3. MEIO AM­BI­EN­TE

Superguia Enem - Geografia e História - - SUMÁRIO -

Du­ran­te os úl­ti­mos anos, as prin­ci­pais pau­tas dos de­ba­tes nas es­co­las, na im­pren­sa e no meio ci­en­tí­fi­co fo­ram as ques­tões am­bi­en­tais. O as­sun­to é bas­tan­te po­lê­mi­co e ge­ra inú­me­ras con­tro­vér­si­as en­tre os es­tu­di­o­sos e ci­en­tis­tas. No en­tan­to, a úni­ca pau­ta in­dis­cu­tí­vel é a im­por­tân­cia da pre­ser­va­ção do am­bi­en­te, prin­ci­pal­men­te nos itens po­lui­ção, des­ma­ta­men­to e pro­du­ção de li­xo. Ho­je, mui­to se dis­cu­te so­bre sus­ten­ta­bi­li­da­de e, nes­se âm­bi­to, sur­ge a im­por­tân­cia da di­mi­nui­ção da pe­ga­da eco­ló­gi­ca (eco­lo­gi­cal fo­ot­print), que con­sis­te na ex­ten­são de ter­ri­tó­rio (me­di­da em hec­ta­res) que uma pes­soa ou to­da uma so­ci­e­da­de ne­ces­si­ta para se sus­ten­tar, ou se­ja, as áre­as pro­du­ti­vas de ter­ra e mar, ne­ces­sá­ri­as para ge­rar pro­du­tos, bens e ser­vi­ços que sus­ten­tam de­ter­mi­na­do es­ti­lo de vi­da. Pe­ga­da eco­ló­gi­ca, se­gun­do o WWF “os ras­tros de nos­sa ca­mi­nha­da pe­la vi­da”, não se con­fun­de com a bi­o­ca­pa­ci­da­de, que re­pre­sen­ta “a ca­pa­ci­da­de dos ecos­sis­te­mas em pro­du­zir re­cur­sos úteis e ab­sor­ver os re­sí­du­os ge­ra­dos pe­lo ser hu­ma­no”, ain­da de acor­do com a men­ci­o­na­da ONG. Se­gun­do in­for­ma­ções da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Vi­ço­sa (Uni­vi­ço­sa), “as con­tas da pe­ga­da eco­ló­gi­ca e da bi­o­ca­pa­ci­da­de in­clu­em seis gran­des ca­te­go­ri­as de áre­as bi­o­pro­du­ti­vas que sus­ten­tam as eco­no­mi­as hu­ma­nas: ter­ras agrí­co­las, ter­ras de pas­to, flo­res­tas, áre­as de pes­ca, áre­as de con­su­mo de car­bo­no e so­lo cons­truí­do, se­gun­do es­tu­dos da Glo­bal Fo­ot­print Network (GFN), que é a ONG de­ten­to­ra do mé­to­do para cal­cu­lar a pe­ga­da eco­ló­gi­ca”.

Um dos mai­o­res im­pas­ses nes­sa dis­cus­são am­bi­en­tal é a ne­ces­si­da­de do cres­ci­men­to econô­mi­co x sus­ten­ta­bi­li­da­de. Para re­su­mir a so­lu­ção dos pro­ble­mas, foi cri­a­do um no­vo con­cei­to: eco­no­mia ver­de. Se­gun­do o PNUMA (Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das para o Meio Am­bi­en­te – em in­glês: Uni­ted Na­ti­ons En­vi­ron­ment Pro­gram­me, NEP), a eco­no­mia ver­de po­de ser de­fi­ni­da co­mo “uma eco­no­mia que re­sul­ta em me­lho­ria o bem-es­tar da hu­ma­ni­da­de e igual­da­de so­ci­al, ao mes­mo tem­po em que re­duz, sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te, ris­cos am­bi­en­tais e es­cas­sez eco­ló­gi­ca”.

Para que a eco­no­mia ver­de acon­te­ça, me­di­das im­por­tan­tes de­vem ser ado­ta­das, tais co­mo di­mi­nui­ção no uso de com­bus­tí­veis fós­seis, uso sus­ten­tá­vel dos re­cur­sos na­tu­rais, prá­ti­cas que fa­vo­re­çam a in­clu­são so­ci­al, co­le­ta se­le­ti­va de li­xo e in­ves­ti­men­to em uma po­lí­ti­ca efi­caz de trans­por­te ur­ba­no.

Ain­da so­bre os te­mas am­bi­en­tais, é im­por­tan­te des­ta­car

o pro­ces­so his­tó­ri­co acer­ca das prin­ci­pais con­ven­ções ocor­ri­das, co­mo a Con­fe­rên­cia de Es­to­col­mo (1972), a Rio 92 (1992), a Rio+10 (2002) e a Rio+20 (2012), e ain­da acor­dos que ti­ve­ram des­ta­ques, co­mo os pro­to­co­los de Mon­tre­al, exi­gin­do a re­du­ção de CFC, e o de Kyo­to, so­bre a re­du­ção dos ga­ses con­tri­buin­tes para o efei­to es­tu­fa. As­sun­tos re­la­ci­o­na­dos aos pro­ble­mas am­bi­en­tais ur­ba­nos são ou­tros con­cei­tos já bas­tan­te so­li­ci­ta­dos em ves­ti­bu­la­res, por exem­plo: ilhas de ca­lor, in­ver­são tér­mi­ca, os mais di­ver­sos ti­pos de po­lui­ção, a ques­tão do li­xo, as pro­ble­má­ti­cas en­vol­ven­do a água, en­tre ou­tros. Va­le lem­brar, que o te­ma é bas­tan­te am­plo e per­mi­te ser abor­da­do tan­to em exer­cí­ci­os de múl­ti­pla es­co­lha, quan­to em ques­tões dis­ser­ta­ti­vas ou ain­da co­mo te­ma de re­da­ção. Por­tan­to, é im­por­tan­te se atu­a­li­zar so­bre os prin­ci­pais con­cei­tos exis­ten­tes acer­ca das ques­tões am­bi­en­tais e da ocor­rên­cia de ca­tás­tro­fes na­tu­rais acon­te­ci­das nos úl­ti­mos anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.