Ad­je­ti­vo

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Ad­je­ti­vo é a pa­la­vra que mo­di­fi­ca o subs­tan­ti­vo ou o pro­no­me, dan­do a eles ca­rac­te­rís­ti­cas ou es­ta­do. Exem­plos: Meu pai é al­to. (a pa­la­vra “al­to” ca­rac­te­ri­za o subs­tan­ti­vo “pai”, é um ad­je­ti­vo).

Ele é in­te­li­gen­te. (a pa­la­vra “in­te­li­gen­te” ca­rac­te­ri­za o pro­no­me “ele”, é um ad­je­ti­vo). Clas­si­fi­ca­ção dos ad­je­ti­vos Sim­ples: apre­sen­tam um úni­co ra­di­cal: al­to, for­te, in­te­li­gen­te.

Com­pos­tos: apre­sen­tam mais de um ra­di­cal: su­per­mer­ca­do, so­ci­o­e­conô­mi­co.

Pri­mi­ti­vos: não de­ri­vam de ou­tra pa­la­vra da lín­gua por­tu­gue­sa: ver­de, le­al.

De­ri­va­dos: qu­an­do de­ri­vam de ou­tras pa­la­vras da lín­gua por­tu­gue­sa: ver­de­jan­te e des­le­al.

Lo­cu­ções ad­je­ti­vas

Lo­cu­ção ad­je­ti­va é a ca­rac­te­rís­ti­ca ex­pres­sa por mais de uma pa­la­vra. Po­dem ser for­ma­das por uma pre­po­si­ção e um subs­tan­ti­vo, equi­va­lem a um ad­je­ti­vo. Exem­plos: amor de ir­mão = amor fra­ter­no, cui­da­do de mãe = cui­da­do ma­ter­no, mu­lher da Amé­ri­ca = mu­lher ame­ri­ca­na, mo­men­to do mun­do = mo­men­to mun­di­al.

Fle­xão de gê­ne­ro Os ad­je­ti­vos vão se fle­xi­o­nar em mas­cu­li­no e fe­mi­ni­no con­for­me o subs­tan­ti­vo que es­ti­ver sen­do acom­pa­nha­do. Exem­plo: A miss é uma mo­ça mui­to bo­ni­ta. Mas exis­tem ca­sos em que o ad­je­ti­vo é in­va­riá­vel. Exem­plo: A miss é uma mo­ça mui­to sim­ples.

Fle­xão de nú­me­ro Os ad­je­ti­vos for­mam o plu­ral, ba­si­ca­men­te, da mes­ma for­ma que os subs­tan­ti­vos. Há di­fe­ren­ças so­men­te nos ad­je­ti­vos com­pos­tos.

Em ge­ral, so­men­te o úl­ti­mo ele­men­to va­ria: afro-bra­si­lei­ro = afro-bra­si­lei­ros

Qu­an­do o úl­ti­mo ele­men­to for um subs­tan­ti­vo, o ad­je­ti­vo com­pos­to não va­ria sua for­ma: ca­mi­sa ver­de-pe­tró­leo = ca­mi­sas ver­de-pe­tró­leo.

Di­cas: os ad­je­ti­vos com­pos­tos “azul-ma­ri­nho” e “azul-ce­les­te” são in­va­riá­veis.

Na for­ma­ção do plu­ral do ad­je­ti­vo com­pos­to “sur­do-mu­do”, os dois ele­men­tos vão pa­ra o plu­ral: “sur­dos-mu­dos”.

Fle­xão de grau O ad­je­ti­vo apresenta o grau com­pa­ra­ti­vo e o grau su­per­la­ti­vo. O grau com­pa­ra­ti­vo é qu­an­do a ca­rac­te­rís­ti­ca ex­pres­sa pe­lo ad­je­ti­vo es­ta­be­le­ce com­pa­ra­ção en­tre dois se­res, e o grau su­per­la­ti­vo qu­an­do es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca é am­pli­a­da. Os pro­ces­sos de fle­xão dos ad­je­ti­vos são os mes­mos dos subs­tan­ti­vos, sin­té­ti­co e ana­lí­ti­co. a) Grau com­pa­ra­ti­vo: o grau com­pa­ra­ti­vo po­de ser de: Igual­da­de: qu­an­do a ca­rac­te­rís­ti­ca ou qua­li­da­de ex­pres­sa apa­re­ce na mes­ma in­ten­si­da­de pa­ra os se­res que es­tão sen­do com­pa­ra­dos.

Exem­plos: Es­sa ja­ne­la es­tá tão tor­ta quan­to aque­la. (com­pa­ra­ti­vo ana­lí­ti­co).

Es­sa ja­ne­la é tão gran­de quan­to aque­la. (com­pa­ra­ti­vo ana­lí­ti­co).

Su­pe­ri­o­ri­da­de: qu­an­do a ca­rac­te­rís­ti­ca ex­pres­sa pe­lo ad­je­ti­vo apa­re­ce mais in­ten­sa pa­ra o pri­mei­ro ser do que pa­ra o se­gun­do.

Exem­plos: Es­sa ja­ne­la es­tá mais tor­ta do que aque­la. (com­pa­ra­ti­vo ana­lí­ti­co).

Es­sa ja­ne­la é mai­or do que aque­la. (com­pa­ra­ti­vo sin­té­ti­co).

In­fe­ri­o­ri­da­de: qu­an­do a ca­rac­te­rís­ti­ca ex­pres­sa pe­lo ad­je­ti­vo apa­re­ce me­nos in­ten­sa pa­ra o pri­mei­ro ser do que pa­ra o se­gun­do.

Exem­plos: Es­sa ja­ne­la es­tá me­nos tor­ta do que aque­la. (com­pa­ra­ti­vo ana­lí­ti­co).

Es­sa ja­ne­la é me­nor do que aque­la. (com­pa­ra­ti­vo sin­té­ti­co). b) Grau su­per­la­ti­vo: o grau su­per­la­ti­vo po­de ser: Ab­so­lu­to: qu­an­do a ca­rac­te­rís­ti­ca ex­pres­sa pe­lo ad­je­ti­vo não é ex­pres­sa em re­la­ção a ou­tros ele­men­tos.

Exem­plos: Es­te apar­ta­men­to é mui­to no­vo (su­per­la­ti­vo ab­so­lu­to ana­lí­ti­co).

Es­te apar­ta­men­to é no­vís­si­mo (su­per­la­ti­vo ab­so­lu­to sin­té­ti­co).

Re­la­ti­vo: qu­an­do a ca­rac­te­rís­ti­ca ex­pres­sa pe­lo ad­je­ti­vo é ex­pres­sa em re­la­ção a ou­tros ele­men­tos.

Exem­plos: Es­te pré­dio é o mais no­vo do con­do­mí­nio. (su­per­la­ti­vo de su­pe­ri­o­ri­da­de).

Es­te pré­dio é o me­nos no­vo do con­do­mí­nio. (su­per­la­ti­vo de in­fe­ri­o­ri­da­de).

O grau su­per­la­ti­vo ab­so­lu­to sin­té­ti­co é fei­to pe­lo acrés­ci­mo dos su­fi­xos -ís­si­mo, -íli­mo, - ér­ri­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.