1.2. Co­mo evi­tar a no­ta ze­ro

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Exis­tem al­guns as­pec­tos que au­to­ma­ti­ca­men­te anu­lam os tex­tos dos can­di­da­tos na re­da­ção do Enem. Tex­tos que apre­sen­tam es­ses as­pec­tos nem se­quer são ava­li­a­dos ou per­dem qual­quer pos­si­bi­li­da­de de pontuação. Se­gun­do o Guia do Par­ti­ci­pan­te de 2013, ob­têm no­ta ze­ro tex­tos que: i) fo­gem da te­má­ti­ca pro­pos­ta; ii) não se es­tru­tu­ram co­mo uma dissertação-ar­gu­men­ta­ti­va; iii) apre­sen­tam se­te li­nhas ou me­nos; iv) apre­sen­tam par­tes des­co­ne­xas, im­pro­pé­ri­os ou qual­quer ele­men­to que in­di­que des­ca­so com a ava­li­a­ção; v) des­res­pei­tem os di­rei­tos hu­ma­nos; e vi) não es­te­jam es­cri­tos na fo­lha ade­qua­da pa­ra re­da­ção.

No­te que os que­si­tos ve­ri­fi­ca­dos fa­ri­am com que um par­ti­ci­pan­te re­ce­bes­se a no­ta ze­ro pe­la re­da­ção, ca­so to­dos es­ti­ves­sem pre­sen­tes em seu tex­to. No en­tan­to, con­for­me ex­pli­cou Pau­lo Por­te­la, di­re­tor-ge­ral do Cen­tro de Se­le­ção e de Pro­mo­ção de Even­tos (Ces­pe), ór­gão da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Bra­sí­lia (UNB) res­pon­sá­vel pe­la apli­ca­ção do Enem, em um ca­so de o es­tu­dan­te ape­nas apre­sen­tar um pa­rá­gra­fo des­co­ne­xo, con­si­de­ra­do um im­pro­pé­rio ou des­ca­so com a ava­li­a­ção (item iv), ele ain­da re­ce­be­rá al­gu­ma no­ta.

Se­gun­do Pau­lo Por­te­la, “uma fu­ga com­ple­ta ao te­ma é uma fa­lha que só exis­te se o can­di­da­to não ci­ta a pro­pos­ta da pro­va em ne­nhu­ma par­te de seu tex­to”, con­for­me es­cla­re­ceu o di­re­tor-ge­ral do Ces­pe, em en­tre­vis­ta con­ce­di­da ao por­tal G11. A fal­ta de co­nhe­ci­men­to so­bre o pro­ces­so ava­li­a­ti­vo faz sur­gi­rem inú­me­ros mi­tos a res­pei­to da pro­va do Enem. Es­se ti­po de coi­sa, mui­tas ve­zes, aca­ba des­vi­an­do o fo­co dos alu­nos e, por ve­zes, in­du­zin­do-os a er­ros im­per­doá­veis na ho­ra de ela­bo­rar a re­da­ção.

O pri­mei­ro mi­to (e tal­vez o mais di­fun­di­do) é o da “re­da­ção ar­tís­ti­ca” que ti­rou no­ta 1000. Re­da­ções es­cri­tas ape­nas com a re­pe­ti­ção das pa­la­vras “ti­que” e “ta­que”, pa­ra dis­cor­rer so­bre o tem­po; re­da­ções fei­tas em for­mas de po­e­ma; ou ain­da re­da­ções com de­se­nhos, tu­do is­so não pas­sa de ima­gi­ná­rio po­pu­lar. Co­mo des­cri­to an­te­ri­or­men­te, es­sas re­da­ções não têm chan­ce al­gu­ma de pon­tu­ar no pro­ces­so ava­li­a­ti­vo do Enem. Con­for­me de­mons­tra­do nas cin­co com­pe­tên­ci­as ana­li­sa­das, a no­ta é di­vi­di­da em cin­co par­tes. A no­ta fi­nal da re­da­ção do Enem é a so­ma das no­tas atri­buí­das pa­ra ca­da uma das com­pe­tên­ci­as. O es­tu­dan­te pre­ci­sa dis­cor­rer so­bre o as­sun­to pro­pos­to, se­guir as re­gras da nor­ma pa­drão da lín­gua por­tu­gue­sa, re­la­ci­o­nar in­for­ma­ções e fa­tos, de mo­do a ex­pres­sar sua opi­nião e ar­gu­men­tos em de­fe­sa de um pon­to de vis­ta, usar a es­tru­tu­ra de tex­to dis­ser­ta­ti­vo-ar­gu­men­ta­ti­vo, con­cluir a re­da­ção com uma pro­pos­ta de in­ter­ven­ção pa­ra o pro­ble­ma apre­sen­ta­do, sem­pre com res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos.

O ou­tro mi­to (e tal­vez o mais te­mi­do) é o da “crí­ti­ca ao go­ver­no”. É co­mum ou­vir­mos pes­so­as di­ze­rem que em hi­pó­te­se al­gu­ma o alu­no de­ve te­cer crí­ti­cas ao po­der pú­bli­co, sob pe­na de ter sua no­ta di­mi­nuí­da. Is­so é mi­to. O que o alu­no de­ve evi­tar é a crí­ti­ca ge­né­ri­ca ao go­ver­no, de mo­do a re­pro­du­zir o sen­so co­mum de que tu­do é cul­pa da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e de que tu­do se re­sol­ve com ações do go­ver­no. A crí­ti­ca a qual­quer go­ver­no é vá­li­da, des­de que se­ja per­ti­nen­te ao te­ma pro­pos­to, que apre­sen­te so­lu­ções pa­ra a pro­ble­má­ti­ca e, prin­ci­pal­men­te, não se­ja ape­nas reprodução de bo­a­tos ou cons­ci­ên­cia co­le­ti­va sem ba­se em fa­tos, sem ar­gu­men­ta­ção vá­li­da.

Es­cre­ver tre­cho de hi­no de ti­me de fu­te­bol ou re­cei­ta de ma­car­rão ins­tan­tâ­neo até pou­co tem­po não ze­ra­va a re­da­ção au­to­ma­ti­ca­men­te, fa­to que pos­si­bi­li­tou a al­guns can­di­da­tos fa­ze­rem es­se ti­po de brin­ca­dei­ra em 2012. Des­de 2013, co­mo men­ci­o­na­do no tó­pi­co an­te­ri­or, es­sas “pi­a­di­nhas” des­clas­si­fi­cam au­to­ma­ti­ca­men­te o can­di­da­to, ou se­ja, a brin­ca­dei­ra cus­ta ca­ro. O item 14.9.5 do Ma­nu­al do Par­ti­ci­pan­te es­ta­be­le­ce que a re­da­ção “que apre­sen­te par­te do tre­cho de­li­be­ra­da­men­te des­co­nec­ta­da com o te­ma pro­pos­to se­rá con­si­de­ra­da `anu­la­da'”.

Por fim, é im­por­tan­te es­cla­re­cer al­guns pon­tos obs­cu­ros, que não se ca­rac­te­ri­zam co­mo mi­tos, mas con­fun­dem mui­ta gen­te. O pri­mei­ro de­les es­tá re­la­ci­o­na­do ao tí­tu­lo, que é fa­cul­ta­ti­vo, is­to é, po­de ou não ser co­lo­ca­do. Dei­xar de uti­li­zá-lo, por­tan­to, não ge­ra ne­nhum ti­po de de­crés-

1 Dis­po­ní­vel em: http://g1.glo­bo.com/edu­ca­cao/no­ti­cia/2013/03/ en­ten­da-por-que-re­da­cao-do-enem-com-hi­no-e-mi­o­jo-nao-va­le-no­ta-ze­ro.html. Aces­so em: 5.mar.2014.

ci­mo na no­ta, em­bo­ra sua pre­sen­ça se­ja sem­pre po­si­ti­va, qu­an­do bem fei­to. O se­gun­do es­tá re­la­ci­o­na­do aos tex­tos de apoio, aque­les que ser­vem pa­ra for­ne­cer da­dos pa­ra a ela­bo­ra­ção da re­da­ção. Na­da im­pe­de que o can­di­da­to uti­li­ze in­for­ma­ções dos tex­tos de apoio em seu tex­to. O que é proi­bi­do é sua có­pia li­te­ral, ip­sis lit­te­ris, ou se­ja, pa­la­vri­nha por pa­la­vri­nha. Os tex­tos que co­me­tem es­se er­ro não são ze­ra­dos, mas têm es­sas li­nhas des­con­si­de­ra­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.