11.1. Ro­tei­ro de re­da­ção

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Após a lei­tu­ra aten­ta da pro­pos­ta da re­da­ção, acon­se­lha­mos os can­di­da­tos a se­gui­rem os pas­sos de­mons­tra­dos no ro­tei­ro pa­ra ela­bo­rar seu tex­to.

a) Pri­mei­ro pas­so – co­le­ta de in­for­ma­ções: co­le­tar o má­xi­mo de in­for­ma­ções ne­ces­sá­ri­as a par­tir da lei­tu­ra da pro­pos­ta é a pri­mei­ra coi­sa a se fa­zer.

Ao ler a pro­pos­ta de re­da­ção em te­la, de­pa­ra­mo-nos, pri­mei­ra­men­te, com o pa­rá­gra­fo de co­man­do, no qual, além das in­for­ma­ções bá­si­cas, há a te­má­ti­ca su­ge­ri­da: efei­tos da im­plan­ta­ção da lei se­ca no Bra­sil. Ob­ser­va-se tam­bém uma re­por­ta­gem que si­tua e jus­ti­fi­ca a im­plan­ta­ção da lei se­ca, com um car­taz de cons­ci­en­ti­za­ção pa­ra o pe­ri­go da com­bi­na­ção de be­bi­da e di­re­ção, com uma ta­be­la com da­dos es­ta­tís­ti­cos re­fe­ren­tes à lei se­ca e, por fim, com um tex­to in­for­ma­ti­vo so­bre a cam­pa­nha de uma agên­cia de co­mu­ni­ca­ção pa­ra cons­ci­en­ti­zar as pes­so­as pa­ra não com­bi­na­rem di­re­ção com be­bi­da.

Te­mos, des­sa for­ma, in­for­ma­ções que su­ge­rem três li­nhas de ra­ci­o­cí­nio so­bre a te­má­ti­ca su­ge­ri­da no co­man­do: a pri­mei­ra diz res­pei­to à ne­ces­si­da­de de uma lei que coí­ba a com­bi­na­ção de be­bi­da e di­re­ção. No pri­mei­ro tex­to, po­de­mos per­ce­ber que no Bra­sil es­sa pe­ri­go­sa mis­tu­ra é res­pon­sá­vel por gran­de nú­me­ro de mor­tes no trân­si­to. A se­gun­da es­tá re­la­ci­o­na­da ao im­pac­to po­si­ti­vo da im­plan­ta­ção da lei se­ca. A ta­be­la com da­dos es­ta­tís­ti­cos é im­pe­ra­ti­va ao mos­trar que a re­gra ge­rou re­du­ções im­por­tan­tes no nú­me­ro de ví­ti­mas de trân­si­to e nos aten­di­men­tos. E a ter­cei­ra, por fim, diz res­pei­to à cons­ci­en­ti­za­ção. Tan­to o pri­mei­ro tex­to, quan­to o car­taz e o úl­ti­mo tex­to res­sal­tam a im­por­tân­cia da par­ti­ci­pa­ção am­pla de vá­ri­os nú­cle­os da co­mu­ni­da­de na cons­ci­en­ti­za­ção ple­na dos mo­to­ris­tas a res­pei­to do pro­ble­ma.

b) Se­gun­do pas­so – ela­bo­ra­ção da te­se: ela­bo­rar a te­se é fun­da­men­tal pa­ra co­me­çar a con­fi­gu­rar o tex­to, uma vez que a re­da­ção dis­ser­ta­ti­va-ar­gu­men­ta­ti­va pre­ci­sa trans­mi­tir uma opi­nião.

Com as três li­nhas de ra­ci­o­cí­nio em men­te, a ela­bo­ra­ção da te­se fi­ca fá­cil, pois já é pos­sí­vel no­tar qual a di­re­ção que de­ve ser to­ma­da na re­da­ção. Co­mo dis­se­mos no ca­pí­tu­lo an­te­ri­or, a re­da­ção do Enem pre­ci­sa ado­tar um pon­to de vis­ta que se­ja con­di­zen­te com os di­rei­tos hu­ma­nos. No ca­so des­sa pro­pos­ta, o di­rei­to da pes­soa hu­ma­na que es­tá em ques­tão é a vi­da, que pa­de­ce no trân­si­to em ra­zão da com­bi­na­ção de be­bi­da e di­re­ção, en­tre ou­tros fa­to­res.

Des­sa for­ma, por mais que o can­di­da­to te­nha su­as con­vic­ções pes­so­ais, pre­ci­sa ela­bo­rar uma te­se que dis­cu­ta a im­plan­ta­ção da lei se­ca a par­tir de um po­si­ci­o­na­men­to que con­si­de­re a ci­da­da­nia. É pre­ci­so ela­bo­rar uma opi­nião que de­fen­da a im­plan­ta­ção des­sa le­gis­la­ção, co­mo me­di­da de pre­ser­var a vi­da das pes­so­as no trân­si­to. Além dis­so, é pre­ci­so no­tar que a ques­tão da cons­ci­en­ti­za­ção tam­bém é im­por­tan­te, vis­to que ape­nas a im­po­si­ção le­gal não é su­fi­ci­en­te. Por es­sa ra­zão, a me­lhor te­se a ser de­fen­di­da nes­sa pro­pos­ta se­ria: a lei se­ca é uma me­di­da vá­li­da pa­ra di­mi­nuir as mor­tes no trân­si­to, mas a cons­ci­en­ti­za­ção do mo­to­ris­ta so­bre os pe­ri­gos de mis­tu­rar be­bi­da e di­re­ção tam­bém é fun­da­men­tal.

c) Ter­cei­ro pas­so – ela­bo­ra­ção da in­ter­ven­ção: pen­sar em qual se­rá a so­lu­ção que se­rá su­ge­ri­da é es­sen­ci­al, em vis­ta da gran­de im­por­tân­cia que pos­sui di­an­te dos cri­té­ri­os de cor­re­ção.

Com a te­se em men­te, a ela­bo­ra­ção da pro­pos­ta de in­ter­ven­ção so­ci­al fi­ca mais fá­cil, uma vez que es­ses dois pon­tos do tex­to pre­ci­sam ser co­e­ren­tes. No ca­so em te­la, a pro­pos­ta ide­al de in­ter­ven­ção po­de ser ela­bo­ra­da por meio da con­si­de­ra­ção de dois as­pec­tos: o pri­mei­ro diz res­pei­to a lei se­ca, no qual o can­di­da­to po­de su­ge­rir que, em vis­ta dos re­sul­ta­dos que es­sa me­di­da tem apre­sen­ta­do, o go­ver­no pre­ci­sa in­ves­tir em mais fis­ca­li­za­ção, de mo­do que os mo­to­ris­tas in­fra­to­res pos­sam ser fla­gra­dos e, con­se­quen­te­men­te, pu­ni­dos com ba­se na re­gra. O se­gun­do as­pec­to diz res­pei­to à cons­ci­en­ti­za­ção, em que o can­di­da­to po­de pro­por que, ao la­do da fis­ca­li­za­ção, ha­ja cam­pa­nhas cons­tan­tes, en­vol­ven­do não ape­nas ini­ci­a­ti­vas do go­ver­no, mas tam­bém pri­va­das, en­vol­ven­do a so­ci­e­da­de ci­vil de mo­do ge­ral, com o ob­je­ti­vo de fa­zer os mo­to­ris­tas to­ma­rem co­nhe­ci­men­to das con­sequên­ci­as de di­ri­gir em­bri­a­ga­do, bem com das pu­ni­ções mais ri­go­ro­sas apre­sen­ta­das pe­la no­va lei.

d) Quar­to pas­so – ela­bo­ra­ção da ar­gu­men­ta­ção: sis­te­ma­ti­zar as in­for­ma­ções que cons­ti­tui­rão o mo­men­to ar­gu­men­ta­ti­vo do tex­to aju­da a tor­nar a te­se mais for­te e per­ti­nen­te.

Sa­ben­do que a te­se a ser de­fen­di­da é o fa­to de que a lei se­ca é uma me­di­da vá­li­da pa­ra di­mi­nuir as mor­tes no trân­si­to, mas a cons­ci­en­ti­za­ção do mo­to­ris­ta so­bre os pe­ri­gos da com­bi­na­ção de be­bi­da com di­re­ção tam­bém é es­sen­ci­al, a so­lu­ção a ser su­ge­ri­da se­ria a am­pli­a­ção da fis­ca­li­za­ção pa­ra fa­zer a lei va­ler e a in­ten­si­fi­ca­ção de cam­pa­nhas de cons­ci­en­ti­za­ção pa­ra evi­tar aci­den­tes ou pu­ni­ções. A

ela­bo­ra­ção da ar­gu­men­ta­ção não tem se­gre­do, des­de que se­jam res­pei­ta­das a co­e­são e a coerência.

Os da­dos re­fe­ren­tes a mor­tes no trân­si­to, ex­pos­tos no pri­mei­ro tex­to de apoio, con­sis­tem em um bom ar­gu­men­to pa­ra o alu­no jus­ti­fi­car sua opi­nião a res­pei­to da im­plan­ta­ção da no­va lei se­ca, em de­fe­sa da me­di­da. Nes­se ca­so, eles ex­põem uma si­tu­a­ção alar­man­te do trân­si­to bra­si­lei­ro. Os da­dos que com­pro­vam a efi­cá­cia da lei, pre­sen­tes na ta­be­la, tam­bém são ele­men­tos vá­li­dos pa­ra jus­ti­fi­car o po­si­ci­o­na­men­to em prol da lei se­ca, uma vez que de­mons­tram sua efi­cá­cia. Es­sas in­for­ma­ções não po­dem ser ne­gli­gen­ci­a­das.

Ou­tro pon­to que tam­bém é per­ti­nen­te pa­ra ar­gu­men­tar é a ques­tão da cul­tu­ra de be­ber e de di­ri­gir. O alu­no po­de de­sen­vol­ver a ideia de que a lei é um dis­po­si­ti­vo re­pres­si­vo, is­to é, pu­ni­ti­vo, que apresenta efei­tos po­si­ti­vos, mas que so­zi­nha não tem a ca­pa­ci­da­de de al­te­rar to­da uma cul­tu­ra, fa­to que faz das cam­pa­nhas de cons­ci­en­ti­za­ção fer­ra­men­tas vá­li­das pa­ra a di­mi­nui­ção das mor­tes no trân­si­to, vis­to que es­se con­jun­to de es­for­ços po­de le­var o pró­prio mo­to­ris­ta a se fis­ca­li­zar. Tam­bém não dei­xa de ser in­te­res­san­te o alu­no men­ci­o­nar que a lei e as cam­pa­nhas po­dem cri­ar a fal­sa im­pres­são de que o Es­ta­do es­tá in­ter­fe­rin­do de­ma­si­a­da­men­te na vi­da do ci­da­dão, ao de­ci­dir por ele se sua vi­da po­de ou não ser co­lo­ca­da em ris­co. Es­se pon­to se tor­na per­ti­nen­te se o alu­no dis­cor­rer que is­so não pas­sa de um equí­vo­co, pois ca­be ao Es­ta­do ze­lar pe­la vi­da do ci­da­dão que be­be e di­ri­ge, bem co­mo pe­la vi­da dos de­mais, além de bus­car mei­os de evi­tar os aci­den­tes de trân­si­to e os gas­tos de­les oriun­dos.

e) Quin­to pas­so – su­ma­ri­za­ção do tex­to: Su­ma­ri­zar os pa­rá­gra­fos an­tes de co­me­çar a re­da­ção é um bom meio de vi­su­a­li­zar o tex­to com­ple­to, an­tes mes­mo de es­cre­vê-lo.

Com to­do es­se ra­ci­o­cí­nio cons­truí­do, o de­sa­fio de co­lo­car as idei­as no pa­pel tor­na-se ain­da mai­or. Por es­sa ra­zão, is­so de­ve ser fei­to com cau­te­la. E o me­lhor mo­do de fa­zer is­so com a de­vi­da pre­cau­ção é a re­a­li­za­ção de um su­má­rio que ilus­tre pa­rá­gra­fo por pa­rá­gra­fo, a fim de tor­nar o mo­men­to da es­cri­ta mais flui­do e o tex­to mais or­ga­ni­za­do. To­do es­se ra­ci­o­cí­nio ex­pos­to até en­tão po­de ser su­ma­ri­za­do da se­guin­te ma­nei­ra: a) In­tro­du­ção 1. Pri­mei­ro pa­rá­gra­fo: bre­ve con­tex­tu­a­li­za­ção so­bre a te­má­ti­ca e ex­po­si­ção da te­se: a lei se­ca é uma me­di­da vá­li­da pa­ra di­mi­nuir as mor­tes no trân­si­to, mas a cons­ci­en­ti­za­ção do mo­to­ris­ta so­bre os pe­ri­gos da com­bi­na­ção de be­bi­da com di­re­ção tam­bém é fun­da­men­tal. b) De­sen­vol­vi­men­to 2. Se­gun­do pa­rá­gra­fo: ex­po­si­ção da si­tu­a­ção caó­ti­ca do trân­si­to e de seu al­to grau de pe­ri­cu­lo­si­da­de. Ci­tar da­dos es­ta­tís­ti­cos que de­mons­tram is­so. Ge­ral­men­te, da­dos de aci­den­tes de trân­si­to nas es­tra­das são re­ve­la­dos após o car­na­val. De­pois, fa­le dos efei­tos po­si­ti­vos da lei se­ca di­an­te des­se ce­ná­rio.

3. Ter­cei­ro pa­rá­gra­fo: con­tra­po­si­ção da lei com a ne­ces­si­da­de de cons­ci­en­ti­za­ção. Ex­pli­que que a lei é re­pres­si­va. De­pois, sa­li­en­te que a edu­ca­ção tam­bém é im­pres­cin­dí­vel pa­ra que se crie uma cul­tu­ra res­pon­sá­vel pa­ra quem cos­tu­ma sair pa­ra be­ber.

4. Quar­to pa­rá­gra­fo: dis­cor­ra so­bre a in­ter­ven­ção es­ta­tal. Ex­pli­que que, mes­mo pen­san­do ser de­ma­si­a­da a re­pres­são aos en­tre­te­ni­men­tos que in­clu­em be­bi­das al­cóo­li­cas, a lei é uma fer­ra­men­ta que o Es­ta­do usa pa­ra ze­lar pe­la vi­da de to­dos os seus ci­da­dãos, além de di­mi­nuir cus­tos com aci­den­tes de trân­si­to. c) Con­clu­são 5. Quin­to pa­rá­gra­fo: pro­pos­ta de in­ter­ven­ção so­ci­al. Dis­cor­ra so­bre a ne­ces­si­da­de de o go­ver­no au­men­tar a fis­ca­li­za­ção pa­ra que a lei con­ti­nue a ge­rar efei­tos. De­pois, apon­te a ne­ces­si­da­de de a ini­ci­a­ti­va pri­va­da e a so­ci­e­da­de ci­vil se en­ga­ja­rem com o po­der pú­bli­co na cri­a­ção e in­ten­si­fi­ca­ção de cam­pa­nhas de cons­ci­en­ti­za­ção. f ) Sex­to pas­so - es­cre­ver o tex­to: ar­ti­cu­le to­dos os pa­rá­gra­fos su­ma­ri­za­dos com con­jun­ções ade­qua­das e lin­gua­gem pa­drão, sem mar­cas pes­so­ais, ter­mos ina­de­qua­dos e pa­la­vras di­ri­gi­das a um in­ter­lo­cu­tor (vo­cê).

A lei­tu­ra des­se ro­tei­ro po­de le­var um es­tu­dan­te a pen­sar que o pro­ce­di­men­to de com­po­si­ção da re­da­ção du­ra ho­ras e ho­ras. Is­so po­de ser ver­da­dei­ro no iní­cio, mas a prá­ti­ca cons­tan­te des­se mé­to­do po­de fa­zer com que reu­na téc­ni­cas de es­cri­ta pa­ra re­di­gir um tex­to dis­ser­ta­ti­vo-ar­gu­men­ta­ti­vo de boa qua­li­da­de. Por is­so, rei­te­ra­mos o que es­ta­mos di­zen­do des­de o iní­cio des­te ma­nu­al. A sim­ples lei­tu­ra não é su­fi­ci­en­te. A prá­ti­ca de­ve ser a prin­ci­pal for­ma de pre­pa­ro pa­ra a pro­va de re­da­ção do Enem. Por es­sa ra­zão, es­cre­ver de mo­do su­ma­ri­za­do é o pri­mei­ro pas­so pa­ra a bus­ca da per­fei­ção. Vo­cê po­de pe­gar os te­mas de re­da­ção de edi­ções an­te­ri­o­res do Enem e pra­ti­car em ca­sa. Ou­tra di­ca é co­lo­car no pa­pel o que acha so­bre um fa­to da atu­a­li­da­de. Os acon­te­ci­men­tos po­lí­ti­cos ser­vem pa­ra pra­ti­car a re­da­ção dis­ser­ta­ti­va-ar­gu­men­ta­ti­va, pois vo­cê po­de­rá dar a sua opi­nião e ain­da pro­por uma so­lu­ção ao pro­ble­ma que es­ti­ver acon­te­cen­do no Bra­sil ou em ou­tro país. E ain­da po­de ser que um te­ma pa­re­ci­do se­ja es­co­lhi­do pa­ra o pró­xi­mo Enem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.