9.2.2. Co­e­são in­ter­frá­si­ca

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

cer ao alu­no, por meio de téc­ni­cas, ca­mi­nhos pa­ra pro­du­zir com qua­li­da­de. A con­sequên­cia é uma no­ta sa­tis­fa­tó­ria e uma va­ga na uni­ver­si­da­de, re­a­li­zan­do, as­sim, o gran­de so­nho de ob­ter um di­plo­ma con­cei­tu­a­do de um cur­so su­pe­ri­or. No exem­plo [ii], a pa­la­vra “li­vro” re­to­ma o sin­tag­ma ini­ci­al do tex­to “O ob­je­ti­vo do ma­nu­al de re­da­ção pa­ra o Enem”, evi­tan­do, as­sim, sua re­pe­ti­ção. O que per­mi­tiu es­sa re­to­ma­da é o fa­to de, no con­tex­to, o ter­mo ser sinô­ni­mo de ma­nu­al.

A co­e­são in­ter­frá­si­ca es­tá re­la­ci­o­na­da ao mo­do co­mo os pe­río­dos do tex­to se ar­ti­cu­lam den­tro de um pa­rá­gra­fo e, prin­ci­pal­men­te, ao mo­do co­mo os pa­rá­gra­fos se ar­ti­cu­lam en­tre si den­tro do tex­to. Pe­lo que te­mos per­ce­bi­do, as re­da­ções do Enem que apre­sen­tam boa co­e­são in­ter­frá­si­ca têm con­se­gui­do no­tas mais al­tas. Ar­ti­cu­lar bem os pa­rá­gra­fos, por­tan­to, é im­pres­cin­dí­vel. Es­se ti­po de co­e­são ocor­re, ba­si­ca­men­te, com o uso ou a omis­são das con­jun­ções. Es­sas con­jun­ções – as mes­mas apre­sen­ta­das e es­tu­da­das nas au­las de gra­má­ti­ca – são os itens que es­ta­be­le­cem va­ri­a­dos ti­pos de re­la­ção, sen­do, des­sa for­ma, o re­cur­so lin­guís­ti­co res­pon­sá­vel por cons­truir as re­la­ções ló­gi­cas en­tre as par­tes do tex­to. Elas tam­bém ga­ran­tem o en­ca­de­a­men­to ló­gi­co das idei­as do tex­to e sua pro­gres­são te­má­ti­ca.

[vi] O es­tu­do so­bre a na­tu­re­za da pro­va de re­da­ção do Enem é es­sen­ci­al pa­ra um bom de­sem­pe­nho. No en­tan­to, o alu­no só se tor­na um bom re­da­tor pra­ti­can­do exaus­ti­va­men­te. Além dis­so, não há me­lhor mé­to­do de de­sen­vol­ver a es­cri­ta do que a lei­tu­ra cons­tan­te.

No exem­plo [vi], as pa­la­vras des­ta­ca­das são as res­pon­sá­veis pe­la co­e­são in­ter­frá­si­ca. Além de es­ta­be­le­ce­rem vín­cu­lo en­tre os pe­río­dos do pa­rá­gra­fo, pro­mo­vem tam­bém re­la­ções de sen­ti­do. En­quan­to a lo­cu­ção con­jun­ti­va “no en­tan­to” apon­ta pa­ra uma opo­si­ção, mos­tran­do que o que vem na sequên­cia se opõe ao que an­tes apa­re­ce, a lo­cu­ção “além dis­so” apon­ta pa­ra um acrés­ci­mo de in­for­ma­ções.

O me­lhor mo­do de apri­mo­rar a con­jun­ção in­ter­frá­si­ca é a prá­ti­ca. Con­tu­do, o alu­no que se fa­mi­li­a­ri­za com a ta­be­la de con­jun­ções de lo­cu­ções con­jun­ti­vas, pre­sen­tes na gra­má­ti­ca nor­ma­ti­va, dá um pas­so con­si­de­rá­vel no que diz res­pei­to ao uso cor­re­to das con­jun­ções. Sem con­tar que o co­nhe­ci­men­to da men­ci­o­na­da ta­be­la é as­sun­to de vá­ri­as ques­tões de ves­ti­bu­lar e do pró­prio Enem. Des­sa for­ma, va­le a pe­na con­fe­rir a lis­ta de con­jun­ções a se­guir:

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.