1. ORI­GEM DA VI­DA

Superguia Enem - Química e Biologia - - Biologia -

A pa­la­vra bi­o­lo­gia tem sua ori­gem em du­as pa­la­vras: bio, que sig­ni­fi­ca vi­da, e lo­gos, que sig­ni­fi­ca es­tu­do. As­sim, bi­o­lo­gia sig­ni­fi­ca “es­tu­do da vi­da”.

Pa­ra ser con­si­de­ra­do um ser vi­vo, a ma­té­ria ne­ces­si­ta obe­de­cer a um ní­vel or­ga­ni­za­ci­o­nal, além de aten­der as ca­rac­te­rís­ti­cas que o clas­si­fi­cam co­mo tal. Sa­ber a ori­gem da vi­da sem­pre foi uma ques­tão que ins­ti­gou a cu­ri­o­si­da­de de mui­tos ci­en­tis­tas e, ape­sar de mui­tos ex­pe­ri­men­tos, a des­co­ber­ta da cé­lu­la só foi pos­sí­vel após a in­ven­ção do mi­cros­có­pio pe­lo in­glês Ro­bert Ho­ok, que ob­ser­vou fi­nas lâ­mi­nas de cor­ti­ça. A in­ven­ção do mi­cros­có­pio e a sua evo­lu­ção per­mi­tiu que um no­vo cam­po da bi­o­lo­gia sur­gis­se, a ci­to­lo­gia, que se en­car­re­ga de es­tu­dar a cé­lu­la, su­as ca­rac­te­rís­ti­cas e co­mo ocor­re a sua di­vi­são.

1.1. Ní­veis de or­ga­ni­za­ção

To­da ma­té­ria or­gâ­ni­ca ou inor­gâ­ni­ca é for­ma­da por áto­mos e, a par­tir da jun­ção de dois ou mais des­tes, for­mam-se as mo­lé­cu­las. As mo­lé­cu­las or­gâ­ni­cas quan­do uni­das dão ori­gem aos grâ­nu­los; a jun­ção des­tes for­mam os or­gâ­nu­los. As cé­lu­las são for­ma­das com a união des­tes or­gâ­nu­los. Du­as ou mais cé­lu­las com ca­rac­te­rís­ti­cas se­me­lhan­tes for­mam te­ci­dos que, jun­tos, ori­gi­nam os ór­gãos. Es­tes ór­gãos, por sua vez, com ca­rac­te­rís­ti­cas e fun­ções se­me­lhan­tes, ori­gi­nam os sis­te­mas. Um or­ga­nis­mo vi­vo é a jun­ção des­tes sis­te­mas fun­ci­o­nan­do per­fei­ta­men­te.

1.2. Te­o­ri­as

1.2.1. Te­o­ria Gra­du­al dos Sis­te­mas Quí­mi­cos

Na dé­ca­da de 1920, os ci­en­tis­tas Opain e Hal­danc afir­ma­ram que a vi­da po­de­ria ter se ori­gi­na­da na ter­ra atra­vés de um len­to pro­ces­so de evo­lu­ção quí­mi­ca. Já na dé­ca­da de 1950, o ci­en­tis­ta nor­te-ame­ri­ca­no Stan­ley Mil­ler ela­bo­rou um ex­pe­ri­men­to sim­ples, no qual de­mons­trou que com­pos­tos or­gâ­ni­cos co­mo ami­noá­ci­dos, áci­dos hi­dro­xí­li­cos, al­deí­dos e hi­dro­ci­a­ne­to po­de­ri­am ser es­pon­ta­ne­a­men­te for­ma­dos a par­tir de uma mis­tu­ra aque­ci­da e su­jei­ta a des­car­gas elé­tri­cas.

A hipótese de evo­lu­ção gra­du­al dos sis­te­mas quí­mi­cos foi uma ex­pe­ri­ên­cia de Mil­ler re­a­li­za­da por meio da cons­tru­ção de um apa­re­lho que si­mu­la­va as con­di­ções da ter­ra pri­mi­ti­va, no qual fo­ram in­tro­du­zi­dos os ga­ses de amô­nia, hi­dro­gê­nio, me­ta­no e va­por d'água. Um dis­po­si­ti­vo elé­tri­co de al­ta vol­ta­gem pro­du­zia faís­cas den­tro do apa­re­lho, si­mu­lan­do os rai­os das tem­pes­ta­des. O cha­ma­do “Ex­pe­ri­men­to de Mil­ler” de­mons­trou que com­pos­tos or­gâ­ni­cos (ami­noá­ci­dos) po­de­ri­am ter se for­ma­do nas con­di­ções da Ter­ra pri­mi­ti­va, o que re­for­ça a hipótese da evo­lu­ção gra­du­al dos sis­te­mas quí­mi­cos.

1.2.2. Hipótese He­te­ro­tró­fi­ca

A ener­gia ob­ti­da pe­los pri­mei­ros se­res vi­vos se­ria por fer­men­ta­ção, e a re­pro­du­ção ace­le­ra­da des­tes e a fal­ta de re­cur­sos per­mi­tiu uma evo­lu­ção pa­ra a ob­ten­ção de ener­gia atra­vés da fo­tos­sín­te­se. Co­mo a fo­tos­sín­te­se li­be­ra O pa­ra a at­mos­fe­ra, as­sim sur­giu

2 à res­pi­ra­ção ae­ró­bi­ca.

1.2.3. Abi­o­gê­ne­se X Bi­o­gê­ne­se

A abi­o­gê­ne­se, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo ge­ra­ção es­pon­tâ­nea, é uma te­o­ria se­gun­do a qual a vi­da po­de­ria sur­gir es­pon­ta­ne­a­men­te e con­ti­nu­a­men­te da ma­té­ria bru­ta, ou se­ja, a vi­da a par­tir da ma­té­ria or­gâ­ni­ca mor­ta ou de uma “for­ça vi­tal” que per­mi­tia seu sur­gi­men­to. Mui­tos fo­ram os ci­en­tis­tas (Jan Bap­tis­te van Hel­mont, Fran­ces­co Re­di, John Ne­e­dan, Laz­za­ro Spal­lan­za­ni) que acre­di­ta­vam nes­ta te­o­ria, atra­vés da re­a­li­za­ção de ex­pe­ri­men­tos com rou­pa su­ja, grãos de tri­go pa­ra “sur­gir” ra­tos ou pe­da­ços de car­ne e ca­dá­ver com cal­do nu­tri­ti­vo pa­ra sur­gir mos­cas. Po­rém, em 1860, o bió­lo­go fran­cês Louis Pas­teur uti­li­zou vi­dra­ria “pes­co­ço de cis­ne”

ao re­a­li­zar um ex­pe­ri­men­to com cal­do nu­tri­ti­vo e der­ru­bou a te­o­ria da ge­ra­ção es­pon­tâ­nea. Pas­teur fer­veu cal­do de car­ne em um vi­dro com o gar­ga­lo do­bra­do na for­ma de um S. O ar po­dia en­trar no fras­co, mas os mi­cro-or­ga­nis­mos trans­por­ta­dos pe­lo ar não con­se­gui­am trans­por a cur­va­tu­ra do gar­ga­lo pa­ra en­trar. O re­sul­ta­do foi au­sên­cia to­tal de mi­cro-or­ga­nis­mos. Mas com a re­ti­ra­da do bi­co de cis­ne, o cal­do tor­nou-se ra­pi­da­men­te tur­vo e foi de­tec­ta­da vi­da no fras­co. Des­sa for­ma, Pas­teur pro­vou que não exis­te no ar ou nos ali­men­tos qual­quer “prin­cí­pio ati­vo” ca­paz de ge­rar vi­da es­pon­ta­ne­a­men­te. E is­so abriu ca­mi­nho pa­ra a bi­o­gê­ne­se, se­gun­do a qual a ma­té­ria vi­va pro­ce­de sem­pre da ma­té­ria vi­va. A evo­lu­ção do in­di­ví­duo de­ve re­pro­du­zir a da es­pé­cie. Ve­ja a fi­gu­ra.

1.2.4. Te­o­ria Celular

Em 1838, o ci­en­tis­ta Mathi­as Sch­lei­der, atra­vés de um ma­ce­ra­do de fo­lhas e cau­les, ob­ser­vou a pre­sen­ça de cé­lu­las em ve­ge­tais. Ape­nas um ano de­pois, em 1839, The­o­dor Schwann con­clui que ani­mais eram for­ma­dos por cé­lu­las. Qua­se 20 anos de­pois, Re­dof Vir­chow con­clui que to­da cé­lu­la tem sua ori­gem em ou­tra pré-exis­ten­te. Com as con­clu­sões dos três ci­en­tis­tas, atu­al­men­te te­mos a no­va te­o­ria celular, cu­jos pos­tu­la­dos são: a) to­dos os se­res vi­vos são for­ma­dos por cé­lu­las; b) a cé­lu­la atua co­mo fábrica quí­mi­ca, ou se­ja, é a uni­da­de fi­si­o­ló­gi­ca de to­dos os se­res vi­vos; c) to­da cé­lu­la tem sua ori­gem a par­tir de ou­tra pré-exis­ten­te que se di­vi­de, for­ne­cen­do às cé­lu­las fi­lhas seu ma­te­ri­al ge­né­ti­co.

TE­O­RIA GRA­DU­AL DOS SIS­TE­MAS QUÍ­MI­COSDis­po­ní­vel em: http://bit.ly/IGyIlGi. Aces­so em: 25.mai.2015

Dis­po­ní­vel em: http://bit.ly/1Q70MCF. Aces­so em: 12.jun.2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.