5.1. Ti­pos de in­tro­du­ção

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Os ti­pos de in­tro­du­ção pa­ra o tex­to dis­ser­ta­ti­vo-ar­gu­men­ta­ti­vo são, na ver­da­de, uma adap­ta­ção da te­o­ria dos tó­pi­cos fra­sais, apre­sen­ta­da no ca­pí­tu­lo an­te­ri­or. A se­guir, apre­sen­ta­re­mos to­dos os ti­pos de in­tro­du­ção, to­man­do co­mo ba­se a pro­pos­ta do Enem de 2012, que en­vol­via o mo­vi­men­to mi­gra­tó­rio pa­ra o Bra­sil no sé­cu­lo 21, cu­ja re­lei­tu­ra se faz im­pres­cin­dí­vel pa­ra uma me­lhor com­pre­en­são dos exem­plos a se­rem apre­sen­ta­dos.

a) Afir­ma­ção: con­sis­te na sim­ples apre­sen­ta­ção, por meio de um tó­pi­co fra­sal, de uma in­for­ma­ção a res­pei­to do te­ma. Es­sa afir­ma­ção já po­de trans­pa­re­cer a te­se a ser de­fen­di­da.

O Bra­sil tem si­do des­ti­no de inú­me­ros imi­gran­tes no sé­cu­lo XXI. As­sim co­mo acon­te­ceu em ou­tros mo­men­tos da his­tó­ria, atu­al­men­te di­ver­sas et­ni­as vêm ao Bra­sil, atraí­das pe­lo ex­ce­len­te cres­ci­men­to econô­mi­co pe­lo qual o país pas­sa. Es­ses des­lo­ca­men­tos po­dem pro­por­ci­o­nar opor­tu­ni­da­des pa­ra am­pli­ar o de­sem­pe­nho da eco­no­mia bra­si­lei­ra e en­ri­que­cer ain­da mais a cul­tu­ra na­ci­o­nal.

b) De­fi­ni­ção: con­sis­te na ex­pli­ca­ção de um con­cei­to re­la­ci­o­na­do à te­má­ti­ca, por meio da ela­bo­ra­ção de um tó­pi­co fra­sal. Es­sa de­fi­ni­ção não pre­ci­sa ser téc­ni­ca e exa­ta, po­rém, não po­de ser equi­vo­ca­da.

Imi­gra­ção con­sis­te no aban­do­no da ter­ra na­tal em di­re­ção a ou­tro lu­gar, ge­ral­men­te cau­sa­do pe­la fu­ga de ca­tás­tro­fes ou bus­ca de me­lho­res con­di­ções de vi­da. As­sim co­mo acon­te­ceu em ou­tros mo­men­tos da his­tó­ria, atu­al­men­te di­ver­sas et­ni­as vêm ao Bra­sil, atraí­das pe­lo ex­ce­len­te cres­ci­men­to econô­mi­co pe­lo qual o país pas­sa. Es­ses des­lo­ca­men­tos po­dem pro­por­ci­o­nar opor­tu­ni­da­des pa­ra am­pli­ar o de­sem­pe­nho da eco­no­mia bra­si­lei­ra e en­ri­que­cer ain­da mais a cul­tu­ra na­ci­o­nal.

c) Pon­to de vis­ta opos­to: con­sis­te na apre­sen­ta­ção de uma in­for­ma­ção, por meio de um tó­pi­co fra­sal, que con­tra­diz a te­se a ser apre­sen­ta­da na sequên­cia. Seu ob­je­ti­vo é des­per­tar o in­te­res­se do lei­tor.

O ape­go à ter­ra na­tal é sen­ti­men­to co­mum a mui­tas pes­so­as. No en­tan­to, os mo­vi­men­tos de imi­gra­ção mar­ca­ram a his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de em vá­ri­os paí­ses, in­clu­si­ve no Bra­sil. Atu­al­men­te, o nos­so país tem si­do o des­ti­no de mui­tas pes­so­as que re­ne­gam o ape­go à ter­ra na­tal, atraí­das pe­lo ex­ce­len­te mo­men­to pe­lo qual a eco­no­mia do país pas­sa. Es­ses des­lo­ca­men­tos po­dem pro­por­ci­o­nar opor­tu­ni­da­des pa­ra am­pli­ar o de­sem­pe­nho da eco­no­mia bra­si­lei­ra e en­ri­que­cer ain­da mais a cul­tu­ra na­ci­o­nal.

d) Enu­me­ra­ção: con­sis­te na lis­ta­gem de pa­la­vras, con­cei­tos ou in­for­ma­ções que pos­sam cum­prir a fun­ção de apre­sen­tar ao lei­tor a te­má­ti­ca a ser de­sen­vol­vi­da. Es­sa lis­ta­gem não po­de ser mui­to ex­ten­sa.

Afri­ca­nos, Ale­mães, Ja­po­ne­ses, Ita­li­a­nos. Vá­ri­as fo­ram as et­ni­as que, in­de­pen­den­te­men­te do mo­ti­vo, dei­xa­ram sua ter­ra na­tal e vi­e­ram ao Bra­sil no pas­sa­do. Atu­al­men­te, es­ses des­lo­ca­men­tos vêm se re­pe­tin­do. Atraí­das pe­lo ex­ce­len­te mo­men­to pe­lo qual a eco­no­mia do país pas­sa, mui­tas pes­so­as dei­xam sua ter­ra na­tal e vêm pa­ra o Bra­sil. Es­ses mo­vi­men­tos imi­gra­tó­ri­os po­dem pro­por­ci­o­nar opor­tu­ni­da­des pa­ra am­pli­ar o de­sem­pe­nho da eco­no­mia bra­si­lei­ra e en­ri­que­cer ain­da mais a cul­tu­ra na­ci­o­nal.

e) Alu­são his­tó­ri­ca: con­sis­te na apre­sen­ta­ção de um fa­to his­tó­ri­co re­le­van­te, que pos­sa cum­prir a fun­ção de apre­sen­tar ao lei­tor a te­má­ti­ca a ser de­sen­vol­vi­da. Es­sa téc­ni­ca não per­mi­te equí­vo­cos.

Na vi­ra­da do sé­cu­lo XIX pa­ra o XX, o Bra­sil foi to­ma­do por imi­gran­tes. Pes­so­as de vá­ri­os lu­ga­res vi­e­ram em di­re­ção ao país em bus­ca de tra­ba­lho, fa­tor que con­tri­buiu pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da eco­no­mia bra­si­lei­ra. Atu­al­men­te, atraí­das pe­lo ex­ce­len­te mo­men­to pe­lo qual a eco­no­mia do país pas­sa. Es­ses des­lo­ca­men­tos po­dem pro­por­ci­o­nar opor­tu­ni­da­des pa­ra am­pli­ar o de­sem­pe­nho da eco­no­mia bra­si­lei­ra e en­ri­que­cer ain­da mais a cul­tu­ra na­ci­o­nal.

f) Per­gun­ta: con­sis­te na sim­ples ela­bo­ra­ção de um ques­ti­o­na­men­to, por meio de um tó­pi­co fra­sal ca­paz de in­se­rir a te­má­ti­ca a ser de­sen­vol­vi­da. Na re­da­ção do Enem es­sa téc­ni­ca não é re­co­men­da­da.

É pos­sí­vel um acon­te­ci­men­to se re­pe­tir na his­tó­ria? Co­mo ocor­reu no pas­sa­do, atu­al­men­te di­ver­sas et­ni­as têm es­co­lhi­do o Bra­sil co­mo des­ti­no. Atraí­dos pe­lo ex­ce­len­te mo­men­to pe­lo qual a eco­no­mia do país pas­sa, es­ses des­lo­ca­men­tos po­dem pro­por­ci­o­nar opor­tu­ni­da­des pa­ra am­pli­ar o de­sem­pe­nho da eco­no­mia bra­si­lei­ra e en­ri­que­cer ain­da mais a cul­tu­ra na­ci­o­nal.

g) Ci­ta­ção in­di­re­ta: con­sis­te na pa­rá­fra­se, ou se­ja, na re­cons­tru­ção, por meio de um tó­pi­co fra­sal, de uma ci­ta­ção co­nhe­ci­da, ca­paz de in­tro­du­zir a te­má­ti­ca a ser de­sen­vol­vi­da.

Em car­ta ao Rei de Por­tu­gal, Pe­ro Vaz de Ca­mi­nha afir­mou que, no Bra­sil, “em se plan­tan­do, tu­do dá”. Es­sa afir­ma­ção atraiu não ape­nas o in­te­res­se de por­tu­gue­ses, mas de inú­me­ras et­ni­as que até ho­je dei­xam sua ter­ra na­tal pa­ra vir ao Bra­sil, atraí­das pe­lo ex­ce­len­te mo­men­to pe­lo qual a eco­no­mia do país pas­sa. Es­ses mo­vi­men­tos imi­gra­tó­ri­os atu­ais po­dem pro­por­ci­o­nar opor­tu­ni­da­des pa­ra am­pli­ar o de­sem­pe­nho da eco­no­mia bra­si­lei­ra e en­ri­que­cer ain­da mais a cul­tu­ra na­ci­o­nal.

h) Re­to­ma­da de um pro­vér­bio: con­sis­te na pa­rá­fra­se, is­to é, na re­cons­tru­ção, por meio de um tó­pi­co fra­sal, de um pro­vér­bio co­nhe­ci­do, ca­paz de in­tro­du­zir a te­má­ti­ca a ser de­sen­vol­vi­da.

Se Deus aju­da quem ce­do ma­dru­ga, aju­da tam­bém quem sai de seu país em di­re­ção a ou­tro, em es­pe­ci­al ao Bra­sil, que nos úl­ti­mos anos tem ti­do al­to de­sem­pe­nho na eco­no­mia. Da mes­ma for­ma co­mo ocor­reu no pas­sa­do, atu­al­men­te di­ver­sas et­ni­as vêm ao Bra­sil, atraí­das pe­lo ex­ce­len­te mo­men­to pe­lo qual a eco­no­mia do país pas­sa. Es­ses mo­vi­men­tos imi­gra­tó­ri­os atu­ais po­dem pro­por­ci­o­nar opor­tu­ni­da­des pa­ra am­pli­ar o de­sem­pe­nho da eco­no­mia bra­si­lei­ra e en­ri­que­cer ain­da mais a cul­tu­ra na­ci­o­nal.

m) Alu­são li­te­rá­ria: con­sis­te na men­ção, por meio de um tó­pi­co fra­sal, a um tre­cho ex­traí­do de ro­man­ce, con­to, po­e­ma ou mú­si­ca, des­de que co­nhe­ci­dos, pa­ra apre­sen­tar a te­má­ti­ca a ser de­sen­vol­vi­da.

No ro­man­ce Ca­naã, Gra­ça Ara­nha re­tra­tou, há mais de meio sé­cu­lo, a vin­da de dois imi­gran­tes ale­mães ao Bra­sil. A te­se de­ba­ti­da no li­vro es­tá ga­nhan­do no­vos ca­pí­tu­los atu­al­men­te, com ou­tras et­ni­as. Atraí­dos pe­lo ex­ce­len­te mo­men­to pe­lo qual a eco­no­mia do país pas­sa, mui­tos imi­gran­tes che­gam ao Bra­sil, e po­dem pro­por­ci­o­nar opor­tu­ni­da­des pa­ra am­pli­ar o de­sem­pe­nho da eco­no­mia bra­si­lei­ra e en­ri­que­cer ain­da mais a cul­tu­ra na­ci­o­nal. Es­ses exem­plos po­dem aju­dar bas­tan­te os es­tu­dan­tes com di­fi­cul­da­de em co­me­çar um tex­to. É im­por­tan­te res­sal­tar, no en­tan­to, que não são to­dos os mo­de­los que po­dem ser per­ti­nen­tes pa­ra a pro­pos­ta de re­da­ção que se­rá apre­sen­ta­da no exa­me. Al­guns mo­de­los são me­lho­res que os ou­tros, por de­mons­trar eru­di­ção e co­nhe­ci­men­to (ca­so da alu­são his­tó­ri­ca e men­ção li­te­rá­ria). Ou­tros são de­ma­si­a­da­men­te sim­plis­tas, co­mo a per­gun­ta ou a sim­ples afir­ma­ção.

O im­por­tan­te é ter a cons­ci­ên­cia de que es­ses mo­de­los não são obri­ga­ção, mas um re­cur­so na ho­ra de ela­bo­rar a re­da­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.