8.6.3 De­la­ções da Ode­bre­cht

Superguia Enem - Atualidades - - Sumário -

ci­ta­ções gra­va­das, o se­na­dor Aé­cio Neves (PSDB-MG) foi men­ci­o­na­do em uma per­gun­ta de Ma­cha­do a Ju­cá: “Quem não co­nhe­ce o es­que­ma do Aé­cio?”.

8.6.2 No­vo pro­gra­ma de go­ver­no

Mes­mo com to­da a po­lê­mi­ca en­vol­ven­do o im­pe­a­ch­ment, um no­vo pro­gra­ma de go­ver­no foi im­plan­ta­do pe­los par­ti­dos ali­a­dos com a pos­se de Te­mer. Com o slo­gan co­pi­a­do da ban­dei­ra na­ci­o­nal, a no­va co­a­li­zão par­ti­dá­ria ob­te­ve mai­o­ria no Con­gres­so Na­ci­o­nal e pas­sou a apro­var me­di­das econô­mi­cas e fis­cais ob­je­ti­van­do pa­ra a re­to­ma­da do cres­ci­men­to do país.

O go­ver­no Te­mer em­pre­en­deu mo­di­fi­ca­ções nos mi­nis­té­ri­os e co­me­çou a or­ga­ni­zar as con­tas pú­bli­cas, con­tro­lar da in­fla­ção e re­for­çar a pro­gra­mas so­ci­ais em uma ten­ta­ti­va de re­du­zir de­si­gual­da­de e ge­rar em­pre­go. Ao anun­ci­ar o cor­te de 4,3 mil car­gos co­mis­si­o­na­dos e trans­for­mar 10 mil car­gos em con­cur­sa­dos, de­fen­den­do que is­so eco­no­mi­za­ria R$ 230 mi­lhões anu­ais, o no­vo pre­si­den­te ob­te­ve apoio de boa par­ce­la da so­ci­e­da­de.

No iní­cio de 2017, o Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE) anun­ci­ou que a ta­xa de in­fla­ção me­di­da pe­lo Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo-15 (IPCA-15) em ja­nei­ro foi a me­nor pa­ra o mês des­de 1994, qu­an­do foi cri­a­do o Pla­no Re­al. Lo­go após o Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom) ter bai­xa­do a ta­xa bá­si­ca de ju­ros de 12,25% pa­ra 11,25% ao ano, em abril do mes­mo ano, al­guns ban­cos anun­ci­a­ram a re­du­ção de su­as as ta­xas de ju­ros co­bra­das dos cli­en­tes, fa­tor que oca­si­o­nou le­ve me­lhor no con­su­mo.

8.6.3 De­la­ções da Ode­bre­cht

No fim de 2016, Te­o­ri Za­vasck, en­tão mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, tra­ba­lhou até mes­mo du­ran­te o re­ces­so da Cor­te pa­ra ana­li­sar os 77 de­poi­men­tos de de­la­ção pre­mi­a­da de exe­cu­ti­vos da em­prei­tei­ra Ode­bre­cht. De­pois de um gra­ve acidente aé­reo que cau­sou sua mor­te, em ja­nei­ro de 2017, a re­la­to­ria dos ca­sos re­la­ci­o­na­dos à Ope­ra­ção La­va Ja­to pas­sa­ram pa­ra o mi­nis­tro Ed­son Fa­chin.

A cha­ma­da “Lis­ta de Fa­chin” tam­bém de­no­mi­na­da “de­la­ção do fim do mun­do”, di­vul­ga­da em abril de 2017, au­to­ri­zou a aber­tu­ra de inqué­ri­to con­tra mais de uma cen­te­na de po­lí­ti­cos, en­tre eles oi­to mi­nis­tros do go­ver­no Te­mer, 24 se­na­do­res e 39 de­pu­ta­dos fe­de­rais. As in­ves­ti­ga­ções fo­ram so­li­ci­ta­das por Ro­dri­go Ja­not, pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, após a ce­le­bra­ção de acor­dos de co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da com 78 exe­cu­ti­vos das em­pre­sas Ode­bre­cht e Bras­kem. Além dos in­ves­ti­ga­dos com fo­ro pri­vi­le­gi­a­do, ou­tros 201 pe­di­dos de inqué­ri­to fo­ram en­ca­mi­nha­dos pa­ra ins­tân­ci­as in­fe­ri­o­res con­ten­do no­ve go­ver­na­do­res, o atu­al pre­si­den­te e três ex-pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca.

As de­la­ções dos ex-fun­ci­o­ná­ri­os da Ode­bre­cht que resolveram de­nun­ci­ar de­ta­lhes de es­que­mas a fim de ob­te­rem pe­nas mais bai­xas re­ve­la­ram a cor­rup­ção en­rai­za­da no país – des­de a União até os es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os po­lí­ti­cos im­por­tan­tes que es­ta­vam en­vol­vi­dos na en­tre­ga de obras pú­bli­cas pa­ra a em­prei­tei­ra pa­ra re­ce­be­rem pro­pi­nas ou di­nhei­ro por fo­ra pa­ra su­as cam­pa­nhas elei­to­rais, o fa­mi­ge­ra­do cai­xa dois.

A mai­or em­prei­tei­ra bra­si­lei­ra, e tam­bém com pre­sen­ça em 26 paí­ses, re­ve­lou o pa­ga­men­to de su­bor­no em obras bi­li­o­ná­ri­as no país. Des­de a re­for­ma de are­nas de fu­te­bol no pe­río­do que an­te­ce­deu a Co­pa do Mun­do re­a­li­za­da no Bra­sil, pas­san­do por obras do Me­trô de São Pau­lo e em usi­nas hi­dro­e­lé­tri­cas e no por­to de Su­a­pe, a cons­tru­ção da Ci­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va de Mi­nas Ge­rais, do Cen­tro Ad­mi­nis­tra­ti­vo de Bra­sí­lia, até o ver­da­dei­ro der­ra­ma­men­to de di­nhei­ro via cai­xa dois pa­ra par­ti­dos po­lí­ti­cos, a Ode­bre­cht es­te­ve en­vol­vi­da na vi­da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra con­quis­tan­do con­tra­tos e mais con­tra­tos me­di­an­te o pa­ga­men­to de pro­pi­nas.

Boa par­te do es­que­ma con­sis­tia em ofe­re­cer di­nhei­ro não con­ta­bi­li­za­do pa­ra cam­pa­nhas de po­lí­ti­cos, re­ce­ben­do em tro­ca fa­vo­res es­pe­ci­ais em li­ci­ta­ções e o que era pi­or: mu­dan­ças na le­gis­la­ção bra­si­lei­ra pa­ra be­ne­fi­ci­ar os ne­gó­ci­os do gru­po. Tan­to o fun­da­dor da Ode­bre­cht,emí­lio, co­mo tam­bém o seu fi­lho Mar­ce­lo e os exe­cu­ti­vos da em­pre­sa dis­se­ram na Jus­ti­ça que Mi­chel Te­mer, Dil­ma Rous­seff, Luiz Iná­cio Lu­la da Silva, Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, Fer­nan­do Col­lor de Mel­lo, Jo­sé Sar­ney e até mes­mo o can­di­da­to nas úl­ti­mas elei­ções Aé­cio Neves es­ta­vam en­vol­vi­dos;

O es­cân­da­lo en­vol­ven­do a cú­pu­la po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra aba­lou a Re­pú­bli­ca. O po­vo pas­sou a de­sa­cre­di­tar em boa par­te dos po­lí­ti­cos, e a con­sequên­cia foi a de­si­lu­são com pra­ti­ca­men­te to­dos os can­di­da­tos. Mas os jo­vens pre­ci­sam se cons­ci­en­ti­zar de que a po­lí­ti­ca não se re­su­me so­men­te ao vo­to. A me­di­a­ção de con­fli­tos e a or­ga­ni­za­ção so­ci­al mais jus­ta e igua­li­tá­ria de­pen­de das es­co­lhas de po­lí­ti­cas pú­bli­cas que in­te­grem to­dos os ci­da­dãos.

8.7 Me­di­das polêmicas do go­ver­no Te­mer

8.7.1 Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal do Te­to de Gas­tos Pú­bli­cos

A pri­mei­ra me­di­da do go­ver­no Te­mer que cau­sou po­lê­mi­ca na so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra e se tor­nou mo­ti­vo de pro­tes­tos em vá­ri­as ci­da­des foi a Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal (PEC) pa­ra li­mi­tar o cres­ci­men­to das des­pe­sas do go­ver­no e que se tor­nou a Emen­da nº 95 de nos­sa Cons­ti­tui­ção. Ape­li­da­da de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal do Te­to de Gas­tos Pú­bli­cos, a me­di­da con­ge­lou as des­pe­sas do go­ver­no fe­de­ral, com ci­fras cor­ri­gi­das pe­la in­fla­ção, por até 20 anos, com a in­ten­ção de re­cu­pe­rar a eco­no­mia do país. En­tre­tan­to, os par­ti­dos da opo­si­ção cha­ma­ram a pro­pos­ta de “PEC da maldade” por en­ten­de­rem que a me­di­da con­ge­la­rá in­ves­ti­men­tos nas áre­as de saú­de e edu­ca­ção.

8.7.2 Mu­dan­ças no en­si­no mé­dio

De­pois de ter si­do ofi­ci­al­men­te em­pos­sa­do, Te­mer pu­bli­cou uma me­di­da pa­ra pro­mo­ver uma sé­rie de mu­dan­ças no En­si­no Mé­dio bra­si­lei­ro. Po­rém, efe­ti­va­men­te só co­me­çam a en­trar em fun­ci­o­na­men­to a par­tir de 2018. Ale­gan­do tor­nar es­sa eta­pa do en­si­no mais di­nâ­mi­ca e adap­ta­da à re­a­li­da­de dos jo­vens, as prin­ci­pais al­te­ra­ções são a fle­xi­bi­li­za­ção do cur­rí­cu­lo es­co­lar, a am­pli­a­ção da car­ga ho­rá­ria dos alu­nos de 800 ho­ras atu­ais pa­ra até 1.400 ho­ras ao ano.

A prin­ci­pal po­lê­mi­ca, e que cau­sou a in­dig­na­ção de vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas em edu­ca­ção, foi o go­ver­no ter to­ma­do a ati­tu­de por meio de me­di­da pro­vi­só­ria e não após ha­ver um am­plo de­ba­te a res­pei­to das mu­dan­ças que, na ver­da­de, já eram de­man­da­das há mui­to tem­po em ra­zão da al­ta eva­são en­tre os es­tu­dan­tes de 15 a 17 anos (1,3 mi­lhão, se­gun­do es­tu­do do IBGE).

Ape­sar de as no­vas re­gras en­fa­ti­za­rem o en­si­no téc­ni­co e in­cen­ti­va­rem a am­pli­a­ção de es­co­las de tem­po in­te­gral, o fim da obri­ga­ção atu­al de es­tu­dar as 13 dis­ci­pli­nas obri­ga­tó­ri­as por con­ta de al­gu­mas de­las se tor­na­rem op­ta­ti­vas, se­gun­do o in­te­res­se do alu­no, de­pois de um ano e meio fez com que edu­ca­do­res ques­ti­o­nas­sem se ar­tes e edu­ca­ção fí­si­ca dei­xa­ri­am de ser es­tu­da­das pe­los se­cun­da­ris­tas. Além dis­so, há a pre­o­cu­pa­ção por par­te de pro­fes­so­res de que so­ci­o­lo­gia e fi­lo­so­fia po­dem dei­xar de ser dis­ci­pli­nas obri­ga­tó­ri­as, as­sim co­mo o es­tu­do de es­pa­nhol.

A re­for­ma do en­si­no mé­dio tam­bém foi mo­ti­vo de pro­tes­tos pe­lo país. Es­tu­dan­tes che­ga­ram a ocu­par es­co­las pa­ra se ma­ni­fes­tar, fa­tor que oca­si­o­nou até mes­mo o adi­a­men­to da edi­ção 2016 do Enem em vá­ri­os es­ta­dos, es­pe­ci­al­men­te em Mi­nas Ge­rais e no Pa­ra­ná.

A mai­or mu­dan­ça se­rá a Lei de Di­re­tri­zes e Ba­ses (LDB) ser subs­ti­tuí­da pe­la Ba­se Na­ci­o­nal Cur­ri­cu­lar Co­mum (BNCC) – do­cu­men­to que ain­da não foi ela­bo­ra­do – a qual “ao pro­por a fle­xi­bi­li­za­ção da gra­de cur­ri­cu­lar, o no­vo mo­de­lo per­mi­ti­rá que o es­tu­dan­te es­co­lha a área de co­nhe­ci­men­to pa­ra apro­fun­dar seus es­tu­dos”, se­gun­do in­for­ma­ções do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.

Com a po­pu­la­ri­da­de mui­to bai­xa, o go­ver­no Te­mer apro­vou ain­da o po­lê­mi­co pro­je­to de lei que li­be­ra o tra­ba­lho ter­cei­ri­za­do em to­das as ati­vi­da­des, in­clu­si­ve seu ne­gó­cio prin­ci­pal. Com a pro­mul­ga­ção da Lei nº 13.429/2017, san­ci­o­na­da com al­guns ve­tos pe­lo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, a qual não de­ve ser con­fun­di­da com a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, os ju­ris­tas ain­da per­ma­ne­cem de­ba­ten­do o as­sun­to, es­pe­ci­al­men­te pe­la for­ma co­mo foi edi­ta­da pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal a par­tir de um pro­je­to de 1998. En­quan­to uns apro­vam a no­va lei, de­fen­den­do que tra­rá o au­men­to do nú­me­ro de em­pre­gos, ou­tros a re­pro­vam em ra­zão de acre­di­ta­rem que não hou­ve pre­o­cu­pa­ção com os tra­ba­lha­do­res e, as­sim, cau­sa­rá a pre­ca­ri­za­ção das con­di­ções de tra­ba­lho.

8.7.3 Re­for­ma tra­ba­lhis­ta

Ou­tro pro­je­to ex­tre­ma­men­te po­lê­mi­co e que cau­sa gran­de de­ba­te en­tre os par­ti­dos po­lí­ti­cos é o da re­for­ma tra­ba­lhis­ta. Os pon­tos mais dis­cu­ti­dos di­zem res­pei­to à pre­va­lên­cia dos acor­dos co­le­ti­vos de tra­ba­lho em re­la­ção à lei (aque­les do­cu­men­tos fir­ma­dos en­tre pa­trões e em­pre­ga­dos que es­ta­be­le­cem re­gras pa­ra uma de­ter­mi­na­da ca­te­go­ria pro­fis­si­o­nal) e o fim da obri­ga­to­ri­e­da­de da con­tri­bui­ção sin­di­cal, uma ta­xa re­co­lhi­da pe­la em­pre­sa di­re­ta­men­te na fo­lha de pa­ga­men­to no mês de mar­ço de ca­da ano, a qual cor­res­pon­de à re­mu­ne­ra­ção de um dia de tra­ba­lho. Is­so in­clui tam­bém os ser­vi­do­res pú­bli­cos de pre­fei­tu­ras, es­ta­dos e do go­ver­no fe­de­ral, tam­bém obri­ga­dos a con­tri­buir.

O va­lor re­co­lhi­do dos tra­ba­lha­do­res é usa­do pa­ra os sin­di­ca­tos man­te­rem as su­as ati­vi­da­des, en­quan­to ou­tra par­te é des­ti­na­da ao Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho, que po­de usar o di­nhei­ro pa­ra en­tre­gar aos sin­di­ca­tos

ou de­po­si­tar no Fun­do de Am­pa­ro ao Tra­ba­lha­dor (FAT), de on­de sa­em as quan­ti­as pa­ra pa­gar se­gu­ro-de­sem­pre­go e abo­no sa­la­ri­al.

De acor­do com as in­for­ma­ções da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos24, a re­for­ma tra­ba­lhis­ta vai mo­di­fi­car a va­li­da­de da ne­go­ci­a­ção en­tre em­pre­sas e tra­ba­lha­do­res, nas quais ha­ve­rá a pre­va­lên­cia so­bre a lei nos se­guin­tes pon­tos:

Par­ce­la­men­to das fé­ri­as em até três ve­zes; jor­na­da de tra­ba­lho, com li­mi­ta­ção de 12 ho­ras diá­ri­as e 220 ho­ras men­sais; par­ti­ci­pa­ção nos lu­cros e re­sul­ta­dos; jor­na­da em des­lo­ca­men­to; in­ter­va­lo en­tre jor­na­das (li­mi­te mí­ni­mo de 30 mi­nu­tos); ex­ten­são de acor­do co­le­ti­vo após a ex­pi­ra­ção; en­tra­da no Pro­gra­ma de Se­gu­ro-em­pre­go; pla­no de car­gos e sa­lá­ri­os; ban­co de ho­ras, ga­ran­ti­do o acrés­ci­mo de 50% na ho­ra ex­tra; re­mu­ne­ra­ção por pro­du­ti­vi­da­de; tra­ba­lho re­mo­to; re­gis­tro de pon­to. No en­tan­to, não po­dem tra­tar de FGTS, 13º sa­lá­rio, se­gu­ro-de­sem­pre­go e sa­lá­rio-fa­mí­lia (be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os), re­mu­ne­ra­ção da ho­ra de 50% aci­ma da ho­ra nor­mal, li­cen­ça-ma­ter­ni­da­de de 120 di­as, aviso pré­vio pro­por­ci­o­nal ao tem­po de ser­vi­ço e nor­mas re­la­ti­vas à se­gu­ran­ça e saú­de do tra­ba­lha­dor.

O cha­ma­do tra­ba­lho in­ter­mi­ten­te, uma mo­da­li­da­de em que os tra­ba­lha­do­res são pa­gos por pe­río­do tra­ba­lha­do, pre­vê que o tra­ba­lha­dor re­ce­ba pe­la jor­na­da ou diá­ria, e, pro­por­ci­o­nal­men­te, com fé­ri­as, FGTS, pre­vi­dên­cia e 13º sa­lá­rio. Os ae­ro­nau­tas con­ti­nu­a­rão re­gi­dos por lei es­pe­cí­fi­ca. Já as ho­ras in iti­ne­re, o tem­po gas­to no per­cur­so pa­ra se che­gar ao lo­cal de tra­ba­lho e no re­tor­no pa­ra ca­sa não po­de­rá mais ser com­pu­ta­do co­mo par­te da jor­na­da.

O te­le­tra­ba­lho ou ho­me of­fi­ce po­de­rá cons­tar no con­tra­to in­di­vi­du­al de tra­ba­lho, des­de que es­pe­ci­fi­quem as ati­vi­da­des re­a­li­za­das pe­lo fun­ci­o­ná­rio. O go­ver­no le­vou em con­ta da­dos do IBGE de que qua­tro mi­lhões de bra­si­lei­ros já tra­ba­lham em ca­sa na con­di­ção de autô­no­mos ou pro­fis­si­o­nais li­be­rais.

Ou­tro pon­to que cau­sa bas­tan­te dis­cus­são diz res­pei­to ao di­rei­to do tra­ba­lha­dor pro­por ações tra­ba­lhis­tas con­tra a em­pre­sa, uma vez que a re­for­ma tra­ba­lhis­ta pre­ten­de res­pon­sa­bi­li­zar o em­pre­ga­do pe­lo pa­ga­men­to dos ho­no­rá­ri­os pe­ri­ci­ais se ele per­der a ação. Além dis­so, o tra­ba­lha­dor tam­bém te­rá que pa­gar os cus­tos do pro­ces­so se fal­tar em uma au­di­ên­cia.

8.7.4 Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia

Mes­mo com as afir­ma­ções de Te­mer de que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia não vai re­ti­rar di­rei­to al­gum dos bra­si­lei­ros e de que mu­da­rá pa­ra quem já se apo­sen­tou ou é pen­si­o­nis­ta, a pro­pos­ta pas­sou por in­con­tá­veis mo­di­fi­ca­ções de­vi­do ao ris­co de o go­ver­no não con­se­guir os vo­tos ne­ces­sá­ri­os à apro­va­ção no Con­gres­so. Até che­gar ao es­tá­gio de es­ta­be­le­cer que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia tra­rá mais igual­da­de e aca­ba­rá com pri­vi­lé­gi­os, hou­ve aca­lo­ra­das dis­cus­sões en­tre os par­ti­dos de opo­si­ção e os da ba­se de sus­ten­ta­ção do go­ver­no fe­de­ral.

Ale­gan­do ha­ver um rom­bo na Pre­vi­dên­cia So­ci­al, a me­di­da ob­je­ti­va cria no­vas re­gras de ida­de, de tem­po de con­tri­bui­ção, além de har­mo­ni­zar di­rei­tos en­tre to­dos os bra­si­lei­ros. A re­for­ma pro­põe que po­lí­ti­cos, juí­zes e ser­vi­do­res pú­bli­cos pas­sem a se­guir as re­gras do INSS e não as do Re­gi­me Pró­prio da Pre­vi­dên­cia, o re­gi­me de pre­vi­dên­cia as­se­gu­ra­do ex­clu­si­va­men­te aos ser­vi­do­res pú­bli­cos ti­tu­la­res de car­go efe­ti­vo e que po­de ser man­ti­do pe­los en­tes pú­bli­cos da Fe­de­ra­ção (União, es­ta­dos, Dis­tri­to Fe­de­ral e mu­ni­cí­pi­os), co­mo for­ma de evi­tar que os jo­vens da atu­a­li­da­de não fi­quem sem apo­sen­ta­do­ria, já que a po­pu­la­ção ten­de a ter mais ido­sos e ca­da vez mais o nú­me­ro de jo­vens que sus­ten­tam a Pre­vi­dên­cia se­rá me­nor.

A pro­pos­ta fi­xa ida­de mí­ni­ma pa­ra re­que­rer apo­sen­ta­do­ria em 65 anos pa­ra ho­mens e 62 anos pa­ra mu­lhe­res, ele­van­do o tem­po mí­ni­mo de con­tri­bui­ção de 15 anos pa­ra 25 anos. Con­tu­do, quan­to mais tem­po de con­tri­bui­ção o con­tri­buin­te ti­ver, mai­or se­rá o va­lor da apo­sen­ta­do­ria. Já os pro­fes­so­res po­de­rão se apo­sen­tar aos 60 anos de ida­de (mu­lhe­res e ho­mens).

As tra­ba­lha­do­ras ru­rais po­de­rão se apo­sen­tar aos 57 anos, en­quan­to os tra­ba­lha­do­res ru­rais pre­ci­sa­rão ter 60 anos, am­bos com pe­lo me­nos 15 anos de con­tri­bui­ção pa­ra o INSS. Já os po­li­ci­ais pre­ci­sa­rão ter ida­de mí­ni­ma de 55 anos pa­ra se apo­sen­tar, tan­to mu­lhe­res co­mo pa­ra ho­mens. Po­rém, pa­ra es­ta ca­te­go­ria, o tem­po de con­tri­bui­ção se­rá de 25 anos pa­ra mu­lhe­res, com pe­lo me­nos 20 anos de ati­vi­da­de po­li­ci­al, e de 30 anos de con­tri­bui­ção pa­ra os ho­mens, com pe­lo me­nos 25 anos de ati­vi­da­de po­li­ci­al.

Um pon­to que cau­sou mui­ta po­lê­mi­ca é a pro­pos­ta de os tra­ba­lha­do­res po­de­rem acu­mu­lar apo­sen­ta­do­ria

24 Dis­po­ní­vel em: http://www2.ca­ma­ra.leg.br/ca­ma­ra­no­ti­ci­as/no­ti­ci­as/tra­ba­lho-e-pre­vi­den­cia/530500-con­fi­ra­os- prin­ci­pais- pon­tos- da- pro­pos­ta- de- re­for­ma- tra­ba­lhis­ta. html. Aces­so em: 22 maio 2017.

e pen­são ape­nas no li­mi­te de dois sa­lá­ri­os mí­ni­mos. Se­rá pre­ci­so op­tar pe­lo be­ne­fí­cio de mai­or va­lor no ca­so de a com­bi­na­ção de apo­sen­ta­do­ria e pen­são su­pe­rar o li­mi­te.

To­da a po­lê­mi­ca en­vol­ven­do as re­for­mas pro­pos­tas pe­lo go­ver­no Te­mer tem a ver com o fa­to de o pre­si­den­te não ter si­do elei­to, por­tan­to não ter um pla­no sub­me­ti­do ao vo­to da mai­o­ria da po­pu­la­ção, con­for­me de­ter­mi­na a Cons­ti­tui­ção.

En­tre­tan­to, as cau­sas de de­ba­tes e os im­pas­ses acer­ca de im­plan­ta­ção de no­vas me­di­das não fi­ca­ram li­mi­ta­das ape­nas aos confrontos par­ti­dá­ri­os de opo­si­ção con­tra si­tu­a­ção. Em me­a­dos de maio de 2017, um es­cân­da­lo aba­lou o go­ver­no.

Um ano após o pre­si­den­te Te­mer ter to­ma­do pos­se em de­fi­ni­ti­vo, um es­que­ma de cor­rup­ção en­ca­be­ça­do pe­la mai­or pro­du­to­ra de pro­teí­na ani­mal do mun­do, a JBS, a qual ale­gou ter fi­nan­ci­a­do 1.829 can­di­da­tos em to­do o país em 2014. Nos de­poi­men­tos de Wes­ley e Jo­es­ley Ba­tis­ta os do­nos da em­pre­sa dis­se­ram ter en­tre­ga­do cer­ca de R$ 500 mi­lhões em do­a­ções ofi­ci­ais ou via cai­xa dois.

8.8 Agra­va­men­to da cri­se po­lí­ti­ca no Bra­sil

Co­mo se to­da a cri­se que se ar­ras­ta des­de os úl­ti­mos me­ses de 2014 não bas­tas­se, em maio de 2017, o Bra­sil to­do foi sur­pre­en­di­do pe­la no­tí­cia vei­cu­la­da no jor­nal O Glo­bo de que uma ação con­tro­la­da or­ga­ni­za­da pe­la PGR (Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca) re­ve­lou um es­que­ma no qual, se­gun­do a re­por­ta­gem do si­te UOL25, a “J&F In­ves­ti­men­tos se com­pro­me­teu a pa­gar pro­pi­na de até R$ 1 mi­lhão por se­ma­na, du­ran­te um pe­río­do de 25 anos, ao de­pu­ta­do fe­de­ral afas­ta­do Ro­dri­go Ro­cha Lou­res (PMDB-PR), apon­ta­do co­mo re­pre­sen­tan­te do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer na ne­go­ci­a­ta, ca­so fos­se so­lu­ci­o­na­da a dis­pu­ta co­mer­ci­al do gru­po com a Pe­tro­bras que tra­mi­ta no Ca­de (Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca)”.

O es­cân­da­lo po­lí­ti­co sur­gi­do com a de­la­ção do do­no da JBS atin­giu tam­bém o se­na­dor Aé­cio Neves (PSDB-MG), pre­si­den­te do par­ti­do, por ter si­do gra­va­do pe­din­do R$ 2 mi­lhões a Jo­es­ley Ba­tis­ta. O di­nhei­ro te­ria si­do en­tre­gue a um pri­mo de Aé­cio e a ce­na re­gis­tra­da em ví­deo pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral. O de­pu­ta­do Ro­cha Lou­res, in­di­ca­do por Te­mer co­mo in­ter­me­diá­rio, se­gun­do as gra­va­ções apre­sen­ta­das por Jo­es­ley, re­ce­beu uma ma­la con­ten­do R$ 500 mil em di­nhei­ro com no­tas mar­ca­das.

Ro­dri­go Ja­not, pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, pe­diu ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral a pri­são do se­na­dor Aé­cio Neves e do de­pu­ta­do fe­de­ral Ro­dri­go Ro­cha Lou­res. O mi­nis­tro Ed­son Fa­chin ne­gou o pe­di­do, po­rém, afas­tou Aé­cio e Ro­cha Lou­res de seus man­da­tos, além de ter au­to­ri­za­do a aber­tu­ra de um inqué­ri­to pa­ra in­ves­ti­gar Te­mer. Pos­te­ri­or­men­te, após o de­pu­ta­do Ro­cha Lou­res ter per­di­do o fo­ro pri­vi­le­gi­a­do em fun­ção de o ex-mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Os­mar Ser­ra­glio, ter dei­xa­do o go­ver­no e re­to­ma­do o seu man­da­to de de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo Pa­ra­ná (Ro­cha Lou­res era o su­plen­te), o STF de­ter­mi­nou a pri­são ao acei­tar as de­nún­ci­as da Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca con­tra o cha­ma­do “ho­mem da ma­la”.

Lo­go em se­gui­da, a Po­lí­cia Fe­de­ral de­fla­grou a Ope­ra­ção Pat­mos, em re­fe­rên­cia à ilha gre­ga on­de o após­to­lo João te­ve vi­sões do Apo­ca­lip­se, com ações em Mi­nas Ge­rais, Pa­ra­ná, Rio de Ja­nei­ro, São Pau­lo e Ma­ra­nhão, além do Dis­tri­to Fe­de­ral. A ir­mã do se­na­dor afas­ta­do Aé­cio Neves foi pre­sa, acu­sa­da de ser a sua “ope­ra­do­ra”, as­sim co­mo o pri­mo de­le. A Po­lí­cia Fe­de­ral pren­deu ain­da um pro­cu­ra­dor da Re­pú­bli­ca por ser sus­pei­to de fa­vo­re­cer uma em­pre­sa do gru­po J&F, dos ir­mãos Ba­tis­ta.

8.8.1 Pe­di­dos po­pu­la­res de im­pe­a­ch­ment e Di­re­tas Já

Par­ti­dos po­lí­ti­cos pe­di­ram a re­nún­cia de Te­mer e vá­ri­os pe­di­dos de im­pe­a­ch­ment fo­ram pro­to­co­la­dos na Câ­ma­ra. In­clu­si­ve, o Con­se­lho Fe­de­ral da OAB de­ci­diu se po­si­ci­o­nar fa­vo­rá­vel ao im­pe­a­ch­ment, in­gres­san­do com mais um pe­di­do.

No fi­nal do mês de maio de 2017, mo­vi­men­tos so­ci­ais e cen­trais sin­di­cais con­vo­ca­ram uma gran­de ma­ni­fes­ta­ção em Bra­sí­lia, que con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de apro­xi­ma­da­men­te 35 mil pes­so­as. Du­ran­te as ma­ni­fes­ta­ções atos de vi­o­lên­cia, in­cên­dio e a de­pre­da­ção de pré­di­os pú­bli­cos fo­ram ve­ri­fi­ca­dos. A po­lí­cia in­ter­ce­deu vi­o­len­ta­men­te, fe­rin­do mui­tos dos que pro­tes­ta­vam con­tra o go­ver­no. A Co­mis­são

25 Dis­po­ní­vel em: https://no­ti­ci­as.uol.com.br/po­li­ti­ca/ ul­ti­mas-no­ti­ci­as/2017/05/19/es­que­ma-no-ca­de-pro­pi­na-ae­mis­sa­rio-de-te­mer-che­ga­ria-a-r-1-mi­lhao-por-se­ma­na.htm. Aces­so em: 23 maio 2017.

In­te­ra­me­ri­ca­na de Di­rei­tos Hu­ma­nos (CIDH) e o Es­cri­tó­rio Re­gi­o­nal pa­ra Amé­ri­ca do Sul do Al­to Co­mis­sa­ri­a­do das Na­ções Uni­das pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos (ACNUDH) con­de­na­ram a for­ma vi­o­len­ta co­mo as for­ças de se­gu­ran­ça atu­a­ram.

Nes­ta oca­sião, o pre­si­den­te Te­mer de­cre­tou o uso das For­ças Ar­ma­das pa­ra con­ter o protesto com ba­se na Ga­ran­tia da Lei e da Or­dem (GLO), fa­tor que ge­rou con­tro­vér­sia e pro­vo­cou crí­ti­ca de vá­ri­os ju­ris­tas e até mes­mo de um mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. Ao ser in­for­ma­do da me­di­da, qu­an­do ex­pres­sou “to­ma­ra que não se­ja ver­da­de”.

Em di­ver­sas ci­da­des bra­si­lei­ras hou­ve ma­ni­fes­ta­ção pe­din­do o fa­mi­ge­ra­do “Fo­ra Te­mer”, ao mes­mo tem­po que os ma­ni­fes­tan­tes rei­vin­di­ca­vam elei­ções di­re­tas, co­mo ocor­reu no mo­vi­men­to Di­re­tas Já. En­tre­tan­to, de acor­do com o pa­rá­gra­fo 1º do ar­ti­go 81 da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral, se fal­tar me­nos de dois anos pa­ra o fim do man­da­to do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, a elei­ção pa­ra pre­si­den­te e vi­ce-pre­si­den­te de­ve­rá ser fei­ta pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal 30 di­as de­pois de os car­gos se tor­na­rem vagos. Já pa­ra uma elei­ção di­re­ta, há ne­ces­si­da­de de os parlamentares vo­ta­rem uma pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção que es­ta­be­le­ces­se elei­ção di­re­ta em ca­so de va­cân­cia da pre­si­dên­cia.

No fi­nal do mês de maio de 2017, a Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) do Se­na­do apro­vou, em pri­mei­ro tur­no (são ne­ces­sá­ri­os dois tur­nos em ca­da Ca­sa Le­gis­la­ti­va pa­ra apro­var emen­da à Cons­ti­tui­ção) uma Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) que es­ta­be­le­ce elei­ções di­re­tas no ca­so de a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca fi­car va­ga nos três pri­mei­ros anos do man­da­to, si­tu­a­ção em que ha­ve­rá elei­ções pa­ra os car­gos de pre­si­den­te e vi­ce-pre­si­den­te até um ano an­tes do fim do man­da­to.

Po­rém, no Se­na­do, ain­da é pre­ci­so per­cor­rer um lon­go ca­mi­nho, uma vez que são ne­ces­sá­ri­os os vo­tos de, pe­lo 3/5 dos se­na­do­res. De­pois, a pro­pos­ta de­ve­rá se­guir pa­ra aná­li­se da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e só se­rá apro­va­da se ob­ti­ver três quin­tos dos vo­tos tam­bém dos de­pu­ta­dos fe­de­rais.

So­men­te de­pois des­sas apro­va­ções é que a pro­pos­ta se­rá vo­ta­da do Con­gres­so Na­ci­o­nal (que en­glo­ba a Câ­ma­ra e o Se­na­do) e pre­ci­sa­rá re­ce­ber um ter­ço, no mí­ni­mo, dos vo­tos dos mem­bros das du­as Ca­sas. Um pon­to im­por­tan­te é que a emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal é di­fe­ren­te das leis or­di­ná­ri­as em ra­zão de não pre­ci­sar de ve­to pre­si­den­ci­al. Sen­do apro­va­da após to­do o pro­ces­so le­gis­la­ti­vo ela se­rá pro­mul­ga­da pe­las Me­sas da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e do Se­na­do, sem a in­ter­fe­rên­cia do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

A au­to­no­mia ad­qui­ri­da pe­lo po­vo, em ra­zão de as re­des so­ci­ais ain­da se­rem um meio de co­mu­ni­ca­ção de­mo­crá­ti­co, faz com que mui­tas ques­tões so­ci­ais pos­sam ser de­ba­ti­das. Mui­tos bra­si­lei­ros ex­pres­sa­ram nas re­des so­ci­ais a opi­nião de que um Con­gres­so com a mai­o­ria dos mem­bros en­vol­vi­dos em de­nún­ci­as de cor­rup­ção por ven­da do pró­prio man­da­to não tem a me­nor le­gi­ti­mi­da­de pa­ra pro­mo­ver elei­ções in­di­re­tas.

No fil­me “Hans Sta­den”, de Luiz Al­ber­to Pe­rei­ra, ba­se­a­do na obra Du­as vi­a­gens ao Bra­sil, é pos­sí­vel per­ce­ber que nos­sos an­te­pas­sa­dos tu­pi­nam­bás ti­nham há­bi­tos que cul­ti­va­mos ain­da nos di­as atu­ais, es­pe­ci­al­men­te a in­ge­nui­da­de e con­fi­an­ça no ser hu­ma­no. Eles eram en­ga­na­dos com sim­ples bu­gi­gan­gas, tais co­mo es­pe­lhi­nhos e an­zóis, as­sim co­mo os po­lí­ti­cos da atu­a­li­da­de en­ga­nam o po­vo nas cam­pa­nhas elei­to­rais com pro­mes­sas vãs, qua­se im­pos­sí­veis de se­rem cum­pri­das. As­sim co­mo mui­ta gen­te fi­ca in­dig­na­da pos­te­ri­or­men­te ao ver que tu­do não pas­sa­va de en­ga­na­ção, os tu­pi­nam­bás tam­bém fi­ca­vam zan­ga­dos ao per­ce­ber que, na ver­da­de, os bran­cos só que­ri­am le­var ri­que­zas de su­as ter­ras, pou­co se im­por­tan­do com o bem-es­tar dos na­ti­vos. Hans Sta­den (1525-1576), um aven­tu­rei­ro mer­ce­ná­rio ale­mão que es­te­ve por du­as ve­zes no Bra­sil par­ti­ci­pan­do de com­ba­tes nas ca­pi­ta­ni­as de Per­nam­bu­co e de São Vi­cen­te, pas­sou me­ses en­ga­nan­do os tu­pi­nam­bás e aca­bou resgatado. In­fe­liz­men­te, mes­mo ten­do a con­fi­an­ça nos hu­ma­nos, a éti­ca, a mo­ral e a hon­ra pre­ci­sam ser va­lo­res do sé­cu­lo 21.

O ju­ris­ta e fi­ló­so­fo ale­mão Fri­e­dri­ch Mül­ler de­sen­vol­veu uma te­o­ria mui­to in­te­res­san­te em sua obra Quem é o po­vo? – a ques­tão fun­da­men­tal da de­mo­cra­cia (trad. Pe­ter Nau­mann, Max Li­mo­nad, 2003), na qual traz a re­fle­xão so­bre a for­ma co­mo o Es­ta­do se or­ga­ni­za, a fim de exer­cer o seu po­der so­bre a so­ci­e­da­de em que a po­pu­la­ção ele­ge seus re­pre­sen­tan­tes no Par­la­men­to, res­pon­sá­veis pe­la cri­a­ção de nor­mas, com a ques­tão “quem se­ria es­se po­vo ca­paz de le­gi­ti­mar a de­mo­cra­cia?”.

No pen­sa­men­to de Mül­ler,

No preâm­bu­lo da Cons­ti­tui­ção de 1988, ob­ser­va-se a men­ção de que a Car­ta foi pro­mul­ga­da pe­los “re­pre­sen­tan­tes do po­vo bra­si­lei­ro”, “pa­ra ins­ti­tuir um es­ta­do de­mo­crá­ti­co”, o que pa­re­ce ser a so­lu­ção pa­ra os pro­ble­mas crí­ti­cos que o Bra­sil en­fren­ta nos nos­sos di­as. O que o po­vo pre­ci­sa de­fen­der é a le­gi­ti­mi­da­de de a mai­o­ria do elei­to­ra­do ven­cer as elei­ções que es­co­lhem o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ser res­pei­ta­da pe­la par­ce­la que sai do plei­to ven­ci­da.

A de­mo­cra­cia é o re­gi­me de go­ver­no em que o po­vo to­ma as de­ci­sões po­lí­ti­cas por meio de re­pre­sen­tan­tes elei­tos (de­mo­cra­cia in­di­re­ta ou re­pre­sen­ta­ti­va) e não os po­lí­ti­cos e as eli­tes em­pre­sa­ri­ais de­ci­dem os ru­mos do país por se jul­ga­rem mais ca­pa­ci­ta­dos ou su­pe­ri­o­res.

8.8.2 Im­pe­a­ch­ment de go­ver­na­do­res

De acor­do com a ma­té­ria do jor­nal Fo­lha de São Pau­lo26, de­pois de as de­la­ções dos do­nos da JBS te­rem si­do re­ve­la­das, go­ver­na­do­res tam­bém fo­ram al­vos de pe­di­dos de im­pe­a­ch­ment com ba­se nas ci­ta­ções nos de­poi­men­tos dos se­te exe­cu­ti­vos do gru­po fri­go­rí­fi­co nos acor­dos fir­ma­dos com Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca. Camilo San­ta­na (PT) no Ce­a­rá; Rei­nal­do Azam­bu­ja (PSDB) no Ma­to Gros­so do Sul; Ivo Sar­to­ri (PMDB) no Rio Gran­de do Sul; e Rai­mun­do Co­lom­bo (PSD) em San­ta Ca­ta­ri­na po­dem per­der o man­da­to se os pe­di­dos fo­rem acei­tos e o jul­ga­men­to pe­las Câ­ma­ras Le­gis­la­ti­vas re­sul­ta­rem no im­pe­di­men­to.

Des­sa for­ma, um dos te­mas pro­vá­veis na pró­xi­ma pro­va de re­da­ção do Enem po­de ter re­la­ção com éti­ca, mo­ra­li­da­de, in­te­gri­da­de ou as­sun­to se­me­lhan­te. Na ver­da­de, os va­lo­res ci­ta­dos não ape­nas são de­se­já­veis co­mo ne­ces­sá­ri­os pa­ra a boa ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.

8.8.3 Além da cri­se po­lí­ti­ca

As ci­da­dãs e os ci­da­dãos te­rão de se en­ga­jar na prá­ti­ca po­lí­ti­ca ce­do ou tar­de, uma vez que até mes­mo uma sim­ples de­ci­são ou com­por­ta­men­to já es­ta­rá sen­do atu­a­ção po­lí­ti­ca. Só o en­ga­ja­men­to per­mi­te que a re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca se­ja a mais au­tên­ti­ca e fi­el pos­sí­vel, con­fe­rin­do le­gi­ti­mi­da­de às ins­ti­tui­ções e ga­ran­tin­do mei­os de fis­ca­li­za­ção da ges­tão da coi­sa pú­bli­ca.

Os re­pre­sen­tan­tes do po­vo de­ve­ri­am atu­ar em fun­ção do de­sen­vol­vi­men­to da na­ção, de mo­do que pro­pi­ci­as­se a to­dos o bem-es­tar so­ci­al que me­re­cem. A cor­rup­ção se tor­nou um cân­cer que pre­ci­sa ser re­jei­ta­do por ca­da bra­si­lei­ro pa­ra que a li­ber­da­de e a jus­ti­ça pos­sam ver­da­dei­ra­men­te pre­en­cher as vi­das de to­dos os mem­bros da so­ci­e­da­de.

No­ru­e­ga e Di­na­mar­ca são paí­ses com ín­di­ce de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no exem­plar em ra­zão de os seus ci­da­dãos re­ce­be­rem uma edu­ca­ção que os ori­en­ta a pen­sar no bem-es­tar de to­dos e a se com­por­ta­rem de mo­do a não fe­rir di­rei­to alheio, ide­ais con­sa­gra­dos na De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Di­rei­tos do Ho­mem, apro­va­da na Fran­ça, em 26 de agos­to de 1789.

De­pois de a As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te, que ela­bo­rou a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil, em 1988, ter de­ci­di­do que a fe­de­ra­ção se­ria a for­ma do Es­ta­do bra­si­lei­ro e que a re­pú­bli­ca se­ria a for­ma de go­ver­no, o re­gi­me po­lí­ti­co qua­se sem­pre pre­ci­sa ser de­ba­ti­do. Em­bo­ra não ha­ja dú­vi­da a res­pei­to de a de­mo­cra­cia ser re­pre­sen­ta­ti­va com se­pa­ra­ção de po­de­res, o mo­do co­mo os ci­da­dãos bra­si­lei­ros de­vem es­co­lher seus re­pre­sen­tan­tes, se di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te, vol­tou a ser mo­ti­vo de dis­cus­são após a pro­fun­da cri­se na po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra.

O res­pei­to às leis, à ho­nes­ti­da­de no tra­to dos bens e do erá­rio pú­bli­cos, o sen­so de jus­ti­ça, a in­te­gri­da­de, a ci­vi­li­da­de, a to­le­rân­cia, en­tre ou­tros va­lo­res, são es­sen­ci­ais pa­ra o es­ta­be­le­ci­men­to do Es­ta­do de Di­rei­to e o con­se­quen­te pro­gres­so do Bra­sil.

A cri­se que o país atra­ves­sa não é so­men­te po­lí­ti­ca. É mo­ral. A in­ver­são de va­lo­res fez com que o com­por­ta­men­to an­tié­ti­co vi­ras­se cer­to. Mui­ta gen­te fa­la em “ho­mens de bem”, mas até mes­mo os es­tu­dan­tes são apa­nha­dos “co­lan­do” nas pro­vas e hos­ti­li­zan­do co­le­gas.

O aper­fei­ço­a­men­to de­mo­crá­ti­co não pas­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te tal co­mo su­ce­de em paí­ses igua­li­tá­ri­os, pe­la atri­bui­ção de mai­o­res po­de­res de­ci­só­ria ao po­vo, atra­vés da am­pli­a­ção do uso obri­ga­tó­rio de re­fe­ren­dos e con­sul­tas po­pu­la­res. É que jus­ta­men­te es­ses po­de­res acres­ci­dos não se­rão de fa­to exer­ci­dos pe­lo po­vo, en­quan­to cor­po co­le­ti­vo uni­tá­rio, mas sim pe­los de­ten­to­res do ver­da­dei­ro po­der su­pre­mo efe­ti­vo, no seio do po­vo. Em su­ma, pe­los oli­gar­cas de sem­pre. São eles – e uni­ca­men­te eles – que cons­ti­tu­em na re­a­li­da­de o Ak­tiv­volk.

26 Dis­po­ní­vel em: https://no­ti­ci­as.uol.com.br/po­li­ti­ca/ ul­ti­mas-no­ti­ci­as/2017/05/24/em-dois-di­as-4-go­ver­na­do­res­sao- al­vos- de- pe­di­do- de- im­pe­a­ch­ment- por- de­la­cao- da- jbs. htm. Aces­so em: 24 maio 2017.

Já pas­sou da ho­ra de to­dos os bra­si­lei­ros, sem ex­ce­ção, co­me­ça­rem a ter ati­tu­des mo­ral­men­te acei­tá­veis e, as­sim, exi­gir que os de­mais, es­pe­ci­al­men­te os ocu­pan­tes de car­gos pú­bli­cos, se com­por­tem não ape­nas em con­for­mi­da­de com a le­gis­la­ção, mas tam­bém de acor­do com os pre­cei­tos éti­cos.

8.8.4 Fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nhas po­lí­ti­cas

A ar­re­ca­da­ção de re­cur­sos pa­ra que os par­ti­dos e os can­di­da­tos pos­sam fa­zer a cam­pa­nha po­lí­ti­ca foi uma das ques­tões que o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral te­ve que re­sol­ver em 2015, qu­an­do foi de­cla­ra­da a in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de dos dis­po­si­ti­vos le­gais que au­to­ri­za­vam as con­tri­bui­ções de pes­so­as ju­rí­di­cas às cam­pa­nhas elei­to­rais. Con­tu­do, as do­a­ções fei­tas por pes­so­as fí­si­cas fo­ram li­mi­ta­das a 10% dos ren­di­men­tos bru­tos de­cla­ra­dos pe­lo do­a­dor no ano an­te­ri­or à elei­ção. Ape­sar des­sa al­te­ra­ção que o Po­der Ju­di­ciá­rio fez nos fi­nan­ci­a­men­tos de cam­pa­nhas elei­to­rais, a qual pre­ten­de li­mi­tar a in­ter­fe­rên­cia do po­der econô­mi­co no po­der po­lí­ti­co, a no­va for­ma ain­da não foi uti­li­za­da em ne­nhu­ma elei­ção pre­si­den­ci­al.

Tam­bém na Lei da Re­for­ma Po­lí­ti­ca apro­va­da pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal, a Lei nº 13.165/2015, co­nhe­ci­da co­mo mi­nir­re­for­ma elei­to­ral, a en­tão pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Dil­ma Rous­seff ve­tou a par­te que au­to­ri­za­va os par­ti­dos po­lí­ti­cos re­ce­be­rem do­a­ções de em­pre­sas, jus­ti­fi­can­do o ve­to com ba­se na de­ci­são do Su­pre­mo que con­si­de­rou a do­a­ção de cam­pa­nha por em­pre­sas in­cons­ti­tu­ci­o­nal.

No Preâm­bu­lo da Cons­ti­tui­ção de 1988, os cons­ti­tuin­tes dei­xam ex­plí­ci­to que, na qua­li­da­de de re­pre­sen­tan­tes do po­vo bra­si­lei­ro, ins­ti­tuí­ram um “Es­ta­do De­mo­crá­ti­co, des­ti­na­do a as­se­gu­rar o exer­cí­cio dos di­rei­tos so­ci­ais e in­di­vi­du­ais, a li­ber­da­de, a se­gu­ran­ça, o bem-es­tar, o de­sen­vol­vi­men­to, a igual­da­de e a jus­ti­ça co­mo va­lo­res su­pre­mos de uma so­ci­e­da­de fra­ter­na, plu­ra­lis­ta e sem pre­con­cei­tos, fun­da­da na har­mo­nia so­ci­al e com­pro­me­ti­da, na or­dem in­ter­na e in­ter­na­ci­o­nal, com a so­lu­ção pa­cí­fi­ca das con­tro­vér­si­as”.

Lo­go no ter­cei­ro ar­ti­go da Car­ta Mag­na, fi­cou de­ter­mi­na­do que os ob­je­ti­vos fun­da­men­tais da Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil são a cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de li­vre, jus­ta e so­li­dá­ria, a qual ga­ran­ta o de­sen­vol­vi­men­to na­ci­o­nal, a er­ra­di­ca­ção da po­bre­za e a re­du­ção das de­si­gual­da­des so­ci­ais por meio da pro­mo­ção do bem de to­dos, sem pre­con­cei­tos de ori­gem, ra­ça, se­xo, cor, ida­de e quais­quer ou­tras for­mas de dis­cri­mi­na­ção.

E, se­gun­do o pri­mei­ro item do ar­ti­go que re­la­ci­o­na uma sé­rie de di­rei­tos dos bra­si­lei­ros, “ho­mens e mu­lhe­res são iguais em di­rei­tos e obri­ga­ções”. Bas­ta uma pe­que­na re­fle­xão e qual­quer pes­soa po­de­rá per­ce­ber que o fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nhas po­lí­ti­cas por em­pre­sas não ga­ran­te que os di­rei­tos e obri­ga­ções se­jam os mes­mos pa­ra to­dos os bra­si­lei­ros, as­sim tam­bém co­mo não pro­pi­cia que a ori­gem do po­der ver­da­dei­ra­men­te se­ja do po­vo, que o exer­ce­rá di­re­ta­men­te ou por meio de seus re­pre­sen­tan­tes, con­for­me es­tá es­cri­to no pa­rá­gra­fo úni­co do pri­mei­ro ar­ti­go da Cons­ti­tui­ção ape­li­da­da de “ci­da­dã”.

Ape­sar de tu­do, to­dos os 35 par­ti­dos po­lí­ti­cos di­vi­di­ram a quan­tia de R$ 58.488.752,98 re­fe­ren­tes à dis­tri­bui­ção do Fun­do Par­ti­dá­rio em ja­nei­ro de 2017. O Fun­do Par­ti­dá­rio é com­pos­to pe­los re­cur­sos fi­nan­cei­ros que o go­ver­no des­ti­na às agre­mi­a­ções par­ti­dá­ri­as jun­to com as mul­tas e pe­na­li­da­des em di­nhei­ro apli­ca­das de acor­do com o Có­di­go Elei­to­ral e ou­tras leis elei­to­rais, e que de­vem ser uti­li­za­das pa­ra a ma­nu­ten­ção das se­des e ser­vi­ços do par­ti­do, pa­ga­men­to de pes­so­al, pro­pa­gan­da dou­tri­ná­ria e po­lí­ti­ca, alis­ta­men­to e cam­pa­nhas elei­to­rais, cri­a­ção e ma­nu­ten­ção de ins­ti­tu­to ou fun­da­ção de pes­qui­sa e de dou­tri­na­ção e edu­ca­ção po­lí­ti­ca.

8.8.5 Lis­ta par­ti­dá­ria

Com 35 le­gen­das re­gis­tra­das no Su­pe­ri­or Tri­bu­nal Elei­to­ral (TSE), atu­al­men­te vi­go­ra no Bra­sil o sis­te­ma de vo­to por lis­ta aber­ta, no qual, se­gun­do o Glos­sá­rio do Se­na­do27, “as va­gas con­quis­ta­das pe­lo par­ti­do ou co­li­ga­ção par­ti­dá­ria são ocu­pa­das por seus can­di­da­tos mais vo­ta­dos, até o nú­me­ro de ca­dei­ras des­ti­na­das à agre­mi­a­ção. A vo­ta­ção de ca­da can­di­da­to pe­lo elei­tor é o que de­ter­mi­na, por­tan­to, sua po­si­ção na lis­ta de pre­fe­rên­cia”.

Já na lis­ta fe­cha­da de can­di­da­tos, o elei­tor vo­ta so­men­te no par­ti­do e es­te é que de­ter­mi­na a or­dem de ca­da um de seus can­di­da­tos na clas­si­fi­ca­ção. Ca­da par­ti­do de­ve apre­sen­tar a re­la­ção dos seus can­di­da­tos por or­dem de pri­o­ri­da­de.

Na re­for­ma po­lí­ti­ca que os parlamentares bra­si­lei­ros pre­ten­dem fa­zer, a qual mo­di­fi­ca­ria o sis­te­ma de lis­ta

27 Dis­po­ní­vel em: http://www12.se­na­do.leg.br/no­ti­ci­as/ glos­sa­rio-le­gis­la­ti­vo/lis­ta-aber­ta. Aces­so em: 24 maio 2017.

aber­ta por lis­ta fe­cha­da, po­de ha­ver a pos­si­bi­li­da­de de um po­lí­ti­co im­po­pu­lar ou co­nhe­ci­do por ter se en­vol­vi­do em ca­sos de cor­rup­ção se tor­nar um dos pri­mei­ros da lis­ta em ra­zão de do­mi­nar a es­tru­tu­ra par­ti­dá­ria ou ser apoi­a­do por quem tem o do­mí­nio so­bre a le­gen­da pe­la qual dis­pu­ta­rá as elei­ções.

As­sim, o elei­tor que de­se­jar vo­tar no úl­ti­mo co­lo­ca­do da lis­ta te­rá de op­tar en­tre re­jei­tar o que es­ti­ver no to­po da lis­ta ou dei­xar de vo­tar na­que­le de sua pre­fe­rên­cia, no ca­so de a po­si­ção na re­la­ção fe­cha­da ser nas úl­ti­mas co­lo­ca­ções. Nes­se mo­de­lo, os elei­to­res vo­tam no par­ti­do em vez de es­co­lhe­rem can­di­da­tos avul­sos. Na apu­ra­ção, os vo­tos se­rão dis­tri­buí­dos de acor­do com uma or­dem de can­di­da­tos pre­vi­a­men­te de­fi­ni­da pe­la le­gen­da.

Os parlamentares que se po­si­ci­o­nam a fa­vor da mu­dan­ça de lis­ta aber­ta pa­ra a lis­ta fe­cha­da uti­li­zam co­mo prin­ci­pal ar­gu­men­to a ne­ces­si­da­de de tor­nar as cam­pa­nhas elei­to­rais mais ba­ra­tas e mais fá­ceis de fis­ca­li­zar, ten­do em vis­ta que as do­a­ções de em­pre­sas es­tão proi­bi­das por de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral.

En­quan­to no sis­te­ma de lis­ta aber­ta os par­ti­dos não en­con­tram di­fi­cul­da­de pa­ra lan­çar o nú­me­ro má­xi­mo de can­di­da­tos per­mi­ti­do pe­la elei­ção – in­cluin­do o co­e­fi­ci­en­te de mu­lhe­res exi­gi­do pe­la le­gis­la­ção elei­to­ral – e es­co­lher re­pre­sen­tan­tes e de­le­ga­dos, com a lis­ta fe­cha­da, a de­fi­ni­ção da or­dem dos can­di­da­tos pra­ti­ca­men­te trans­for­ma­rá a or­dem de can­di­da­tos com re­ais chan­ces de se­rem elei­tos e ou­tros que ser­vi­rão ape­nas de fi­gu­ran­tes.

No ca­so de a lis­ta fe­cha­da ser ad­mi­ti­da no Bra­sil, um par­ti­do po­de­ria lan­çar o nú­me­ro má­xi­mo de can­di­da­tos per­mi­ti­do pe­la le­gis­la­ção, mas co­lo­car o per­cen­tu­al de mu­lhe­res no fi­nal da lis­ta fe­cha­da, fa­tor que im­pos­si­bi­li­ta­rá a am­pli­a­ção fe­mi­ni­na nos car­gos ele­ti­vos. Ca­so se­ja apro­va­da a lis­ta fe­cha­da, o pri­mei­ro co­lo­ca­do da lis­ta par­ti­dá­ria fe­cha­da po­de ser o me­nos vo­ta­do da le­gen­da – um can­di­da­to que não con­tou com o apoio ex­pres­si­vo de elei­to­res.

Os que de­fen­dem a permanência do sis­te­ma de lis­ta aber­ta ale­gam que po­lí­ti­cos im­pli­ca­dos em ca­sos de cor­rup­ção, co­mo os de­la­ta­dos na La­va Ja­to ou nas re­ve­la­ções da JBS, po­dem se “es­con­der” no par­ti­do a fim de evi­tar a re­jei­ção do po­vo pe­los parlamentares que dis­pu­tam re­e­lei­ção mes­mo es­tan­do mui­to des­gas­ta­dos pe­las de­nún­ci­as.

A lis­ta fe­cha­da po­de ser um ins­tru­men­to pa­ra di­mi- nuir ain­da mais a par­ti­ci­pa­ção de gru­pos mi­no­ri­tá­ri­os na po­lí­ti­ca. Após su­ces­si­vas mu­dan­ças nas nor­mas elei­to­rais com o pro­pó­si­to de au­men­tar a par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na nas elei­ções, a for­ma­ção das lis­tas fe­cha­das em am­bi­en­te do­mi­na­do pe­lo ma­chis­mo re­du­zi­rá a re­pre­sen­ta­ção das mu­lhe­res.

8.8.6 Par­ti­ci­pa­ção das mu­lhe­res na po­lí­ti­ca

Se­gun­do in­for­ma­ções da cen­tral de no­tí­ci­as do go­ver­no fe­de­ral28, “o Bra­sil ocu­pa a 115ª po­si­ção no ran­king mun­di­al de pre­sen­ça fe­mi­ni­na no Par­la­men­to den­tre os 138 paí­ses ana­li­sa­dos pe­lo Pro­je­to Mu­lhe­res Ins­pi­ra­do­ras (PMI), com ba­se no ban­co de da­dos pri­má­ri­os do Ban­co Mun­di­al (Bird) e do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE)”.

A re­pre­sen­ta­ção fe­mi­ni­na nos par­ti­dos po­lí­ti­cos já é bas­tan­te bai­xa, além de mui­tas mu­lhe­res re­cla­ma­rem que são usa­das ape­nas co­mo fi­gu­ran­tes pa­ra ser­vi­rem aos pro­pó­si­tos de le­gen­das, os quais pre­ci­sam apa­ren­tar se­rem cor­re­tos no que diz res­pei­to ao pre­en­chi­men­to do nú­me­ro mí­ni­mo exi­gi­do pe­la lei elei­to­ral de par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na.

O Ins­ti­tu­to Patrícia Gal­vão29, or­ga­ni­za­ção so­ci­al sem fins lu­cra­ti­vos vol­ta­da à co­mu­ni­ca­ção e aos di­rei­tos das mu­lhe­res, re­ve­lou que:

“Nas úl­ti­mas cin­co elei­ções ge­rais re­a­li­za­das no Bra­sil, a pro­por­ção de mu­lhe­res ocu­pan­do va­gas de de­pu­ta­do es­ta­du­al e dis­tri­tal cres­ceu ape­nas 1,23 pon­tos per­cen­tu­ais”. Em 11 de maio de 2017, em uma au­di­ên­cia pú­bli­ca re­a­li­za­da na Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR), o vi­ce-pro­cu­ra­dor-ge­ral elei­to­ral Ni­co­lao Di­no de­cla­rou que “não obs­tan­te te­nha­mos le­gis­la­ção de co­tas, há um dé­fi­cit evi­den­te e gra­ve no que se re­fe­re à par­ti­ci­pa­ção das mu­lhe­res na po­lí­ti­ca no Bra­sil”.

A le­gis­la­ção elei­to­ral bra­si­lei­ra de­ter­mi­na que ha­ja um per­cen­tu­al de 30% de pre­sen­ça de mu­lhe­res en­tre as can­di­da­tu­ras nas elei­ções, além de tem­po de TV pa­ra a pro­mo­ção fe­mi­ni­na na po­lí­ti­ca. En­tre­tan­to, os par­ti­dos pa­re­cem não de­mons­trar in­te­res­se es­ti­mu­lar

28 Dis­po­ní­vel em: http:// agen­ci­a­bra­sil. ebc. com. br/ po­li­ti­ca/no­ti­cia/2017-03/bra­sil-ocu­pa-115o-lu­gar-em-ran­king­de-mu­lhe­res-na-po­li­ti­ca. Aces­so em: 24 maio 2017.

29 Dis­po­ní­vel em: http://agen­ci­a­pa­tri­ci­a­gal­vao.org.br/ po­li­ti­ca/pro­por­cao-de-mu­lhe­res-na-po­li­ti­ca-cres­ceu-ape­na­sum- pon­to- per­cen­tu­al- nas- ul­ti­mas- cin­co- elei­co­es/. Aces­so em: 24 maio 2017.

a par­ti­ci­pa­ção de mu­lhe­res e, des­sa ma­nei­ra, su­pe­rar a de­si­gual­da­de.

8.8.7 Ir­re­gu­la­ri­da­des elei­to­rais no Bra­sil

De acor­do com a Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral Elei­to­ral, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, que fez a cam­pa­nha “Por uma dis­pu­ta jus­ta” nas elei­ções de 2016, as prin­ci­pais ir­re­gu­la­ri­da­des são as se­guin­tes:

Uso da má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va: a uti­li­za­ção de bens e ser­vi­ços pú­bli­cos pa­ra fins elei­to­rais, por exem­plo, em­pre­go de ser­vi­do­res pú­bli­cos em cam­pa­nha elei­to­ral du­ran­te o ho­rá­rio de ex­pe­di­en­te e uti­li­za­ção de car­ros e pré­di­os pú­bli­cos pa­ra fa­vo­re­cer par­ti­do ou can­di­da­to.

Pro­pa­gan­da elei­to­ral ir­re­gu­lar: qu­an­do for re­a­li­za­da an­tes de 16 de agos­to do ano das elei­ções ou, após es­sa da­ta, qu­an­do de­so­be­de­cer ao re­gra­men­to pre­vis­to em lei. Exem­plos: pro­pa­gan­da elei­to­ral em out­do­ors, re­a­li­za­ção de show­mí­ci­os, fi­xa­ção de pla­cas e ca­va­le­tes em pra­ça pú­bli­ca etc.

Ins­cri­ção frau­du­len­ta de elei­to­res: con­fi­gu­ra cri­me ins­cre­ver-se co­mo elei­tor em dois mu­ni­cí­pi­os ao mes­mo tem­po ou trans­fe­rir o tí­tu­lo pa­ra ou­tra lo­ca­li­da­de por meio de do­cu­men­tos fal­sos ou me­di­an­te o re­ce­bi­men­to de al­gu­ma van­ta­gem, sem que pos­sua qual­quer vín­cu­lo que jus­ti­fi­que a trans­fe­rên­cia.

Ali­ci­a­men­to do elei­tor: a co­nhe­ci­da “com­pra de vo­tos” con­fi­gu­ra cri­me, co­mo ofe­re­cer, pro­me­ter ou en­tre­gar bem ou van­ta­gem de qual­quer na­tu­re­za (di­nhei­ro, ma­te­ri­al de cons­tru­ção, ces­tas bá­si­cas, em­pre­go, aten­di­men­to mé­di­co etc.) em tro­ca do vo­to do elei­tor.

Trans­por­te ir­re­gu­lar de elei­to­res: con­tra­tar ou ofe­re­cer trans­por­te a elei­to­res que re­si­dem fo­ra da zo­na elei­to­ral é cri­me. A pe­na pre­vis­ta pa­ra o de­li­to va­ria de qua­tro a seis anos de pri­são e pa­ga­men­to de mul­ta.

Bo­ca de ur­na: re­a­li­zar pro­pa­gan­da elei­to­ral no dia das elei­ções, nas pro­xi­mi­da­des das se­ções de vo­ta­ção. Con­tu­do, é per­mi­ti­da a ma­ni­fes­ta­ção in­di­vi­du­al e si­len­ci­o­sa do elei­tor por meio de ca­mi­se­tas, bro­ches, bo­nés ou ade­si­vos em veí­cu­los.

8.8.8 Dez Me­di­das Con­tra a Cor­rup­ção

O pro­je­to das dez me­di­das de com­ba­te à cor­rup­ção (PL 4850/16) foi ori­gi­ná­rio do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, o qual fez cam­pa­nha e ob­te­ve mais de dois mi­lhões de as­si­na­tu­ras pa­ra cri­ar uma Lei de Ini­ci­a­ti­va Po­pu­lar. Pa­ra ser vá­li­do pre­ci­sa, obri­ga­to­ri­a­men­te, ob­ter a ade­são mí­ni­ma de 1% do elei­to­ra­do, dis­tri­buí­do por me­nos cin­co es­ta­dos, com no mí­ni­mo 0,3% dos elei­to­res em ca­da um.

A par­tir da ini­ci­a­ti­va de mem­bros do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF), in­te­gran­tes da for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba (PR), fo­ram de­sen­vol­vi­das pro­pos­tas de al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas com o ob­je­ti­vo de tor­na­rem mais efe­ti­vos os com­ba­tes à cor­rup­ção e à im­pu­ni­da­de.

Ape­sar de ser uma ini­ci­a­ti­va lou­vá­vel, já que há, de fa­to, ele­va­dos ín­di­ces de cri­mes con­tra a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, al­guns ju­ris­tas cri­ti­ca­ram as me­di­das pro­pos­tas pe­lo MPF. Uma de­las, no en­tan­to, cau­sou gran­de po­lê­mi­ca en­tre os es­pe­ci­a­lis­tas que de­ba­te­ram a pro­pos­ta: o tes­te de in­te­gri­da­de. A men­ci­o­na­da ava­li­a­ção con­sis­te em uma apu­ra­ção cri­mi­nal si­mu­la­da pe­las au­to­ri­da­des em uma si­tu­a­ção co­ti­di­a­na no ser­vi­ço pú­bli­co, ofer­tan­do van­ta­gens in­de­vi­das pa­ra al­gum ser­vi­dor, jus­ta­men­te pa­ra tes­tar a ca­pa­ci­da­de que ele te­rá de re­sis­tir à ten­ta­ção de ob­ter van­ta­gem in­de­vi­da por con­ta de ocu­par um car­go no go­ver­no. A in­ten­ção é es­ti­mu­lar que ser­vi­do­res do po­vo se sin­tam vi­gi­a­dos, uma vez que es­ta­rão ci­en­tes de que po­dem ser tes­ta­dos por um agen­te es­ta­tal dis­far­ça­do.

Até mes­mo os de­pu­ta­dos da co­mis­são es­pe­ci­al da Câ­ma­ra que ana­li­sa­ram o pro­je­to das dez me­di­das de com­ba­te à cor­rup­ção afir­ma­ram que o tes­te de in­te­gri­da­de é in­cons­ti­tu­ci­o­nal. Um de­les ques­ti­o­nou que se não po­de exis­tir cor­rup­to sem cor­rup­tor; o tes­te de in­te­gri­da­de te­ria de va­ler pa­ra os dois, ou se­ja, a au­to­ri­da­de que su­bor­nar o po­li­ci­al a fim de ave­ri­guar se ele é mes­mo cor­re­to de­ve­ria tam­bém ser pre­sa em fla­gran­te.

Mas pa­ra os cri­a­do­res da pro­pos­ta, o tes­te de in­te­gri­da­de é apli­ca­do com su­ces­so há anos em di­ver­sos paí­ses e tem com­pro­va­da efi­cá­cia no com­ba­te à cor­rup­ção. Além dis­so, é re­co­men­da­do pe­las Na­ções Uni­das e pe­la Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal.

A pro­pos­ta acir­rou ain­da mais a po­lê­mi­ca qu­an­do o tex­to foi mo­di­fi­ca­do e tor­nou o tes­te op­ci­o­nal pa­ra ser­vi­do­res pú­bli­cos, mas obri­ga­tó­rio pa­ra po­li­ci­ais. Em uma das au­di­ên­ci­as pú­bli­cas re­a­li­za­das pe­la co­mis­são es­pe­ci­al pa­ra dis­cu­tir o pro­je­to que es­ta­be­le­ce me­di­das con­tra a cor­rup­ção, di­re­to­res de sin­di­ca­tos de po­li­ci­ais cri­ti­ca­ram a me­di­da e apre­sen­ta­ram ar­gu­men­ta­ção pa­ra con­ven­cer os parlamentares de que o tes­te é in­cons­ti­tu­ci­o­nal.

Se­gun­do a agên­cia de no­tí­ci­as da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos30, João Car­los Al­cal­de, cor­re­ge­dor-ge­ral

30 Dis­po­ní­vel em: http://www2.ca­ma­ra.leg.br/ca­ma­RA­NO­TI­CI­AS/NO­TI­CI­AS/ADMINISTRACAO-PU­BLI­CA/516017TESTE-DE-IN­TE­GRI­DA­DE-PA­RA-SER­VI­DOR-RECEBECRITICAS-EM-COMISSAO-ES­PE­CI­AL.HTML. Aces­so em: 25 maio 2017.

da Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Fe­de­ral, se po­si­ci­o­nou con­tra o tra­ta­men­to di­fe­ren­ci­a­do dis­pen­sa­do aos po­li­ci­ais, de­cla­ran­do que “o tes­te de in­te­gri­da­de tem de ser uma me­di­da de cu­nho mo­ra­li­za­dor, éti­co e que vi­se cons­ci­en­ti­zar, dis­ci­pli­nar tan­to ser­vi­do­res co­mo a pró­pria po­pu­la­ção. A cor­rup­ção não se en­fren­ta de­ter­mi­nan­do A ou B; é pre­ci­so en­ten­dê-la co­mo fenô­me­no so­ci­al de gran­de abran­gên­cia”. Já Ma­no­el Gal­di­no, di­re­tor-exe­cu­ti­vo da or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal Trans­pa­rên­cia Bra­sil, afir­mou que “um su­jei­to que ope­ra mi­lhões não ia re­ce­ber [o tes­te]. Acho que é um di­le­ma di­fí­cil, mas em al­guns mo­men­tos é pre­ci­so fa­zer es­te tes­te ale­a­tó­rio, fa­zer em pes­so­as im­por­tan­tes”.

Con­tu­do, não é ape­nas o tes­te de in­te­gri­da­de que di­vi­diu a opi­nião de es­pe­ci­a­lis­tas; tam­bém cau­sa­ram po­lê­mi­ca a ne­ces­si­da­de de o juiz ou­vir o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co an­tes de con­ce­der ha­be­as cor­pus (a de­ter­mi­na­ção ju­di­ci­al que con­ce­de li­ber­da­de a um sus­pei­to acu­sa­do de ter co­me­ti­do cri­me) pa­ra réus que não es­te­jam pre­sos e o con­fis­co de pa­trimô­nio do cor­rup­to mes­mo qu­an­do não exis­ti­rem pro­vas de que de­ter­mi­na­do bem se­ja fru­to de cor­rup­ção.

8.8.9 Fo­ro pri­vi­le­gi­a­do

O di­rei­to que al­gu­mas au­to­ri­da­des pú­bli­cas têm de se­rem jul­ga­das em tribunais es­pe­ci­ais qu­an­do fo­rem al­vos de pro­ces­sos pe­nais é de­no­mi­na­do fo­ro (pro­nun­cia-se fô­ro) pri­vi­le­gi­a­do. As crí­ti­cas a res­pei­to des­se “pri­vi­lé­gio” se dão em ra­zão de ser con­si­de­ra­da uma afron­ta ao ar­ti­go 5º da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral ao dis­por que “to­dos são iguais pe­ran­te a lei, sem dis­tin­ção de qual­quer na­tu­re­za, ga­ran­tin­do-se aos bra­si­lei­ros e aos es­tran­gei­ros re­si­den­tes no país a in­vi­o­la­bi­li­da­de do di­rei­to à vi­da, à li­ber­da­de, à igual­da­de, à se­gu­ran­ça e à pro­pri­e­da­de”.

O Ple­ná­rio do Se­na­do apro­vou, em maio de 2017, uma pro­pos­ta de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal que ex­tin­gue o fo­ro es­pe­ci­al pa­ra au­to­ri­da­des fe­de­rais, mais co­nhe­ci­do co­mo fo­ro pri­vi­le­gi­a­do, com ex­ce­ção dos che­fes dos Três Po­de­res.

Se­gun­do a agên­cia de no­tí­ci­as do Se­na­do31, as “au­to­ri­da­des man­te­rão o fo­ro por prer­ro­ga­ti­va de fun­ção nos cri­mes de res­pon­sa­bi­li­da­de, aque­les co­me­ti­dos em de­cor­rên­cia do exer­cí­cio do car­go pú­bli­co, co­mo os con­tra o exer­cí­cio dos di­rei­tos po­lí­ti­cos, in­di­vi­du­ais e so­ci­ais; a se­gu­ran­ça in­ter­na do país; a pro­bi­da­de na ad­mi­nis­tra­ção; a lei or­ça­men­tá­ria; e o cum­pri­men­to das leis e das de­ci­sões ju­di­ci­ais, en­tre ou­tros”. A PEC 10/2013 se­gui­rá pa­ra aná­li­se da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, on­de pre­ci­sa­rá pas­sar por dois tur­nos de vo­ta­ção.

Por sua vez, no dia 1 de ju­nho de 2017, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral deu iní­cio a uma vo­ta­ção que ve­ri­fi­ca­rá a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de do fo­ro pri­vi­le­gi­a­do e de­ve­rá res­trin­gir o ins­ti­tu­to no país. O pro­ces­so do ca­so con­cre­to que pe­de a in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da prer­ro­ga­ti­va de fo­ro de de­pu­ta­dos fe­de­rais e se­na­do­res ob­te­ve qua­tro vo­tos fa­vo­rá­veis. O re­la­tor, mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, de­fen­deu que o pri­vi­lé­gio de­ve ser apli­ca­do so­men­te aos parlamentares que co­me­te­rem cri­mes co­muns no exer­cí­cio e em fun­ção do man­da­to par­la­men­tar.

O pro­ble­ma apon­ta­do por es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra es­sa prer­ro­ga­ti­va de fo­ro é que o pri­vi­lé­gio aca­ba adi­an­do a pu­ni­ção que po­lí­ti­cos in­ves­ti­ga­dos re­ce­be­ri­am se o jul­ga­men­to ocor­res­se co­mo o da po­pu­la­ção co­mum, além de os cri­mes po­de­rem pres­cre­ver, ou se­ja, o Po­der Ju­di­ciá­rio não po­der mais pu­nir o po­lí­ti­co cri­mi­no­so em ra­zão de não ter con­se­gui­do jul­gá-lo no tem­po em que te­ria di­rei­to. Es­sa “fa­lha” se dá por­que o nú­me­ro de juí­zes nos tribunais su­pe­ri­o­res (on­de os pri­vi­le­gi­a­dos são jul­ga­dos) é me­nor. Os de­ten­to­res de man­da­to tam­bém usam a es­tra­té­gia de re­nun­ci­ar, fa­zen­do com que o ca­so se­ja re­me­ti­do a um tri­bu­nal de pri­mei­ra ins­tân­cia e re­co­me­çar tu­do no­va­men­te do ze­ro.

De uma ma­nei­ra ou de ou­tra, se­ja pe­la de­ci­são do STF ou pe­la apro­va­ção de no­va le­gis­la­ção, se não hou­ver mais o fo­ro pri­vi­le­gi­a­do no Bra­sil, to­dos se­rão jul­ga­dos em pri­mei­ra ins­tân­cia nas lo­ca­li­da­des em que os even­tu­ais cri­mes ocor­re­rem. Fi­ca­rá ex­tin­ta a prer­ro­ga­ti­va de fo­ro pa­ra to­das as au­to­ri­da­des bra­si­lei­ras nas in­fra­ções pe­nais co­muns. To­da­via, a pro­pos­ta que mo­di­fi­ca­rá a Cons­ti­tui­ção, ca­so apro­va­da, man­te­rá o fo­ro pri­vi­le­gi­a­do pa­ra o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e os pre­si­den­tes da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e do Se­na­do, des­de que es­te­jam no exer­cí­cio do man­da­to.

8.9 Abu­so de au­to­ri­da­de

Ape­sar da pre­o­cu­pa­ção de que as mu­dan­ças na a Lei de Abu­so de Au­to­ri­da­de pos­sam atra­pa­lhar de in­ves­ti­ga­ções co­mo a Ope­ra­ção La­va Ja­to, em abril de 2017, o Se­na­do apro­vou um tex­to abran­ge atos que po­dem

31 Dis­po­ní­vel em: http://www12.se­na­do.leg.br/no­ti­ci­as/ ma­te­ri­as/ 2017/ 05/ 31/ se­na­do- apro­va- o- fim- do- fo­ro- pri­vi­le­gi­a­do-que-se­gue-pa­ra-a-ca­ma­ra. Aces­so em: 3 jun. 2017.

ser co­me­ti­dos por ser­vi­do­res pú­bli­cos e mem­bros dos três po­de­res da Re­pú­bli­ca, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, dos tribunais e con­se­lhos de con­tas e das For­ças Ar­ma­das, e que de­ve­rá ser vo­ta­do na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Se­gun­do o se­na­dor Ro­ber­to Re­quião (PMDB-PR), o “pro­je­to é o mai­or avan­ço do ga­ran­tis­mo ju­rí­di­co em dé­ca­das no Bra­sil”, pros­se­guin­do ain­da com a de­cla­ra­ção de que “não vi­sa pre­ju­di­car os tra­ba­lhos da Po­lí­cia Fe­de­ral e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co”.

De acor­do com as in­for­ma­ções da agên­cia de no­tí­ci­as do Se­na­do32, “en­tre as prá­ti­cas clas­si­fi­ca­das co­mo abu­so de au­to­ri­da­de es­tão: ob­ter pro­vas por mei­os ilí­ci­tos; en­trar em imó­vel alheio sem de­ter­mi­na­ção ju­di­ci­al; im­pe­dir en­con­tro re­ser­va­do en­tre um pre­so e seu ad­vo­ga­do; de­cre­tar a con­du­ção co­er­ci­ti­va de tes­te­mu­nha ou in­ves­ti­ga­do sem in­ti­ma­ção pré­via; fo­to­gra­far ou fil­mar um pre­so sem o seu con­sen­ti­men­to ou pa­ra expô-lo a ve­xa­me; e co­lo­car al­ge­mas no de­ti­do qu­an­do não hou­ver re­sis­tên­cia à pri­são [...] ha­ve­rá tam­bém pu­ni­ção pa­ra a po­pu­lar `car­tei­ra­da' — o ato de uma au­to­ri­da­de fa­zer uso do seu car­go pa­ra exi­gir van­ta­gem ou pri­vi­lé­gio in­de­vi­do. Tam­bém se­rá pu­ni­da a au­to­ri­da­de que pro­cu­rar co­lo­car obs­tá­cu­los à aná­li­se de um pro­ces­so ao pe­dir vis­ta por tem­po ex­ces­si­vo, im­pe­din­do que ele se­ja apre­ci­a­do pe­lo ór­gão co­le­gi­a­do ao qual ela per­ten­ce”.

A cé­le­bre fra­se `vo­cê sa­be com quem es­tá fa­lan­do?', an­tro­po­lo­gi­ca­men­te ex­pli­ca­da por Ro­ber­to Da Mat­ta (1997) ao con­cluir que “o Bra­sil é hi­e­rár­qui­co, fa­mi­lis­ta, pa­tri­mo­ni­a­lis­ta e apro­va tan­to o `jei­ti­nho' quan­to um am­plo le­que de com­por­ta­men­tos si­mi­la­res”, em sua obra Car­na­vais, ma­lan­dros e he­róis – pa­ra uma so­ci­o­lo­gia do di­le­ma bra­si­lei­ro, é a tí­pi­ca ex­pres­são con­si­de­ra­da “car­tei­ra­da” pe­las au­to­ri­da­des, mas que tam­bém po­de ser usa­da por quem pen­sa ser su­pe­ri­or aos de­mais.

Um ca­so em­ble­má­ti­co foi o da agen­te de trân­si­to que dis­se “Juiz não é Deus” a um ci­da­dão nu­ma blitz da Lei Se­ca, em 2011, o qual se apre­sen­tou co­mo juiz. O ma­gis­tra­do de­ter­mi­nou a pri­são da agen­te e pos­te­ri­or­men­te ela foi con­de­na­da pe­lo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Rio de Ja­nei­ro a pa­gar in­de­ni­za­ção de R$ 5 mil por da­nos mo­rais. Um dos mais pres­ti­gi­a­dos an­tro­pó­lo­gos do país, Ro­ber­to Da Mat­ta, emi­tiu a sua opi­nião na épo­ca di­zen­do que a de­ci­são ju­di­ci­al foi cor­po­ra­ti­vis­ta e es­can­ca­rou a de­si­gual­da­de da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra.

Ao jor­nal Ex­tra33, o pes­qui­sa­dor de­cla­rou que:

“A lei é fei­ta pa­ra coi­bir de­li­tos e ori­en­tar o que fa­zer di­an­te de de­ter­mi­na­dos de­li­tos. No en­tan­to, no Bra­sil, es­sa lei de­pen­de de quem co­me­teu o de­li­to. Por exem­plo, um pro­fes­sor for­ma­do em his­tó­ria, se co­me­ter um cri­me, não se­rá pre­so ao la­do dos ou­tros que não têm um di­plo­ma de cur­so su­pe­ri­or. O tra­ta­men­to é di­fe­ren­te a par­tir daí. O juiz for­ma­do tam­bém não é jul­ga­do do mes­mo jei­to. Is­so já mos­tra co­mo a hi­e­rar­quia re­ge a so­ci­e­da­de”.

A pro­pos­ta de al­te­rar a Lei de Abu­so de Au­to­ri­da­de foi du­ra­men­te cri­ti­ca­da por juí­zes e pro­cu­ra­do­res, es­pe­ci­al­men­te pe­los que atu­am na La­va Ja­to, os quais ar­gu­men­ta­ram a pos­si­bi­li­da­de de a me­di­da abrir bre­chas pa­ra que in­ves­ti­ga­dos e jul­ga­dos po­de­ri­am pro­ces­sar as au­to­ri­da­des.

As re­ve­la­ções fei­tas pe­los ir­mãos Wes­ley e Jo­es­ley Ba­tis­ta, do­nos da J&F, con­tro­la­do­ra da JBS, de­nun­ci­a­ram o pró­prio pre­si­den­te Mi­chel Te­mer com uma gra­va­ção na qual o che­fe do Exe­cu­ti­vo su­pos­ta­men­te te­ria con­fir­ma­do ter com­pra­do o si­lên­cio do ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos Edu­ar­do Cunha. As gra­va­ções ain­da le­van­ta­ram sus­pei­tas a res­pei­to de dois mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, que fo­ram men­ci­o­na­dos nos de­poi­men­tos e gram­pos fei­tos por Jo­es­ley com acom­pa­nha­men­to da Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca e a Po­lí­cia Fe­de­ral em ações con­tro­la­das, téc­ni­ca de in­ves­ti­ga­ção pa­ra os co­la­bo­ra­do­res pro­du­zi­rem no­vas pro­vas pa­ra in­cri­mi­nar os de­la­ta­dos. Foi a mes­ma téc­ni­ca que aju­dou a po­lí­cia fla­grar o se­na­dor Aé­cio Neves pe­din­do R$ 2 mi­lhões a Jo­es­ley, no epi­só­dio em que to­da a ope­ra­ção foi re­gis­tra­da em ví­deo, in­cri­mi­nan­do tam­bém o de­pu­ta­do fe­de­ral Ro­dri­go Ro­cha Lou­res re­ce­ben­do di­nhei­ro em uma ma­la mo­ni­to­ra­da pe­los in­ves­ti­ga­do­res.

A mai­or pre­o­cu­pa­ção fi­cou no ca­so de o pró­prio STF ter mi­nis­tros sen­do de­nun­ci­a­dos nas in­ter­cep­ta­ções te­lefô­ni­cas, uma vez que ca­be àque­la Cor­te jul­gar os pro­ces­sos da La­va Ja­to en­vol­ven­do pes­so­as com di­rei­to ao fo­ro pri­vi­le­gi­a­do, in­cluin­do o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, tam­bém men­ci­o­na­do nas de­la­ções de Jo­es­ley Ba­tis­ta.

32 Dis­po­ní­vel em: http://www12.se­na­do.leg.br/no­ti­ci­as/ ma­te­ri­as/2017/04/26/se­na­do-apro­va-pro­je­to-que-al­te­ra-lei­de-abu­so-de-au­to­ri­da­de. Aces­so em: 24 maio 2017.

33 Dis­po­ní­vel em: https://ex­tra.glo­bo.com/no­ti­ci­as/ rio/me­xeu-com-um-juiz-me­xeu-com-to­dos-diz-an­tro­po­lo­go­ro­ber­to- da- mat­ta- so­bre- de­ci­sao- con­tra- agen­te- de- tran­si­to-14503800.html. Aces­so em: 24 maio 2017.

Po­rém, a in­ter­cep­ta­ção te­lefô­ni­ca da Po­lí­cia Fe­de­ral, o cha­ma­do “gram­po”, com au­to­ri­za­ção do STF que fla­grou a con­ver­sa de um mi­nis­tro do Su­pre­mo com o se­na­dor afas­ta­do Aé­cio Neves (PSDB-MG), na qual eles dis­cu­tem a apro­va­ção do pro­je­to de lei que pu­ne abu­so de au­to­ri­da­de, des­mo­ra­li­za to­tal­men­te as ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas. O en­tão se­na­dor pe­diu ao mi­nis­tro pa­ra que in­ter­ce­des­se jun­to ao se­na­dor Fle­xa Ri­bei­ro (PSDB-PA) pa­ra que ele acom­pa­nhas­se seu vo­to na ses­são.

As­sim, qual­quer au­to­ri­da­de pú­bli­ca que exer­ça sua fun­ção de for­ma com­pe­ten­te e res­pon­sá­vel, sem abu­so, não de­ve­ria se­quer se pre­o­cu­par com uma al­te­ra­ção na le­gis­la­ção pa­ra pu­nir os ex­ces­sos que sur­jam no exer­cí­cio de car­gos pú­bli­cos.

8.10 Gê­ne­ro e iden­ti­da­de

Uma dis­cus­são que se in­ten­si­fi­cou qu­an­do o go­ver­no bra­si­lei­ro de­ba­tia as pro­pos­tas pa­ra a ela­bo­ra­ção do Pla­no Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção (PNE) foi a iden­ti­da­de de gê­ne­ro. Par­ti­dos po­lí­ti­cos, or­ga­ni­za­ções ci­vis e re­li­gi­o­sas e vá­ri­as ou­tras en­ti­da­des di­zi­am te­mer que fos­se in­tro­du­zi­da em nos­so país a cha­ma­da “ide­o­lo­gia de gê­ne­ro”. Se­gun­do o Ob­ser­va­tó­rio In­te­ra­me­ri­ca­no de Bi­o­po­lí­ti­ca34 (or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal em de­fe­sa da dig­ni­da­de e dos di­rei­tos da pes­soa hu­ma­na), es­ta é a ide­o­lo­gia pe­la qual “se afir­ma que nin­guém nas­ce ho­mem ou mu­lher, mas de­ve cons­truir sua pró­pria iden­ti­da­de, is­to é, o seu gê­ne­ro, ao lon­go da vi­da”. Sen­do as­sim, “gê­ne­ro” se­ria uma cons­tru­ção pes­so­al, de­fi­ni­da pe­la pes­soa que iden­ti­fi­cas­se a si pró­pria co­mo “ho­mem” ou co­mo “mu­lher”, es­co­lhen­do sua pró­pria iden­ti­da­de.

En­tre­tan­to, se­gun­do a Childho­od (ins­ti­tui­ção in­ter­na­ci­o­nal cri­a­da em 1999 pe­la rai­nha Sil­via, da Sué­cia, com o ob­je­ti­vo de pro­te­ger a in­fân­cia e “ga­ran­tir que as cri­an­ças se­jam cri­an­ças”), a im­por­tân­cia da edu­ca­ção se­xu­al na vi­da de cri­an­ças, ado­les­cen­tes e jo­vens é es­sen­ci­al no en­fren­ta­men­to à vi­o­lên­cia. O es­cri­tó­rio da or­ga­ni­za­ção no Bra­sil en­tre­vis­tou o an­tro­pó­lo­go Fe­li­pe Are­da35, pes­qui­sa­dor do Nú­cleo de Es­tu­dos da Di­ver­si­da­de Se­xu­al e de Gê­ne­ro da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UNB) e edu­ca­dor so­ci­al da Di­re­to­ria de Ser­vi­ços Es­pe­ci­a­li­za­dos a Fa­mí­li­as e In­di­ví­du­os da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do de De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al e Trans­fe­rên­cia de Ren­da do Dis­tri­to Fe­de­ral, o qual dis­cor­reu so­bre “o de­sa­fio que a so­ci­e­da­de tem em apren­der a fa­lar so­bre o as­sun­to 'com' e não sim­ples­men­te 'pa­ra' cri­an­ças e ado­les­cen­tes, con­tri­buin­do pa­ra que eles te­nham con­di­ções de fa­zer su­as pró­pri­as de­ci­sões e se de­fen­de­rem de si­tu­a­ções de ris­co”.

Trans­cre­ve­mos al­guns tre­chos da en­tre­vis­ta pa­ra os lei­to­res com­pre­en­de­rem um pou­co da di­fe­ren­ça en­tre a ide­o­lo­gia de gê­ne­ro e ori­en­ta­ção se­xu­al, an­tes de vol­tar­mos ao de­ba­te pa­ra es­cla­re­cer me­lhor.

Em nos­sa so­ci­e­da­de, a se­xu­a­li­da­de é o ei­xo so­bre o qual cons­truí­mos nos­sa con­cep­ção so­bre as pes­so­as. Dou um exem­plo: ao ver uma mu­lher grá­vi­da, qual a pri­mei­ra per­gun­ta que lhe fa­ze­mos? O se­xo do be­bê. Só a par­tir des­sa in­for­ma­ção que con­se­gui­mos ima­gi­ná-lo. Ao se­xo, lo­go adi­ci­o­na­mos um con­jun­to de ex­pec­ta­ti­vas, que vai da cor do seu quar­to até com quem e co­mo ele se re­la­ci­o­na­rá se­xu­al­men­te. Ob­ser­ve que até en­tão a cri­an­ça nem nas­ceu. Cri­an­ças e ado­les­cen­tes são bom­bar­de­a­dos com in­for­ma­ções so­bre se­xu­a­li­da­de. In­for­ma­ções que di­tam co­mo eles e elas de­vem ou não agir. É um dis­cur­so de con­tro­le cons­truí­do des­de an­tes do nas­ci­men­to: um con­jun­to de ex­pec­ta­ti­vas so­bre o de­se­jo e o com­por­ta­men­to de uma pes­soa. É pre­ci­so que as cri­an­ças e ado­les­cen­tes te­nham o es­pa­ço de en­ca­rar seu cor­po e seu de­se­jo co­mo um cam­po de des­co­ber­ta e de cri­a­ção, e não um es­pa­ço de te­mor fren­te às ex­pec­ta­ti­vas e co­er­ção dos ou­tros.

A ori­en­ta­ção se­xu­al diz res­pei­to a co­mo uma pes­soa se sen­te em re­la­ção à afe­ti­vi­da­de e à se­xu­a­li­da­de. Por não se tra­tar ex­clu­si­va­men­te de se­xo, se­gun­do afir­mam es­pe­ci­a­lis­tas, o ter­mo mais apro­pri­a­do se­ria ori­en­ta­ção afe­ti­vo-se­xu­al, ou ro­mân­ti­ca-se­xu­al. Qu­an­do se fa­la de ori­en­ta­ção, e não de op­ção, é por en­ten­der-se que não se­ja al­go que se pos­sa mu­dar, de acor­do com o de­se­jo.

8.10.1 No­me so­ci­al e no­me ci­vil

Em mar­ço de 2015, a Re­so­lu­ção nº 12 do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Com­ba­te à Dis­cri­mi­na­ção e Pro­mo­ção dos Di­rei­tos de Lés­bi­cas, Gays, Bis­se­xu­ais, Tra­ves­tis e Tran­se­xu­ais, da Se­cre­ta­ria de Di­rei­tos Hu­ma­nos, ori­en­tou es­co­las e uni­ver­si­da­des a ga­ran­tir o aces­so e o re­co­nhe­ci­men­to de es­tu­dan­tes em su­as de­pen­dên­ci­as de acor­do com sua iden­ti­da­de de gê­ne­ro. O do­cu­men­to pre­vê ain­da que eles se­jam tra­ta­dos pe­lo no­me so­ci­al e uti­li­zem ba­nhei­ros e ves­tiá­ri­os de acor­do co­mo se

34 Dis­po­ní­vel em: http://bi­o­po­li­ti­ca.com.br/in­dex.php/ ar­ti­gos/40-vo­ce-ja-ou­viu-fa­lar-so­bre-a-ide­o­lo­gia-de-ge­ne­ro. Aces­so em: 24 maio 2017.

35 Dis­po­ní­vel em: http://www.childho­od.org.br/an­tro­po­lo­go-fa­la-so­bre-a-im­por­tan­cia-da-edu­ca­cao-se­xu­al. Aces­so em: 24 maio 2017.

iden­ti­fi­quem, sem a obri­ga­to­ri­e­da­de de ha­ver au­to­ri­za­ção do res­pon­sá­vel. Fi­ca ain­da re­co­nhe­ci­do pe­las re­des de en­si­no o no­me so­ci­al no tra­ta­men­to oral, sen­do o no­me ci­vil usa­do na emis­são de do­cu­men­tos ofi­ci­as: O tex­to as­se­gu­ra o re­co­nhe­ci­men­to da iden­ti­da­de de gê­ne­ro, que de­ve ser es­ten­di­da a es­tu­dan­tes ado­les­cen­tes.

Uma pu­bli­ca­ção da Se­cre­ta­ria de Edu­ca­ção Con­ti­nu­a­da, Al­fa­be­ti­za­ção e Di­ver­si­da­de (Se­cad/mec), de 2007, in­ti­tu­la­da Gê­ne­ro e Di­ver­si­da­de Se­xu­al na Es­co­la: re­co­nhe­cer di­fe­ren­ças e su­pe­rar pre­con­cei­tos36, já ori­en­ta­va gestores, pro­fes­so­res e pro­fis­si­o­nais da edu­ca­ção a li­da­rem com as ques­tões da di­ver­si­da­de, qu­er se­jam ét­ni­co-ra­ci­ais, de gê­ne­ro e di­ver­si­da­de se­xu­al, ge­ra­ci­o­nais, re­gi­o­nais e cul­tu­rais, bem co­mo os di­rei­tos hu­ma­nos e a edu­ca­ção am­bi­en­tal.

A pu­bli­ca­ção do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção es­cla­re­ce que as po­lí­ti­cas pro­pos­tas pa­ra a edu­ca­ção pa­ra a di­ver­si­da­de são vis­tas “co­mo fa­tor es­sen­ci­al pa­ra ga­ran­tir in­clu­são, pro­mo­ver igual­da­de de opor­tu­ni­da­des e en­fren­tar to­da sor­te de pre­con­cei­to, dis­cri­mi­na­ção e vi­o­lên­cia, es­pe­ci­al­men­te no que se re­fe­re a ques­tões de gê­ne­ro e se­xu­a­li­da­de”.

Con­tu­do, em abril de 2017, de­pois de aca­lo­ra­dos de­ba­tes, a ver­são fi­nal do do­cu­men­to da Ba­se Na­ci­o­nal Co­mum Cur­ri­cu­lar (BNCC) en­tre­gue ao Con­se­lho Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção (CNE), o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção re­ti­rou tre­chos que di­zi­am es­pe­ci­fi­ca­men­te que os es­tu­dan­tes te­ri­am que res­pei­tar a ori­en­ta­ção se­xu­al dos de­mais alu­nos. Fo­ram su­pri­mi­dos os ter­mos “ori­en­ta­ção se­xu­al” e “gê­ne­ro”, uma vez que o tre­cho “iden­ti­da­de de gê­ne­ro, ori­en­ta­ção se­xu­al” foi re­ti­ra­do e ape­nas “[...] apa­rên­cia, et­nia, re­li­gião, se­xo ou quais­quer ou­tros atri­bu­tos [...]” pas­sou a cons­tar do tex­to.

De acor­do com o jor­nal O Glo­bo37,

“no mes­mo dia em que o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção de­ci­diu re­ti­rar ex­pres­sões co­mo “iden­ti­da­de de gê­ne­ro” e “ori­en­ta­ção se­xu­al” da Ba­se Na­ci­o­nal Co­mum Cur­ri­cu­lar, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer re­ce­beu um ba­ta­lhão de cer­ca de vin­te de­pu­ta­dos, [...] que pe­diu apoio pa­ra se­pul­tar ações do go­ver­no que os re-

Em um ar­ti­go de An­dré Sid­nei Mus­s­kopf, in­ti­tu­la­do Qu­an­do se­xo, gê­ne­ro e se­xu­a­li­da­de se en­con­tram38, o au­tor traz uma de­fi­ni­ção in­te­res­san­te. Ve­ja­mos:

Se­xo: re­fe­re-se ao da­do fí­si­co-bi­o­ló­gi­co, mar­ca­do pe­la pre­sen­ça de apa­re­lho ge­ni­tal e ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas fi­si­o­ló­gi­cas que di­fe­ren­ci­am os se­res hu­ma­nos co­mo ma­chos e fê­me­as. Além des­tas, a par­tir de pes­qui­sas re­cen­tes, tam­bém o có­di­go ge­né­ti­co pre­ci­sa ser con­si­de­ra­do na cons­ti­tui­ção do se­xo, o que com­ple­xi­fi­ca as de­fi­ni­ções nes­te âm­bi­to, cu­jo prin­ci­pal exem­plo são as inú­me­ras for­mas de in­ter­se­xu­a­li­da­de.

Gê­ne­ro: re­fe­re-se ao da­do so­ci­al, for­ma­do por um aparato de re­gras e pa­drões de cons­tru­ção cor­po­ral e com­por­ta­men­to que con­fi­gu­ram a iden­ti­da­de so­ci­al das pes­so­as a par­tir do subs­tra­to fí­si­co-bi­o­ló­gi­co, do que re­sul­tam iden­ti­fi­ca­ções co­mo mas­cu­li­no e fe­mi­ni­no, bem co­mo as múl­ti­plas va­ri­an­tes que des­vi­am da nor­ma, co­mo an­dro­gi­nia, tra­ves­tis­mo, efe­mi­na­ção ou mas­cu­li­ni­za­ção, por exem­plo.

Se­xu­a­li­da­de: re­fe­re-se ao da­do se­xu­al, que se de­fi­ne pe­las prá­ti­cas eró­ti­co-se­xu­ais nas quais as pes­so­as se en­vol­vem, bem co­mo pe­lo de­se­jo e atra­ção que le­va a sua ex­pres­são (ou não) atra­vés de de­ter­mi­na­das prá­ti­cas. Es­se da­do tam­bém é cha­ma­do por al­guns de “ori­en­ta­ção se­xu­al”, e co­mu­men­te clas­si­fi­ca as pes­so­as em “he­te­ros­se­xu­ais”, “ho­mos­se­xu­ais” e “bis­se­xu­ais”.

Fa­bío­la Roh­den, pro­fes­so­ra ad­jun­ta do Ins­ti­tu­to de Me­di­ci­na So­ci­al, da Uni­ver­si­da­de do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro, des­ta­ca um tra­ba­lho aca­dê­mi­co in­ti­tu­la­do Gê­ne­ro, se­xu­a­li­da­de e ra­ça/et­nia: de­sa­fi­os trans­ver­sais na for­ma­ção do pro­fes­sor que foi ela­bo­ra­do pa­ra apre­sen­tar “uma ex­pe­ri­ên­cia pi­lo­to de for­ma­ção a dis­tân­cia de pro­fis­si­o­nais de edu­ca­ção nas te­má­ti­cas de gê­ne­ro, se­xu­a­li­da­de, ori­en­ta­ção se­xu­al e re­la­ções ét­ni­co-ra­ci­ais”. A pro­fes­so­ra res­sal­ta que: “Ape­sar de to­dos os avan­ços e con­quis­tas das mu­lhe­res na di­re­ção da equi­da­de de gê­ne­ro, per­sis­te no Bra­sil uma for­ma

36 Dis­po­ní­vel em: http://pro­na­cam­po.mec.gov.br/ima­ges/ pdf/bib_­cad4_­gen_­div_­prec.pdf. Aces­so em: 25 maio 2017.

37 Dis­po­ní­vel em: https://oglo­bo.glo­bo.com/so­ci­e­da­de/ edu­ca­cao/ban­ca­da-re­li­gi­o­sa-pe­diu-te­mer-re­ti­ra­da-de-ques­ta­o­de-ge­ne­ro-da-ba­se-21179389. Aces­so em: 25 maio 2017. li­gi­o­sos de­sa­pro­vam. Além pe­dir a ex­clu­são da dis­cus­são so­bre ide­o­lo­gia de gê­ne­ro na ba­se cur­ri­cu­lar do MEC, re­pre­sen­tan­tes das fren­tes parlamentares evan­gé­li­ca, ca­tó­li­ca, an­ti­dro­gas e em de­fe­sa da vi­da pe­di­ram ain­da ao pre­si­den­te que tra­ba­lhe con­tra a li­be­ra­ção da ma­co­nha, do abor­to até do­ze se­ma­nas de ges­ta­ção, e do uso de ba­nhei­ros de acor­do com o gê­ne­ro com o qual as pes­so­as se iden­ti­fi­cam”.

38 Dis­po­ní­vel em: http:// re­vis­tas. uni­si­nos. br/ in­dex. php/his­to­ria/ar­ti­cle/vi­ew/6428. Aces­so em: 25 maio 2017.

de ma­ni­fes­ta­ção de po­der mas­cu­li­no por meio de vi­o­lên­cia fí­si­ca, se­xu­al ou psi­co­ló­gi­ca que agri­de não só as mu­lhe­res, mas tam­bém os ho­mens que não se com­por­tam de acor­do com os rí­gi­dos pa­drões do­mi­nan­tes de mas­cu­li­ni­da­de”. A re­por­ta­gem da agên­cia de no­tí­ci­as go­ver­na­men­tal EBC39 in­for­mou que:

“O se­cre­tá­rio de Edu­ca­ção do Ce­a­rá e pre­si­den­te do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Se­cre­tá­ri­os de Edu­ca­ção (Con­sed), Idil­van Alen­car, achou `es­tra­nhas' as al­te­ra­ções ao afir­mar que achou `um des­res­pei­to com to­do o de­ba­te que foi fei­to [...] Re­ti­rar o de­ba­te da ori­en­ta­ção se­xu­al e da iden­ti­da­de de gê­ne­ro mas­ca­ra a si­tu­a­ção re­al que exis­te na es­co­la ho­je. Uma das cau­sas do aban­do­no é a ho­mo­fo­bia. Qu­an­do se re­ti­ra is­so da BNCC, se afas­ta do mun­do re­al, é mui­to gra­ve'”.

8.11 Sex­ting e sha­ming

Em maio de 2015, uma pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­la Sa­fer­net (uma or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal de com­ba­te à por­no­gra­fia in­fan­til) ve­ri­fi­cou o com­par­ti­lha­men­to de fotos ín­ti­mas em si­tes e apli­ca­ti­vos de dis­po­si­ti­vos mó­veis, por exem­plo, o Whatsapp, com o qual jo­vens cri­am gru­pos e di­vul­gam in­for­ma­ções pa­ra to­dos os ami­gos de uma vez. A Agên­cia Bra­sil (EBC) di­vul­gou o le­van­ta­men­to

40 da re­fe­ri­da ONG, que apon­ta o re­gis­tro de 224 ca­sos de sex­ting (prá­ti­ca de en­vi­ar men­sa­gens, fotos ou ví­de­os se­xu­al­men­te ex­plí­ci­tos pe­lo ce­lu­lar) em 2014. A mai­o­ria dos ca­sos es­tá re­la­ci­o­na­da mui­tas ve­zes ao cha­ma­do re­ven­ge porn (por­no­gra­fia da vin­gan­ça). A Sa­fer­net con­ta com o apoio do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e da Po­lí­cia Fe­de­ral, além da se­cre­ta­ria de Di­rei­tos Hu­ma­nos pa­ra re­a­li­zar cam­pa­nhas de aler­ta, in­clu­si­ve com de­poi­men­tos de jo­vens que fo­ram ví­ti­mas de sex­ting. Se­gun­do a re­por­ta­gem da EBC, “os re­la­tos, em ge­ral, en­vol­vem ame­a­ças, so­fri­men­to e o me­do da re­a­ção de ou­tras pes­so­as”.

Ain­da na mes­ma ma­té­ria pu­bli­ca­da pe­la EBC, Ju­li­a­na Cunha, psi­có­lo­ga e co­or­de­na­do­ra do ca­nal de aju­da da Sa­fer­net, dis­se que me­ni­nos e me­ni­nas pro­du­zem e com­par­ti­lham ima­gens ín­ti­mas, mas as mu­lhe­res são as que mais so­frem. Em 2014, mais de 80% das pes­so­as que pe­di­ram aju­da à ONG eram mu­lhe­res. A psi­có­lo­ga in­for­mou que:

“Nos úl­ti­mos anos, a gen­te per­ce­beu um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo de de­nún­ci­as de me­ni­nas que ti­ve­ram fotos ín­ti­mas ex­pos­tas na in­ter­net, o que nos fez per­ce­ber que es­se te­ma é mui­to im­por­tan­te e sen­sí­vel, por­que o so­fri­men­to é mui­to gran­de. Há dois anos ti­ve­mos um ca­so, que foi am­pla­men­te no­ti­ci­a­do, de du­as me­ni­nas que não su­por­ta­ram a pres­são e co­me­te­ram sui­cí­dio”.

A or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal Ma­ri­as da In­ter­net (ma­ri­as­dain­ter­net.com.br) traz di­cas de co­mo as mu­lhe­res po­dem evi­tar pas­sar pe­la hor­ri­pi­lan­te si­tu­a­ção de ter su­as fotos ín­ti­mas di­vul­ga­das na in­ter­net co­mo for­ma de vin­gan­ça pe­lo ex-na­mo­ra­do ou com­pa­nhei­ro. A fun­da­do­ra da ONG, a jor­na­lis­ta Ro­se Le­o­nel, te­ve a sua vi­da to­tal­men­te vi­ra­da do aves­so e de pon­ta-ca­be­ça em fun­ção do “lin­cha­men­to” que so­freu após o ex-par­cei­ro ter di­vul­ga­do fotos e ví­de­os ín­ti­mos não só na re­de, mas tam­bém dis­tri­buí­dos em CDS em con­do­mí­ni­os re­si­den­ci­ais e co­mer­ci­ais na lo­ca­li­da­de em que vi­via.

O Pro­je­to de Lei com o ob­je­ti­vo de in­se­rir na Lei Ma­ria da Pe­nha o cri­me de di­vul­ga­ção de fotos e ví­de­os com ce­nas de se­xo e nu­dez, de ca­rá­ter pri­va­do, sem o con­sen­ti­men­to da ou­tra par­te, foi apro­va­do na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e aguar­da a re­vi­são no Se­na­do. Se­ria um agra­va­men­to do ato clas­si­fi­ca­do atu­al­men­te ape­nas co­mo di­fa­ma­ção (im­pu­tar fa­to ofen­si­vo à re­pu­ta­ção) ou in­jú­ria (ofen­der a dig­ni­da­de ou de­co­ro), se­gun­do os ar­ti­gos 139 e 140 do Có­di­go Pe­nal.

No ca­so de me­no­res de 18 anos, o ar­ti­go 241 do Es­ta­tu­to da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te (ECA) con­si­de­ra cri­me gra­ve a di­vul­ga­ção de fotos, gra­va­ções ou ima­gens em si­tu­a­ção de se­xo ex­plí­ci­to ou por­no­grá­fi­ca, im­pu­tan­do pe­na de 3 a 6 anos de re­clu­são e mul­ta pa­ra quem pu­bli­car ma­te­ri­ais que con­te­nham es­ses ti­pos de ce­nas.

Em fe­ve­rei­ro de 2017, os parlamentares apro­va­ram em ple­ná­rio o pro­je­to que mo­di­fi­ca a Lei Ma­ria da Pe­nha (Lei nº 11.340/06) pa­ra ti­pi­fi­car no­va for­ma de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e fa­mi­li­ar con­tra a mu­lher: a di­vul­ga­ção de ví­de­os e fotos ín­ti­mas na in­ter­net. A no­va me­di­da mo­di­fi­ca­rá tam­bém o Có­di­go Pe­nal, de mo­do que es­se ti­po de cri­me se­ja mais abran­gen­te e pro­te­ja tam­bém os ho­mens que fo­rem ví­ti­mas des­ses

39 Dis­po­ní­vel em: http://agen­ci­a­bra­sil.ebc.com.br/edu­ca­cao/no­ti­cia/2017-04/mec-re­ti­ra-ter­mo-ori­en­ta­cao-se­xu­al­da-ver­sao-fi­nal-da-ba­se-cur­ri­cu­lar. Aces­so em: 24 maio 2017.

40 Dis­po­ní­vel em: http:// agen­ci­a­bra­sil. ebc. com. br/ di­rei­tos- hu­ma­nos/ no­ti­cia/ 2015- 05/ re­gis­tros- de- ca­sos- de­com­par­ti­lha­men­to-de-fotos-in­ti­mas-au­men­tam. Aces­so em: 25 maio 2017.

à es­co­la­ri­da­de, con­si­de­ra­do de di­fí­cil aces­so à po­pu­la­ção ne­gra. Ape­sar de o nú­me­ro de ne­gros cur­san­do o en­si­no su­pe­ri­or ter do­bra­do em ra­zão das po­lí­ti­cas de ações afir­ma­ti­vas dos go­ver­nos da úl­ti­ma dé­ca­da, so­men­te 12,8% des­sa po­pu­la­ção che­gou ao ní­vel su­pe­ri­or, en­quan­to os bran­cos de ní­vel su­pe­ri­or re­pre­sen­tam 26,5% do to­tal.

Em 2005, um ano após a im­ple­men­ta­ção de ações afir­ma­ti­vas, co­mo as co­tas, ape­nas 5,5% dos jo­vens pre­tos ou par­dos na clas­si­fi­ca­ção do IBGE e em ida­de uni­ver­si­tá­ria fre­quen­ta­vam uma fa­cul­da­de. Em 2015, 12,8% dos ne­gros en­tre 18 e 24 anos che­ga­ram ao ní­vel su­pe­ri­or, se­gun­do o Cen­so da Edu­ca­ção Su­pe­ri­or de 2015, re­a­li­za­do pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­tu­dos e Pes­qui­sas Edu­ca­ci­o­nais Aní­sio Tei­xei­ra (Inep), o qual re­ve­lou que o nú­me­ro de ne­gros e par­dos no en­si­no su­pe­ri­or no Bra­sil au­men­tou.

Uma pes­qui­sa re­a­li­za­da em con­jun­to pe­lo Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PNUD) no Bra­sil, o Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca e Apli­ca­da (Ipea) e a Fun­da­ção João Pi­nhei­ro (FJP), di­vul­ga­da no jor­nal O Es­ta­do de São Pau­lo44 (Es­ta­dão), em me­a­dos de maio de 2017, re­ve­lou que “Ape­sar dos avan­ços ob­ti­dos na qua­li­da­de de vi­da nes­te sé­cu­lo, a po­pu­la­ção ne­gra bra­si­lei­ra ain­da tem um Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no (IDH) me­nor que a po­pu­la­ção bran­ca e foi so­men­te em 2010 que os ne­gros al­can­ça­ram um pa­ta­mar que os bran­cos já pos­suíam des­de 2000”.

8.12.1 Po­lí­ti­ca de co­tas pa­ra afro­des­cen­den­tes

Há 127 anos, a Lei nº 3.353, que fi­cou co­nhe­ci­da por Lei Áu­rea, foi as­si­na­da pe­la prin­ce­sa Isabel e de­cla­rou o fim da es­cra­vi­dão no Bra­sil. A po­lí­ti­ca de re­ser­va de va­gas pa­ra ne­gros, co­mo com­pen­sa­ção pe­las ma­ze­las his­tó­ri­cas da es­cra­vi­dão, abre uma dis­cus­são dos re­fle­xos do sis­te­ma es­cra­va­gis­ta, um dos fa­to­res res­pon­sá­veis pe­la exis­tên­cia do ra­cis­mo na so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra.

Na in­tro­du­ção das “Di­re­tri­zes Cur­ri­cu­la­res Na­ci­o­nais pa­ra a Edu­ca­ção das Re­la­ções Ét­ni­co-ra­ci­ais e pa­ra o En­si­no de His­tó­ria e Cul­tu­ra Afro-bra­si­lei­ra e Afri­ca­na”, há um fa­to his­tó­ri­co que pre­ci­sa ser le­va­do em con­si­de­ra­ção em ra­zão de lem­brar a to­dos nós de que o De­cre­to nº 1.331, de 17 de fe­ve­rei­ro de 1854, es­ta­be­le­cia que nas es­co­las pú­bli­cas do país não se­ri­am ad­mi­ti­dos es­cra­vos, e a previsão de ins­tru­ção pa­ra adul­tos ne­gros de­pen­dia da dis­po­ni­bi­li­da­de de pro­fes­so­res. Além dis­so, o De­cre­to nº 7.031-A, de 6 de se­tem­bro de 1878, es­ta­be­le­cia que os ne­gros só po­di­am es­tu­dar no pe­río­do no­tur­no, e di­ver­sas es­tra­té­gi­as fo­ram mon­ta­das no sen­ti­do de im­pe­dir o aces­so ple­no des­sa po­pu­la­ção aos ban­cos es­co­la­res.

A cha­ma­da Lei das Co­tas (Lei nº 12.711, de 29 de agos­to de 2012) obri­gou as uni­ver­si­da­des, ins­ti­tu­tos e cen­tros fe­de­rais a re­ser­va­rem va­gas pa­ra can­di­da­tos co­tis­tas. Há quem de­cla­re ser con­tra a po­lí­ti­ca de co­tas, ar­gu­men­tan­do que a cor da pe­le não de­fi­ne o fu­tu­ro de nin­guém, mas sim su­as es­co­lhas. Es­sa de­fe­sa da me­ri­to­cra­cia po­de não ser uma ar­gu­men­ta­ção vá­li­da, nem ló­gi­ca, já que a cor da pe­le não é ca­paz de de­fi­nir o fu­tu­ro de uma pes­soa, mas cer­ta­men­te in­ter­fe­riu no pas­sa­do de mui­ta gen­te. A so­ci­e­da­de bran­ca tem uma dí­vi­da com os ne­gros, uma vez que os im­pe­di­ram de te­rem su­as es­co­lhas li­vres por sé­cu­los. Se pa­ra al­guns o pas­sa­do fa­mi­li­ar tem uma in­fluên­cia, uma par­ti­ci­pa­ção, por que pa­ra os ne­gros (pre­tos e par­dos) o pas­sa­do não te­ria ne­nhu­ma li­ga­ção com o seu atu­al con­tex­to so­ci­al, econô­mi­co, cul­tu­ral e es­pe­ci­al­men­te de es­co­la­ri­za­ção?

A po­lí­ti­ca de co­tas am­plia a dis­cus­são so­bre o ra­cis­mo no Bra­sil. Al­gu­mas pes­so­as po­dem di­zer que tem pa­ren­tes po­bres e ne­ces­si­ta­dos. En­quan­to al­guns de­les são bran­cos, ou­tros são ne­gros. Por que, en­tão, os ne­gros de­vem me­re­cer o pri­vi­lé­gio de ter uma co­ta e os bran­cos não, se to­dos ne­ces­si­tam de apoio go­ver­na­men­tal?

Em maio de 2017, a Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Cam­pi­nas (Uni­camp) apro­vou co­tas ra­ci­ais, além de co­tas pa­ra es­tu­dan­tes de es­co­las pú­bli­cas e in­dí­ge­nas, mas a uni­ver­si­da­de já con­ta­va com al­guns pro­gra­mas re­la­ci­o­na­dos a po­lí­ti­cas de in­clu­são.

Em seu cur­to man­da­to fren­te ao Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, Renato Ja­ni­ne Ri­bei­ro, mi­nis­tro da Edu­ca­ção, de­fen­deu, em maio de 2015, que “po­lí­ti­cas de ação afir­ma­ti­va, co­mo as co­tas ra­ci­ais e so­ci­ais, se­rão ne­ces­sá­ri­as en­quan­to hou­ver ra­cis­mo”, de acor­do com o si­te de no­tí­ci­as G145. Pa­ra Ri­bei­ro, so­men­te qu­an­do hou­ver uma “igual­da­de ét­ni­ca, de ver­da­de, qu­an­do

44 Dis­po­ní­vel em: http://bra­sil.es­ta­dao.com.br/no­ti­ci­as/ ge­ral,ne­gros-tem-idh-que-bran­cos-ti­nham-em-2000-mos­tra­pes­qui­sa,70001770848. Aces­so em: 3 jun. 2017.

45 Dis­po­ní­vel em: http://g1.glo­bo.com/edu­ca­cao/no­ti­cia/2015/05/co­tas-se­rao-ne­ces­sa­ri­as-en­quan­to-hou­ver-ra­cis­mo­diz-ja­ni­ne-ri­bei­ro.html. Aces­so em: 3 jun. 2017.

nin­guém for dis­cri­mi­na­do por ser ne­gro, ou des­cen­den­te de ne­gro, ou in­dí­ge­na, ou ou­tros ca­sos é que o Bra­sil não vai pre­ci­sar de co­tas”.

Se­gun­do o IBGE, a ren­da dos ne­gros é 40% me­nor do que a dos bran­cos. O Ín­di­ce de Vul­ne­ra­bi­li­da­de Ju­ve­nil apon­ta que o jo­vem ne­gro tem 2,5 ve­zes mais ris­co de ser as­sas­si­na­do, en­quan­to o Ma­pa do En­car­ce­ra­men­to re­ve­la que 60,8% da po­pu­la­ção car­ce­rá­ria bra­si­lei­ra é ne­gra.

8.12.2 Vi­o­lên­cia no Bra­sil

O Atlas da Vi­o­lên­cia 2017, di­vul­ga­do pe­lo Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da (Ipea), no dia 5 de ju­nho, in­di­ca que a prin­ci­pal ví­ti­ma do ge­no­cí­dio no país é o jo­vem, ne­gro, po­bre e de bai­xa es­co­la­ri­da­de – me­ta­de das mor­tes oca­si­o­na­das por as­sas­si­na­tos de jo­vens na fai­xa etá­ria en­tre 15 a 29 anos no Bra­sil atin­ge exa­ta­men­te no per­fil men­ci­o­na­do.

A pes­qui­sa do Ipea46 em con­jun­to com o Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (FBSP), uma or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal es­pe­ci­a­li­za­da no es­tu­do de da­dos do Sis­te­ma de In­for­ma­ção so­bre Mor­ta­li­da­de (SIM), do Mi­nis­té­rio da Saú­de, de­mons­trou que a ta­xa de ho­mi­cí­di­os por 100 mil pes­so­as nes­sa fai­xa etá­ria cres­ceu 17,2% en­tre 2005 e 2015. A pes­qui­sa re­ve­lou que, de ca­da cem pes­so­as as­sas­si­na­das no Bra­sil, 71 são ne­gras.

O Atlas uti­li­zou in­for­ma­ções dos re­gis­tros po­li­ci­ais pu­bli­ca­das no 10º Anuá­rio Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, do FBSP. O es­tu­do con­si­de­rou as mor­tes por agres­são (ho­mi­cí­dio) e as mor­tes vi­o­len­tas por cau­sa in­de­ter­mi­na­da (MVCI), re­ve­lan­do que os ne­gros pos­su­em chan­ces 23,5% mai­o­res de se­rem as­sas­si­na­dos em re­la­ção a bra­si­lei­ros de ou­tras ra­ças, já des­con­ta­do o efei­to da ida­de, es­co­la­ri­da­de, do se­xo, es­ta­do ci­vil e bair­ro de re­si­dên­cia.

In­se­ri­mos o in­fo­grá­fi­co do Ma­pa da Vi­o­lên­cia, uma vez que exis­te uma gran­de pro­ba­bi­li­da­de de as in­for­ma­ções ne­le con­ti­das apa­re­ce­rem nas pro­vas de ves­ti­bu­la­res e do Enem em 2017.

46 Dis­po­ní­vel em: http://www.ipea.gov.br. Aces­so em: 5 jun. 2017.

Uma pes­qui­sa em­pre­en­di­da pe­lo so­ció­lo­go Mar­cos Ro­lim, que en­tre­vis­tou jo­vens de 16 a 20 anos que cum­prem me­di­das so­ci­o­e­du­ca­ti­vas na Fun­da­ção de Aten­di­men­to So­ci­o­e­du­ca­ti­vo (Fa­se) do Rio Gran­de do Sul, iden­ti­fi­cou ser a eva­são es­co­lar a raiz da vi­o­lên­cia ex­tre­ma no Bra­sil. A pes­qui­sa fez par­te da te­se de dou­to­ra­men­to e vi­rou o li­vro in­ti­tu­la­do A for­ma­ção dos jo­vens vi­o­len­tos, tra­zen­do a cons­ta­ta­ção de que os in­fra­to­res ti­nham lar­ga­do a es­co­la en­tre 11 e 12 anos.

De acor­do com a re­por­ta­gem do jor­na­lis­ta Thi­a­go Gui­ma­rães, da BBC Bra­sil47 em São Pau­lo, o so­ció­lo­go “es­pe­ra­va que pre­va­le­ces­sem, no gru­po dos ma­ta­do­res, re­la­tos de vi­o­lên­cia fa­mi­li­ar e uso de drogas, mas ou­tro fa­tor se des­ta­cou: a eva­são es­co­lar (qu­an­do o alu­no dei­xa de fre­quen­tar a es­co­la). Ali­a­do a is­so, so­ma-se a apro­xi­ma­ção com gru­pos ar­ma­dos que `trei­nam' es­ses jo­vens a se­rem vi­o­len­tos”. A con­clu­são a que o so­ció­lo­go che­gou é que a pre­ven­ção da cri­mi­na­li­da­de de­ve le­var em con­ta a re­du­ção da eva­são es­co­lar, as­pec­to que cos­tu­ma ser ne­gli­gen­ci­a­do no Bra­sil qu­an­do o as­sun­to é se­gu­ran­ça pú­bli­ca.

Já Luís Flávio Sa­po­ri, pro­fes­sor do cur­so de Ci­ên­ci­as So­ci­ais e co­or­de­na­dor do Cen­tro de Es­tu­dos e Pes­qui­sa em Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca da PUC Mi­nas, em en­tre­vis­ta con­ce­di­da à jor­na­lis­ta Patrícia Fa­chin, do Ins­ti­tu­to Hu­ma­ni­tas Uni­si­nos (IHU) 48, no fi­nal do mês de maio de 2017, oca­sião em que par­ti­ci­pou do 5º Ci­clo de Es­tu­dos Me­tró­po­les. Po­lí­ti­cas Pú­bli­cas e Tec­no­lo­gi­as de Go­ver­no – A cen­tra­li­da­de das Pe­ri­fe­ri­as, mi­nis­tran­do a pa­les­tra A es­ca­la­da da vi­o­lên­cia di­an­te dos avan­ços econô­mi­co-so­ci­ais, afir­mou que:

O trá­fi­co de drogas se sus­ten­ta e se im­põe nas pe­ri­fe­ri­as bra­si­lei­ras de Nor­te a Sul por pe­lo me­nos du­as ra­zões. De um la­do, por­que mui­tos tra­fi­can­tes são oriun­dos des­sas co­mu­ni­da­des e ve­em no co­mér­cio da dro­ga uma opor­tu­ni­da­de ím­par de en­ri­que­cer. Es­ta é a mo­ti­va­ção bá­si­ca do trá­fi­co: ga­nhar di­nhei­ro e re­a­li­zar os de­se­jos que qual­quer um de nós tem de con­su­mo, de aqui­si­ção de bens ma­te­ri­ais. De ou­tro, por­que his­to­ri­ca­men­te a pe­ri­fe­ria sem­pre foi um ter­ri­tó­rio da ci­da­de dei­xa­do em se­gun­do pla­no pe­las eli­tes bra­si­lei­ras; es­se é o la­do per­ver­so da de­si­gual­da­de. [...] A ili­ci­tu­de, em boa me­di­da, é a mar­ca his­tó­ri­ca des­ses ter­ri­tó­ri­os, e o trá­fi­co ape­nas vem nes­se bo­jo e se apro­vei­ta des­sa his­tó­ria de um ter­ri­tó­rio re­le­ga­do a se­gun­do pla­no.

O pro­fes­sor Sa­po­ri, que es­te­ve à fren­te da Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca do Es­ta­do de Mi­nas Ge­rais de 2003 a 2007, des­ta­cou que a ra­zão do trá­fi­co de drogas é es­tri­ta­men­te “econô­mi­ca” e é jus­ta­men­te por is­so que os tra­fi­can­tes dis­pu­tam ter­ri­tó­ri­os nas ci­da­des. Além dis­so, o so­ció­lo­go afir­mou que, nas pe­ri­fe­ri­as, o trá­fi­co “se con­so­li­dou com uma es­tru­tu­ra mui­to con­fli­tu­o­sa” e

“se apre­sen­tou atra­vés de uma re­de de co­mer­ci­a­li­za­ção ba­se­a­da em gan­gues ju­ve­nis com uma es­tru­tu­ra in­ci­pi­en­te: ele não é tão or­ga­ni­za­do no va­re­jo co­mo foi em paí­ses co­mo a Colôm­bia, em que exis­ti­am vá­ri­as qua­dri­lhas di­vi­din­do a ven­da da dro­ga em vá­ri­as fa­ve­las. Es­sa pul­ve­ri­za­ção sig­ni­fi­cou, na prá­ti­ca, uma dis­pu­ta por ter­ri­tó­ri­os, por cli­en­te­la, por acer­tos de con­tas, por cor­rup­ção po­li­ci­al, com uso de mui­ta ar­ma de fo­go”.

Na en­tre­vis­ta, ao ser per­gun­ta­do so­bre a ação do pre­fei­to João Do­ria na Cra­co­lân­dia, o so­ció­lo­go res­pon­deu que:

O de­sa­fio ago­ra não é mais po­li­ci­al, e a abor­da­gem de­ve se dar do mo­do co­mo eles co­me­ça­ram a fa­zer, ou se­ja, ofe­re­cen­do as­sis­tên­cia aos de­pen­den­tes quí­mi­cos. Do­ria es­tá se cons­ci­en­ti­zan­do que es­se pro­ces­so não se­rá rá­pi­do, e é um er­ro ele achar que po­de­rá fa­zer in­ter­na­ção de usuá­ri­os à for­ça. Ele er­rou ao so­li­ci­tar uma au­to­ri­za­ção ju­di­ci­al pa­ra a pre­fei­tu­ra de­ter­mi­nar quem se­ria com­pul­so­ri­a­men­te ou não in­ter­na­do. Tem que fa­zer as equi­pes mul­ti­dis­ci­pli­na­res abor­da­rem os usuá­ri­os e ofe­re­ce­rem tra­ta­men­to àque­les que que­rem re­ce­bê-lo, e es­se tem que ser um pro­ces­so diá­rio, inin­ter­rup­ta­men­te.

O Cen­so Es­co­lar da Edu­ca­ção Bá­si­ca 201649, di­vul­gou, em fe­ve­rei­ro de 2017, a pes­qui­sa re­a­li­za­da anu­al­men­te pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­tu­dos e Pes­qui­sas Edu­ca­ci­o­nais Aní­sio Tei­xei­ra (Inep) em articulação com as Se­cre­ta­ri­as Es­ta­du­ais de edu­ca­ção das 27 uni­da­des da fe­de­ra­ção. O es­tu­do re­ve­lou que o en­si­no fun­da­men­tal é a mai­or eta­pa de to­da edu­ca­ção bá­si­ca, ul­tra­pas­san­do 27,5 mi­lhões de ma­trí­cu­las – 15,3 mi­lhões nos anos ini­ci­ais e 12,2 mi­lhões nos anos fi­nais – des­ta­can­do co­mo fa­tor de ele­va­da pre­o­cu­pa­ção a “al­ta ta­xa de não apro­va­ção no 3º ano (eta­pa tí­pi­ca de um alu­no de 8 anos e no fi­nal do ci­clo de al­fa­be­ti­za­ção) e tam­bém as

47 Dis­po­ní­vel em: http://www.bbc.com/por­tu­gue­se/ bra­sil-40006165. Aces­so em: 5 jun. 2017.

48 Dis­po­ní­vel em: http://www.ihu.uni­si­nos.br/568326a-ra­ci­o­na­li­da­de-eco­no­mi­ca-sus­ten­ta-o-tra­fi­co-de-drogas-de­nor­te-a-sul-do-bra­sil-en­tre­vis­ta-es­pe­ci­al-com-luis-fla­vio-sa­po­ri. Aces­so em: 5 jun. 2017.

49 Dis­po­ní­vel em: http://down­lo­ad.inep.gov.br/edu­ca­ca­o_­ba­si­ca/cen­so_es­co­lar/no­tas_es­ta­tis­ti­cas/2017/no­tas_es­ta­tis­ti­cas_­cen­so_es­co­lar_­da_e­du­ca­ca­o_­ba­si­ca_2016.pdf. Aces­so em: 5 jun. 2017.

al­tas ta­xas nas sé­ri­es in­tro­du­tó­ri­as dos anos fi­nais e do en­si­no mé­dio”. O es­tu­do cons­ta­tou ain­da que “ape­sar de os alu­nos das re­des pú­bli­ca e pri­va­da apre­sen­ta­rem um ris­co si­mi­lar de in­su­ces­so no pri­mei­ro ano do en­si­no fun­da­men­tal, nas sé­ri­es sub­se­quen­tes o ris­co de in­su­ces­so dos alu­nos ma­tri­cu­la­dos na re­de pú­bli­ca é con­si­de­ra­vel­men­te su­pe­ri­or”.

Um es­tu­do do Mo­vi­men­to To­dos Pe­la Edu­ca­ção, com ba­se na Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­li­os (Pnad), do IBGE, di­vul­ga­do no iní­cio do mês de abril de 2017, de­mons­trou que cer­ca de 41,5% dos jo­vens de 19 anos não ha­vi­am ter­mi­na­do o en­si­no mé­dio em 2015. A edu­ca­ção pú­bli­ca apre­sen­tou o tris­te re­sul­ta­do no pe­río­do da pes­qui­sa de ter 2,4 mi­lhões de cri­an­ças e jo­vens de qua­tro a 17 anos fo­ra dos ban­cos es­co­la­res e ter me­nos de 60% dos jo­vens de até 19 anos que con­clu­em o en­si­no mé­dio. A eva­são es­co­lar nos en­si­nos fun­da­men­tal e mé­dio am­plia o gra­ve pro­ble­ma da en­tra­da de jo­vens pa­ra o mun­do do cri­me com ida­des ca­da vez me­no­res.

8.12.3 Ra­cis­mo e o ge­no­cí­dio de ne­gros no Bra­sil

No fi­nal de fe­ve­rei­ro de 2017, a Anis­tia In­ter­na­ci­o­nal lan­çou o re­la­tó­rio anu­al O Es­ta­do dos Di­rei­tos Hu­ma­nos no Mun­do 2016/201750, des­ta­can­do pro­ble­mas de se­gu­ran­ça pú­bli­ca mar­ca­dos pe­lo al­to nú­me­ro de ho­mi­cí­di­os de jo­vens ne­gros e um au­men­to no nú­me­ro de ho­mi­cí­di­os pe­la po­lí­cia, pau­ta­da pe­la gu­er­ra às drogas.

A pu­bli­ca­ção traz in­for­ma­ções so­bre di­ver­sas re­giões do mun­do e des­ta­cou que no Bra­sil “a po­lí­cia con­ti­nu­ou a fa­zer uso des­ne­ces­sá­rio e ex­ces­si­vo da for­ça, em es­pe­ci­al no con­tex­to dos pro­tes­tos. Jo­vens ne­gros, prin­ci­pal­men­te os que mo­ram em fa­ve­las e pe­ri­fe­ri­as, fo­ram des­pro­por­ci­o­nal­men­te afe­ta­dos pe­la vi­o­lên­cia por par­te de po­li­ci­ais”. Ain­da se­gun­do o re­la­tó­rio:

“Em mar­ço, após sua vi­si­ta ao Bra­sil, o re­la­tor es­pe­ci­al da ONU pa­ra ques­tões re­la­ti­vas a mi­no­ri­as apre­sen­tou ao Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos re­co­men­da­ções de que tan­to a po­lí­cia mi­li­tar quan­to a clas­si­fi­ca­ção au­to­má­ti­ca dos ho­mi­cí­di­os co­me­ti­dos por po­li­ci­ais co­mo `re­sis­tên­cia se­gui­da de mor­te' — que pre­su­me que o po­li­ci­al agiu em le­gí­ti­ma de­fe­sa e não le­va a ne­nhu­ma in­ves­ti­ga­ção — se­jam abo­li­das”. A me­di­da ad­mi­nis­tra­ti­va cri­a­da du­ran­te a di­ta­du- ra mi­li­tar a fim de le­gi­ti­mar a re­pres­são, o cha­ma­do “au­to de re­sis­tên­cia” – re­gis­tros de mor­tes ocor­ri­das em su­pos­tos confrontos nos quais o po­li­ci­al afir­ma ter ati­ra­do pa­ra se de­fen­der –, foi mo­di­fi­ca­da pe­la Re­so­lu­ção Con­jun­ta nº 2, de 13 de Ou­tu­bro de 2015, do Con­se­lho Su­pe­ri­or de Po­lí­cia e do Con­se­lho Na­ci­o­nal dos Che­fes da Po­lí­cia Ci­vil, de­ter­mi­nan­do a uti­li­za­ção do ter­mo “autos de re­sis­tên­cia” ou “re­sis­tên­cia se­gui­da de mor­te” nos bo­le­tins de inqué­ri­tos e ocor­rên­ci­as po­li­ci­ais em to­do o país. Con­tu­dol, o re­la­tó­rio da Co­mis­são Par­la­men­tar de Inqué­ri­to (CPI) da Vi­o­lên­cia con­tra jo­vens, pu­bli­ca­do em ju­nho de 201651, des­ta­cou que a ta­xa de ho­mi­cí­di­os en­tre jo­vens ne­gros é qua­se qua­tro ve­zes a ve­ri­fi­ca­da en­tre os bran­cos, o que re­for­ça a te­se de que es­tá em cur­so um ge­no­cí­dio da po­pu­la­ção ne­gra. Es­pe­ci­a­lis­tas cos­tu­mam usar a pa­la­vra epi­de­mia pa­ra se re­fe­rir à mor­tan­da­de de jo­vens no Bra­sil, es­pe­ci­al­men­te de jo­vens ne­gros.

O re­la­tó­rio fi­nal su­ge­riu três prin­ci­pais ações: um Pla­no Na­ci­o­nal de Re­du­ção de Ho­mi­cí­di­os de Jo­vens, trans­pa­rên­cia de da­dos so­bre se­gu­ran­ça pú­bli­ca e vi­o­lên­cia e fim dos autos de re­sis­tên­cia. A des­mi­li­ta­ri­za­ção da po­lí­cia é ou­tra re­co­men­da­ção do do­cu­men­to.

A agên­cia de no­tí­ci­as do Se­na­do52 in­for­mou que a Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção, Jus­ti­ça e Ci­da­da­nia (CCJ) apro­vou, no iní­cio de maio de 2017, o PLS 239/2016, que al­te­ra o Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal (CPP), su­pri­min­do do ar­ti­go 292 o cha­ma­do “au­to de re­sis­tên­cia”. A no­va re­da­ção tam­bém dei­xa cla­ro que os agen­tes do Es­ta­do po­de­rão usar, mo­de­ra­da­men­te, dos mei­os ne­ces­sá­ri­os pa­ra de­fen­der-se ou pa­ra ven­cer a re­sis­tên­cia à pri­são. Ha­ven­do fe­ri­dos ou mor­tos no con­fron­to com as for­ças de se­gu­ran­ça, se­rá ins­tau­ra­do inqué­ri­to po­li­ci­al, de­ven­do a au­to­ri­da­de cui­dar da pre­ser­va­ção do que pos­sa in­te­res­sar à pe­rí­cia, co­mo lo­cal, ar­mas e veí­cu­los.

O ra­cis­mo é re­fle­ti­do nas abor­da­gens po­li­ci­ais que iden­ti­fi­cam na pes­soa ne­gra uma per­ma­nen­te sus­pei­ta, so­bre­tu­do em se tra­tan­do da ju­ven­tu­de, prin­ci­pal al­vo da ação vi­o­len­ta e fa­tal do Es­ta­do. Ri­ta Iz­sák, es­pe­cia-

50 Dis­po­ní­vel em: https://anis­tia.org.br/wp-con­tent/ uplo­ads/2017/02/air2017_on­li­ne-v.3.pdf. Aces­so em: 5 jun. 2017.

51 Dis­po­ní­vel em: http://www12.se­na­do.leg.br/no­ti­ci­as/ ma­te­ri­as/2016/06/08/em-re­la­to­rio-cpi-apresenta-su­ges­to­es­pa­ra-aca­bar-com-ge­no­ci­dio-da-ju­ven­tu­de-ne­gra. Aces­so em: 5 jun. 2017.

52 Dis­po­ní­vel em: http://www12.se­na­do.leg.br/no­ti­ci­as/ ma­te­ri­as/2017/05/03/ccj-apro­va-pro­je­to-que-ex­tin­gue-osau­tos-de-re­sis­ten­cia. Aces­so em: 5 jun. 2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.