Ga­ba­ri­to co­men­ta­do

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Co­men­tá­ri­os: Equi­pe de pro­fes­so­res da Ofi­ci­na do Es­tu­dan­te e pro­fes­so­ra de por­tu­guês do cur­so Pro­gres­são Au­tên­ti­co, Cris­ti­na Cas­ta­nhei­ra;

(ENEM – 2016) 1) D A al­ter­na­ti­va “d” é a cor­re­ta por ela­bo­rar a ques­tão cen­tral pa­ra a me­ta­lin­gua­gem - usar uma de­ter­mi­na­da lin­gua­gem pa­ra re­fe­rir-se a si pró­pria.

2) B O te­or da lin­gua­gem se­ria ca­paz de de­mons­trar se as men­sa­gens são, co­mo o tex­to su­ge­re so­bre ho­a­xes, dra­má­ti­cas ou alar­man­tes que acom­pa­nham ima­gens cho­can­tes, fa­lam de cri­an­ças do­en­tes ou avi­sam so­bre fal­sos ví­rus.

3) A A obra “Col­cha de re­ta­lhos”, de Clau­dio Tozzi, ex­pos­ta no me­trô da es­ta­ção da Sé, em São Pau­lo, apresenta pa­ra o tran­seun­te uma es­té­ti­ca fa­cil­men­te en­con­tra­da em gran­de par­te das ca­sas bra­si­lei­ras. Es­sa obra ori­gi­na, por­tan­to, uma re­fle­xão e va­lo­ri­za­ção da es­té­ti­ca do co­ti­di­a­no, que nos pas­sa de­sa­per­ce­bi­da no dia a dia e po­de, even­tu­al­men­te, se res­sig­ni­fi­car em um no­vo lo­cal, re­ves­ti­da de uma no­va au­ra.

4) B Em uma ques­tão tra­di­ci­o­nal do ENEM, foi exi­gi­do do can­di­da­to o co­nhe­ci­men­to so­bre va­ri­a­ção lin­guís­ti­ca. A par­tir de um tre­cho da pe­ça “O san­to e a por­ca”, de Ari­a­no Suassuna, o can­di­da­to de­ve­ria iden­ti­fi­car que os ter­mos “pes­te” e “ca­chor­ro da mo­lest'a” mar­cam um di­a­le­to es­pe­cí­fi­co.

5) E O so­ne­to VII, um dos mais fa­mo­sos de Clau­dio Ma­no­el da Cos­ta, apresenta uma vi­são me­lan­có­li­ca e an­gus­ti­an­te pe­ran­te um tem­po que pas­sa e pro­mo­ve trans­for­ma­ções e so­fri­men­tos na ter­ra (por con­ta da ex­plo­ra­ção de mi­né­ri­os fei­ta por Por­tu­gal em Mi­nas Ge­rais) e no eu lí­ri­co (que não re­co­nhe­ce mais a si mes­mo e seu en­tor­no). Por is­so, es­sa re­la­ção de em­pa­tia en­tre ho­mem e na­tu­re­za nos le­va à al­ter­na­ti­va E co­mo a cor­re­ta. 6) C Em uma ques­tão de gra­má­ti­ca que não de­man­da­va do can­di­da­to um co­nhe­ci­men­to obri­ga­tó­rio de no­men­cla­tu­ra, era ne­ces­sá­rio iden­ti­fi­car a re­la­ção es­ta­be­le­ci­da en­tre a ora­ção “Acon­te­cen­do de um ci­en­tis­ta pro­vo­car um da­no em um lo­cal es­pe­cí­fi­co do cé­re­bro”, e a ora­ção “o ra­to dei­xa de fa­zer es­sa vo­ca­li­za­ção”. O can­di­da­to de­ve­ria iden­ti­fi­car a úl­ti­ma ora­ção co­mo a prin­ci­pal e a pri­mei­ra co­mo uma ora­ção su­bor­di­na­da ad­ver­bi­al con­di­ci­o­nal re­du­zi­da de ge­rún­dio que, de­sen­vol­vi­da, po­de­ria ser re­es­cri­ta da se­guin­te for­ma: “Se acon­te­ces­se de...”.

7) A Em ou­tra ques­tão que de­man­da­va um co­nhe­ci­men­to so­bre eti­mo­lo­gia e va­ri­a­ção lin­guís­ti­ca, o can­di­da­to de­ve­ria iden­ti­fi­car que a pa­la­vra man­din­ga foi in­cor­po­ra­da à lín­gua por­tu­gue­sa du­ran­te as gran­des na­ve­ga­ções por con­ta de um con­tex­to só­cio-his­tó­ri­co re­ves­ti­do de vá­ri­os va­lo­res que en­vol­ve­ram a pa­la­vra em um sen­ti­do pe­jo­ra­ti­vo.

8) B Nes­ta ques­tão de in­ter­pre­ta­ção de tex­to, o can­di­da­to de­ve­ria com­pa­rar dois tex­tos e iden­ti­fi­car co­mo as te­ses de­fen­di­das se as­se­me­lha­vam. No pri­mei­ro, a par­tir do con­cei­to de fe­ti­chis­mo de Marx, o au­tor iden­ti­fi­ca uma mu­dan­ça nos va­lo­res da so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta. No se­gun­do, o au­tor ten­ta de­mons­trar co­mo nos tor­na­mos re­féns do con­su­mis­mo e te­mos os va­lo­res trans­for­ma­dos. Por is­so a al­ter­na­ti­va B é a cor­re­ta.

9) D Nes­ta ques­tão so­bre pontuação, o can­di­da­to de­ve­ria iden­ti­fi­car a fun­ção dos dois pon­tos que, no ca­so, in­tro­du­zia um ar­gu­men­to que es­cla­re­cia o que se­ria o er­ro co­me­ti­do pe­lo lei­tor.

10) A Em uma ques­tão so­bre o gê­ne­ro pro­pa­gan­da, o can­di­da­to de­ve­ria re­co­nhe­cer a fun­ção da cam­pa­nha so­bre o con­su­mo de água, que in­ci­ta no lei­tor a ado­ção de prá­ti­cas de con­su­mo cons­ci­en­tes.

11) D De acor­do com o tex­to, o efei­to cau­sa­do pe­la in­ter­net pos­si­bi­li­ta a re­a­va­li­a­ção do con­cei­to de pro-

pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, uma vez que o ato de dis­tri­buir có­pi­as dos mais di­ver­sos do­cu­men­tos, de uti­li­zar tex­tos de ou­trem, tor­nou-se co­mum e, no ca­so des­cri­to do es­cri­tor Pau­lo Co­e­lho, al­go po­si­ti­vo.

12) E A al­ter­na­ti­va cor­re­ta é a “E”, pois o lu­gar à me­sa sin­te­ti­za me­ta­fo­ri­ca­men­te “uma es­tru­tu­ra de po­der” já que, tal qual a cul­tu­ra do im­pe­ra­dor ja­po­nês, Hi­deo “se sen­ta­va à ca­be­cei­ra da me­sa; à di­rei­ta fi­ca­va Ha­nashi­ro, que era o pri­mei­ro fi­lho, e Hi­toshi, que era o mais no­vo”, en­quan­to as mu­lhe­res fi­ca­vam nas ime­di­a­ções pois a hi­e­rár­qui­ca cul­tu­ra nipô­ni­ca as­sim man­da­va.

13) A Co­mo de cos­tu­me, ques­tões es­pe­cí­fi­cas so­bre gê­ne­ros são ca­rac­te­rís­ti­ca do Enem. Foi exi­gi­do do can­di­da­to nes­ta ques­tão re­co­nhe­cer no tex­to ca­rac­te­rís­ti­cas re­la­ci­o­na­das à re­se­nha, pois apresenta in­for­ma­ções so­bre a es­cri­ta e pes­qui­sa do li­vro “Ma­dei­ra de pon­ta a pon­ta”, bem co­mo uma aná­li­se de su­as qua­li­da­des.

14) D O can­di­da­to de­ve­ria re­co­nhe­cer, na pro­pa­gan­da apre­sen­ta­da nes­ta ques­tão, não ape­nas su­as ca­rac­te­rís­ti­cas es­tru­tu­rais, mas sua fun­ção so­ci­al: a re­la­ção es­ta­be­le­ci­da en­tre tex­to e ima­gem pre­ten­de in­flu­en­ci­ar o com­por­ta­men­to do mo­to­ris­ta. O can­di­da­to de­ve­ria fi­car aten­to, pois as de­mais al­ter­na­ti­vas não são de to­do in­cor­re­tas, ape­nas não con­di­zem com a fi­na­li­da­de da pro­pa­gan­da, que é pro­mo­ver uma ação do lei­tor.

15) C Co­mo po­de­mos per­ce­ber pe­lo tre­cho: “com uma pa­ci­ên­cia de fun­do de mar, a os­tra pro­fa­na­da con­ti­nua seu tra­ba­lho in­can­sá­vel”, exis­te uma con­cep­ção da cri­a­ção li­te­rá­ria co­mo tra­ba­lho pro­gres­si­vo e de au­to­co­nhe­ci­men­to. Há uma me­tá­fo­ra en­tre a pé­ro­la e a ar­te de es­cre­ver.

16) E Em ou­tra ques­tão so­bre gê­ne­ro tex­tu­al, o can­di­da­to de­ve­ria re­co­nhe­cer que a can­ção de Chi­co Bu­ar­que se si­tua no li­mi­te de seu gê­ne­ro e di­a­lo­ga com um diá­rio ao apre­sen­tar re­fle­xões so­bre a pró­pria ex­pe­ri­ên­cia da vi­da co­ti­di­a­na. 17) D O even­to men­ci­o­na­do é um só: a imi­nen­te ce­guei­ra da ga­li­nha. O re­cur­so do enun­ci­a­dor, no tex­to, é apre­sen­tar dois di­fe­ren­tes pon­tos de vis­ta so­bre a si­tu­a­ção (o do me­ni­no e o do pró­prio ani­mal) e o en­vol­vi­men­to afe­ti­vo de am­bos em tor­no da tris­te ocor­rên­cia.

18) E O uso do an­ti­go ter­mo “ca­ga-lu­me” ge­ra­ria cons­tran­gi­men­to, daí a res­tri­ção quan­to a seu em­pre­go e sua en­ge­nho­sa subs­ti­tui­ção por “pi­ri­lam­po”.

19) B A rei­te­ra­ção do enun­ci­a­dor en­fa­ti­za, sem ex­ce­ção, as­pec­tos ame­nos, har­mo­ni­o­sos ou apra­zí­veis da vi­da de an­ti­ga­men­te, de mo­do a de­mons­trar, em tom sau­do­sis­ta, que a sim­pli­ci­da­de de ou­tros tem­pos é uma cir­cuns­tân­cia in­fe­liz­men­te ex­tin­ta nos di­as atu­ais.

20) C Nes­sa ques­tão so­bre gê­ne­ros tex­tu­ais, o can­di­da­to de­ve­ria re­co­nhe­cer a fun­ção so­ci­al da re­se­nha. Um co­nhe­ci­men­to mí­ni­mo so­bre o gê­ne­ro per­mi­ti­ria uma fá­cil iden­ti­fi­ca­ção da al­ter­na­ti­va C co­mo a cor­re­ta: “fa­zer a apre­ci­a­ção de uma obra a par­tir de uma sín­te­se crí­ti­ca”.

21) A A al­ter­na­ti­va cor­re­ta é a “A”, por afir­mar que o eu-lí­ri­co pro­põe a re­cri­a­ção poé­ti­ca de uma pa­la­vra, co­mo com­pro­vas­se nos ver­sos “Po­e­sia, não se­rá es­se/o sen­ti­do em que/ain­da te es­cre­vo: flor”, se­guin­do-se a es­sa afir­ma­ção uma in­trin­ca­da bus­ca por no­vas sig­ni­fi­ca­ções pa­ra a pa­la­vra flor.

22) A A al­ter­na­ti­va “A” apresenta o re­al ob­je­ti­vo da cam­pa­nha em ques­tão: cons­ci­en­ti­zar os do­a­res de san­gue so­bre sua cor­res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la qua­li­da­de do san­gue do­a­do, ao ex­pli­car que so­men­te de­vem do­ar aque­les que pos­su­em cer­te­za de que sua saú­de e com­por­ta­men­to não com­pro­me­tem a qua­li­da­de do san­gue, is­to é, não ofe­re­cem ris­co aos do­en­tes ou aci­den­ta­dos que ne­ces­si­tem de trans­fu­são.

23) E A res­pos­ta cor­re­ta é a for­mu­la­ção da al­ter­na­ti­va “E”, pois os dois tex­tos - a trans­cri­ção da en­tre­vis­ta e a adap­ta­ção da en­tre­vis­ta pa­ra a mo­da­li­da­de es­cri­ta - valem-se de um uso cul­to da lín­gua por­tu­gue­sa, sem quais­quer mar­cas de ora­li­da­de ru­ral.

24) B Co­mo é de cos­tu­me no gê­ne­ro e, em es­pe­ci­al, nas crônicas de Ve­rís­si­mo, a di­ver­ti­da dis­cus­são me­ta­lin­guís­ti­ca res­sal­ta o es­tra­nha­men­to quan­to ao uso de pa­la­vras in­co­muns (no ca­so, “ou­tros­sim” e “óbi­ce”, en­tre ou­tras) e as des­lo­ca de seus em­pre­gos ha­bi­tu­ais, pro­mo­ven­do efei­to hu­mo­rís­ti­co.

25) A O eu lí­ri­co lan­ça mão de um re­cei­tuá­rio, re­a­li­zan­do, as­sim, uma re­con­fi­gu­ra­ção do pro­pó­si­to co­mu­ni­ca­ti­vo do po­e­ma e fa­zen­do uso ori­gi­nal e poé­ti­co da es­tru­tu­ra de um gê­ne­ro con­sa­gra­do e mui­to di­fun­di­do (o tex­to pres­cri­ti­vo ou ins­tru­ci­o­nal).

26) A A sim­ples ob­ser­va­ção da fo­to­gra­fia, que re­gis­tra a per­for­man­ce ao ar li­vre, de­mons­tra o des­po­ja­men­to e o tom po­pu­lar do es­pe­tá­cu­lo, alheio à es­tru­tu­ra e ao edi­fí­cio fe­cha­do de um te­a­tro.

27) C A res­pos­ta “C” é a cor­re­ta por ex­pli­ci­tar o fa­to de que a per­so­na­gem Mag­gie “trans­põe li­mi­tes im­pos­tos” no que re­fe­re-se ao gê­ne­ro, por tor­nar-se atle­ta de um es­por­te ti­pi­ca­men­te mas­cu­li­no, o bo­xe.

28) B Na en­tre­vis­ta, Te­re­zi­na Gui­lher­mi­na ex­pli­ci­ta que a fal­ta de re­cur­sos fi­nan­cei­ros foi um de­sa­fio a ser su­pe­ra­do.

29) B A al­ter­na­ti­va “b” es­tá cor­re­ta por tra­ba­lhar o dri­ble no han­de­bol co­mo uma pro­gres­são da equi­pe, cor­ro­bo­ran­do a ideia de­sen­vol­vi­da no tex­to de que um dos prin­cí­pi­os do ata­que é “a pro­gres­são da equi­pe com a pos­se da bo­la em di­re­ção ao al­vo ad­ver­sá­rio”. 30) C A al­ter­na­ti­va “C” es­tá cor­re­ta por afir­mar que o jor­nal, na crô­ni­ca “Bons di­as!” de Ma­cha­do de As­sis, é enal­te­ci­do co­mo um “ins­tru­men­to de re­cons­tru­ção da me­mó­ria”, já que o au­tor ela­bo­ra a ideia de que o jor­nal an­ti­go po­de aju­dar na “re­com­po­si­ção do ex­tin­to”, au­xi­lia a re­vi­ta­li­zar o pas­sa­do.

31) B A res­pos­ta cor­re­ta é a “B” por de­sen­vol­ver a ideia de que a de­for­ma­ção, ele­men­to cen­tral no tex­to ver­bal ( “Os aman­tes”, Mar­gue­rit­te Du­ras) e no tex­to não-ver­bal (“Três es­tu­dos pa­ra um au­tor­re­tra­to”, Fran­cis Ba­con), de­ri­va da per­cep­ção de um mun­do as­so­la­do pe­la gu­er­ra e “da des­co­ber­ta de uma re­a­li­da­de psí­qui­ca pe­la psi­ca­ná­li­se” que dá cor­po a uma for­ma de­for­ma­da de per­ce­ber a re­a­li­da­de do mun­do his­tó­ri­co.

32) D A al­ter­na­ti­va cor­re­ta é a “D”, pois o que con­fe­re a es­sa fa­la te­a­tral a cer­te­za de que se tra­ta de um tex­to dra­má­ti­co (e não a um dis­cur­so di­re­to nar­ra­ti­vo) são as no­tas e apon­ta­men­tos que com­põem a fa­la, com di­ver­sas ins­tru­ções so­bre a ati­tu­de e tom usa­do pe­la per­so­na­gem.

33) A O prin­ci­pal re­cur­so ar­gu­men­ta­ti­vo usa­do na crí­ti­ca mu­si­cal pa­ra exal­tar a obra do sam­bis­ta Tú­lio Pi­va foi o con­tras­te en­tre o seu nas­ci­men­to (o com­po­si­tor era gaú­cho) e a es­co­lha pe­lo gê­ne­ro sam­ba. É re­cor­ren­te, no tre­cho da crí­ti­ca, a re­fe­rên­cia a es­sa opo­si­ção “lo­cal de nas­ci­men­to X gê­ne­ro e te­má­ti­ca do sam­ba”.

34) B De to­das as al­ter­na­ti­vas, a que mais se apro­xi­ma de uma fun­ção pa­ra a pro­gres­são te­má­ti­ca é a de que as re­ti­cên­ci­as re­me­tem a “uma in­for­ma­ção im­plí­ci­ta” nes­se mi­ni­con­to. A per­gun­ta “Ho­je?” lo­go em se­gui­da das re­ti­cên­ci­as po­de ser uma pis­ta de que é sa­bi­do o con­teú­do res­tan­te da fa­la, fi­can­do su­ben­ten­di­do no diá­lo­go.

(UNESP – 2017) 35) E Li­ber­da­de X re­pres­são. Ao ob­ser­var a char­ge de Qui­no, per­ce­be-se um par­que que, apa­ren­te­men­te, sim­bo­li­za li­ber­da­de, cu­ja alu­são prin­ci­pal é uma re-

fe­rên­cia in­ter­tex­tu­al à Es­tá­tua da Li­ber­da­de, além do fa­to de que um par­que, ge­ral­men­te ca­rac­te­ri­zar um lu­gar li­vre, sol­to, fo­ra da ro­ti­na da ur­be. No en­tan­to, es­te es­tá cer­ca­do por pla­cas de “é proi­bi­do” por to­da par­te e su­per­vi­si­o­na­do por um guar­da, o que in­ten­si­fi­ca a ideia de re­pres­são.

36) C Ex­pres­sa o de­se­jo de que sua pró­pria vi­da se­ja abre­vi­a­da. Con­for­me o úl­ti­mo ter­ce­to: “ro­ga a Deus, que teus anos en­cur­tou, / que tão ce­do de cá me le­ve a ver-te“, ou se­ja, o su­jei­to poé­ti­co ten­ci­o­na re­en­con­trar a ama­da no Céu, lo­go, de­se­ja a pró­pria mor­te.

37) A “Não te es­que­ças da­que­le amor ar­den­te”. A ex­pres­são “amor ar­den­te” su­ge­re a re­la­ção do su­jei­to poé­ti­co com a mu­lher re­tra­ta­da no so­ne­to.

38) D Efe­me­ri­da­de da vi­da. A mu­lher re­tra­ta­da no so­ne­to fa­le­ceu jo­vem (“... que te par­tis­te / tão ce­do des­ta vi­da des­con­ten­te”), o que po­de su­ge­rir o fa­to de a vi­da ser bre­ve e pas­sa­gei­ra, con­cei­to de efe­me­ri­da­de.

39) E Uma con­jun­ção e um pro­no­me, res­pec­ti­va­men­te. Na pri­mei­ra ocor­rên­cia, o “se” as­su­me fun­ção de con­jun­ção com ideia hi­po­té­ti­ca, de con­di­ção. Na se­gun­da ocor­rên­cia, a fun­ção é de pro­no­me pes­so­al oblí­quo.

(FUVEST 2017) 40) B A ca­sa de fa­zer fa­ri­nha é ad­ja­cen­te aos te­lhei­ros. Con­for­me o tex­to: “Era nor­mal, en­tão, a ca­sa de fa­zer fa­ri­nha, no quin­tal, ao la­do dos te­lhei­ros e pró­xi­ma à co­zi­nha”.

41) C “Man­di­o­ca” e “Ipi­ran­ga”. As du­as pa­la­vras de ori­gem in­dí­ge­na in­cor­po­ra­das ao por­tu­guês do Bra­sil são “Ipi­ran­ga”, ter­mo que de­no­mi­na um rio e su­as ad­ja­cên­ci­as, e “man­di­o­ca”, subs­tan­ti­vo que de­sig­na a plan­ta de cu­jas raí­zes se faz a fa­ri­nha que era ba­se da di­e­ta dos in­dí­ge­nas do Bra­sil. (UNI­CAMP 2017) 42) B Uma pa­ró­dia do le­ma do Ma­ni­fes­to Co­mu­nis­ta, ba­se­a­da na se­me­lhan­ça fo­né­ti­ca en­tre “uni-vos” e “zu­ni-vos”. A fa­la da abe­lha re­to­ma a fra­se do Ma­ni­fes­to Co­mu­nis­ta, mas, em vez do seu ca­rá­ter po­lí­ti­co, tem-se efei­to de hu­mor, o que con­fi­gu­ra um ca­so de in­ter­tex­tu­a­li­da­de po­lê­mi­ca, que, des­se mo­do, po­de ser con­si­de­ra­da uma pa­ró­dia. O hu­mor da ti­ri­nha se dá pe­la pa­ró­dia (imi­ta­ção sa­tí­ri­ca e jo­co­sa) do Ma­ni­fes­to Co­mu­nis­ta. No se­gun­do qua­dro, da mes­ma ma­nei­ra que “zzzzzzz” re­me­te ao som das abe­lhas, po­de tam­bém sig­ni­fi­car o so­no de­las di­an­te do can­sa­ço da­que­le dis­cur­so.

43) B Uma pa­la­vra re­sul­tan­te do pro­ces­so de su­fi­xa­ção que trans­for­ma o subs­tan­ti­vo “coi­sa” no ver­bo “coi­sar”. De acor­do com os pro­ces­sos de for­ma­ção de pa­la­vras, tra­ta­dos pe­la gra­má­ti­ca tra­di­ci­o­nal, o ver­bo “coi­sar” é de­ri­va­do por su­fi­xa­ção do subs­tan­ti­vo “coi­sa”.

(CESGRANRIO – Ban­co do Bra­sil – Pro­va Es­cri­tuá­rio - Mi­cror­re­gião 21 DF-TI - ADAP­TA­DA) 44) A Ca­so ob­te­nham êxi­to na Me­ga-se­na, os apos­ta­do­res fa­rão as cem coi­sas pos­sí­veis an­tes de mor­rer. O ver­bo ob­ter é um ver­bo ir­re­gu­lar cu­ja con­ju­ga­ção é idên­ti­ca ao ver­bo ter.

A- Al­ter­na­ti­va cor­re­ta. O ver­bo es­tá con­ju­ga­do na ter­cei­ra pes­soa do plu­ral do pre­sen­te do sub­jun­ti­vo. O ver­bo es­tá con­cor­dan­do com “os apos­ta­do­res”, que es­tá no plu­ral.

B- Al­ter­na­ti­va in­cor­re­ta. O ver­bo ob­ter de­ve­ria con­cor­dar com “pro­cu­ra”, que es­tá no sin­gu­lar. Lo­go o cor­re­to se­ria ob­tém.

C- Al­ter­na­ti­va in­cor­re­ta. A cons­tru­ção es­tá no pre­té­ri­to im­per­fei­to do sub­jun­ti­vo, e o cor­re­to se­ria ob­ti­ves­sem.

D- Al­ter­na­ti­va in­cor­re­ta. Ob­ter de­ve­ria con­cor­dar com o nú­cleo do su­jei­to “pes­so­al”, que es­tá no sin­gu­lar. Lo­go, o ver­bo de­ve­ria es­tar con­ju­ga­do no fu­tu­ro do sub­jun­ti­vo da ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar ( ob­ti­ver) ao in­vés da ter­cei­ra pes­so­al do plu­ral.

E- Al­ter­na­ti­va in­cor­re­ta. O ver­bo ob­ter é ver­bo tran­si­ti­vo di­re­to e nes­te ca­so “se” é uma par­tí­cu­la apas­si­va­do­ra. Lo­go, o ver­bo de­ve con­cor­dar com o nú­cleo do su­jei­to, que, nes­te ca­so, é re­cur­sos. Co­mo a con­ju­ga­ção do pre­sen­te da ter­cei­ra pes­soa do plu­ral do ver­bo ter é têm, o cor­re­to se­ria ob­têm-se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.