti­tu­to Da­ta­fo­lha, en­co­men­da­da pe­lo Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, re­ve­lou a ab­sur­da es­ta­tís­ti­ca de que, em 2016, a ca­da ho­ra 503 mu­lhe­res fo­ram ví­ti­mas de agres­são fí­si­ca no Bra­sil.

No con­tex­to bra­si­lei­ro de se­le­ções de can­di­da­tos

pa­ra o in­gres­so nos cur­sos de uni­ver­si­da­des es­ta­du­ais ou fe­de­rais (que ofe­re­cem pou­cas va­gas pa­ra a enor­me de­man­da pe­la edu­ca­ção su­pe­ri­or), o in­di­ví­duo que es­ti­ver atu­a­li­za­do e em co­ne­xão com os acon­te­ci­men­tos, fa­tos e no­vi­da­des tem mais chan­ces de ser o se­le­ci­o­na­do pa­ra cur­sar o en­si­no su­pe­ri­or gratuito.

Nes­ta apos­ti­la, op­ta­mos por apre­sen­tar os as­sun­tos de uma for­ma que em mui­to se as­se­me­lha à di­dá­ti­ca uti­li­za­da pe­los exa­mi­na­do­res, ou se­ja, fa­ze­mos um apa­nha­do ge­ral dos as­sun­tos mais co­mu­men­te abor­da­dos. Tra­ta-se de uma con­tex­tu­a­li­za­ção que ob­je­ti­va es­cla­re­cer o mo­do co­mo os as­sun­tos atu­ais po­dem ser abor­da­dos em ques­tões.

Não pre­ten­de­mos in­se­rir uma re­la­ção de as­sun­tos teó­ri­cos que pre­ci­sam ser de­co­ra­dos pa­ra o ca­so de pos­si­vel­men­te vi­rem a ser co­bra­dos nos exa­mes, mas apre­sen­tar uma vas­ta gama de co­nhe­ci­men­tos ge­rais pa­ra que o lei­tor te­nha a no­ção do que de­ve ler e co­mo de­ve se aten­tar às no­tí­ci­as. As­sim, po­de­rá se pre­pa­rar me­lhor pa­ra o que te­rá de en­fren­tar no dia em que se ins­cre­ver em um pro­ces­so se­le­ti­vo ou no Enem e ve­ri­fi­car que há re­la­cões com atu­a­li­da­des.

Co­mo o pró­prio no­me já diz, “co­nhe­ci­men­tos ge­rais” in­clui des­de po­lí­ti­ca e re­li­gião até eco­no­mia e ci­ên­cia. Não é pos­sí­vel pre­ver co­mo as ques­tões se­rão apre­sen­ta­das. Mas é per­fei­ta­men­te pre­vi­sí­vel que de­ter­mi­na­dos as­sun­tos que fre­quen­tam as pá­gi­nas de jor­nais e co­men­tá­ri­os da im­pren­sa se­jam abor­da­dos. É co­mo a pro­va de re­da­ção nos ves­ti­bu­la­res. O ves­ti­bu­lan­do pre­ci­sa ter em men­te que as uni­ver­si­da­des apre­sen­ta­rão um te­ma de atu­a­li­da­des pa­ra que de­sen­vol­vam um da­do as­sun­to de acor­do com a per­cep­ção e a opi­nião dos fa­tos.

Es­se mé­to­do de ava­li­a­ção con­sis­te em ve­ri­fi­car o ní­vel cul­tu­ral e a abran­gên­cia do co­nhe­ci­men­to ge­ral de uma pes­soa que pre­ten­de cur­sar o en­si­no su­pe­ri­or. Os gestores de ins­ti­tui­ções de en­si­no pú­bli­cas não que­rem ser acu­sa­dos de ne­gli­gên­cia ao se­le­ci­o­nar can­di­da­tos que não es­te­jam em con­di­ções de acom­pa­nhar as au­las por es­ta­rem com­ple­ta­men­te de­sa­tu­a­li­za­dos, as­sim co­mo não que­rem ter em su­as sa­las de au­la al­guém sem a me­nor no­ção de ma­te­má­ti­ca, de lín­guas por­tu­gue­sa e es­tran­gei­ra ou de ou­tras dis­ci­pli­nas es­sen­ci­ais pa­ra o bom de­sen­vol­vi­men­to das pes­qui­sas e de­mais tra­ba­lhos na vi­da aca­dê­mi­ca.

As­sim sen­do, pre­pa­ra­mos um apa­nha­do ge­ral pa­ra sub­si­di­ar os lei­to­res com co­nhe­ci­men­tos bas­tan­te am- pli­a­dos de te­mas di­ver­sos. A par­tir dis­so, os es­tu­dan­tes po­de­rão ela­bo­rar o seu pró­prio pla­no de atu­a­li­za­ção que pri­vi­le­gie não ape­nas a lei­tu­ra de no­tí­ci­as e de pes­qui­sas, mas prin­ci­pal­men­te a se­le­ção do que de­ve ler. Ou se­ja, se uma pes­soa se in­te­res­sa so­men­te pe­las pá­gi­nas de es­por­tes, “de­vo­ran­do” tu­do so­bre os ti­mes de fu­te­bol, os jo­ga­do­res mais co­ta­dos, qual equi­pe es­tá me­lhor pre­pa­ra­da pa­ra ven­cer o cam­pe­o­na­to bra­si­lei­ro, por exem­plo, de­ve fa­zer um es­for­ço e co­me­çar a ler tam­bém o con­teú­do das edi­to­ri­as de eco­no­mia, po­lí­ti­ca, cul­tu­ra, en­tre ou­tras.

Não é pre­ci­so de­co­rar na­da. Atu­a­li­da­des não é uma ma­té­ria que de­ve ser gra­va­da na me­mó­ria pa­ra que o can­di­da­to sai­ba res­pon­der exa­ta­men­te igual ao tex­to que leu. A di­dá­ti­ca dos ava­li­a­do­res mu­dou há bas­tan­te tem­po. A for­mu­la­ção de ques­tões es­tá ba­se­a­da na con­tex­tu­a­li­za­ção. Ao se ha­bi­tu­ar a ler no­tí­ci­as, acom­pa­nhan­do o an­da­men­to dos fa­tos, o es­tu­dan­te per­ce­be­rá que um no­vo mun­do de co­nhe­ci­men­tos sur­gi­rá.

Ade­mais, al­gu­mas con­si­de­ra­ções acer­ca do des­fe­cho fu­tu­ro de cer­tos te­mas po­dem ser ne­ces­sá­ri­as, uma vez que o mes­mo te­ma po­de ser re­to­ma­do em ques­tões de ou­tras or­ga­ni­za­do­ras, po­rém de mo­do mais atu­a­li­za­do.

7.1 Co­mo acom­pa­nhar no­ti­ciá­ri­os

Em pri­mei­ro lu­gar, o acom­pa­nha­men­to de no­tí­ci­as de­ve­ria ser um há­bi­to de qual­quer es­tu­dan­te. Não exis­te uma fór­mu­la in­fa­lí­vel pa­ra al­guém es­tar por den­tro de to­dos os acon­te­ci­men­tos a não ser que es­sa ati­vi­da­de se­ja a pro­fis­são da pes­soa. As­sim sen­do, po­de­mos ape­nas for­ne­cer di­cas de co­mo fi­car atu­a­li­za­do, de quais as­sun­tos de­vem ter a aten­ção de quem pre­ci­sa es­tar atu­a­li­za­do por con­ta de par­ti­ci­par de pro­ces­sos se­le­ti­vos.

Uma boa di­ca é vol­tar a aten­ção pa­ra no­tí­ci­as que di­gam res­pei­to aos pro­ble­mas so­ci­ais bra­si­lei­ros, os quais po­dem ser tam­bém de ou­tros paí­ses, de con­ti­nen­tes ou mun­di­ais. Por exem­plo, se uma no­tí­cia aler­ta so­bre o es­tron­do­so au­men­to de mor­tes no trân­si­to nas gran­des ci­da­des bra­si­lei­ras, mui­to pos­si­vel­men­te ha­ve­rá o des­do­bra­men­to da im­plan­ta­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma.

Uma pes­qui­sa nos si­tes go­ver­na­men­tais e não go­ver­na­men­tais po­de au­xi­li­ar a com­pre­en­der co­mo es­tão sen­do tra­ta­dos os pro­ble­mas. Mes­mo que se­ja por sim­ples cu­ri­o­si­da­de, o es­tu­dan­te pre­ci­sa apren­der a apro­fun­dar os co­nhe­ci­men­tos so­bre al­guns as­sun­tos que

po­dem ser­vir de ba­se pa­ra or­ga­ni­za­do­ras ela­bo­ra­rem ques­tões de pro­vas.

7.2 Ope­ra­ção Car­ne Fra­ca

Ou­tro exem­plo pa­ra de­mons­trar o acom­pa­nha­men­to de no­tí­ci­as e seus des­do­bra­men­tos é o ca­so da Ope­ra­ção Car­ne Fra­ca, de­fla­gra­da em mar­ço de 2017. Ne­le, a Po­lí­cia Fe­de­ral des­ven­dou um es­que­ma en­vol­ven­do em­pre­sá­ri­os de fri­go­rí­fi­cos, fis­cais do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra Pe­cuá­ria e Abas­te­ci­men­to (Ma­pa) que atu­a­vam na li­be­ra­ção de li­cen­ças, so­li­ci­ta­ção e re­ce­bi­men­to de van­ta­gens in­de­vi­das.

Os cri­mes apon­ta­dos na de­nún­cia fo­ram cor­rup­ção pas­si­va, cor­rup­ção ati­va, pre­va­ri­ca­ção, con­cus­são, vi­o­la­ção de si­gi­lo fun­ci­o­nal, pe­cu­la­to, or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa e ad­vo­ca­cia ad­mi­nis­tra­ti­va. A adul­te­ra­ção de pro­du­tos ali­men­tí­ci­os e em­pre­go de subs­tân­cia não per­mi­ti­da em al­guns fri­go­rí­fi­cos, co­mo o uso de pa­pe­lão na mis­tu­ra de car­ne pro­ces­sa­da, por exem­plo, re­sul­tou em uma sé­rie de me­mes dis­se­mi­na­dos nas re­des so­ci­ais, nos quais ha­via fotos de es­pe­tos com pa­pe­lão con­vi­dan­do a fa­zer chur­ras­co, pe­ças dos prin­ci­pais cortes de boi bra­si­lei­ros em pa­pe­lão, en­tre ou­tros.

Mui­tas ve­zes, os as­sun­tos mais em evi­dên­cia das re­des so­ci­ais po­dem ser a di­ca que o es­tu­dan­te pre­ci­sa pa­ra pes­qui­sar mai­o­res in­for­ma­ções e apro­fun­dar seus es­tu­dos a res­pei­to de um te­ma que po­de até ser o que vai apa­re­cer na pro­va de re­da­ção ou ser usa­do no enun­ci­a­do de uma im­por­tan­te ques­tão.

7.3 Ope­ra­ção Lu­cas

Mas vol­tan­do ao as­sun­to do acom­pa­nha­men­to dos des­do­bra­men­tos e a pes­qui­sa pa­ra apro­fun­dar os co­nhe­ci­men­tos so­bre de­ter­mi­na­dos as­sun­tos, ca­be lem­brar que em 2016 a ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff ha­via bai­xa­do um de­cre­to (De­cre­to nº 8.852, de 20.9.2016) que res­trin­gia as in­di­ca­ções po­lí­ti­cas em car­gos de di­re­ção na Com­pa­nhia Na­ci­o­nal de Abas­te­ci­men­to (Co­nab), em ra­zão de ha­ver um con­tro­le por par­te de ocu­pan­tes de car­gos ele­ti­vos. A me­di­da go­ver­na­men­tal proi­bia ain­da que con­de­na­dos por so­ne­ga­ção fis­cal, pre­va­ri­ca­ção e cor­rup­ção, en­tre ou­tros cri­mes, os só­ci­os, côn­ju­ges e com­pa­nhei­ros até ter­cei­ro grau de ou­tro in­te­gran­te do ór­gão pu­des­sem exer­cer fun­ções de che­fia. Ape­sar de tu­do, o de­cre­to só en­trou em vi­gor em 10 de maio de 2017, e ain­da va­len­do so­men­te pa­ra as no­vas no­me­a­ções, sem a subs­ti­tui­ção dos ocu­pan­tes dos car­gos.

Pas­sa­dos dois me­ses, no dia 16 de maio de 2017, a Po­lí­cia Fe­de­ral de­fla­grou no­va ope­ra­ção em qua­tro es­ta­dos e no Dis­tri­to Fe­de­ral pa­ra de­sar­ti­cu­lar ou­tro es­que­ma en­vol­ven­do ser­vi­do­res do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra que re­ce­bi­am pro­pi­na de la­ti­cí­ni­os e fri­go­rí­fi­cos pa­ra fa­vo­re­cê-las com o re­tar­da­men­to de pro­ces­sos ad­mi­nis­tra­ti­vos que ge­ra­ri­am pe­sa­das mul­tas pe­las ir­re­gu­la­ri­da­des co­me­ti­das por es­tas em­pre­sas. Ba­ti­za­da de “Lu­cas” em re­fe­rên­cia à pas­sa­gem bí­bli­ca “não pe­çais mais do que o que vos es­tá or­de­na­do”, a no­va ope­ra­ção não te­ve co­ne­xão com a Ope­ra­ção Car­ne Fra­ca, que ha­via des­mon­ta­do o es­que­ma de pa­ga­men­to de pro­pi­na a fun­ci­o­ná­ri­os dos mi­nis­té­ri­os pa­ra li­be­rar car­ne pa­ra ven­da sem a de­vi­da fis­ca­li­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.