Cra­se

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

No por­tu­guês, ocor­re a cra­se qu­an­do uti­li­za­mos as vo­gais idên­ti­cas (a + a). Lem­bran­do que o pri­mei­ro “a” é sem­pre uma pre­po­si­ção, já o se­gun­do po­de ser um ar­ti­go ou um pro­no­me de­mons­tra­ti­vo (aque­le, aque­la, aqui­lo), pro­no­me re­la­ti­vo (a qual, as quais), pro­no­me

de­mons­tra­ti­vo ( a ou as). Ago­ra, va­mos pas­sar pa­ra as re­gras de uso da cra­se.

Uso da cra­se em ca­sos de jun­ção da pre­po­si­ção “a” + ar­ti­go “a” ou “as”:

Ha­ve­rá cra­se sem­pre que o ter­mo so­bre o qual o ver­bo tra­tar ad­mi­tir o ar­ti­go “a”. Exem­plo: Ela se re­fe­riu a + a mãe. (Ela se re­fe­riu à mãe). Pa­ra ha­ver uma com­pro­va­ção do uso da cra­se no ca­so do ar­ti­go, po­de­mos tro­car a ex­pres­são fe­mi­ni­na por uma mas­cu­li­na, se ob­ti­ver­mos a com­bi­na­ção “ao” o uso da cra­se es­ta­rá con­fir­ma­do.

Exem­plo: Ela se re­fe­riu a + o pai. (Ela se re­fe­riu ao pai).

O uso da cra­se em ca­sos de jun­ção da pre­po­si­ção “a” + pro­no­mes de­mons­tra­ti­vos “aque­le(s)”, “aque­la(s)”, “aqui­lo”

O uso da cra­se se fa­rá ne­ces­sá­rio sem­pre que o ter­mo re­gen­te exi­gir a pre­po­si­ção “a”.

Exem­plo: As­pi­ro a + aque­le car­go. (Quem as­pi­ra, as­pi­ra a al­gu­ma coi­sa. Por­tan­to: as­pi­ro àque­le car­go).

A for­ma mais fá­cil de ve­ri­fi­car o uso da cra­se, nes­se ca­so, é es­tu­dan­do a re­gên­cia dos ver­bos, as­sun­to que ain­da se­rá abor­da­do nes­te vo­lu­me.

Uso da cra­se em ca­sos de jun­ção da pre­po­si­ção “a” + pro­no­mes re­la­ti­vos “a qual”, “as quais”

Nes­se ca­so ocor­re­rá cra­se qu­an­do os ter­mos da ora­ção exi­gi­rem o uso de pro­no­mes re­la­ti­vos pa­ra sua in­tro­du­ção.

Exem­plo: A re­da­ção a + a qual me re­fi­ro é fa­cí­li­ma. (A re­da­ção à qual me re­fi­ro é fa­cí­li­ma).

Nes­se ca­so se tor­na fá­cil ti­rar a dú­vi­da se há ou não a ne­ces­si­da­de da cra­se, tro­can­do o ter­mo fe­mi­ni­no por um mas­cu­li­no.

Exem­plo: O tex­to a + o qual me re­fi­ro é fa­cí­li­mo. (O tex­to ao qual me re­fi­ro é fa­cí­li­mo).

Di­ca: nor­mal­men­te, não há cra­se di­an­te do pro­no­me “que”, pois es­te não ad­mi­te a an­te­po­si­ção do ar­ti­go. Mas po­de ocor­rer cra­se di­an­te des­te pro­no­me qu­an­do an­tes de­le ti­ver­mos o pro­no­me de­mons­tra­ti­vo “a” ou “as”. Ex.: Es­ta san­dá­lia é igual à que com­prei.

Em ca­so de dú­vi­da quan­to ao uso de cra­se com o pro­no­me re­la­ti­vo “que”, tam­bém po­de­mos fa­zer a subs­ti­tui­ção pe­lo equi­va­len­te mas­cu­li­no. Ex.: Es­te chi­ne­lo é igual ao que com­prei.

Ca­sos em que não ocor­re cra­se Qu­an­do não há ar­ti­go a ou as não ocor­re­rá cra­se. a) Di­an­te de pa­la­vras mas­cu­li­nas: Chei­ra­va a ál­co­ol. b) Di­an­te de ver­bos: Ain­da te­nho mui­to a fa- zer por vo­cê.

c) Di­an­te da mai­o­ria dos pro­no­mes (ex­ce­to os ca­sos já vis­tos an­te­ri­or­men­te): En­tre­guei o pre­sen­te a ela.

d) Nas ex­pres­sões for­ma­das por pa­la­vras re­pe­ti­das: dia a dia, sol a sol.

e) Di­an­te de subs­tan­ti­vos em­pre­ga­dos em sen­ti­do ge­né­ri­co: Não fa­lou a cri­a­tu­ra al­gu­ma.

Ca­sos es­pe­ci­ais Há ca­sos es­pe­ci­ais em que po­de ou não ocor­rer cra­se, va­mos ver quais são.

a) Em ex­pres­sões for­ma­das por pa­la­vras fe­mi­ni­nas: as lo­cu­ções ad­ver­bi­ais, pre­po­si­ti­vas e con­jun­ti­vas ini­ci­a­das por “a” e for­ma­das por pa­la­vras fe­mi­ni­nas re­ce­bem cra­se. Exem­plos: à bei­ra de, à meia-noi­te, à noi­te, à tar­de, às ve­zes, à mo­da de, etc.

Di­ca: nes­ses ca­sos nem sem­pre va­mos con­se­guir ti­rar dú­vi­das quan­to ao uso da cra­se subs­ti­tuin­do os ter­mos fe­mi­ni­nos por mas­cu­li­nos, pois nem sem­pre a cra­se vai in­di­car a fu­são de dois “a”.

Exem­plo: Com­prei à vis­ta a blu­sa com a qual fui ao ca­sa­men­to. (Com­prei a pra­zo a blu­sa com a qual fui ao ca­sa­men­to)

No­te que, mes­mo com a subs­ti­tui­ção de um ter­mo mas­cu­li­no equi­va­len­te não ob­ti­ve­mos a com­bi­na­ção “ao”. Por is­so, não po­de­mos uti­li­zar es­se mé­to­do em ca­so de dú­vi­da. En­tão, o me­lhor é es­tu­dar ca­da uma das re­gras e guar­dá-las da me­lhor ma­nei­ra pos­sí­vel.

b) A cra­se po­de ocor­rer ou não nas se­guin­tes si­tu­a­ções: di­an­te de no­mes de pes­so­as do se­xo fe­mi­ni­no, di­an­te de pro­no­mes pos­ses­si­vos fe­mi­ni­nos ou de­pois de “até”. Nes­ses ca­sos o uso da cra­se é op­ci­o­nal. Exem­plos: Ele se re­fe­riu a Lud­mi­la. / Ele se re­fe­riu à Lud­mi­la. (Di­an­te de no­mes fe­mi­ni­nos a cra­se é op­ci­o­nal. Por­tan­to, as du­as for­mas es­tão cor­re­tas).

Odeio a mi­nha vi­zi­nha. / Odeio à mi­nha vi­zi­nha. (Di­an­te de pro­no­mes pos­ses­si­vos o uso da cra­se tam­bém é fa­cul­ta­ti­vo. As du­as for­mas es­tão cor­re­tas).

Fui até a sa­la. / Fui até à sa­la. (De­pois da pre­po­si­ção “até” o uso da cra­se tam­bém é fa­cul­ta­ti­vo. As du­as for­mas es­tão cor­re­tas).

c) Di­an­te de no­mes de lu­gar só ocor­re­rá cra­se se o no­me ad­mi­tir a an­te­po­si­ção de ar­ti­go. Pa­ra sa­ber­mos se há ou não es­sa pos­si­bi­li­da­de po­de­mos subs­ti­tuir o ver­bo pe­lo ver­bo “vir”, se ob­ti­ver­mos a con­tra­ção “da”, ad­mi­te-se a cra­se, se ob­ti­ver­mos a pre­po­si­ção “de”não há ne­ces­si­da­de de cra­se. Exem­plos: Vi­a­jei à Es­pa­nha no ano pas­sa­do. (Vi­e­mos

da Es­pa­nha).

Vi­a­ja­re­mos a Ar­rai­al do Ca­bo nes­se car­na­val. (Vi­e­mos de Ar­rai­al do Ca­bo).

Vou à be­lís­si­ma Pa­ris (Ve­nho da be­lís­si­ma Pa­ris).

Di­ca: no úl­ti­mo exem­plo, o uso da cra­se é ad­mi­ti­do por­que o no­me do lu­gar “Pa­ris” es­tá sen­do de­ter­mi­na­do pe­lo ad­je­ti­vo “be­lís­si­ma”. Lo­go, o uso da con­tra­ção “da” se faz obri­ga­tó­rio pa­ra que ha­ja con­cor­dân­cia na fra­se, nes­ses ca­sos uti­li­za-se cra­se.

d) Di­an­te das pa­la­vras ca­sa e ter­ra: se a pa­la­vra ca­sa es­ti­ver no sen­ti­do de lar ou mo­ra­dia não se­rá ad­mi­ti­da a cra­se. Exem­plo: Vol­tei ce­do a ca­sa.

O mes­mo ocor­re­rá di­an­te da pa­la­vra ter­ra com o sen­ti­do de chão fir­me. Exem­plo: Os ma­ri­nhei­ros che­ga­ram a ter­ra. Di­cas: se as pa­la­vras “ca­sa” e “ter­ra” es­ti­ve­rem es­pe­ci­fi­ca­das, ou se­ja, fo­rem de­ter­mi­na­das por al­gu­ma ou­tra pa­la­vra, ocor­re­rá cra­se di­an­te de­las. Exem­plos: Vol­tei ce­do à ca­sa de mi­nha mãe. Os ma­ri­nhei­ros che­ga­ram à ter­ra na­tal. O mes­mo ocor­re com o ter­mo “à dis­tân­cia de”, só ocor­re­rá cra­se se a ex­pres­são es­ti­ver de­ter­mi­na­da. Exem­plos: Es­ta­va a uma dis­tân­cia de vin­te quilô­me­tros. Es­ta­va à dis­tân­cia de vin­te quilô­me­tros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.