GABARITO COMENTADO

Superguia Enem - Química e Biologia - - Sumário -

No ca­pí­tu­lo an­te­ri­or, vi­mos co­mo a cé­lu­la ob­tém ener­gia atra­vés da res­pi­ra­ção celular; ago­ra va­mos ver co­mo es­ta ener­gia é trans­fe­ri­da de um ní­vel a ou­tro atra­vés dos se­res vi­vos e sua re­la­ção com o meio. Lem­bran­do que a ener­gia ja­mais é per­di­da, so­men­te trans­for­ma­da, po­de­mos ve­ri­fi­car que to­da subs­tân­cia inor­gâ­ni­ca é apro­vei­ta­da e re­pas­sa­da atra­vés de um flu­xo de ener­gia uni­di­re­ci­o­nal de­no­mi­na­do flu­xo de ener­gia e ma­té­ria.

A ener­gia é trans­mi­ti­da de um ser bió­ti­co a ou­tro atra­vés de ca­dei­as ali­men­ta­res ou tei­as. Ca­deia ali­men­tar é a sequên­cia de ali­men­ta­ção em que um or­ga­nis­mo ser­ve de ali­men­to pa­ra ou­tro, des­ta­can­do que ca­da or­ga­nis­mo ocu­pa di­fe­ren­te po­si­ção na or­dem com que ele ob­tém seu ali­men­to. A po­si­ção ocu­pa­da na ca­deia ali­men­tar é um ní­vel hi­e­rár­qui­co, de mo­do que os or­ga­nis­mos são clas­si­fi­ca­dos em: a) pro­du­to­res (se­res au­tó­tro­fos – aque­les que pro­du­zem seu pró­prio ali­men­to – fa­zem a fo­tos­sín­te­se, co­mo as plan­tas e as al­gas); b) con­su­mi­do­res (os ani­mais que se ali­men­tam dos pro­du­to­res, or­ga­nis­mos he­te­ró­tro­fos – aque­les que que não são ca­pa­zes de pro­du­zir seu pró­prio ali­men­to); e c) de­com­po­si­to­res (fun­gos e bac­té­ri­as, que se ali­men­tam dos res­tos mor­tais de se­res vi­vos). É um sis­te­ma de trans­for­ma­ção de ener­gia e, ao con­jun­to dá-se o no­me de tei­as ali­men­ta­res. Em uma teia ali­men­tar, um mes­mo ani­mal po­de ocu­par pa­péis di­fe­ren­tes, is­to é, tan­to po­de ser um con­su­mi­dor se­cun­dá­rio, co­mo tam­bém um con­su­mi­dor ter­ciá­rio.

• Con­su­mi­do­res pri­má­ri­os ou de “pri­mei­ra or­dem”: ali­men­tam-se di­re­ta­men­te dos pro­du­to­res, são os ani­mais her­bí­vo­ros, por exem­plo, coelho.

• Con­su­mi­do­res se­cun­dá­ri­os ou de “se­gun­da or­dem”: ani­mais car­ní­vo­ros que se ali­men­tam dos her­bí­vo­ros, por exem­plo, co­bra.

• Con­su­mi­do­res ter­ciá­ri­os ou de “ter­cei­ra or­dem”: ani­mais se­cun­dá­ri­os pre­da­dos por es­tes de ter­cei­ra or­dem, por exem­plo, fal­cão.

Nas tei­as ali­men­ta­res te­mos ain­da os oní­vo­ros, ani­mais que con­so­mem ali­men­tos tan­to de ori­gem ve­ge­tal quan­to ani­mal, por exem­plo, al­gu­mas es­pé­ci­es de ma­ca­cos. Não sen­do um pro­ces­so cí­cli­co, o flu­xo de ener­gia se per­de ao lon­go dos ní­veis tró­fi­cos (tam­bém co­nhe­ci­dos por ní­veis ali­men­ta­res) e es­sa per­da po­de ser re­pre­sen­ta­da atra­vés de pi­râ­mi­des eco­ló­gi­cas, grá­fi­cos que re­pre­sen­tam a quan­ti­da­de de ener­gia in­cor­po­ra­da aos ní­veis tró­fi­cos de uma co­mu­ni­da­de em de­ter­mi­na­do pe­río­do de tem­po.

• Pi­râ­mi­de de ener­gia: quan­to mais um ní­vel tró­fi­co es­ti­ver do ní­vel dos pro­du­to­res, me­nor se­rá a quan­ti­da­de de ener­gia ad­qui­ri­da.

• Pi­râ­mi­de de nú­me­ro: re­pre­sen­ta o nú­me­ro de in­di­ví­du­os em ca­da ní­vel tró­fi­co.

• Pi­râ­mi­de de bi­o­mas­sa: é a so­ma das mas­sas de to­dos os in­di­ví­du­os de um ní­vel tró­fi­co e di­mi­nui a ca­da ní­vel, de­vi­do à per­da de ma­té­ria vi­va que ser­ve co­mo fon­te de ener­gia.

4.1. Ci­clos bi­o­ge­oquí­mi­cos e a in­ter­fe­rên­cia hu­ma­na

Ao per­cur­so re­a­li­za­do no meio am­bi­en­te por um ele­men­to quí­mi­co es­sen­ci­al à vi­da de­no­mi­na­mos “ci­clo bi­o­ge­oquí­mi­co”. Os de­com­po­si­to­res es­tão no úl­ti­mo ní­vel da ca­deia ali­men­tar e de­sem­pe­nham pa­pel pri­mor­di­al nos ci­clos bi­o­ge­oquí­mi­cos, pois de­com­põem a ma­té­ria or­gâ­ni­ca mor­ta e co­lo­cam os ele­men­tos quí­mi­cos à dis­po­si­ção do am­bi­en­te e dos se­res vi­vos. A de­no­mi­na­ção “bi­o­ge­oquí­mi­co” – mo­vi­men­tos cí­cli­cos que en­vol­vem ele­men­tos quí­mi­cos pre­sen­tes no meio bi­o­ló­gi­co e o am­bi­en­te ge­o­ló­gi­co – é ori­gi­na­da de: a) bio – par­ti­ci­pa­ção dos se­res vi­vos (de­com­po­si­to­res) na sín­te­se da ma­té­ria or­gâ­ni­ca; b) geo – ocor­re no so­lo (ter­res­tre); e c) quí­mi­co – re­fe­re-se ao ci­clo de ele­men­tos quí­mi­cos.

To­dos os ci­clos pos­su­em re­ser­va­tó­ri­os abió­ti­cos, que po­dem ser dos se­guin­tes ti­pos: a) re­ser­va­tó­rio at­mos­fé­ri­co (ci­clo do N); b) re­ser­va­tó­rio ro­cho­so (ci­clo do fós­fo­ro); c) re­ser­va­tó­ri­os mis­tos (ci­clo da água). O ci­clo bi­o­ge­oquí­mi­co dis­tin­gue-se em três ti­pos: ci­clos ga­so­sos (de­pó­si­to na at­mos­fe­ra), ci­clo hi­dro­ló­gi­co e ci­clos se­di­men­ta­res (re­ser­va­tó­rio na li­tos­fe­ra).

4.1.1. Ci­clos ga­so­sos

Os ci­clos ga­so­sos pos­su­em o de­pó­si­to abió­ti­co na at­mos­fe­ra. Gra­ças à gran­de di­nâ­mi­ca des­te meio, pos­su­em efi­ca­zes me­ca­nis­mos de au­tor­re­gu­la­ção, por exem­plo, ci­clo do car­bo­no, ci­clo do ni­tro­gê­nio e ci­clo do oxi­gê­nio.

Ci­clo do car­bo­no: é um ci­clo per­fei­to, ou se­ja, o car­bo­no é de­vol­vi­do ao meio à mes­ma ta­xa em que é sin­te­ti­za­do pe­los pro­du­to­res. O car­bo­no é en­con­tra­do na for­ma de CO no ar, dis­sol­vi­do na

2

H O e na com­po­si­ção de mo­lé­cu­las or­gâ­ni­cas e

2 com­bus­tí­veis fós­seis. O ci­clo do car­bo­no tem par­ti­ci­pa­ção efe­ti­va no efei­to es­tu­fa, já que seu ob­je­ti­vo é man­ter a tem­pe­ra­tu­ra do pla­ne­ta cons­tan­te. Po­rém, o des­ma­ta­men­to ex­ces­si­vo es­tá in­flu­en­ci­an­do ne­ga­ti­va­men­te o re­fe­ri­do ci­clo, pois po­ten­ci­a­li­za o efei­to es­tu­fa e au­men­ta a tem­pe­ra­tu­ra glo­bal. Após a Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al, hou­ve um au­men­to do des­ma­ta­men­to e a ve­ge­ta­ção foi subs­ti­tuí­da por cha­mi­nés. Ocor­reu um uso cons­tan­te da ener­gia e a quan­ti­da­de de CO de­vol­vi­da ao meio se tor­nou

2 mai­or que a as­si­mi­la­da pe­la ve­ge­ta­ção (atra­vés da fo­tos­sín­te­se) e dos oce­a­nos (pe­la di­fu­são).

Ci­clo do oxi­gê­nio: li­be­ra­do na at­mos­fe­ra atra­vés do pro­ces­so de fo­tos­sín­te­se, o oxi­gê­nio é con­su­mi­do pe­la res­pi­ra­ção e com­bus­tão, e es­tá in­ti­ma­men­te li­ga­do ao ci­clo do car­bo­no. Quan­do pre­sen­te na at­mos­fe­ra, so­fre a ação dos rai­os ul­tra­vi­o­le­ta e é trans­for­ma­do em ozô­nio (O ) que irá fil­trar

3 cer­ca de 80% os rai­os so­la­res que ten­tam pe­ne­trar na at­mos­fe­ra. A uti­li­za­ção ex­ces­si­va de clo­ro­flu­or­car­bo­no (CFC) pre­ju­di­cou a for­ma­ção do ozô­nio e con­se­quen­te­men­te a pro­te­ção da at­mos­fe­ra, pois ele in­ter­fe­re na trans­for­ma­ção do O em O o que

2 3 re­sul­tou na di­mi­nui­ção da es­pes­su­ra da ca­ma­da, fenô­me­no de­no­mi­na­do “Bu­ra­co da Ca­ma­da de Ozô­nio”. Jun­to com o ex­ces­so de CO , in­flu­en­cia

2 ne­ga­ti­va­men­te o efei­to es­tu­fa.

Ci­clo do ni­tro­gê­nio: pro­ces­so pe­lo qual o ni­tro­gê­nio cir­cu­la atra­vés das plan­tas e do so­lo pe­la ação de or­ga­nis­mos vi­vos. Ape­sar de ser um ele­men­to que com­põe 78% da at­mos­fe­ra, seu ci­clo não é per­fei­to. Du­ran­te es­te ci­clo, ve­ri­fi­ca-se sem­pre uma “per­da” de cer­ta quan­ti­da­de de ni­tro­gê­nio, no sen­ti­do de se tor­nar inu­ti­li­zá­vel pa­ra a plan­ta, uma vez que uma das cau­sas des­ta per­da de ni­tro­gê­nio é a re­mo­ção de plan­tas do so­lo. Es­te ci­clo pas­sa por qu­a­tro me­ca­nis­mos: a) fi­xa­ção do ni­tro­gê­nio at­mos­fé­ri­co em ni­tra­tos; b) amo­ni­fi­ca­ção (pro­ces­so que re­tor­na o ni­tro­gê­nio in­cor­po­ra­do pa­ra a for­ma de amô­nia); c) ni­tri­fi­ca­ção (pro­ces­so de for­ma­ção de ni­tra­tos no so­lo); d) des­ni­tri­fi­ca­ção (trans­for­ma­ção de ni­tra­tos e ou­tras subs­tân­ci­as em gás ni­tro­gê­nio (N ) pe­la ação de bac­té­ri­as des­ni­tri­fi­can­tes).

A fi­xa­ção do ni­tro­gê­nio por via bi­o­ló­gi­ca é a mais im­por­tan­te, pois além de co­o­pe­rar com a agri­cul­tu­ra e com a ini­bi­ção do uso de agro­tó­xi­cos sin­té­ti­cos, os or­ga­nis­mos sim­bió­ti­cos de­vol­vem cem ve­zes mais ni­tro­gê­nio que os or­ga­nis­mos de vi­da li­vre. A ni­tri­fi­ca­ção é um pro­ces­so quí­mi­co-bi­o­ló­gi­co de for­ma­ção de ni­tri­to no so­lo que ocor­re em du­as eta­pas: a) ni­tro­sa­ção, em que a amô­nia é trans­for­ma­da em ni­tri­to; b) ni­tra­ção, quan­do ocor­re a trans­for­ma­ção do íon ni­tri­to em íon ni­tra­to. A des­ni­tri­fi­ca­ção é o pro­ces­so no qual o ni­tra­to ge­ra­do na ni­tri­fi­ca­ção é ain­da pos­sí­vel de ser uti­li­za­do por mi­cro-or­ga­nis­mos, ra­zão pe­la qual de­ve ser re­ti­ra­do do sis­te­ma, pas­san­do-o pa­ra for­ma de gás N , a for­ma mais es­tá­vel de ni­tro­gê­nio.

4.1.2. Ci­clos se­di­men­ta­res

O ci­clo se­di­men­tar ocor­re em fun­ção da rup­tu­ra das ro­chas, e os frag­men­tos que re­sul­tam des­sa de­sa­gre­ga­ção são trans­por­ta­dos e de­po­si­ta­dos em lo­cais mais bai­xos to­po­gra­fi­ca­men­te, cons­ti­tuin­do os se­di­men­tos. São ci­clos mais vul­ne­rá­veis a per­tur­ba­ções ex­ter­nas, pe­lo fa­to de o de­pó­si­to ter um tem­po mui­to ele­va­do de re­cir­cu­la­ção, por exem­plo, ci­clo do cál­cio e ci­clo do fós­fo­ro.

Ci­clo do fós­fo­ro: ele­men­to cons­ti­tuin­te do RNA e do DNA, ci­clo len­to uti­li­za­do pe­los pro­du­to­res em for­ma de fos­fa­to. Gran­de par­te se per­de na­tu­ral­men­te em de­pó­si­tos nos oce­a­nos, mas a ação pre­da­do­ra do ho­mem ace­le­ra dras­ti­ca­men­te es­sa por­cen­ta­gem de per­da de fós­fo­ro do ci­clo.

Ci­clo do en­xo­fre: as­si­mi­la­do em for­ma de sul­fa­to, pas­sa pe­lo pro­ces­so de de­com­po­si­ção. Faz par­te da molécula vi­tal ao or­ga­nis­mo, sen­do es­sen­ci­al pa­ra a ma­nu­ten­ção da vi­da. O ex­ces­so de áci­do sul­fú­ri­co pro­vo­ca a chu­va áci­da e o smog in­dus­tri­al.

Ci­clo do cál­cio: fa­zen­do par­te de di­ver­sas es­tru­tu­ras ce­lu­la­res e pro­ces­sos fi­si­o­ló­gi­cos, o cál­cio é pro­ve­ni­en­te de ro­chas cal­cá­ri­as que o li­be­ram pa­ra o meio atra­vés de seu des­gas­te.

4.1.3. Ci­clo hi­dro­ló­gi­co

O ci­clo hi­dro­ló­gi­co, ou ci­clo da água, é o mo­vi­men­to con­tí­nuo da água pre­sen­te nos oce­a­nos, con­ti­nen­tes (su­per­fí­cie, so­lo e ro­cha) e na at­mos­fe­ra.

Es­se ci­clo con­sis­te na sequên­cia de fenô­me­nos pe­los quais a água pas­sa, in­do do glo­bo ter­res­tre pa­ra a at­mos­fe­ra, na fa­se de va­por, e re­gres­san­do nas fa­ses lí­qui­da e só­li­da. A água age co­mo um re­gu­la­dor do am­bi­en­te. Os ani­mais in­ge­rem água e de­vol­vem ao meio atra­vés da res­pi­ra­ção, ex­cre­ção e su­or. Os ve­ge­tais ab­sor­vem água por meio das raí­zes e de­vol­vem por meio da res­pi­ra­ção e trans­pi­ra­ção. O ci­clo é di­vi­di­do em du­as fa­ses: cur­ta e lon­ga.

Fa­se cur­ta: eva­po­ra­ção len­ta das águas dos ma­res, ri­os, la­gos, la­go­as for­man­do nu­vens que irão se pre­ci­pi­tar em for­ma de chu­va ou ne­ve.

Fa­se lon­ga: pas­sa pe­lo me­ta­bo­lis­mo dos se­res vi­vos atra­vés da ca­deia ali­men­tar e é de­vol­vi­da ao meio atra­vés da trans­pi­ra­ção e ex­cre­ção.

O cons­tan­te des­ma­ta­men­to e o ex­ces­so de pa­vi­men­ta­ção do so­lo em re­giões de vár­ze­as in­ter­fe­rem ne­ga­ti­va­men­te no ci­clo da água, não per­mi­tin­do que es­ta re­tor­ne aos aquí­fe­ros sub­ter­râ­ne­os de­vi­do à ace­le­ra­ção no pro­ces­so de eva­po­ra­ção. Co­mo con­sequên­cia tem-se as en­chen­tes nos gran­des cen­tros ur­ba­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.