Ter­mos da ora­ção

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Ter­mos es­sen­ci­ais da ora­ção O su­jei­to e o pre­di­ca­do são os ter­mos es­sen­ci­ais de uma ora­ção, ou se­ja, pa­ra que uma ora­ção exis­ta eles são ne­ces­sá­ri­os.

O su­jei­to é o ser de quem se diz al­go e o pre­di­ca­do é o que se diz des­se ser. Exem­plo: Ber­nar­do é um lin­do be­bê. (Ber­nar­do é o ser de quem se fa­la, por­tan­to, su­jei­to. “É um lin­do be­bê” é a in­for­ma­ção que se pas­sa so­bre o su­jei­to, por­tan­to pre­di­ca­do). João e Edu­ar­da são ir­mãos. (Nes­ta fra­se o su­jei­to tem dois nú­cle­os, ”João” e “Edu­ar­da”, nú­cleo é a pa­la­vra mais im­por­tan­te, a que dá sen­ti­do ao su­jei­to).

O su­jei­to é clas­si­fi­ca­do em:

Sim­ples: qu­an­do pos­sui um úni­co nú­cleo. Exem­plo: Lu­pe é um ca­chor­ro obe­di­en­te. (Lu­pe = nú­cleo do su­jei­to). Com­pos­to: qu­an­do pos­sui mais de um nú­cleo. Exem­plo: Pau­lo, Luiz e Jú­lio são ir­mãos que se amam mui­to. (Pau­lo, Luiz, Jú­lio = nú­cle­os).

Su­jei­to de­ter­mi­na­do: qu­an­do é pos­sí­vel re­co­nhe­cer o su­jei­to da ora­ção mes­mo qu­an­do ele es­tá im­plí­ci­to. Nes­sa clas­si­fi­ca­ção po­de­mos en­glo­bar tam­bém o su­jei­to sim­ples e o com­pos­to.

Exem­plos: João e Ma­ria es­ta­vam aqui. (su­jei­to de­ter­mi­na­do).

Tí­nha­mos mui­tas brin­ca­dei­ras di­ver­ti­das (su­jei­to de­ter­mi­na­do “nós” es­tá im­plí­ci­to).

Su­jei­to in­de­ter­mi­na­do: qu­an­do não se po­de ou não se qu­er iden­ti­fi­car o su­jei­to.

Exem­plo: Pe­ga­ram seu ca­der­no co­mi­go. (su­jei­to in­de­ter­mi­na­do, quem pe­gou?).

O su­jei­to se­rá in­de­ter­mi­na­do qu­an­do o ver­bo es­ti­ver na 3ª pes­soa do plu­ral e não hou­ver su­jei­to ex­pres­so na ora­ção. Ou qu­an­do o ver­bo na ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar vi­er se­gui­do do ín­di­ce de in­de­ter­mi­na­ção do su­jei­to “se”

Exem­plos: En­tre­ga­ram flo­res pa­ra vo­cê. (ver­bo na 3ª pes­soa do plu­ral, sem su­jei­to ex­pres­so. Su­jei­to in­de­ter­mi­na­do).

Ou­ve-se mui­tas coi­sas. (ver­bo na ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar, se­gui­do de “se”. Su­jei­to In­de­ter­mi­na­do).

Su­jei­to ine­xis­ten­te ou ora­ção sem su­jei­to: qu­an­do o fa­to não se re­fe­re a ne­nhum ele­men­to. E po­de ocor­rer em vá­ri­as si­tu­a­ções di­fe­ren­tes.

Exem­plos: Cho­veu mui­to es­sa noi­te. (ver­bo que ex­pri­me fenô­me­nos da na­tu­re­za).

Faz mais de um ano que não os ve­jo. (ver­bo fa­zer, ser, es­tar in­di­can­do tem­po trans­cor­ri­do).

Há vá­ri­os alu­nos ocu­pan­do o pá­tio fo­ra do ho­rá­rio. (ver­bo ha­ver no sen­ti­do de exis­tir ou in­di­can­do tem­po trans­cor­ri­do).

Di­ca: qu­an­do um ver­bo au­xi­li­ar se une a um ver­bo im­pes­so­al tam­bém fi­ca no sin­gu­lar.

Exem­plo: Vai fa­zer uma se­ma­na que não saio.

Co­mo já foi di­to an­te­ri­or­men­te, o pre­di­ca­do é aqui­lo que se de­cla­ra do su­jei­to. Ele tam­bém é clas­si­fi­ca­do.

No­mi­nal: tem um no­me co­mo nú­cleo, in­di­ca es­ta­do ou qua­li­da­de e é for­ma­do por ver­bo de li­ga­ção + pre­di­ca­ti­vo do su­jei­to.

Exem­plos: Le­tí­cia é en­gra­ça­da. (Le­tí­cia = su­jei­to, é = ver­bo de li­ga­ção, en­gra­ça­da = pre­di­ca­ti­vo do su­jei­to).

Os prin­ci­pais ver­bos de li­ga­ção são: ser, es­tar, fi­car, an­dar, vi­rar, en­tre ou­tras.

Ver­bal: tem co­mo nú­cleo um ver­bo, não tem pre­di­ca­ti­vo do su­jei­to e ex­pri­me uma ação. É cons­ti­tuí­do por ver­bo tran­si­ti­vo ou in­tran­si­ti­vo.

Exem­plo: Vo­vó fez bo­los pa­ra a fes­ta. (ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to)

Ver­bo-no­mi­nal: tem dois nú­cle­os, um ver­bo e um no­me, pois apresenta um ver­bo (tran­si­ti­vo ou in­tran­si­ti­vo) e um pre­di­ca­ti­vo do su­jei­to ou do ob­je­to. As­sim, o pre­di­ca­do vai in­di­car ação e qua­li­da­de.

Exem­plo: Os alu­nos che­ga­ram en­tu­si­as­ma­dos. (che­ga­ram = ver­bo in­tran­si­ti­vo, en­tu­si­as­ma­dos = pre­di­ca­ti­vo do su­jei­to).

O pre­di­ca­do ver­bal po­de apre­sen­tar al­guns ti­pos de pre­di­ca­ção ver­bal:

a) Com ver­bos in­tran­si­ti­vos: que não exi­gem ne­nhum com­ple­men­to pa­ra com­ple­tar se sen­ti­do. Exem­plos: Eu vi­vo.

Ele mor­reu. Os ver­bos até acei­ta­ri­am um com­ple­men­to, co­mo os ad­vér­bi­os de mo­do, por exem­plo. Mas se faz en­ten­der mes­mo sem com­ple­men­to al­gum.

b) Com ver­bos tran­si­ti­vos di­re­tos: são ver­bos que exi­gem um com­ple­men­to de­pois de­les, pa­ra que ha­ja sen­ti­do com­ple­to. Va­le res­sal­tar que são con­si­de­ra­dos di­re­tos por não ne­ces­si­ta­rem de uma pre­po­si­ção li­gan­do-os aos seus com­ple­men­tos. Exem­plos: Eu amo o Adri­a­no.

Te­mos um fi­lho. Os ver­bos ne­ces­si­tam de com­ple­men­to pa­ra que te­nham sen­ti­do com­ple­to. Pois, quem ama, ama al­gu­ma coi­sa ou al­guém, do mes­mo mo­do o ver­bo ter.

Os com­ple­men­tos não exi­gem uma pre­po­si­ção pa­ra se­rem in­se­ri­dos na fra­se, por­tan­to os ver­bos são tran­si­ti­vos di­re­tos.

c) Com ver­bos tran­si­ti­vos in­di­re­tos: são ver­bos que exi­gem o uso de pre­po­si­ção pa­ra in­tro­du­zi­rem um com­ple­men­to. Exem­plos: Eu gos­to dos meus ami­gos.

As­sis­ti­mos a um fil­me. Nes­se ca­so, além dos ver­bos ne­ces­si­ta­rem de com­ple­men­tos as pre­po­si­ções são obri­ga­tó­ri­as pa­ra in­tro­du­ção des­ses com­ple­men­tos. Ob­ser­ve que: quem gos­ta, gos­ta de al­gu­ma coi­sa ou de al­guém. Por­tan­to, o uso da pre­po­si­ção “de” se tor­na obri­ga­tó­rio. De igual for­ma, ocor­re com o ver­bo as­sis­tir, quem as­sis­te, as­sis­te a al­gu­ma coi­sa, a pre­po­si­ção “a” é es­sen­ci­al pa­ra a in­tro­du­ção do com­ple­men­to de for­ma cor­re­ta.

d) Com tran­si­ti­vos di­re­tos e in­di­re­tos: qu­an­do o ver­bo exi­ge dois com­ple­men­tos, um sem pre­po­si­ção e o ou­tro com pre­po­si­ção an­tes do com­ple­men­to. Exem­plos: Eu dei do­ces pa­ra Lud­mi­la. (quem dá, dá al­gu­ma coi­sa, pa­ra al­guém, um úni­co ver­bo, mas que exi­giu dois com­ple­men­tos, um sem pre­po­si­ção e o ou­tro com a pre­po­si­ção “pa­ra”).

Ma­mãe em­pres­tou a ca­ne­ta pa­ra pa­pai. (quem em­pres­ta, em­pres­ta al­gu­ma coi­sa pa­ra al­guém).

e) Com ver­bos de li­ga­ção: in­di­ca es­ta­do, qua­li­da­de ou fun­ção, so­men­te li­ga o su­jei­to ao ele­men­to que se re­fe­re a ele. Exem­plos: Luiz é en­gra­ça­do.

A pis­ci­na es­tá su­ja. O ver­bo vai ape­nas li­gar o su­jei­to à ca­rac­te­rís­ti­ca que tra­ta de­le, ou se­ja, o pre­di­ca­ti­vo do su­jei­to.

Ter­mos in­te­gran­tes da ora­ção

Os ter­mos in­te­gran­tes da ora­ção são aque­les que vão com­ple­tar o sen­ti­do do ver­bo, com­ple­tam a in­for­ma­ção a ser pas­sa­da pe­lo ver­bo. São eles:

a) Ob­je­to di­re­to: é o ter­mo que vai com­ple­tar o sen­ti­do do ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to. Ele não vem acom­pa­nha­do de pre­po­si­ção.

Exem­plo: O pa­dei­ro trou­xe pão. (O pa­dei­ro é o su­jei­to da ora­ção, trou­xe é o ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to, quem traz, traz al­gu­ma coi­sa. O que ele trou­xe? Pão = ob­je­to di­re­to).

b) Ob­je­to di­re­to pre­po­si­ci­o­na­do: ocor­re qu­an­do ex­cep­ci­o­nal­men­te o ob­je­to di­re­to vem pre­ce­di­do de pre­po­si­ção.

Exem­plo: Be­beu da água. (quem be­be, be­be al­gu­ma coi­sa, po­rém por uma ques­tão es­ti­lís­ti­ca usa-se a pre­po­si­ção “de”).

c) Ob­je­to in­di­re­to: é o ter­mo que vai com­ple­tar o sen­ti­do do ver­bo tran­si­ti­vo in­di­re­to. Ele vem sem­pre acom­pa­nha­do por uma pre­po­si­ção pa­ra se li­gar ao ver­bo.

Exem­plo: Os me­ni­nos obe­de­cem aos avós. ( os me­ni­nos é o su­jei­to da ora­ção, obe­de­cem é o ver­bo tran­si­ti­vo in­di­re­to. Quem obe­de­ce, obe­de­ce a al­guém. A quem eles obe­de­cem? Aos avós = ob­je­to in­di­re­to).

Di­cas: os pro­no­mes “o”, “a”, “os”, “as” de­vem ser utilizados co­mo com­ple­men­tos ver­bais dos ver­bos tran­si­ti­vos di­re­tos. Por is­so, exer­cem a fun­ção de ob­je­to di­re­to.

Exem­plo: A pro­fes­so­ra dei­xou-as na qua­dra.

Os pro­no­mes “lhe”, “lhes” de­vem ser utilizados co­mo com­ple­men­tos dos ver­bos tran­si­ti­vos in­di­re­tos. Por­tan­to, fun­ci­o­nam co­mo ob­je­tos in­di­re­tos. Exem­plo: O em­pre­go in­te­res­sa­va-lhe. d) Pre­di­ca­ti­vo do ob­je­to: o pre­di­ca­ti­vo do ob­je­to só ocor­re no pre­di­ca­do ver­bo-no­mi­nal. Ele com­ple­ta o sen­ti­do do ob­je­to, e não do ver­bo. Exem­plo: En­con­trei os pro­fes­so­res ani­ma­dos. Su­jei­to = eu, ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to = en­con­trei, os pro­fes­so­res = ob­je­to di­re­to, ani­ma­dos = pre­di­ca­ti­vo do ob­je­to (ca­rac­te­rís­ti­ca do ob­je­to).

e) Com­ple­men­to no­mi­nal: é o ter­mo que com­ple­ta o sen­ti­do de um no­me com au­xí­lio de uma pre­po­si­ção. O no­me po­de ser um subs­tan­ti­vo, ad­je­ti­vo ou ad­vér­bio. O com­ple­men­to vai in­di­car sem­pre o al­vo ou pon­to so­bre o qual re­cai a ação do no­me.

Exem­plo: O do­en­te tem ne­ces­si­da­de de re­mé­di­os. (Su­jei­to = o do­en­te, ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to = tem, com­ple­men­to no­mi­nal = de re­mé­di­os).

A di­fe­ren­ça do com­ple­men­to no­mi­nal pa­ra o ob­je­to in­di­re­to é que o pri­mei­ro com­ple­ta um no­me e o úl­ti­mo com­ple­ta um ver­bo.

Exem­plo: O do­en­te ne­ces­si­ta de re­mé­di­os. (Su­jei­to = o do­en­te, ver­bo tran­si­ti­vo in­di­re­to = ne­ces­si­ta, ob­je­to in­di­re­to = de re­mé­di­os).

f ) Agen­te da pas­si­va: é o ter­mo da ora­ção que pra­ti­ca a ação do ver­bo na voz pas­si­va, vem sem­pre pre­ce­di­do das pre­po­si­ções “de”, “per” ou “por”. Exem­plo: A pro­va é res­pon­di­da pe­lo alu­no. Su­jei­to = a pro­va, ver­bo na voz pas­si­va = é res­pon­di­da, agen­te da pas­si­va = pe­lo alu­no.

O agen­te da pas­si­va é o su­jei­to qu­an­do co­lo­ca­mos a fra­se na voz ati­va e o agen­te da pas­si­va pas­sa a as­su­mir o pa­pel de ob­je­to di­re­to da ora­ção. Exem­plo: O alu­no res­pon­de a pro­va. Su­jei­to = o alu­no, ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to = res­pon­de, ob­je­to di­re­to = a pro­va.

Ter­mos aces­só­ri­os da ora­ção

a) Ad­jun­to ad­no­mi­nal: é o ter­mo que se re­fe­re a um subs­tan­ti­vo, de­li­mi­tan­do ou es­fe­ci­fi­can­do-o. Es­sa fun­ção é tí­pi­ca dos ad­je­ti­vos.

As pa­la­vras que fun­ci­o­nam co­mo ad­jun­to ad­no­mi­nal vão sem­pre con­cor­dar com o subs­tan­ti­vo a que se re­fe­rem em gê­ne­ro e nú­me­ro.

Po­dem fun­ci­o­nar co­mo ad­jun­tos ad­no­mi­nais os ar­ti­gos, nu­me­rais ad­je­ti­vos, pro­no­mes ad­je­ti­vos, ad­je­ti­vos, lo­cu­ções ad­je­ti­vas ou pro­no­me pes­so­al oblí­quo.

Exem­plos: O alu­no che­gou ani­ma­do. (O = adj. ad­no­mi­nal, alu­no = su­jei­to, che­gou = ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to, ani­ma­do = ad­jun­to ad­no­mi­nal).

Dois alu­nos che­ga­ram ani­ma­dos. (Dois = adj. ad­no­mi­nal, alu­nos = su­jei­to, che­ga­ram = ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to, ani­ma­dos = ad­jun­to ad­no­mi­nal).

Di­ca: qu­an­do o ad­jun­to ad­no­mi­nal é re­pre­sen­ta­do por uma lo­cu­ção ad­je­ti­va não há con­cor­dân­cia.

Exem­plo: Os alu­nos do in­te­ri­or che­ga­ram ani­ma­dos. ( A lo­cu­ção ad­je­ti­va não con­cor­da em nú­me­ro e gê­ne­ro com o su­jei­to “alu­nos”).

Du­ran­te a aná­li­se sin­tá­ti­ca de uma ora­ção é pos­sí­vel sur­gi­rem dú­vi­das quan­to à clas­si­fi­ca­ção de ad­jun­tos ad­no­mi­nais re­pre­sen­ta­dos por lo­cu­ções ad­je­ti­vas, pois es­ses po­dem ser con­fun­di­dos com com­ple­men­tos no­mi­nais.

Pa­ra que não ha­ja dú­vi­das va­mos le­var em con­ta as con­si­de­ra­ções a se­guir.

Se o ter­mo in­tro­du­zi­do por pre­po­si­ção es­ti­ver li­ga­do a um ad­je­ti­vo ou a um ad­vér­bio se­rá um com­ple­men­to no­mi­nal, pois o ad­jun­to ad­no­mi­nal vai se re­la­ci­o­nar com um subs­tan­ti­vo.

Exem­plos: Era fa­vo­rá­vel a de­ci­são. (fa­vo­rá­vel = ad­je­ti­vo, a de­ci­são = com­ple­men­to no­mi­nal).

Qu­an­do o ter­mo in­tro­du­zi­do pe­la pre­po­si­ção es­ti­ver com­ple­tan­do o sen­ti­do de um subs­tan­ti­vo, de­ve­mos le­var em con­ta se o seu pa­pel é ati­vo ou pas­si­vo na ora­ção.

Exem­plos: A res­pos­ta ao po­vo foi sa­tis­fa­tó­ria. (res­pos­ta = subs­tan­ti­vo, ao po­vo = com­ple­men­to no­mi­nal, sen­ti­do pas­si­vo, não hou­ve ação por par­te do po­vo, ele só re­ce­beu).

A res­pos­ta do po­vo foi sa­tis­fa­tó­ria. (res­pos­ta = subs­tan­ti­vo, do po­vo = ad­jun­to ad­no­mi­nal, sen­ti­do ati­vo, o po­vo pra­ti­cou a ação de res­pon­der).

b) Ad­jun­to ad­ver­bi­al: é o ter­mo que exer­ce fun­ção de ad­vér­bio den­tro da ora­ção. Ele po­de ser re­pre­sen­ta­do por um ad­vér­bio ou lo­cu­ção ad­ver­bi­al. Exem­plo: Os alu­nos es­tu­da­ram mui­tís­si­mo. Os ad­jun­tos ad­ver­bi­ais po­dem ex­pri­mir inú­me­ras cir­cuns­tân­ci­as, tais co­mo lu­gar, tem­po, mo­do, ins­tru­men­to, as­sun­to, cau­sa ou fi­na­li­da­de.

c) Apos­to: ser­ve pa­ra ex­pli­car, de­sen­vol­ver ou re­su­mir um subs­tan­ti­vo ou pa­la­vra com va­lor de subs­tan­ti­vo. Ge­ral­men­te, ele vem se­pa­ra­do do no­me ao qual se re­fe­re por pontuação. O nú­cleo do apos­to, nor­mal­men­te, é um subs­tan­ti­vo ou pa­la­vra com va­lor de subs­tan­ti­vo.

Exem­plos: Meu no­me, Ma­ria Lui­za, não é mui­to co­mum. (no­me = subs­tan­ti­vo, Ma­ria Lui­za = apos­to, re­pre­sen­ta­do por um subs­tan­ti­vo).

De­se­jo que te­nha ape­nas uma coi­sa: amor. (coi­sa = subs­tan­ti­vo, amor = apos­to, re­pre­sen­ta­do por subs­tan­ti­vo).

Vo­ca­ti­vo

O vo­ca­ti­vo não per­ten­ce nem ao su­jei­to e nem ao pre­di­ca­do, por is­so não faz par­te dos gru­pos de fun­ções sin­tá­ti­cas.

O vo­ca­ti­vo ser­ve pa­ra in­vo­car, cha­mar, ou in­ter­pe­lar um in­ter­lo­cu­tor. Po­de vir iso­la­do por pontuação e acom­pa­nha­do por in­ter­jei­ção de cha­ma­men­to. É re­pre­sen­ta­do por subs­tan­ti­vo ou pro­no­me subs­tan­ti­vo. Exem­plo: “Ful­gu­ras, ó Bra­sil, flo­rão da Amé­ri­ca...” (Hi­no Na­ci­o­nal bra­si­lei­ro).

Pe­río­do com­pos­to Co­mo já vi­mos, o pe­río­do po­de ser clas­si­fi­ca­do em sim­ples e com­pos­to. O pe­río­do sim­ples é for­ma­do por uma úni­ca ora­ção. O pe­río­do com­pos­to é for­ma­do por mais de uma ora­ção. O pe­río­do com­pos­to se sub­di­vi­de em al­gu­mas ca­te­go­ri­as, co­mo ve­re­mos a par­tir de ago­ra.

1. Pe­río­do com­pos­to por co­or­de­na­ção: é for­ma­do por ora­ções co­or­de­na­das, ou se­ja, aque­las que não exer­cem fun­ção sin­tá­ti­ca umas so­bre as ou­tras, a sua de­pen­dên­cia é ape­nas pa­ra dar sen­ti­do à fra­se.

Exem­plo: Nas­ci ino­cen­te, cres­ci er­ran­te e mor­ri so­zi­nho. (três ora­ções in­de­pen­den­tes sin­ta­ti­ca­men­te umas das ou­tras, mas com de­pen­dên­cia de sen­ti­do, pois se tro­car­mos a or­dem dos acon­te­ci­men­tos a fra­se per­de o sen­ti­do).

As ora­ções co­or­de­na­das po­dem ou não vi­rem in­tro­du­zi­das por con­jun­ção. Qu­an­do vêm in­tro­du­zi­das por con­jun­ção são cha­ma­das de ora­ção co­or­de­na­da sin­dé­ti­ca, ca­so con­trá­rio são cha­ma­das de ora­ção co­or­de­na­da as­sin­dé­ti­ca. As ora­ções co­or­de­na­das sin­dé­ti­cas po­dem se clas­si­fi­car em:

a) Ora­ção co­or­de­na­da sin­dé­ti­ca adi­ti­va: qu­an­do ex­pri­me ideia de adi­ção ou so­ma.

Ex.: Ela ora e age. (ora­ção co­or­de­na­da as­sin­dé­ti­ca: Ela ora. (ora­ção co­or­de­na­da sin­dé­ti­ca: e age).

b) Ora­ção co­or­de­na­da sin­dé­ti­ca ad­ver­sa­ti­va: qu­an­do ex­pri­me ideia de ad­ver­si­da­de.

Ex.: Gos­ta­ria de ga­nhar mais, po­rém não con­si­go. (ora­ção co­or­de­na­da as­sin­dé­ti­ca: Gos­ta­ria de ga­nhar mais; sin­dé­ti­ca: po­rém não con­si­go).

c) Ora­ção co­or­de­na­da al­ter­na­ti­va: qu­an­do ex­pri­me ideia de al­ter­nân­cia ou es­co­lha.

Ex.: Ora qu­er sair, ora fi­car em ca­sa. (ora­ção co­or­de­na­da sin­dé­ti­ca: Ora qu­er sair; ora­ção co­or­de­na­da sin­dé­ti­ca: ora qu­er fi­car em ca­sa).

d) Ora­ção co­or­de­na­da con­clu­si­va: qu­an­do ex­pri­me ideia de con­clu­são.

Ex.: Es­tou des­can­sa­da, lo­go pos­so sair. (ora­ção co­or­de­na­da as­sin­dé­ti­ca: es­tou des­can­sa­da; ora­ção co­or­de­na­da sin­dé­ti­ca: lo­go pos­so sair.).

e) Ora­ção co­or­de­na­da ex­pli­ca­ti­va: qu­an­do ex­pri­me ideia de jus­ti­fi­ca­ção, ex­pli­ca­ção ou con­fir­ma­ção.

e1) Com­pos­to por su­bor­di­na­ção: é for­ma­do por ora­ção prin­ci­pal e ora­ções su­bor­di­na­das. Exer­ce fun­ção sin­tá­ti­ca em re­la­ção a ou­tra.

Exem­plo: O síndico não con­vo­cou a reu­nião por­que fi­cou com me­do dos mo­ra­do­res.

i) Ora­ção prin­ci­pal: O síndico não con­vo­cou a reu­nião.

ii) Ora­ção su­bor­di­na­da: por­que fi­cou com me­do dos mo­ra­do­res. As ora­ções su­bor­di­na­das po­dem se clas­si­fi­car con­for­me sua fun­ção sin­tá­ti­ca em subs­tan­ti­vas, ad­je­ti­vas e ad­ver­bi­ais.

f ) Ora­ções su­bor­di­na­das subs­tan­ti­vas: exer­cem as fun­ções sin­tá­ti­cas pró­pri­as de um subs­tan­ti­vo (su­jei­to, ob­je­to di­re­to, ob­je­to in­di­re­to, pre­di­ca­ti­vo, com­ple­men­to no­mi­nal e apos­to).

Ora­ções su­bor­di­na­das subs­tan­ti­vas sub­je­ti­vas: exer­cem fun­ção de su­jei­to do ver­bo da ora­ção prin­ci­pal.

Exem­plo: É pre­ci­so que vo­cê me­lho­re.

Ora­ções su­bor­di­na­das subs­tan­ti­vas ob­je­ti­vas di­re­tas: exer­cem fun­ção sin­tá­ti­ca de ob­je­to di­re­to do ver­bo da ora­ção prin­ci­pal. Exem­plo: Nós que­re­mos que vo­cê aju­de. Ora­ções su­bor­di­na­das subs­tan­ti­vas ob­je­ti­vas in­di­re­tas: exer­cem a fun­ção sin­tá­ti­ca de ob­je­to in­di­re­to do ver­bo da ora­ção prin­ci­pal. Exem­plo: Nós pre­ci­sa­mos de que al­guém nos aju­de. Ora­ções su­bor­di­na­das subs­tan­ti­vas pre­di­ca­ti­vas: exer­cem a fun­ção sin­tá­ti­ca de pre­di­ca­ti­vo do su­jei­to da ora­ção prin­ci­pal. Exem­plo: A dú­vi­da é se vo­cê aju­da­rá. Ora­ções su­bor­di­na­das subs­tan­ti­vas com­ple­ti­vas no­mi­nais: exer­cem a fun­ção sin­tá­ti­ca de um no­me da ora­ção prin­ci­pal.

Exem­plo: To­da pes­soa tem ne­ces­si­da­de de que al­guém a ame.

Ora­ções su­bor­di­na­das subs­tan­ti­vas apo­si­ti­vas: exer­cem a fun­ção sin­tá­ti­ca de apos­to de um no­me da ora­ção prin­ci­pal.

Exem­plo: To­dos os pro­fes­so­res têm o mes­mo ob­je­ti­vo: que seus alu­nos se­jam apro­va­dos.

g) Ora­ções su­bor­di­na­das ad­je­ti­vas: são aque­las que exer­cem a fun­ção sin­tá­ti­ca de ad­jun­to ad­no­mi­nal. Es­tão re­la­ci­o­na­das a um no­me da ora­ção prin­ci­pal. Se clas­si­fi­cam quan­to ao sen­ti­do.

Ora­ções su­bor­di­na­das ad­je­ti­vas res­tri­ti­vas: que res­trin­gem a sig­ni­fi­ca­ção do no­me ao qual se re­fe­rem.

Exem­plo: A cé­lu­la que co­bre to­do o or­ga­nis­mo hu­ma­no é a pe­le.

Ora­ções su­bor­di­na­das ad­je­ti­vas ex­pli­ca­ti­vas: que acres­cen­tam uma ca­rac­te­rís­ti­ca que é pró­pria do no­me ao qual se re­fe­rem.

Exem­plo: A pe­le, que é um ór­gão, co­bre to­do o or­ga­nis­mo hu­ma­no.

h) Ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais: são aque­las que exer­cem fun­ção sin­tá­ti­ca de ad­jun­to ad­ver­bi­al. As­sim co­mo os ad­vér­bi­os, as ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais tam­bém são clas­si­fi­ca­das con­for­me o con­tex­to em que se apre­sen­tam. Por­tan­to, po­dem ser clas­si­fi­ca­das em:

Ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais cau­sais: aque­las que ex­pri­mem cir­cuns­tân­cia de cau­sa ou mo­ti­vo.

Exem­plo: Saí­mos ra­pi­da­men­te por­que es­ta­va fa­zen­do mui­to ca­lor.

Ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais com­pa­ra­ti­vas: aque­las que ex­pri­mem cir­cuns­tân­cia de com­pa­ra­ção. Exem­plo: Vo­cê era mais in­te­li­gen­te do que seu ir­mão. Ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais con­se­cu­ti­vas: aque­las que ex­pri­mem cir­cuns­tân­cia de con­sequên­cia ou re­sul­ta­do.

Exem­plo: Ele se es­for­ça tan­to que con­se­gue tu­do o que qu­er.

Ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais con­ces­si­vas: aque­las que ex­pri­mem cir­cuns­tân­cia de con­ces­são ou per­mis­são.

Exem­plo: To­dos fo­ram em­bo­ra, mes­mo sem ter­mi­nar as pro­vas.

Ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais con­di­ci­o­nais: aque­las que ex­pri­mem cir­cuns­tân­cia de con­di­ção.

Exem­plo: Vo­cê se­rá apro­va­do, des­de que se de­di­que aos es­tu­dos.

Ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais con­for­ma­ti­vas: aque­las que ex­pri­mem cir­cuns­tân­cia de con­for­mi­da­de ou ade­qua­ção.

Exem­plo: Fiz os exer­cí­ci­os, con­for­me o pro­fes­sor pe­diu.

Ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais fi­nais: aque­las que ex­pri­mem cir­cuns­tân­cia de fi­na­li­da­de ou ob­je­ti­vo.

Exem­plo: Ele pre­ci­sa do di­nhei­ro pa­ra que pos­sa com­prar mais li­vros.

Ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais pro­por­ci­o­nais: são aque­las que ex­pri­mem cir­cuns­tân­cia de pro­por­ção, ou se­ja, a re­la­ção en­tre du­as coi­sas, em que uma po­de afe­tar a ou­tra.

Exem­plo: À me­di­da que o tem­po pas­sa, tu­do fi­ca mais di­fí­cil.

Ora­ções su­bor­di­na­das ad­ver­bi­ais tem­po­rais: aque­las que ex­pri­mem cir­cuns­tân­cia de tem­po. Exem­plo: Fi­co fe­liz sem­pre que o ano co­me­ça bem. i) Ora­ções su­bor­di­na­das re­du­zi­das: as ora­ções su­bor­di­na­das po­dem apa­re­cer de for­ma re­du­zi­da. As­sim, apre­sen­tam ver­bo no ge­rún­dio, par­ti­cí­pio ou in­fi­ni­ti­vo, não vêm in­tro­du­zi­das por con­jun­ções, lo­cu­ções con­jun­ti­vas su­bor­di­na­ti­vas ou pro­no­mes re­la­ti­vos. Con­for­me a for­ma no­mi­nal do ver­bo, po­dem se clas­si­fi­car em: su­bor­di­na­da re­du­zi­da de ge­rún­dio, su­bor­di­na­da re­du­zi­da de par­ti­cí­pio ou su­bor­di­na­da re­du­zi­da de in­fi­ni­ti­vo. Exem­plos: Ela foi a úni­ca a as­sis­tir à au­la. Fal­tan­do al­guns mi­nu­tos pa­ra o fi­nal da au­la, to­dos che­ga­ram.

Ter­mi­na­da a au­la, con­ti­nu­a­rei es­tu­dan­do.

Di­ca: pa­ra clas­si­fi­car a ora­ção su­bor­di­na­da ad­je­ti­va ou ad­ver­bi­al que se apresenta re­du­zi­da é co­mum de­sen­vol­vê-las e clas­si­fi­cá-las após de­sen­vol­vi­das.

Exem­plos: Ela foi a úni­ca a as­sis­tir à au­la. / Ela foi a úni­ca que as­sis­tiu au­la.

Com­pos­to por co­or­de­na­ção e su­bor­di­na­ção: é for­ma­do por ora­ção prin­ci­pal, ora­ções co­or­de­na­das e su­bor­di­na­das.

Exem­plo: O síndico con­vo­cou a reu­nião pa­ra que a pau­ta fos­se dis­cu­ti­da, mas nin­guém com­pa­re­ceu.

Ora­ção prin­ci­pal: O síndico con­vo­cou a reu­nião Ora­ção su­bor­di­na­da: pa­ra que a pau­ta fos­se dis­cu­ti­da Ora­ção co­or­de­na­da: mas nin­guém com­pa­re­ceu.

Di­ca: exis­tem ora­ções in­ter­ca­la­das, ora­ções in­de­pen­den­tes que não per­ten­cem ao pe­río­do. Elas vêm se­pa­ra­das por vír­gu­la, du­plo tra­ves­são ou pa­rên­te­ses. Exem­plos: “Ciu­men­ta!, ex­cla­mou Sei­xas”. ( Jo­sé de Alen­car, em "Se­nho­ra").

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.