4.1. O nú­me­ro de pa­rá­gra­fos

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Ao con­trá­rio do que mui­tos pen­sam, es­ti­pu­lar o nú­me­ro de pa­rá­gra­fos a ser de­sen­vol­vi­do an­tes de ini­ci­ar o tex­to é fa­tor im­pres­cin­dí­vel. É co­mum ob­ser­var alu­nos que ini­ci­am a es­cri­ta sem ao me­nos es­bo­çar pre­vi­a­men­te a es­tru­tu­ra do tex­to, as­sim co­mo ver alu­nos ini­ci­a­rem seu tex­to sem ter em men­te qu­an­tos pa­rá­gra­fos pre­ten­dem re­di­gir na re­da­ção. In­fe­liz­men­te, faz par­te da nos­sa cul­tu­ra es­cre­ver sem an­tes de­sen­vol­ver um pla­ne­ja­men­to tex­tu­al.

No ca­so da dissertação do Enem, que exi­ge de oi­to a 30 li­nhas, es­se pla­ne­ja­men­to ga­nha mais im­por­tân­cia ain­da. Co­mo se tra­ta de um tex­to lon­go (ne­nhum can­di­da­to com bom sen­so vai es­cre­ver oi­to, dez ou 15 li­nhas), o pla­ne­ja­men­to pré­vio ga­ran­te a co­e­são e a coerência do tex­to, fa­zen­do com que as idei­as ga­nhem pro­gres­são te­má­ti­ca e ló­gi­ca, se apre­sen­tem de for­ma or­ga­ni­za­da e es­te­jam su­fi­ci­en­te­men­te bem de­sen­vol­vi­das.

Em vis­ta da com­ple­xi­da­de nor­mal­men­te apre­sen­ta­da nas te­má­ti­cas su­ge­ri­das no Enem, a di­vul­ga­ção das re­da­ções no­ta mil apon­ta que o nú­me­ro ide­al de li­nhas pa­ra a re­da­ção es­tá en­tre 25 e 30. Em­bo­ra che­gar a es­se nú­me­ro se­ja di­fí­cil, o bom pla­ne­ja­men­to tex­tu­al con­tri­bui­rá pa­ra que o par­ti­ci­pan­te ela­bo­re uma ex­ce­len­te re­da­ção. É pre­ci­so pen­sar ca­da tre­cho e, con­se­quen­te­men­te, pa­rá­gra­fo por pa­rá­gra­fo, pa­ra que o tex­to che­gue à sua pro­por­ção ide­al com qua­li­da­de.

O bom pa­rá­gra­fo é aque­le com­pos­to de cin­co a se­te li­nhas. Ao alu­no que não pos­sui o há­bi­to de es­cre­ver, es­sa ex­ten­são po­de pa­re­cer equi­vo­ca­da. Mas es­sa me­di­da é sa­tis­fa­tó­ria, pois ga­ran­te que a ideia par­ti­cu­lar de ca­da pa­rá­gra­fo se­ja de­sen­vol­vi­da de for­ma co­e­sa e ob­je­ti­va. Com es­sa me­di­da em men­te, acon­se­lha-se usar ape­nas um pa­rá­gra­fo pa­ra for­mu­lar a in­tro­du­ção. Já no de­sen­vol­vi­men­to, mo­men­to mais lon­go do tex­to, é re­co­men­dá­vel que o alu­no uti­li­ze dois ou três pa­rá­gra­fos, de­pen­den­do do nú­me­ro de ar­gu­men­tos que pos­sui pa­ra dis­cor­rer. Is­so por­que a

ar­gu­men­ta­ção obri­ga­to­ri­a­men­te pre­ci­sa ser a par­te mais ex­ten­sa do tex­to. Na con­clu­são de­ve uti­li­zar so­men­te um pa­rá­gra­fo tam­bém. Com is­so, per­ce­be­mos que es­sa di­vi­são – fei­ta a par­tir de pa­rá­gra­fos com­pos­tos de cin­co a se­te li­nhas – al­can­çam fa­cil­men­te o li­mi­te mí­ni­mo de 25 li­nhas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.