7. DE­FEI­TOS DE AR­GU­MEN­TA­ÇÃO

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

A boa es­co­lha e a or­ga­ni­za­ção ade­qua­da das in­for­ma­ções que com­põem o de­sen­vol­vi­men­to do tex­to (ou sua ar­gu­men­ta­ção) são mui­to im­por­tan­tes, co­mo ex­pos­to no ca­pí­tu­lo an­te­ri­or. No en­tan­to, a boa ar­gu­men­ta­ção

tam­bém re­quer que al­guns des­li­zes co­muns se­jam evi­ta­dos. Mui­tos alu­nos con­se­guem se­le­ci­o­nar in­for­ma­ções e es­tru­tu­rá-las de for­ma sa­tis­fa­tó­ria, mas co­me­tem ga­fes que co­lo­cam to­do o pro­ces­so ar­gu­men­ta­ti­vo a per­der. Por es­sa ra­zão, é ne­ces­sá­rio que os pro­ble­mas de ar­gu­men­ta­ção apon­ta­dos a se­guir se­jam sem­pre evi­ta­dos.

a) Em­pre­go de no­ções con­fu­sas: mui­tos can­di­da­tos aca­bam uti­li­zan­do pa­la­vras ina­de­qua­das pa­ra de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções, com o ob­je­ti­vo de fa­zer o tex­to apa­ren­tar mai­or for­ma­li­da­de e de­mons­trar do­mí­nio de con­teú­do. Mas es­sa es­tra­té­gia po­de aca­bar ge­ran­do si­tu­a­ções que pre­ju­di­cam o tex­to. O can­di­da­to de­ve uti­li­zar ape­nas os vo­cá­bu­los que re­al­men­te do­mi­na e que fa­zem par­te do uso co­mum do idi­o­ma. Is­so não sig­ni­fi­ca o uso de vo­ca­bu­lá­rio in­for­mal ou a re­pul­sa ao vo­ca­bu­lá­rio mais so­fis­ti­ca­do. Is­so sig­ni­fi­ca que os ter­mos usa­dos pre­ci­sam ser apli­ca­dos com bom sen­so. Uma pa­la­vra des­co­nhe­ci­da, fo­ra de con­tex­to, não aju­da em na­da.

b) Em­pre­go de no­ções de to­ta­li­da­de in­de­ter­mi­na­da: por fal­ta de aten­ção, al­guns can­di­da­tos aca­bam fa­zen­do ge­ne­ra­li­za­ções ina­de­qua­das, trans­for­man­do uma quan­ti­da­de he­te­ro­gê­nea em ho­mo­gê­nea ou di­zen­do al­go so­bre to­dos, sem pen­sar que uma ex­ce­ção po­de (e, com cer­te­za, de­ve) exis­tir. Is­so faz com que “to­do o mun­do” sai­ba al­gu­ma coi­sa ou que “nin­guém quei­ra ou­tra coi­sa”. O can­di­da­to de­ve evi­tar es­se equí­vo­co, não ge­ne­ra­li­zan­do qual­quer in­for­ma­ção em hi­pó­te­se al­gu­ma, por mais con­sen­su­al que ela apa­ren­te ser.

c) Em­pre­go de no­ções se­mi­for­ma­li­za­das: da mes­ma for­ma que pa­la­vras ex­tre­ma­men­te eru­di­tas são lan­ça­das sem mui­to cri­té­rio no tex­to, com o ob­je­ti­vo de tor­ná-lo mais for­mal ou de im­pres­si­o­nar o cor­re­tor, às ve­zes con­cei­tos ci­en­tí­fi­cos são utilizados sem o de­vi­do ri­gor. Um con­cei­to ci­en­tí­fi­co é uma pa­la­vra de sig­ni­fi­ca­do pre­ci­so, que, na mai­o­ria dos ca­sos, não po­de ser uti­li­za­da fo­ra de seu con­tex­to ou, prin­ci­pal­men­te, de for­ma pe­jo­ra­ti­va. Ao re­sol­ver uti­li­zá-la, o es­tu­dan­te não po­de dei­xar de pen­sar nes­se fa­to, cer­ti­fi­can­do-se de que o con­cei­to re­me­te exa­ta­men­te ao que re­me­te­ria no cam­po ci­en­tí­fi­co.

d) Em­pre­go de ilus­tra­ções ina­de­qua­das: o uso do exem­plo po­de ser um re­cur­so ar­gu­men­ta­ti­vo in­te­res­san­te. No en­tan­to, às ve­zes acon­te­ce de es­se exem­plo pre­ju­di­car a ar­gu­men­ta­ção. Qu­an­do ele é in­sig­ni­fi­can­te ou in­ven­ta­do, po­de aca­bar com to­do o pro­ces­so de ar­gu­men­ta­ção. Há ca­sos, con­tu­do, em que um exem­plo im­por­tan­te, per­ti­nen­te e re­al po­de afun­dar a ar­gu­men­ta­ção do tex­to tam­bém. Is­so ocor­re qu­an­do o can­di­da­to ti­ra con­clu­sões ina­de­qua­das do exem­plo ou uti­li­za si­tu­a­ções fo­ra de con­tex­to pa­ra exem­pli­fi­car, for­çan­do ana­lo­gi­as ine­xis­ten­tes. O alu­no pre­ci­sa evi­tar es­se equí­vo­co, ob­ser­van­do se o exem­plo é re­al­men­te per­ti­nen­te à in­for­ma­ção com a qual tra­ba­lha.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.