Subs­tan­ti­vo

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

O subs­tan­ti­vo no­meia tu­do o que exis­te ou sen­ti­mos, além de no­me­ar ações ou es­ta­do.

Al­guns subs­tan­ti­vos ter­mi­nam em “r” e con­fun­dem na ho­ra da clas­si­fi­ca­ção, por exem­plo, cor­re­dor. Pa­ra sa­ber­mos se es­sa, ou qual­quer ou­tra pa­la­vra, é de fa­to um subs­tan­ti­vo, bas­ta acres­cen­tar um ar­ti­go ou um pro­no­me a ela. Se não hou­ver re­jei­ção, tra­ta-se de um subs­tan­ti­vo. Exem­plos: O cor­re­dor.

Es­se cor­re­dor.

Da mes­ma for­ma, qu­an­do pa­la­vras de ou­tras clas­ses gra­ma­ti­cais são acres­ci­das de ar­ti­go ou de pro­no­me, mu­dam de clas­se.

Exem­plos: O pou­co é mui­to. ( pou­co e mui­to são ad­je­ti­vos, mas com o acrés­ci­mo de ar­ti­go se tor­nam pa­la­vras subs­tan­ti­va­das).

Clas­si­fi­ca­ção do subs­tan­ti­vo

Subs­tan­ti­vo sim­ples: são aque­les for­ma­dos por uma úni­ca pa­la­vra: exer­cí­cio, ca­sa, con­tro­le, gar­ra­fa, ca­ne­ta, com­pu­ta­dor.

Subs­tan­ti­vo com­pos­to: for­ma­dos por mais de uma pa­la­vra: gi­ras­sol, ro­da­pé, cou­ve-flor.

Subs­tan­ti­vo pri­mi­ti­vo: é o que não de­ri­va de ou­tra pa­la­vra: lá­pis, vi­dro, dis­co, pa­pel.

Subs­tan­ti­vo de­ri­va­do: é aque­le que de­ri­va de ou­tra pa­la­vra: la­pi­sei­ra, vi­dra­ça­ria, pa­pe­la­ria, dis­co­gra­fia, flo­ri­cul­tu­ra.

Subs­tan­ti­vo co­mum: no­meia os se­res e ob­je­tos em ge­ral. É es­cri­to com le­tra mi­nús­cu­la: li­vro, ca­der­no, lá­pis, bor­ra­cha, gram­pe­a­dor, agen­da.

Subs­tan­ti­vo pró­prio: no­meia pes­so­as e lu­ga­res. Es­cre­ve-se com le­tra maiús­cu­la: Bra­sil, Adri­a­no, Ira­já, Rio de Ja­nei­ro, Fla­men­go.

Subs­tan­ti­vo con­cre­to e subs­tan­ti­vo abs­tra­to: se­gun­do o pro­fes­sor Sér­gio Nogueira, em seu li­vro Sim­pli­fi­can­do o por­tu­guês, “o subs­tan­ti­vo con­cre­to é o que dá no­me a se­res de exis­tên­cia pró­pria (re­al ou ima­gi­ná­ria), que não de­pen­dem de ou­tros pa­ra exis­tir”: Deus, fan­tas­ma, as­som­bra­ção. “Os abs­tra­tos são aque­les que ex­pres­sam ações, sen­sa­ções, es­ta­do ou qua­li­da­de, pois de­pen­dem de ou­tro ser pa­ra exis­tir”: sor­ri­so, me­do, dor, mor­te, be­le­za.

Subs­tan­ti­vo co­le­ti­vo: é clas­si­fi­ca­do co­mo subs­tan­ti­vo co­mum, mas mes­mo no sin­gu­lar é ca­paz de dar no­me a um con­jun­to de se­res da mes­ma es­pé­cie: for­mi­guei­ro, en­xa­me, es­qua­dri­lha, re­vo­a­da, ma­ti­lha, au­di­tó­rio, re­ba­nho.

Fle­xão de gê­ne­ro

O subs­tan­ti­vo po­de ser do gê­ne­ro mas­cu­li­no ou fe­mi­ni­no. Eles po­dem ser uni­for­mes ou bi­for­mes.

Subs­tan­ti­vo bi­for­me: qu­an­do apresenta uma for­ma fe­mi­ni­na e ou­tra mas­cu­li­na.

Exem­plos: pro­fes­sor – pro­fes­so­ra; alu­no - alu­na; bo­de – ca­bra; boi – va­ca; pai – mãe.

Subs­tan­ti­vos uni­for­mes: apre­sen­tam uma úni­ca for­ma tan­to pa­ra o fe­mi­ni­no quan­to pa­ra o mas­cu­li­no. São sub­di­vi­di­dos nos se­guin­tes gru­pos:

Subs­tan­ti­vos epi­ce­nos: de­sig­nam ani­mais, pa­ra di­fe­ren­ci­ar o se­xo dos ani­mais é ne­ces­sá­rio que se uti­li­ze as pa­la­vras “ma­cho ou “fê­mea”.

Exem­plo: a ba­leia ma­cho – a ba­leia fê­mea

Subs­tan­ti­vos co­muns de dois gê­ne­ros: de­sig­nam pes­so­as, pa­ra di­fe­ren­ci­ar o gê­ne­ro é fei­ta a uti­li­za­ção dos ar­ti­gos fe­mi­ni­nos e mas­cu­li­nos:

Exem­plo: o es­tu­dan­te – a es­tu­dan­te

Subs­tan­ti­vos so­bre­co­muns: de­sig­nam pes­so­as, mas o gê­ne­ro é fi­xo, não mu­da.

Exem­plos: a cri­an­ça, o côn­ju­ge.

Fle­xão de nú­me­ro

Quan­to ao nú­me­ro, os subs­tan­ti­vos po­dem se apre­sen­tar no sin­gu­lar ou no plu­ral. Em ge­ral, qu­an­do que­re­mos co­lo­car um subs­tan­ti­vo no plu­ral, acres­cen­ta­mos “s” no fi­nal da pa­la­vra. Exem­plos: ca­ma – ca­mas

Mas há ca­sos em que o plu­ral é fei­to de ou­tras for­mas, con­for­me a ter­mi­na­ção das pa­la­vras.

Pa­la­vras ter­mi­na­das em “ão”: po­dem for­mar plu­ral com as ter­mi­na­ções - ões, - ães e - ãos. Exem­plos: ba­lão – ba­lões pão – pães ci­da­dão – ci­da­dãos Pa­la­vras ter­mi­na­das em “r”, “s” e “z”: nes­ses ca­sos bas­ta acres­cen­tar­mos “es”. Exem­plos: cor­re­dor – cor­re­do­res país – paí­ses raiz – raí­zes Di­ca: exis­tem ex­ce­ções pa­ra es­sa re­gra. Os subs­tan­ti­vos que não são oxí­to­nos, qu­an­do ter­mi­na­dos em “s” fi­cam in­va­riá­veis.

Exem­plos: o lá­pis – os lá­pis

Subs­tan­ti­vos ter­mi­na­dos em “x”: não va­ri­am. Exem­plos: a xé­rox – as xé­rox

Há ain­da o plu­ral dos subs­tan­ti­vos com­pos­tos. Subs­tan­ti­vos com­pos­tos sem hí­fen: o plu­ral é for­ma­do co­mo o dos subs­tan­ti­vos sim­ples: pas­sa­tem­po = pas­sa­tem­pos, gi­ras­sol = gi­ras­sóis.

Subs­tan­ti­vos com­pos­tos for­ma­dos por pa­la­vras pa­re­ci­das ou re­pe­ti­das: só vai pa­ra o plu­ral o se­gun­do ele­men­to, a se­gun­da pa­la­vra: ti­co-ti­co = ti­co-ti­cos, pin­gue-pon­gue = pin­gue-pon­gues.

Subs­tan­ti­vos com­pos­tos uni­dos por pre­po­si­ção: va­ria so­men­te a pri­mei­ra pa­la­vra: pé-de-mo­le­que = pés-de-mo­le­que.

Subs­tan­ti­vos com­pos­tos for­ma­dos por subs­tan­ti­vo + subs­tan­ti­vo ou por subs­tan­ti­vo + ad­je­ti­vo: se o se­gun­do de­ter­mi­na o pri­mei­ro, a va­ri­a­ção vai ocor­rer nos dois: bol­sa-fa­mí­lia = bol­sas-fa­mí­li­as, man­ga-es­pa­da = man­gas-es­pa­das, amor-per­fei­to = amo­res-per­fei­tos.

Subs­tan­ti­vos com­pos­tos for­ma­dos por ver­bo + subs­tan­ti­vo no plu­ral: os dois não va­ri­am: caça-pa­la­vras = caça-pa­la­vras.

Subs­tan­ti­vos com­pos­tos for­ma­dos por ver­bo = subs­tan­ti­vo, ad­vér­bio + ad­je­ti­vo, pre­fi­xo + subs­tan­ti­vo: ape­nas a se­gun­da pa­la­vra vai pa­ra o plu­ral: guar­da-chu­va = guar­da-chu­vas, abai­xo-as­si­na­do = abai­xo-as­si­na­dos, vi­ce-go­ver­na­dor = vi­ce-go­ver­na­do­res.

Fle­xão de grau

O subs­tan­ti­vo po­de ser fle­xi­o­na­do pa­ra ex­pri­mir di­fe­ren­ças de ta­ma­nho en­tre os se­res, iro­nia ou sen­ti­men­tos. Exis­tem dois pro­ces­sos de fle­xão de grau:

Ana­li­ti­ca­men­te: qu­an­do acres­cen­ta­mos os ad­je­ti­vos “gran­de” e “pe­que­no”: bol­sa gran­de, bol­sa pe­que­na.

Sin­te­ti­ca­men­te: qu­an­do acres­cen­ta­mos su­fi­xos que in­di­cam o grau au­men­ta­ti­vo ou di­mi­nu­ti­vo: ca­chor­rão, ca­chor­ri­nho.

Há ain­da al­gu­mas pa­la­vras no por­tu­guês que já não in­di­cam mais fle­xão de grau do subs­tan­ti­vo, mas in­di­cam no­vos se­res e sig­ni­fi­ca­dos: car­tão, fo­lhi­nha, por­tão.

Es­ses subs­tan­ti­vos são cha­ma­dos de au­men­ta­ti­vos e di­mi­nu­ti­vos for­mais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.