Re­gên­cia

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

É a par­te da gra­má­ti­ca que es­tu­da as re­la­ções en­tre os ter­mos da ora­ção. A Re­gên­cia ve­ri­fi­ca co­mo se es­ta­be­le­ce a de­pen­dên­cia en­tre es­ses ter­mos.

Re­gên­cia ver­bal

Qu­an­do o ter­mo re­gen­te for um ver­bo, a re­gên­cia se­rá ver­bal. Ver­bos com mais de uma re­gên­cia As­pi­rar: no sen­ti­do de “ins­pi­rar” exi­ge com­ple­men­to sem pre­po­si­ção, ou se­ja, ob­je­to di­re­to. Mas no sen­ti­do de “al­me­jar” exi­ge pre­po­si­ção “a”, ob­je­to in­di­re­to. Exem­plos: Ela mal as­pi­ra o pró­prio ar. Ela as­pi­ra ao car­go de ge­ren­te. As­sis­tir: no sen­ti­do de “dar aju­da” não uti­li­za pre­po­si­ção, ob­je­to di­re­to, mas tam­bém se ad­mi­te o uso de pre­po­si­ção, ob­je­to in­di­re­to.

Exem­plos: A mé­di­ca as­sis­te o pa­ci­en­te. / A mé­di­ca as­sis­te ao pa­ci­en­te.

Qu­an­do o ver­bo es­ti­ver no sen­ti­do de “per­ten­cer” exi­ge a pre­po­si­ção, ob­je­to in­di­re­to. O mes­mo acon­te­ce no sen­ti­do de “ver”. Exem­plos: É um di­rei­to que as­sis­te ao ser hu­ma­no. Os na­mo­ra­dos as­sis­tem ao fil­me. Es­que­cer e lem­brar: qu­an­do não são pro­no­mi­nais o com­ple­men­to vem sem pre­po­si­ção (ob­je­to di­re­to), mas ca­so con­trá­rio exi­gem pre­po­si­ção (ob­je­to in­di­re­to). Exem­plos:

Nós es­que­ce­mos o com­pro­mis­so de ho­je. / Nós lem­bra­mos tu­do o que es­tu­da­mos.

Nós nos es­que­ce­mos do com­pro­mis­so de ho­je. / Nós nos lem­bra­mos de tu­do o que es­tu­da­mos.

Im­pli­car: no sen­ti­do de “acar­re­tar”, não exi­ge pre­po­si­ção, ob­je­to di­re­to. No sen­ti­do de “de­mons­trar an­ti­pa­tia”, exi­ge a pre­po­si­ção “com”. Exem­plos: Tal si­tu­a­ção im­pli­cou mi­nha saí­da. To­dos im­pli­ca­ram com a si­tu­a­ção. Pa­gar: exi­ge ob­je­to di­re­to e in­di­re­to. Quem pa­ga, pa­ga al­gu­ma coi­sa a al­guém. Mas po­de apa­re­cer so­men­te com um com­ple­men­to. Es­sa re­gra tam­bém ser­ve pa­ra o ver­bo per­do­ar.

Exem­plos: Ele pa­gou o pão ao bal­co­nis­ta. / Ele pa­gou o pão. / Ele pa­gou ao bal­co­nis­ta.

Pro­ce­der: no sen­ti­do de “ori­gi­nar-se”, exi­ge pre­po­si­ção “de”, no sen­ti­do de “re­a­li­zar”, exi­ge a pre­po­si­ção “a”. Já no sen­ti­do de “ter fun­da­men­to” não exi­ge com­ple­men­to, o ver­bo é in­tran­si­ti­vo. Exem­plos: To­da a bri­ga pro­ce­deu de uma men­ti­ra. Pro­ce­deu à or­ga­ni­za­ção. Es­sas afir­ma­ções não pro­ce­dem. Vi­sar, no sen­ti­do de “ter em vis­ta”, exi­ge ob­je­to in­di­re­to. Nos sen­ti­dos de “mi­rar” e “dar vis­to”, ob­je­to di­re­to. Exem­plos: O bom alu­no vi­sa a uma apro­va­ção bri­lhan­te. Ele vi­sa os pás­sa­ros pa­ra pin­tá-los. O pro­fes­sor vi­sou os exer­cí­ci­os. Ver­bos com re­gên­cia di­fe­ren­te na for­ma cul­ta e na lin­gua­gem in­for­mal:

Che­gar, ir e vir: de­ve-se usar a pre­po­si­ção a. Is­so não ocor­re mui­to na lin­gua­gem po­pu­lar.

Exem­plo: Vou ao ba­nhei­ro.

A pre­po­si­ção “em” de­pois do ver­bo “che­gar”, in­di­ca o lu­gar de den­tro do qual ocor­re a ação.

Exem­plo: Che­guei na ca­sa.

Es­tar, mo­rar, re­si­dir, si­tu­ar: de­ve-se usar a pre­po­si­ção “em”, por­tan­to, não ad­mi­te cra­se.

Exem­plos:

Mo­ro em Ira­já.

Es­tou em Ser­gi­pe.

Re­si­di em Ita­guaí.

A lo­ja se si­tua em Cam­po Gran­de.

Im­pli­car: no sen­ti­do de “acar­re­tar”, na lin­gua­gem po­pu­lar, é nor­mal uti­li­zar a pre­po­si­ção “em”, o que não é ad­mi­ti­do na nor­ma cul­ta, pois o ver­bo é tran­si­ti­vo di­re­to.

Exem­plo: A fal­ta de com­pro­mis­so im­pli­cou a sua de­mis­são.

Obe­de­cer e de­so­be­de­cer: são ver­bos tran­si­ti­vos in­di­re­tos, de­vem-se usar so­men­te as pre­po­si­ções “a” e “lhe”.

Exem­plo: Ele não lhe obe­de­ce nun­ca.

Pre­fe­rir é ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to e in­di­re­to, ou se­ja, quem pre­fe­re, pre­fe­re uma coi­sa a ou­tra. Po­rém po­de­mos uti­li­zar ape­nas o ob­je­to di­re­to co­mo com­ple­men­to. Exem­plos: Pre­fi­ro a ver­da­de à men­ti­ra. Pre­fi­ro a ver­da­de. Na­mo­rar é um ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to e não de­ve ser uti­li­za­da a pre­po­si­ção “com” pa­ra an­te­ce­der o com­ple­men­to.

Exem­plo: Ela na­mo­ra um be­lo ra­paz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.