6.2. For­mas de ar­gu­men­ta­ção

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Não exis­tem, na ver­da­de, for­mas fi­xas de ar­gu­men­ta­ção. O que que­re­mos nes­te tó­pi­co é ilus­trar ao can­di­da­to co­mo a or­ga­ni­za­ção das in­for­ma­ções é im­por­tan­te no mo­men­to em que ele pre­ci­sa­rá de­sen­vol­ver sua ar­gu­men­ta­ção. Por­tan­to, em­bo­ra nos­sos exem­plos se­jam ba­se­a­dos em pro­vas já apli­ca­das, na­da im­pe­de que o alu­no crie su­as pró­pri­as for­mas de ar­gu­men­tar ou, em uma hi­pó­te­se me­lhor, que sai­ba de­sen­vol­ver a me­lhor for­ma de ar­gu­men­ta­ção pa­ra ca­da pro­pos­ta que lhe for apre­sen­ta­da.

Pa­ra exem­pli­fi­car a na­tu­re­za des­sas for­mas de ar­gu­men­ta­ção usa­re­mos a in­tro­du­ção re­ti­ra­da da re­da­ção ela­bo­ra­da por Ya­ri­na Ran­gel Vi­ei­ra2, no Enem de 2012.

Na vi­ra­da do sé­cu­lo XIX pa­ra o XX, o Bra­sil foi to­ma­do por imi­gran­tes. Pes­so­as de vá­ri­os lu­ga­res vi­e­ram em di­re­ção ao país em bus­ca de tra­ba­lho, fa­tor es­te que con­tri­buiu com a eco­no­mia. Atu­al­men­te, atraí­das pe­lo ex­ce­len­te mo­men­to pe­lo qual a eco­no­mia se en­con­tra, es­se mo­vi­men­to tem se re­pe­ti­do, fa­to que po­de pro­por­ci­o­nar ao país uma boa opor­tu­ni­da­de pa­ra de­se­vol­ver ain­da mais a eco­no­mia e pa­ra en­ri­que­cer ain­da mais sua cul­tu­ra. A te­se apre­sen­ta­da nes­se pa­rá­gra­fo de­fen­de a ideia de que: “es­se mo­vi­men­to tem se re­pe­ti­do, fa­to que po­de pro­por­ci­o­nar ao país uma boa opor­tu­ni­da­de pa­ra de­sen­vol­ver ain­da mais a eco­no­mia e pa­ra en­ri­que­cer ain­da mais sua cul­tu­ra.” Is­so sig­ni­fi­ca que é pre­ci­so pro­du­zir a ar­gu­men­ta­ção de que a imi­gra­ção é uma boa opor­tu­ni­da­de pa­ra de­sen­vol­ver ain­da mais a eco­no­mia e de­fen­der a ideia de que a imi­gra­ção po­de en­ri­que­cer ain­da mais a cul­tu­ra. Es­se de­sen­vol­vi­men­to po­de ser fei­to de di­fe­ren­tes ma­nei­ras. Es­co­lhe­mos uma pa­ra dar a no­ção. Ob­ser­ve: a) Ar­ran­jo ar­gu­men­ta­ti­vo I Nes­te ar­ran­jo, o alu­no ape­nas apresenta in­for­ma­ções que cor­ro­bo­ram sua afir­ma­ção na te­se, em uma es­pé­cie de so­ma­tó­ria: quan­to mais in­for­ma­ções fo­rem agre­ga­das, mos­tran­do que a te­se é per­ti­nen­te, mais con­vin­cen­te se tor­na o tex­to.

b) Ar­ran­jo ar­gu­men­ta­ti­vo II

Já nes­te ar­ran­jo, o alu­no co­me­ça ci­tan­do fa­tos his­tó­ri­cos, a fim de for­ne­cer da­dos con­cre­tos que cor­ro­bo­rem com a sua te­se. De­pois, for­ne­ce ci­ta­ções de au­to­ri­da­des (que po­dem ser en­ten­di­das co­mo da­dos his­tó­ri­cos tam­bém), a fim de con­ti­nu­ar de­sen­vol­ven­do sua ar­gu­men­ta­ção.

c) Ar­ran­jo ar­gu­men­ta­ti­vo III

É um ar­ran­jo se­me­lhan­te ao an­te­ri­or, no qual o alu­no co­me­ça ci­tan­do fa­tos his­tó­ri­cos, a fim de for­ne­cer da­dos con­cre­tos que cor­ro­bo­rem com a te­se de­le. De­pois, for­ne­ce ci­ta­ções de au­to­ri­da­des, a fim de con­ti­nu­ar de­sen­vol­ven­do sua ar­gu­men­ta­ção. A di­fe­ren­ça é que o alu­no po­de in­se­rir uma re­fu­ta­ção ao sen­so co­mum, de­mons­tran­do sua vi­são abran­gen­te do pro­ble­ma e sua con­vic­ção di­an­te do que de­fen­de.

Res­sal­ta­mos que es­ses ar­ran­jos são ape­nas ilus­tra­ti­vos. Não es­pe­ra­mos que os alu­nos re­pro­du­zam es­sas for­mas ar­gu­men­ta­ti­vas, mas que com­pre­en­dam que é ne­ces­sá­rio se­le­ci­o­nar bem as in­for­ma­ções que ser­vi­rão de ar­gu­men­to e or­ga­ni­zá-las de um mo­do a tor­ná-las ló­gi­cas e, as­sim, ob­je­ti­vas e co­e­ren­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.