8. A IM­POR­TÂN­CIA DAS CI­ÊN­CI­AS HU­MA­NAS PA­RA VESTIBULANDOS E PAR­TI­CI­PAN­TES DO ENEM

Superguia Enem - Atualidades - - Sumário -

O es­tu­do de so­ci­o­lo­gia e de ou­tras ci­ên­ci­as hu­ma­nas (fi­lo­so­fia, an­tro­po­lo­gia e po­lí­ti­ca) con­tri­bui pa­ra que os es­tu­dan­tes te­nham uma for­ma­ção ci­da­dã não ape­nas pa­ra con­cor­dar com o que é en­si­na­do, mas pa­ra se tor­na­rem crí­ti­cos, pas­sa­rem a pen­sar por si mes­mos e ti­ra­rem as su­as pró­pri­as con­clu­sões a res­pei­to das po­lí­ti­cas pú­bli­cas que pre­ci­sam ser im­ple­men­ta­das e so­bre os ru­mos que o país pre­ci­sa to­mar. O apri­mo­ra­men­to do sen­so crí­ti­co e dos ques­ti­o­na­men­tos acer­ca de ide­o­lo­gi­as le­va­rá os jo­vens a par­ti­ci­pa­rem da cons­tru­ção de uma na­ção mais jus­ta, mais igua­li­tá­ria e que res­pei­te as di­ver­si­da­des.

A edu­ca­ção é fun­da­men­tal na for­ma­ção da ci­da­da­nia, pois ela con­tri­bui na ele­va­ção do grau de cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca e so­ci­al do in­di­ví­duo. A eman­ci­pa­ção in­te­lec­tu­al é ca­paz de con­tri­buir pa­ra a ob­ten­ção de vi­são de mun­do cons­ci­en­te, na for­ma­ção hu­ma­nís­ti­ca e na ple­na com­pre­en­são de di­rei­tos po­lí­ti­cos e do ide­al de igual­da­de.

Em sua obra Pe­da­go­gia da au­to­no­mia: sa­be­res ne­ces­sá­ri­os à prá­ti­ca edu­ca­ti­va, Pau­lo Freire (1996, p. 12)

faz um aler­ta a to­dos os edu­ca­do­res, ao afir­mar que “a re­fle­xão crí­ti­ca so­bre a prá­ti­ca se tor­na uma exi­gên­cia da re­la­ção te­o­ria/prá­ti­ca sem a qual a te­o­ria po­de ir vi­ran­do blá-blá-blá e a prá­ti­ca, ati­vis­mo”.

No Bra­sil, a so­ci­o­lo­gia che­gou a ser proi­bi­da em qual­quer ní­vel de en­si­no na dé­ca­da de 1960. Ho­je, os Pa­râ­me­tros Cur­ri­cu­la­res Na­ci­o­nais pa­ra a área de Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas e su­as Tec­no­lo­gi­as do En­si­no Mé­dio tra­zem re­fe­rên­ci­as pa­ra pro­pi­ci­ar aos es­tu­dan­tes co­nhe­ci­men­tos de an­tro­po­lo­gia, po­lí­ti­ca, di­rei­to, eco­no­mia e psi­co­lo­gia.

A Lei de Di­re­tri­zes e Ba­ses da Edu­ca­ção Na­ci­o­nal, pro­mul­ga­da em 20 de de­zem­bro de 1996, es­ta­be­le­ceu co­mo fi­na­li­da­de da edu­ca­ção “o ple­no de­sen­vol­vi­men­to do edu­can­do, seu pre­pa­ro pa­ra o exer­cí­cio da ci­da­da­nia e sua qua­li­fi­ca­ção pa­ra o tra­ba­lho” (Art. 2º). E, co­mo fi­na­li­da­des do En­si­no Mé­dio, “a con­so­li­da­ção e o apro­fun­da­men­to dos co­nhe­ci­men­tos; a pre­pa­ra­ção bá­si­ca pa­ra o tra­ba­lho e a ci­da­da­nia; o apri­mo­ra­men­to co­mo pes­soa hu­ma­na, in­cluin­do a for­ma­ção éti­ca e o de­sen­vol­vi­men­to da au­to­no­mia in­te­lec­tu­al e do pen­sa­men­to crí­ti­co; e a com­pre­en­são dos fun­da­men­tos ci­en­tí­fi­co-tec­no­ló­gi­cos dos pro­ces­sos pro­du­ti­vos” (Art. 35).

8.1 As­sun­tos com mai­or frequên­cia

A mul­ti­cul­tu­ra­li­da­de e o es­tu­do da cul­tu­ra de mas­sas, a in­dús­tria cul­tu­ral da Es­co­la de Frank­furt, so­ci­e­da­de mi­diá­ti­ca e in­dús­tria cul­tu­ral são as­sun­tos que tam­bém apa­re­cem na pro­va de Lin­gua­gens, Có­di­gos e su­as Tec­no­lo­gi­as. Já no que diz res­pei­to ao mun­do do tra­ba­lho, pen­sa­do­res co­mo Karl Marx, au­tor do sé­cu­lo XIX, e sua obra são abor­da­dos de di­fe­ren­tes for­mas em di­ver­sas das ques­tões.

Além dos pen­sa­do­res da An­ti­gui­da­de, co­mo Aris­tó­te­les e Pla­tão, as obras e o pen­sa­men­to de au­to­res que dis­cor­re­ram so­bre a po­lí­ti­ca, tais co­mo Hobbes, Ma­qui­a­vel e Rous­se­au, são im­por­tan­tes que o es­tu­dan­te com­pre­en­da os mo­vi­men­tos e as me­di­das to­ma­das pe­los go­ver­nos da atu­a­li­da­de. Do mes­mo mo­do, as for­mas de do­mi­na­ção e po­der se­gun­do Max We­ber são im­pres­cin­dí­veis pa­ra a com­pre­en­são dos sis­te­mas e dos re­gi­mes po­lí­ti­cos.

8.1.1 Na re­da­ção

Os as­sun­tos que fre­quen­te­men­te apa­re­cem na pro­va de re­da­ção do Enem, além dos que es­tão in­se­ri­dos nos tre­chos de jor­nais, re­vis­tas, li­vros e ou­tras fon­tes pa­ra com­por os enun­ci­a­dos das ques­tões de Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas, tais co­mo a di­ver­si­da­de e ori­en­ta­ção se­xu­al, di­rei­tos ci­vis, po­lí­ti­cos e so­ci­ais, de­mo­cra­cia, es­tra­ti­fi­ca­ção, mo­vi­men­tos so­ci­ais, jus­ti­ça e di­rei­tos hu­ma­nos, en­tre vá­ri­os ou­tros, pre­ci­sam ser vis­tos e es­tu­da­dos.

No atu­al mo­men­to de tur­bu­lên­ci­as po­lí­ti­cas pe­lo qual o Bra­sil pas­sa, com as in­ves­ti­ga­ções acer­ca da cor­rup­ção en­vol­ven­do agen­tes po­lí­ti­cos de di­fe­ren­tes par­ti­dos, o sur­gi­men­to de no­tí­ci­as da anis­tia aos be­ne­fi­ciá­ri­os de re­cur­sos não con­ta­bi­li­za­dos, po­pu­lar­men­te cha­ma­dos de “cai­xa dois”, além das de­nún­ci­as de pro­pi­nas ou va­lo­res ili­ci­ta­men­te re­ce­bi­dos e a efer­ves­cên­cia das con­ver­sas so­bre po­lí­ti­ca de­man­dam um cer­to co­nhe­ci­men­to de vá­ri­os dos te­mas mais co­mu­men­te abor­da­dos nos ves­ti­bu­la­res e no Enem.

O de­ba­te so­bre a im­ple­men­ta­ção das Dez Me­di­das Con­tra a Cor­rup­ção com a aqui­si­ção de as­si­na­tu­ras pa­ra que o pro­je­to se tor­ne lei de ini­ci­a­ti­va po­pu­lar, por exem­plo, é um as­sun­to que pre­ci­sa ser apro­fun­da­do. Afi­nal, o es­tu­dan­te pre­ci­sa com­pre­en­der co­mo uma lei de ini­ci­a­ti­va po­pu­lar apoi­a­da por mais de dois mi­lhões de ci­da­dãos bra­si­lei­ros po­de se vir a in­te­grar o or­de­na­men­to ju­rí­di­co.

8.2 Po­lí­ti­ca

Não é uma op­ção gos­tar de po­lí­ti­ca, mas é uma obri­ga­ção do es­tu­dan­te fi­car por den­tro do que acon­te­ce em seu país, es­pe­ci­al­men­te aque­le que vai par­ti­ci­par de exa­mes tão im­por­tan­tes pa­ra a sua car­rei­ra aca­dê­mi­ca co­mo os pro­ces­sos se­le­ti­vos pa­ra in­gres­so no en­si­no su­pe­ri­or.

A Re­so­lu­ção nº 1 do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção, de 30 de maio de 2012, es­ta­be­le­ceu as Di­re­tri­zes Na­ci­o­nais pa­ra a Edu­ca­ção em Di­rei­tos Hu­ma­nos e, em seu ar­ti­go 2º, de­ter­mi­nou que as prá­ti­cas edu­ca­ti­vas de­vem es­tar “fun­da­das nos Di­rei­tos Hu­ma­nos e em seus pro­ces­sos de pro­mo­ção, pro­te­ção, de­fe­sa e apli­ca­ção na vi­da co­ti­di­a­na e ci­da­dã de su­jei­tos de di­rei­tos e de res­pon­sa­bi­li­da­des in­di­vi­du­ais e co­le­ti­vas”.

A ideia de que “po­lí­ti­ca não se dis­cu­te” de­ve­ria ser ex­tir­pa­da de nos­sa so­ci­e­da­de. Aris­tó­te­les pro­cla­mou que o ho­mem é, por na­tu­re­za, um ani­mal po­lí­ti­co. O fi­ló­so­fo che­ga a es­ta con­clu­são jus­ta­men­te por re­fle­tir so­bre o ser hu­ma­no ter a ca­pa­ci­da­de de usar a lin­gua­gem. En­quan­to os ani­mais ape­nas con­se­guem ex­pres­sar a dor ou de­mons­trar que es­tão com fo­me,

o ho­mem po­de fa­zer jul­ga­men­tos a res­pei­to do que é cer­to e o que é er­ra­do.

8.3 Re­for­ma no En­si­no Mé­dio

Uma das mu­dan­ças que mais ge­rou con­tro­vér­si­as ul­ti­ma­men­te diz res­pei­to di­re­ta­men­te aos es­tu­dan­tes do En­si­no Mé­dio: a re­for­ma via me­di­da pro­vi­só­ria. En­ca­mi­nha­da ao Con­gres­so Na­ci­o­nal no dia 22 de se­tem­bro de 2016, a Me­di­da Pro­vi­só­ria (MP) 746/2016 pro­mo­veu al­te­ra­ções na es­tru­tu­ra es­co­lar em fun­ção da cri­a­ção da Po­lí­ti­ca de Fo­men­to à Im­ple­men­ta­ção de Es­co­las de En­si­no Mé­dio em Tem­po In­te­gral. O fim da obri­ga­ção atu­al de es­tu­dar 13 dis­ci­pli­nas por três anos en­vol­veu na dis­cus­são jo­vens que há bem pou­co tem­po se­quer pen­sa­vam em par­ti­ci­par de mo­vi­men­tos so­ci­ais.

Va­le lem­brar que bem an­tes do epi­só­dio da re­for­ma do en­si­no mé­dio sem con­sul­ta aos es­tu­dan­tes e aos edu­ca­do­res, os acon­te­ci­men­tos que es­ti­ve­ram “na bo­ca da ra­pa­zi­a­da” dis­se­ram res­pei­to ao pro­ble­ma da dis­cus­são so­bre a cha­ma­da dou­tri­na­ção ide­o­ló­gi­ca den­tro das sa­las de au­la, que le­vou até mes­mo o Se­na­do a lan­çar uma en­que­te pa­ra que to­da a so­ci­e­da­de pu­des­se opi­nar con­tra ou a fa­vor do Pro­je­to de Lei nº 193/2016, que in­clui en­tre as di­re­tri­zes e ba­ses da edu­ca­ção na­ci­o­nal o pro­gra­ma Es­co­la sem Par­ti­do.

Os ide­a­li­za­do­res do pro­je­to de lei lan­ça­ram uma cam­pa­nha na qual os di­ze­res era “Di­ga não à dou­tri­na­ção”, ale­gan­do que, ape­sar de o ide­al da per­fei­ta neu­tra­li­da­de ser ina­tin­gí­vel, os pro­fes­so­res te­ri­am o de­ver éti­co e pro­fis­si­o­nal de se es­for­çar pa­ra al­can­çar uma me­to­do­lo­gia de en­si­no que não in­du­za ou, co­mo dis­se­ram, que “não fa­ça a ca­be­ça” dos alu­nos.

8.4 Mo­bi­li­za­ções so­ci­ais

O des­per­tar da cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca de­ve ter ocor­ri­do nas men­tes de mui­tos jo­vens que an­te­ri­or­men­te di­zi­am de­tes­tar es­se ti­po de dis­cus­são. Não po­de­mos dei­xar de con­si­de­rar que as ma­ni­fes­ta­ções po­pu­la­res que to­ma­ram for­ça a par­tir de 2013, com ati­vis­tas de um mo­vi­men­to de­no­mi­na­do Mo­vi­men­to Pas­se Li­vre (MPL) pro­tes­tan­do con­tra o au­men­to abu­si­vo dos pre­ços das pas­sa­gens de ôni­bus, rei­vin­di­can­do no­vas po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra o trans­por­te co­le­ti­vo e a mo­bi­li­da­de nos cen­tros ur­ba­nos, e as mo­vi­men­ta­ções das mas­sas che­ga­ram ao seu apo­geu em São Pau­lo, Rio de Ja­nei­ro, Bra­sí­lia, Be­lo Ho­ri­zon­te e ou­tras im­por­tan­tes ca­pi­tais. Os pro­tes­tos con­tra os au­men­tos dos pre­ços do trans­por­te pú­bli­co eclo­di­ram em ou­tras ma­ni­fes­ta­ções que en­vol­ve­ram os jo­vens na po­lí­ti­ca na­ci­o­nal.

O mun­do es­tá em trans­for­ma­ção, nas áre­as so­ci­al, econô­mi­ca e po­lí­ti­ca. E o Bra­sil não fi­cou de fo­ra. Pe­lo vis­to, há uma no­va cons­tru­ção da iden­ti­da­de do po­vo bra­si­lei­ro. Na obra de João Ubal­do Ri­bei­ro (1941-2014), in­ti­tu­la­da Vi­va o po­vo bra­si­lei­ro, um ro­man­ce his­tó­ri­co pu­bli­ca­do em 1984, a nar­ra­ti­va vol­ta às ori­gens do Recôn­ca­vo Bai­a­no pa­ra re­cri­ar qua­se qua­tro sé­cu­los da his­tó­ria do país por meio da sa­ga de múl­ti­plos per­so­na­gens. A re­a­li­da­de e a fic­ção se mis­tu­ram pa­ra cri­ar um épi­co com pas­sa­gens he­roi­cas e cô­mi­cas, já de­mons­tran­do to­da a ebu­li­ção pe­la qual a na­ção pas­sa­va e ain­da pas­sa.

To­da a dis­cus­são a res­pei­to de re­ti­rar do cur­rí­cu­lo do en­si­no mé­dio as dis­ci­pli­nas de fi­lo­so­fia e so­ci­o­lo­gia fez com que mui­tos jo­vens pas­sas­sem a se in­te­res­sar pe­las Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas. Os epi­só­di­os de ocu­pa­ção de es­co­las pú­bli­cas em vá­ri­os es­ta­dos do país co­mo for­ma de protesto con­tra as re­for­mas pre­ten­di­das pe­lo go­ver­no no en­si­no mé­dio de­mons­trou que os ado­les­cen­tes não vi­vem ape­nas pa­ra pen­sar em co­mo vão pas­sar de uma fa­se à ou­tra no vi­deo ga­me pre­fe­ri­do, mas sim em co­mo vão pas­sar da fa­se da ado­les­cên­cia pa­ra a fa­se uni­ver­si­tá­ria, que te­rá co­mo con­ti­nui­da­de a vi­da pro­fis­si­o­nal de ca­da um.

As­sim, as Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas são in­dis­pen­sá­veis jus­ta­men­te por con­tri­buí­rem pa­ra a cons­tru­ção de um ser éti­co. A fi­lo­so­fia e a so­ci­o­lo­gia são fun­da­men­tais pa­ra que os es­tu­dan­tes com­pre­en­dam a com­ple­xi­da­de das re­la­ções so­ci­ais em uma eta­pa ab­so­lu­ta­men­te de­ci­si­va de sua for­ma­ção.

A au­to­no­mia ad­qui­ri­da pe­lo po­vo, em ra­zão de as re­des so­ci­ais ain­da se­rem um meio de co­mu­ni­ca­ção de­mo­crá­ti­co, faz com que mui­tas ques­tões de cu­nho so­ci­o­cul­tu­ral pos­sam ser de­ba­ti­das. Em­bo­ra a im­pren­sa li­vre de­nun­cie po­lí­ti­cos, e ex­po­nha pro­ble­mas go­ver­na­men­tais, sem­pre per­mi­tin­do que o ad­mi­nis­tra­dor pú­bli­co dê a sua ver­são pa­ra os fa­tos, na­da se com­pa­ra com o po­der da­do ao po­vo pe­las re­des so­ci­ais.

Pas­sa­re­mos, en­tão, a ve­ri­fi­car va­ri­a­dos as­sun­tos de atu­a­li­da­des e co­nhe­ci­men­tos ge­rais pa­ra ca­pa­ci­tar os lei­to­res a en­fren­ta­rem as pro­vas de ves­ti­bu­la­res e do Enem.

8.5 Bo­a­tos na in­ter­net

Pre­ci­sa­mos en­fa­ti­zar a ne­ces­si­da­de de con­sul­tas às fon­tes mais con­fiá­veis pos­sí­veis pa­ra que um es­tu­dan­te se­cun­da­ris­ta pos­sa se man­ter atu­a­li­za­do. Um dos co­men­tá­ri­os mais dis­se­mi­na­dos nas re­des so­cais e

blogs, por exem­plo, di­zia res­pei­to a Fá­bio Luis Lu­la da Silva, o Lu­li­nha, ser pro­pri­e­tá­rio da Fri­boi, em­pre­sa do gru­po JBS, a mai­or pro­ces­sa­do­ra de pro­teí­na ani­mal do mun­do. A fal­sa no­tí­cia foi des­men­ti­da pe­lo pró­prio do­no do fri­go­rí­fi­co, o qual con­ce­deu en­tre­vis­ta pa­ra a BBC Bra­sil18, de­cla­ran­do des­co­nhe­cer o tal Lu­li­nha pa­ra a jor­na­lis­ta Ruth Cos­tas, em ju­lho de 2015.

Veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção sé­ri­os tam­bém pu­bli­ca­ram no­tí­ci­as des­fa­zen­do o bo­a­to. A re­vis­ta Exa­me, da Edi­to­ra Abril, foi uma de­las. Em uma ma­té­ria in­ti­tu­la­da “7 bo­a­tos da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra que po­dem ter en­ga­na­do vo­cê”, pu­bli­ca­da em ju­nho de 2017, o pe­rió­di­co des­fez a bo­a­ta­ria ao im­pri­mir que:

Es­se é um dos mais co­nhe­ci­dos bo­a­tos da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra. A his­tó­ria fal­sa diz que o fi­lho do ex-pre­si­den­te Lu­la, Fá­bio Luís Lu­la da Silva, se­ria só­cio ma­jo­ri­tá­rio da JBS, gru­po do­no da mar­ca de car­nes Fri­boi. A far­sa ga­nhou for­ça com o cres­ci­men­to da em­pre­sa e a vei­cu­la­ção das já fa­mo­sas pro­pa­gan­das com Tony Ra­mos. Na in­ter­net, men­sa­gens pe­di­am o boi­co­te da mar­ca “do fi­lho do Lu­la”. O bo­a­to to­mou tan­ta pro­por­ção que foi des­men­ti­do pe­la pró­pria em­pre­sa. Em co­mu­ni­ca­do, a JBS es­cla­re­ceu que “Os no­mes dos mai­o­res aci­o­nis­tas da JBS po­dem ser en­con­tra­dos no si­te, lá se­rá pos­sí­vel iden­ti­fi­car que do to­tal de ações, 44% são de pro­pri­e­da­de de uma hol­ding cha­ma­da FB Par­ti­ci­pa­ções, que é for­ma­da por mem­bros da fa­mí­lia Ba­tis­ta, fun­da­do­ra da JBS.”

O exem­plo ser­ve ape­nas pa­ra de­mons­trar que acre­di­tar sem exi­gir a fon­te ou sim­ples­men­te se­guir qual­quer bo­a­ta­ria po­de pre­ju­di­car a ar­gu­men­ta­ção em uma pos­sí­vel pro­va dis­ser­ta­ti­va, co­mo a de se­gun­da fa­se de ves­ti­bu­lar, e até mes­mo nas pro­vas de re­da­ção. Uma pes­soa sem opi­nião pró­pria, que se dei­xa con­ven­cer com fa­ci­li­da­de, po­de mes­mo ser ca­paz de es­cre­ver uma ar­gu­men­ta­ção ba­se­a­da em fal­sas no­tí­ci­as, ge­ral­men­te uti­li­za­das pa­ra cri­ar opo­si­ção aos de­sa­fe­tos po­lí­ti­cos.

Ape­sar de não ser uma ta­re­fa sim­ples e fá­cil, pa­ra iden­ti­fi­car um bo­a­to ou, co­mo tec­ni­ca­men­te o cha­mam, um ho­ax, ba­si­ca­men­te o es­tu­dan­te pre­ci­sa ter aten­ção pa­ra a fon­te da no­tí­cia. Se­rá ne­ces­sá­rio che­car e com­pa­rar com ou­tras fon­tes con­fiá­veis, prin­ci­pal­men­te ava­li­ar o porquê de a gran­de im­pren­sa, as re­des de TV, jor­nais e re­vis­tas não te­rem no­ti­ci­a­do a cor­ren­te que se es­pa­lha na in­ter­net. No­tí­ci­as im­por­tan­tes são sem­pre exe­cu­ta­das pe­la mí­dia e não por cor­ren­tes.

Por ho­ax en­ten­de-se um ti­po de spam – aque­las men­sa­gens não so­li­ci­ta­das en­vi­a­das a vá­ri­as pes­so­as cu­jo con­teú­do po­de ter fi­na­li­da­de ilícita e de­so­nes­ta. Um ho­ax ob­je­ti­va a pro­pa­ga­ção de bo­a­tos pe­la in­ter­net por meio de in­for­ma­ção dis­tor­ci­da. Se hou­ver dú­vi­da, é pos­sí­vel pes­qui­sar o as­sun­to em me­ca­nis­mos de bus­ca ou em ser­vi­ços es­pe­cí­fi­cos de pes­qui­sa em no­tí­ci­as, co­mo o Go­o­gle News.

A di­vul­ga­ção de no­tí­ci­as fal­sas po­de tra­zer gra­ves con­sequên­ci­as, co­mo o ca­so de lin­cha­men­to ocor­ri­do em abril de 201719. Um ca­sal foi acu­sa­do de se­ques­trar cri­an­ças na re­gião dos La­gos no Rio de Ja­nei­ro, e o bo­a­to se es­pa­lhou em uma re­de so­ci­al. Va­le lem­brar que, em 2014, uma mu­lher foi li­te­ral­men­te lin­cha­da no Gu­a­ru­já (SP), de­pois de ter si­do con­fun­di­da com a que te­ria se­ques­tra­do uma cri­an­ça pa­ra pra­ti­car ri­tu­ais de ma­gia ne­gra, cu­ja su­pos­ta fo­to foi pu­bli­ca­da. O ca­so foi tão em­ble­má­ti­co que há pro­pos­ta de tor­nar cri­me a di­vul­ga­ção de no­tí­ci­as fal­sas e a lei re­ce­be­rá o ape­li­do de Lei Fa­bi­a­ne Ma­ria de Je­sus, em alu­são ao no­me da mu­lher lin­cha­da, as­sim co­mo a Lei Ma­ria da Pe­nha, as­sim ape­li­da­da em ho­me­na­gem àque­la mu­lher que por 20 anos lu­tou pa­ra ver seu agres­sor pre­so.

O si­te de no­tí­ci­as G1 pu­bli­cou ma­té­ria so­bre o pro­nun­ci­a­men­to do fí­si­co bri­tâ­ni­co Tim Ber­ners-lee, ide­a­li­za­dor e in­ven­tor da World Wi­de Web (WWW) a res­pei­to de com­ba­ter o uso in­de­vi­do de da­dos pes­so­ais e as no­tí­ci­as fal­sas que cir­cu­lam pe­la in­ter­net.

20 A re­por­ta­gem des­ta­ca a fa­la de Ber­ners-lee so­bre a dis­se­mi­na­ção de no­tí­ci­as fal­sas, qu­an­do afir­mou que:

O re­sul­ta­do é que es­ses si­tes nos mos­tram con­teú­do que acre­di­tam que nós va­mos que­rer cli­car - o que sig­ni­fi­ca que de­sin­for­ma­ção ou “no­tí­ci­as fal­sas” (as cha­ma­das fa­ke news), que têm tí­tu­los sur­pre­en­den­tes, cho­can­tes, cri­a­dos pa­ra ape­lar aos nos­sos pre­con­cei­tos, po­dem se es­pa­lhar co­mo fo­go.

Ca­be res­sal­tar que, nas elei­ções nor­te-ame­ri­ca­nas de 2016, cu­ja dis­pu­ta fi­nal se deu en­tre Hil­lary Clin-

18 Dis­po­ní­vel em: http://www.bbc.com/por­tu­gue­se/no­ti­ci­as/2015/07/150730_wes­ley_­ru. Aces­so em: 22 maio 2017.

19 Dis­po­ní­vel em: http:// g1. glo­bo. com/ ho­ra1/ no­ti­cia/ 2017/ 04/ bo­a­to- em- re­de- so­ci­al- faz- mul­ti­dao- ten­tar­lin­char-ca­sal-no-rj.html. Aces­so em: 22 maio 2017.

20 Dis­po­ní­vel em: http:// g1. glo­bo. com/ tec­no­lo­gia/ no­ti­cia/pai-da-in­ter­net-lan­ca-ape­lo-pa­ra-com­ba­ter-no­ti­ci­as­fal­sas-na-web.ghtml. Aces­so em: 22 maio 2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.