Con­cor­dân­cia

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

É a for­ma pe­la qual as pa­la­vras se ade­quam umas as ou­tras. Pa­ra que es­sa ade­qua­ção acon­te­ça, há al­te­ra­ções nas ter­mi­na­ções das pa­la­vras. Exis­tem dois ti­pos de con­cor­dân­cia: a ver­bal na qual o ver­bo al­te­ra as su­as de­si­nên­ci­as de nú­me­ro e pes­soa pa­ra se ajus­tar ao su­jei­to; a no­mi­nal qu­an­do os no­mes al­te­ram as su­as de­si­nên­ci­as pa­ra se ajus­ta­rem em nú­me­ro e gê­ne­ro ao subs­tan­ti­vo ou pro­no­me ao qual se re­fe­rem.

Con­cor­dân­cia ver­bal

A re­gra bá­si­ca da con­cor­dân­cia ver­bal nós já co­nhe­ce­mos: o ver­bo e o su­jei­to de­vem con­cor­dar em nú­me­ro e pes­soa. Mas exis­tem ca­sos par­ti­cu­la­res que ve­re­mos ago­ra.

a) Qu­an­do o su­jei­to é pro­no­me de tra­ta­men­to o ver­bo de­ve sem­pre fi­car na 3ª pes­soa, e con­cor­dar em nú­me­ro com o pro­no­me.

Exem­plos: Vos­sas Ma­jes­ta­des de­se­jam ca­val­gar pe­los jar­dins?

Vossa Al­te­za de­se­ja en­con­trar-se com os jo­vens ime­di­a­ta­men­te.

b) Qu­an­do o su­jei­to é um co­le­ti­vo, o ver­bo acom­pa­nha o nú­me­ro do subs­tan­ti­vo. Exem­plo: A col­meia es­tá de­bai­xo da es­ca­da. As re­vo­a­das de ve­rão tra­zem paz ao co­ra­ção de quem as as­sis­te.

Qu­an­do o co­le­ti­vo vi­er es­pe­ci­fi­ca­do por um ad­jun­to plu­ral, o ver­bo po­de con­cor­dar com o co­le­ti­vo ou com o ad­jun­to.

Exem­plo: Uma mul­ti­dão de con­su­mi­do­res atra­sa­dos in­va­diu / in­va­di­ram o shop­ping na vés­pe­ra do Na­tal.

c) Qu­an­do o su­jei­to é o pro­no­me re­la­ti­vo “que”, o ver­bo con­cor­da com o an­te­ce­den­te do pro­no­me re­la­ti­vo.

Exem­plo: Má­rio foi a pes­soa que cha­mou os alu­nos. (a pes­soa = an­te­ce­den­te, que =su­jei­to, cha­mou = ver­bo).

d) Qu­an­do o su­jei­to é o pro­no­me re­la­ti­vo “quem” o ver­bo de­ve fi­car na 3ª pes­soa do sin­gu­lar. Exem­plo: Fui eu quem ba­teu a por­ta. Mas, co­mo cos­tu­ma­mos uti­li­zar o pro­no­me “que” da mes­ma for­ma que o pro­no­me “quem”, é co­mum ver­mos a con­cor­dân­cia com o an­te­ce­den­te. Exem­plo: Fo­mos nós quem ar­ru­ma­mos a ca­sa. e) Qu­an­do o su­jei­to é “mais de um” ou “mais de dois”, o ver­bo de­ve es­tar no mes­mo nú­me­ro que o nu­me­ral ex­pres­so. Exem­plo: Mais de um alu­no ga­ba­ri­tou a pro­va. Mais de dois alu­nos ga­ba­ri­ta­ram a pro­va. Qu­an­do há re­ci­pro­ci­da­de o ver­bo fi­ca­rá no plu­ral. Exem­plo: Mais de um jo­ga­dor ofen­de­ram-se. f ) Qu­an­do o su­jei­to é for­ma­do pe­las ex­pres­sões “al­guns de nós” ou “pou­cos de nós”, a con­cor­dân­cia de­ve ser fei­ta com o pro­no­me. Exem­plos: Al­guns de nós fu­gi­ram / fu­gi­mos do as­sun­to. Pou­cos de nós fi­ca­ram / fi­ca­mos pa­ra o jan­tar. g) Qu­an­do o su­jei­to for uma ora­ção su­bor­di­na­da, o ver­bo da ora­ção prin­ci­pal fi­ca­rá na ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar. Exem­plo: Per­gun­tou-se, quem po­de­ria fa­zer is­so? h) Qu­an­do o su­jei­to for com­pos­to, o ver­bo fi­ca­rá no plu­ral. Exem­plo: João e Ma­ria fu­gi­ram. Se o su­jei­to com­pos­to for for­ma­do por dois nú­cle­os sinô­ni­mos ou dis­pos­tos em gra­da­ção ou ain­da fo­rem dois in­fi­ni­ti­vos, ad­mi­te-se o ver­bo no sin­gu­lar. Exem­plos: A an­si­e­da­de e o ner­vo­sis­mo dei­xou- a apa­vo­ra­da. A frus­tra­ção, a tris­te­za e a de­pres­são aca­bou com ele. Ar­ru­mar e cui­dar de tu­do tor­na­va sua vi­da per­fei­ta. Di­cas: qu­an­do o su­jei­to vi­er de­pois do ver­bo, es­te po­de­rá con­cor­dar com o nú­cleo mais pró­xi­mo. Exem­plo: Fu­giu João e Ma­ria. Qu­an­do os in­fi­ni­ti­vos fo­rem opos­tos não se ad­mi­te sin­gu­lar.

Exem­plo: Amar e odi­ar fa­zem par­te da vi­da, só de­pen­de do mo­men­to.

i) Qu­an­do o su­jei­to com­pos­to for re­su­mi­do por pro­no­me in­de­fi­ni­do a con­cor­dân­cia de­ve­rá ser fei­ta com a pa­la­vra que re­su­mir o su­jei­to com­pos­to.

Exem­plo: Vi­vi­a­ne, Mar­ce­la e Flá­via, nin­guém fa­lou du­ran­te o jan­tar.

j) Qu­an­do o su­jei­to com­pos­to for for­ma­do de pes­so­as di­fe­ren­tes, se hou­ver a pri­mei­ra pes­soa en­tre as pes­so­as do su­jei­to com­pos­to, o ver­bo fi­ca­rá na pri­mei­ra pes­soa do plu­ral. Exem­plo: Eu, vo­cê e Fá­bio pa­ga­mos a con­ta. Se o su­jei­to com­pos­to for for­ma­do por se­gun­da e ter­cei­ra pes­so­as, o ver­bo po­de ir pa­ra a se­gun­da ou pa­ra a ter­cei­ra pes­soa do plu­ral. Exem­plos: Tu e teu pai sois es­for­ça­dos.

Tu e teu pai são es­for­ça­dos. k) Qu­an­do o su­jei­to for for­ma­do por no­mes que só se usam no plu­ral, e não vi­er pre­ce­di­do de ar­ti­go, o ver­bo fi­ca­rá no sin­gu­lar. Se vi­er pre­ce­di­do de ar­ti­go, o ver­bo con­cor­da­rá com o ar­ti­go. Exem­plos:

Os Es­ta­dos Uni­dos são uma na­ção or­gu­lho­sa de su­as con­quis­tas.

Es­ta­dos Uni­dos é uma na­ção or­gu­lho­sa de su­as con­quis­tas.

l) Qu­an­do os ver­bos “dar”, “ba­ter” ou “so­ar” es­ti­ve­rem in­di­can­do ho­ras, con­cor­da­rão com o su­jei­to.

Exem­plo: O re­ló­gio deu uma ho­ra. (deu = ver­bo, re­ló­gio = su­jei­to).

Mas, se na fra­se o su­jei­to é o nú­me­ro de ho­ras, o ver­bo de­ve con­cor­dar com o su­jei­to. Is­so acon­te­ce qu­an­do a fra­se diz quem deu as ho­ras.

Exem­plo: De­ram cin­co ho­ras no re­ló­gio da Cen­tral do Bra­sil. (De­ram = ver­bo, cin­co ho­ras = su­jei­to, no re­ló­gio da Cen­tral do Bra­sil = ad­jun­to ad­ver­bi­al).

m) Qu­an­do o ver­bo vi­er acom­pa­nha­do do ín­di­ce de in­de­ter­mi­na­ção do su­jei­to “se”, fi­ca­rá na ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar. Exem­plo: Pre­ci­sa-se de pro­fes­so­res ex­pe­ri­en­tes. n) Qu­an­do o ver­bo vi­er acom­pa­nha­do de pro­no­me apas­si­va­dor “se”, con­cor­da­rá com o su­jei­to ex­pres­so na ora­ção. Exem­plos: Ven­dem-se ca­dei­ras de praia.

Con­ser­ta-se sa­pa­to. o) Qu­an­do os ver­bos “ha­ver” e “fa­zer” fo­rem im­pes­so­ais, in­di­can­do tem­po trans­cor­ri­do, ou se­ja, não pos­suí­rem su­jei­to, não se fle­xi­o­nam em nú­me­ro e fi­ca­rão na ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar. Exem­plo: Ha­via vin­te anos que não se vi­am. Faz três se­ma­nas que es­ta­mos es­tu­dan­do mui­to. p) Qu­an­do os nú­cle­os do su­jei­to es­ti­ve­rem li­ga­dos por “ou”, se a con­jun­ção ti­ver va­lor de ex­clu­são, o ver­bo fi­ca­rá no sin­gu­lar, ca­so con­trá­rio, no plu­ral.

Exem­plos: Bra­sil ou Es­ta­dos Uni­dos re­ce­be­rá as Olim­pía­das.

Bra­sil ou Es­ta­dos Uni­dos que­rem re­ce­ber as Olim­pía­das. Va­mos ver si­tu­a­ções de uso do ver­bo “ser”: Qu­an­do o su­jei­to for o pro­no­me in­ter­ro­ga­ti­vo “quem” ou “que”, o ver­bo con­cor­da­rá com o pre­di­ca­ti­vo.

Exem­plos: Quem me­xeu no bo­lo? (quem = su­jei­to, no bo­lo = pre­di­ca­ti­vo).

Qu­an­do o pre­di­ca­ti­vo in­di­car tem­po, da­ta ou dis­tân­cia, o ver­bo “ser” con­cor­da­rá com ele. Exem­plo: São trin­ta de ja­nei­ro. (pre­di­ca­ti­vo). Sem­pre que hou­ver um pro­no­me pes­so­al, o ver­bo “ser” con­cor­da­rá com ele, in­de­pen­den­te do ver­bo vir an­tes ou de­pois do pro­no­me. Exem­plos: O alu­no é vo­cê.

Vo­cê é o alu­no. De igual for­ma fa­ze­mos qu­an­do há no­me de pes­soa. Exem­plos: A Lud­mi­la era ex­ce­len­te alu­na.

Ex­ce­len­te alu­na era a Lud­mi­la. Qu­an­do o su­jei­to do ver­bo “ser” for “tu­do”, “is­to”, “is­so”, “aqui­lo” ou “o”, a con­cor­dân­cia de­ve­rá ser fei­ta, de pre­fe­rên­cia, com o pre­di­ca­ti­vo.

Exem­plo: Aqui­lo eram fotos de fa­mí­lia. (su­jei­to = aqui­lo, ver­bo = eram, fotos de fa­mí­lia = pre­di­ca­ti­vo).

Nas ex­pres­sões “é mui­to”, “é pou­co”, “é su­fi­ci­en­te”, “é bas­tan­te”, fi­ca sem­pre na ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar se es­ti­ve­rem sig­ni­fi­can­do quan­ti­da­de ou dis­tân­cia.

Exem­plo: Trin­ta di­as é mui­to pou­co pa­ra des­can­sar.

Con­cor­dân­cia no­mi­nal

A re­gra bá­si­ca da con­cor­dân­cia no­mi­nal – co­mo bem sa­be­mos – é que o ad­je­ti­vo, o ar­ti­go, o nu­me­ral ad­je­ti­vo e o pro­no­me ad­je­ti­vo con­cor­dam em gê­ne­ro e nú­me­ro com o subs­tan­ti­vo a que se re­fe­rem. Po­rém, as­sim co­mo na con­cor­dân­cia ver­bal, exis­tem al­guns ca­sos par­ti­cu­la­res que po­dem ge­rar dú­vi­das. Nós ve­re­mos os prin­ci­pais.

a) Qu­an­do um subs­tan­ti­vo for de­ter­mi­na­do por mais de um ad­je­ti­vo, po­de-se uti­li­zar o subs­tan­ti­vo no plu­ral e dei­xar os ad­je­ti­vos no sin­gu­lar sem ar­ti­go co­mo pre­ce­den­te, ou po­de-se uti­li­zar o subs­tan­ti­vo no sin­gu­lar e uti­li­zar ar­ti­gos pre­ce­den­do o se­gun­do ad­je­ti­vo em di­an­te. Exem­plos:

Es­tu­da­va as dis­ci­pli­nas por­tu­guês, ma­te­má­ti­ca e his­tó­ria.

Es­tu­da­va a dis­ci­pli­na por­tu­guês, a ma­te­má­ti­ca e a his­tó­ria.

b) As ex­pres­sões “é bom”, “é ne­ces­sá­rio”, “é proi­bi­do” não va­ri­am, mas se o su­jei­to vi­er pre­ce­di­do de ar­ti­go, a con­cor­dân­cia com es­te ar­ti­go se­rá obri­ga­tó­ria. Exem­plos: Tin­ta com chei­ro é proi­bi­do. A tin­ta com chei­ro é proi­bi­da. c) O ter­mo “me­nos”, por ser um ad­vér­bio, não se fle­xi­o­na. Exem­plo: As alu­nas são me­nos exi­gen­tes. Os alu­nos são me­nos exi­gen­tes. d) “Ane­xo” e “in­clu­so” fun­ci­o­nam co­mo ad­je­ti­vo. Por is­so, de­vem con­cor­dar com o subs­tan­ti­vo ao qual se re­fe­rem. Exem­plos:

Se­gue ane­xo o do­cu­men­to. / Se­guem ane­xos os do­cu­men­tos.

O do­cu­men­to vai in­clu­so. / Os do­cu­men­tos vão in­clu­sos.

Acon­te­ce o mes­mo com as pa­la­vras: “mes­mo”, “pró­prio”, “obri­ga­do”, “gra­to” e “qui­te”.

e) Qu­an­do “bas­tan­te” ou “bas­tan­tes” se re­fe­ri­rem a um subs­tan­ti­vo, con­cor­dam com ele. Qu­an­do se re­fe­ri­rem a ver­bo, ad­je­ti­vo ou ad­vér­bio se­rão ad­vér­bi­os. Por­tan­to, não se fle­xi­o­nam. Exem­plos: Ha­via bas­tan­tes mo­ti­vos pa­ra de­sa­pa­re­cer. As alu­nas eram bas­tan­te es­for­ça­das.

Acon­te­ce o mes­mo com as pa­la­vras “mui­to”, “pou­co”, “ca­ro”, “ba­ra­to” e “lon­ge”.

f ) Qu­an­do “só” e “sós” fo­rem equi­va­len­te a “so­zi­nho”, con­cor­da­rão com o no­me ao qual se re­fe­rem. Exem­plo: Elas es­tão sós. Qu­an­do equi­va­ler a “so­men­te” ou “ape­nas” não va­ria. Exem­plo: Só res­ta­ram mi­ga­lhas. E, por fim, a lo­cu­ção ad­ver­bi­al “a sós” é in­va­riá­vel. Exem­plo: Fi­nal­men­te, a mu­lher fi­cou a sós. g) Qu­an­do o subs­tan­ti­vo é em­pre­ga­do co­mo ad­je­ti­vo: não va­ria. Exem­plo: sa­pa­tos mar­rom. h) Con­cor­dân­cia ide­o­ló­gi­ca: qu­an­do a con­cor­dân­cia é fei­ta com o sen­ti­do su­ben­ten­di­do nas pa­la­vras, cha­ma­mos de con­cor­dân­cia ide­o­ló­gi­ca ou si­lep­se.

Exem­plo: A boê­mia e aco­lhe­do­ra Rio de Ja­nei­ro se pre­pa­ra pa­ra o car­na­val. (su­ben­ten­de-se ci­da­de do Rio de Ja­nei­ro).

i) Par­ti­cí­pi­os con­cor­dam com o subs­tan­ti­vo ao qual se re­fe­rem.

Exem­plo: Ini­ci­a­das as pa­les­tras to­dos sen­ta­ram. / Ini­ci­a­da a pa­les­tra, to­dos sen­ta­ram.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.