5. TA­XO­NO­MIA E CLAS­SI­FI­CA­ÇÃO DOS SE­RES VI­VOS

Superguia Enem - Química e Biologia - - Biologia -

Vi­mos, nos ca­pí­tu­los an­te­ri­o­res, quais as ca­rac­te­rís­ti­cas ne­ces­sá­ri­as pa­ra um or­ga­nis­mo ser con­si­de­ra­do um ser vi­vo e sua re­la­ção com o meio am­bi­en­te. Ve­re­mos co­mo os se­res vi­vos são clas­si­fi­ca­dos e quais são su­as ca­rac­te­rís­ti­cas par­ti­cu­la­res de­sen­vol­vi­das atra­vés do pro­ces­so evo­lu­ti­vo. Ta­xo­no­mia é a ci­ên­cia que clas­si­fi­ca os se­res vi­vos.

O pri­mei­ro sis­te­ma de clas­si­fi­ca­ção foi pro­pos­to por Aris­tó­te­les, no sé­cu­lo IV a.C., e se ba­se­a­va nas ca­rac­te­rís­ti­cas ex­ter­nas, clas­si­fi­can­do os se­res em ve­ge­tais ou ani­mais. A pa­la­vra ta­xo­no­mia de­ri­va do gre­go ta­xis, cu­jo sig­ni­fi­ca­do é or­dem.

No sé­cu­lo XVIII, o bió­lo­go su­e­co Li­neu (Carl von Lin­né) propôs o sis­te­ma bi­no­mi­nal de no­men­cla­tu­ra zo­o­ló­gi­ca, no qual o gê­ne­ro re­fle­te ca­rac­te­rís­ti­cas co­le­ti­vas e a es­pé­cie, ca­rac­te­rís­ti­cas pe­cu­li­a­res. Ele uti­li­zou um sis­te­ma bi­no­mi­nal de no­men­cla­tu­ra, no qual o pri­mei­ro no­me (no­me ge­né­ri­co) é o no­me do gê­ne­ro ao qual a es­pé­cie per­ten­ce e o se­gun­do é o no­me es­pe­cí­fi­co. Os dois no­mes, jun­tos, de­sig­nam o no­me da es­pé­cie. Um exem­plo é o da bor­bo­le­ta mo­nar­ca, cha­ma­da ci­en­ti­fi­ca­men­te Da­naus ple­xip­pus. É, por­tan­to, uma bor­bo­le­ta do gê­ne­ro Da­naus e da es­pé­cie ple­xip­pus. A bor­bo­le­ta mo­nar­ca foi uma das mui­tas es­pé­ci­es des­cri­ta por Li­neu em sua obra Sys­te­ma Na­tu­rae.

A clas­si­fi­ca­ção dos se­res vi­vos ob­je­ti­va es­ta­be­le­cer a es­pé­cie em pri­mei­ro lu­gar, e de­la par­te to­da a clas­si­fi­ca­ção. Por­tan­to, a es­pé­cie é a uni­da­de básica da ta­xo­no­mia. O Sis­te­ma Bi­no­mi­nal de No­men­cla­tu­ra obe­de­ce a se­guin­te hi­e­rar­quia: rei­no; fi­lo (ou di­vi­são); clas­se; or­dem; fa­mí­lia; gê­ne­ro; es­pé­cie. Atu­al­men­te, o men­ci­o­na­do sis­te­ma de clas­si­fi­ca­ção es­tá di­vi­di­do em cin­co rei­nos: Mo­ne­ra, Pro­tis­ta, Fun­gi, Plan­tae e Ani­ma­lia.

5.1. Rei­no Mo­ne­ra

É com­pos­to pe­los se­res pro­ca­ri­on­tes, uni­ce­lu­la­res e mi­cros­có­pi­cos co­mo as bac­té­ri­as e as ci­a­no­bac­té­ri­as. Pre­sen­tes em to­dos os ambientes, elas po­dem vi­ver iso­la­das ou em colô­ni­as. Par­ti­ci­pam do ci­clo do car­bo­no e do ni­tro­gê­nio. Ge­ral­men­te, as bac­té­ri­as são as­so­ci­a­das a do­en­ças. Po­rém, nem to­das são no­ci­vas à saú­de. Mui­tas es­pé­ci­es são úteis ao ho­mem, den­tre elas, as bac­té­ri­as do áci­do acé­ti­co, uti­li­za­das na fa­bri­ca­ção de vi­na­gre, e os lac­to­ba­ci­los, em­pre­ga­dos na pre­pa­ra­ção de co­a­lha­das, io­gur­tes, quei­jos, etc.

A cé­lu­la bac­te­ri­a­na é com­pos­ta por: a) mem­bra­na celular, que en­vol­ve a cé­lu­la bac­te­ri­a­na con­tro­lan­do as tro­cas de subs­tân­ci­as com o ex­te­ri­or, por exem­plo, res­pi­ra­ção, nu­tri­ção; b) ci­to­plas­ma, on­de ocor­rem a mai­o­ria das re­a­ções quí­mi­cas da cé­lu­la; c) ri­bos­so­mos, res­pon­sá­veis pe­la sín­te­se de pro­teí­nas; d) pa­re­de celular, um in­vó­lu­cro se­mir­rí­gi­do que dá for­ma às bac­té­ri­as e as pro­te­ge con­tra ví­rus e subs­tân­ci­as tó­xi­cas; e) cáp­su­la, a ca­ma­da que cir­cun­da a cé­lu­la bac­te­ri­a­na ex­ter­na­men­te à pa­re­de celular. Es­sa es­tru­tu­ra pro­por­ci­o­na re­sis­tên­cia à fa­go­ci­to­se (en­glo­ba­men­to de par­tí­cu­las); f ) pi­li ou fím­bri­as, apên­di­ces fi­la­men­to­sos, de na­tu­re­za pro­téi­ca, mui­to mais cur­tos e fi­nos do que os fla­ge­los. Eles fa­ci­li­tam a ade­rên­cia da bac­té­ria a subs­tra­tos só­li­dos ou aos te­ci­dos dos or­ga­nis­mos pa­ra­si­ta­dos; g) plas­mí­de­os, pe­que­nos frag­men­tos de DNA bac­te­ri­a­no de for­ma

cir­cu­lar (DNA ex­tra­cro­mos­so­mais); h) nu­cleói­de, o cro­mos­so­mo bac­te­ri­a­no, con­sis­te nu­ma úni­ca molécula cir­cu­lar de DNA, que de­ter­mi­na as ca­rac­te­rís­ti­cas da cé­lu­la e co­man­da as su­as ati­vi­da­des; i) fla­ge­lo, es­tru­tu­ras res­pon­sá­veis pe­la mo­bi­li­da­de celular cons­ti­tuí­das por pe­que­nos apên­di­ces, es­pe­ci­al­men­te di­fe­ren­ci­a­dos, que va­ri­am em nú­me­ro e ta­ma­nho. Quan­do são es­cas­sos e lon­gos re­ce­bem o no­me de fla­ge­los, ao pas­so que, se são nu­me­ro­sos e cur­tos, são de­no­mi­na­dos cí­li­os.

A res­pi­ra­ção po­de ocor­rer pe­lo pro­ces­so ae­ró­bi­co (al­gu­mas es­pé­ci­es de bac­té­ri­as de­pen­dem do oxi­gê­nio pa­ra res­pi­rar, por exem­plo, o ba­ci­lo de Ko­ch). Tam­bém po­de ser pe­lo pro­ces­so ana­e­ró­bi­co obri­ga­tó­rio, sen­do que as es­pé­ci­es de bac­té­ri­as que re­a­li­zam es­te ti­po de res­pi­ra­ção não de­pen­dem do oxi­gê­nio, por exem­plo, o ba­ci­lo te­tâ­ni­co. O pro­ces­so pa­ra ob­ten­ção de ener­gia po­de ser ain­da ana­e­ró­bi­co fa­cul­ta­ti­vo, quan­do es­pé­ci­es de bac­té­ri­as po­dem so­bre­vi­ver na au­sên­cia ou na pre­sen­ça de oxi­gê­nio, re­a­li­zan­do ou não fer­men­ta­ção, por exem­plo, os lac­to­ba­ci­los.

As bac­té­ri­as se ali­men­tam atra­vés da de­com­po­si­ção de ma­té­ria or­gâ­ni­ca mor­ta ou pa­ra­si­tan­do hos­pe­dei­ros (he­te­ro­tró­fi­cas). Po­dem ain­da ser au­tó­tro­fas, re­a­li­zan­do fo­tos­sín­te­se ou qui­mi­os­sín­te­se. A re­pro­du­ção é as­se­xu­a­da, per­mi­tin­do que uma bac­té­ria dê ori­gem a ou­tras du­as iguais pe­lo pro­ces­so de cis­si­pa­ri­da­de ou di­vi­são bi­ná­ria. Tam­bém po­dem ser en­con­tra­das al­gu­mas es­pé­ci­es que re­a­li­zam a re­pro­du­ção se­xu­a­da, quan­do ocor­re tro­ca de ma­te­ri­al ge­né­ti­co. Ocor­re por con­ju­ga­ção, trans­du­ção ou trans­for­ma­ção.

Clas­si­fi­ca­ção quan­to à for­ma

Co­cos: cé­lu­las es­fé­ri­cas que, ao se­rem agru­pa­das aos pa­res, re­ce­bem o no­me de di­plo­co­cos. Quan­do o agru­pa­men­to cons­ti­tui uma ca­deia de co­cos es­tes são de­no­mi­na­dos es­trep­to­co­cos. Co­cos em gru­pos ir­re­gu­la­res, lem­bran­do ca­chos de uva, re­ce­bem a de­sig­na­ção de es­ta­fi­lo­co­cos.

Ba­ci­los: cé­lu­las ci­lín­dri­cas, em for­ma de bas­to­ne­tes, em ge­ral se apre­sen­tam co­mo cé­lu­las iso­la­das. Po­rém, po­de ha­ver ba­ci­los aos pa­res (di­plo­ba­ci­los) ou em ca­dei­as (strep­to­ba­ci­los).

Es­pi­ri­los: cé­lu­las es­pi­ra­la­das que ge­ral­men­te se apre­sen­tam co­mo cé­lu­las iso­la­das. Há ain­da os vi­briões, em for­ma­to de vír­gu­las. Clas­si­fi­ca­ção quan­to à co­lo­ra­ção

Gram po­si­ti­va: as bac­té­ri­as gram po­si­ti­vas pos­su­em a mem­bra­na celular com es­tru­tu­ras sim­ples e quan­do na pre­sen­ça de cer­tos ti­pos de co­lo­ra­ção, co­mo a sa­fra­ni­na ou fuc­si­na bi­ná­ria, fi­cam com a co­lo­ra­ção ro­xa. São do fi­lo Fir­mi­cu­tes.

Gram ne­ga­ti­va: as pro­te­o­bac­té­ri­as e as en­te­ro­bac­té­ri­as pos­su­em a mem­bra­na com a es­tru­tu­ra mais com­ple­xa e, na pre­sen­ça de fuc­si­na bi­ná­ria ou sa­fra­ni­na, fi­cam com a co­lo­ra­ção aver­me­lha­da.

5.1.1. Do­en­ças cau­sa­das por bac­té­ri­as

Por ser um gru­po tão di­ver­si­fi­ca­do, as do­en­ças cau­sa­das por bac­té­ri­as po­dem ser trans­mi­ti­das de di­ver­sas for­mas, tais co­mo por via res­pi­ra­tó­ria, DSTs, ali­men­ta­ção ou má hi­gi­e­ni­za­ção, mas to­das po­dem ser tra­ta­das com an­ti­bió­ti­cos, in­clu­si­ve de am­plo es­pec­tro.

5.2. Rei­no Pro­tis­ta

Os se­res clas­si­fi­ca­dos no rei­no pro­tis­ta são uni­ce­lu­la­res, mi­cros­có­pi­cos e su­as cé­lu­las são eu­ca­rió­ti­cas, por­tan­to, com nú­cleo ver­da­dei­ro. Pro­to­zoá­ri­os e al­gas são os re­pre­sen­tan­tes des­te rei­no. São se­res ca­pa­zes de re­a­li­zar as cin­co fun­ções de ma­nu­ten­ção da vi­da: ali­men­ta­ção, di­ges­tão, res­pi­ra­ção, ex­cre­ção e lo­co­mo­ção.

5.2.1. Pro­to­zoá­ri­os

De ori­gem gre­ga, o ter­mo “pro­to­zoá­rio” sig­ni­fi­ca “pri­mei­ro ani­mal”. Pre­sen­te em to­dos os ambientes, es­ses se­res po­dem ser sim­bi­on­tes, pa­ra­si­tas ou vi­ver em mu­tu­a­lis­mo. São pre­do­mi­nan­te­men­te aquá­ti­cos (vi­vem em água do­ce, sal­ga­da ou sa­lo­bra), mas po­dem ser en­con­tra­dos nos mais va­ri­a­dos ambientes. Al­guns são pa­ra­si­tas de ani­mais, cau­san­do di­ver­sas do­en­ças co­mo a ma­lá­ria e a do­en­ça de Cha­gas. São se­res he­te­ró­tro­fos ou au­tó­tro­fos. A res­pi­ra­ção dos pro­to­zoá­ri­os é pre­do­mi­nan­te­men­te ae­ró­bia, ocor­ren­do di­fu­são di­re­ta dos ga­ses em to­da a su­per­fí­cie celular. A mai­o­ria apre­sen­ta re­pro­du­ção as­se­xu­a­da com al­gu­mas es­pé­ci­es que se re­pro­du­zem se­xu­a­da­men­te por con­ju­ga­ção.

5.2.1.1. Clas­si­fi­ca­ção

RIZOPODA: ou ri­zó­po­des, têm pseu­do­po­des co­mo es­tru­tu­ras lo­co­mo­to­ras, vi­vem em vi­da li­vre ou po­dem pa­ra­si­tar. Por exem­plo: as ame­bas.

MASTIGOPHORA: ou fla­ge­la­dos, re­ce­bem es­sa de­no­mi­na­ção por sua lo­co­mo­ção se dar atra­vés de fla­ge­los. Vi­vem em vi­da li­vre ou pa­ra­si­tam. Por exem­plo: tri­pa­nos­so­mos e giár­di­as.

CILIOPHORA: ou ci­li­a­dos são as es­tru­tu­ras res­pon­sá­veis pe­la lo­co­mo­ção, daí a de­no­mi­na­ção ci­li­a­dos. Pou­cas es­pé­ci­es são pa­ra­si­tas e a mai­o­ria vi­ve em vi­da li­vre. Por exem­plo: pa­ra­mé­cio e vor­ti­ce­la.

SPOROZOA: ou es­po­ro­zoá­ri­os, cu­jas es­tru­tu­ras lo­co­mo­to­ras são au­sen­tes, pois são pa­ra­si­tas in­tra­ce­lu­la­res. Por exem­plo: plas­mó­dio e to­xo­plas­ma.

Do­en­ças cau­sa­das por pro­to­zoá­ri­os1

As do­en­ças cau­sa­das por pro­to­zoá­ri­os afe­tam prin­ci­pal­men­te o san­gue e o tu­bo di­ges­ti­vo e, em al­guns ca­sos, ne­ces­si­tam de dois hos­pe­dei­ros pa­ra com­ple­tar o ci­clo de vi­da: o hos­pe­dei­ro in­ter­me­diá­rio (ou ve­tor), on­de ocor­re a re­pro­du­ção as­se­xu­a­da, e o hos­pe­dei­ro de­fi­ni­ti­vo, on­de ocor­re a re­pro­du­ção se­xu­a­da, com ex­ce­ção da ma­lá­ria. Ve­ja al­gu­mas das do­en­ças cau­sa­das por pro­to­zoá­ri­os.

Ame­bía­se

Tam­bém co­nhe­ci­da por di­sen­te­ria ame­bi­a­na, a di­sen­te­ria amé­bi­ca é uma do­en­ça cau­sa­da pe­lo pro­to­zoá­rio En­ta­mo­e­ba his­toly­ti­ca, que po­de en­trar no or­ga­nis­mo hu­ma­no por meio da in­ges­tão de ali­men­tos mal la­va­dos que con­te­nham os cis­tos (for­ma que o pro­to­zoá­rio ado­ta quan­do es­tá fo­ra de um or­ga­nis­mo). O prin­ci­pal sin­to­ma é a di­ar­reia com ou sem fe­bre e ain­da sin­to­mas di­fe­ren­tes, de­pen­den­do do ór­gão “in­va­di­do”. O ór­gão pre­fe­ren­ci­al a ser com­pro­me­ti­do é o fí­ga­do. Os tro­fo­zoí­tos do pro­to­zoá­rio vi­vem no in­tes­ti­no gros­so, po­den­do ser tam­bém en­con­tra­dos nas ul­ce­ra­ções in­tes­ti­nais, nos abs­ces­sos he­pá­ti­cos, pul­mo­na­res, cu­tâ­ne­os e, mais ra­ra­men­te, no cérebro.

Do­en­ça de Cha­gas

A do­en­ça de Cha­gas é trans­mi­ti­da pe­lo bar­bei­ro, um in­se­to en­con­tra­do em vá­ri­as par­tes do Bra­sil. Do­en­ça cau­sa­da pe­lo pro­to­zoá­ri­oTry­pa­no­so­ma cru­zi, que pas­sa pa­ra o cor­po hu­ma­no quan­do o bar­bei­ro pi­ca o or­ga­nis­mo em bus­ca de san­gue. Após a suc­ção, o bar­bei­ro li­be­ra su­as fe­zes na pe­le, cau­san­do co­cei­ra. Ao co­çar, o in­di­ví­duo aca­ba por jo­gar as fe­zes in­fec­ta­das do bar­bei­ro em sua cor­ren­te san­guí­nea. Gi­ar­día­se

É a in­fec­ção ou do­en­ça cau­sa­da pe­lo pro­to­zoá­rio Gi­ar­dia lam­blia, en­con­tra­do na for­ma cís­ti­ca em ali­men­tos e na água con­ta­mi­na­da. Es­sa do­en­ça cau­sa a di­mi­nui­ção da ab­sor­ção de nu­tri­en­tes de to­do o tra­to di­ges­ti­vo, po­den­do le­var até à des­nu­tri­ção. Tem co­mo sin­to­mas có­li­cas, náu­se­as, di­ar­reia, etc. Es­te pro­to­zoá­rio tem co­mo ha­bi­tat o in­tes­ti­no del­ga­do, vi­ven­do no du­o­de­no e na por­ção ini­ci­al do íleo. Ou­tros sin­to­mas com­ple­tam o qua­dro clí­ni­co: vô­mi­tos, dor ab­do­mi­nal, cons­ti­pa­ção in­tes­ti­nal, ir­ri-

ta­bi­li­da­de, ano­re­xia, fa­di­ga, fla­tu­lên­cia e per­da de pe­so. A es­te­a­tor­reia crô­ni­ca po­de le­var à des­nu­tri­ção pe­la de­fi­ci­ên­cia e per­da das vi­ta­mi­nas li­pos­so­lú­veis (A, D, E, K), vi­ta­mi­na B12 e áci­do fó­li­co, áci­dos gra­xos e pro­teí­nas. Leish­ma­ni­o­se

Se­gun­do in­for­ma­ções da Fun­da­ção Oswal­do Cruz, a do­en­ça é cau­sa­da pe­lo pro­to­zoá­rio Leish­ma­nia e apre­sen­ta du­as for­mas clí­ni­cas: a leish­ma­ni­o­se te­gu­men­tar ou cu­tâ­nea, que pro­duz le­sões na pe­le e mu­co­sas, e a leish­ma­ni­o­se vis­ce­ral, for­ma mais gra­ve da do­en­ça, que com­pro­me­te te­ci­dos vi­tais co­mo fí­ga­do e ba­ço.

O trans­mis­sor é um in­se­to cha­ma­do de fle­bo­to­mí­neo, que, no Bra­sil, é co­nhe­ci­do por vá­ri­os no­mes co­mo asa bran­ca, asa du­ra, mos­qui­to pa­lha, ta­tu­qui­ra e can­ga­lhi­nha. Ca­ní­de­os sil­ves­tres e ro­e­do­res são al­guns hos­pe­dei­ros do pa­ra­si­ta.

Os sin­to­mas da leish­ma­ni­o­se são dis­tin­tos e de­pen­dem da for­ma da do­en­ça. No ca­so da leish­ma­ni­o­se te­gu­men­tar ou cu­tâ­nea, os sin­to­mas mais co­muns são le­sões na pe­le e mu­co­sas. Em re­la­ção à leish­ma­ni­o­se vis­ce­ral, ge­ral­men­te os sin­to­mas es­tão as­so­ci­a­dos à fe­bre, ema­gre­ci­men­to pro­gres­si­vo, pa­li­dez e o au­men­to do fí­ga­do e ba­ço, sin­to­ma co­nhe­ci­do co­mo he­pa­to­es­ple­no­me­ga­lia.

Ma­lá­ria

A ma­lá­ria é uma do­en­ça pa­ra­si­tá­ria trans­mi­ti­da de pes­soa pa­ra pes­soa por meio da pi­ca­da da fê­mea do mos­qui­to Anophe­les, que pos­sui em seu or­ga­nis­mo pro­to­zoá­ri­os do gê­ne­ro Plas­mo­dium. Es­ses mos­qui­tos ge­ral­men­te pi­cam en­tre o pôr do sol e o ama­nhe­cer. Os sin­to­mas ini­ci­ais da ma­lá­ria são se­me­lhan­tes aos de uma gri­pe, tor­nan­do-se per­cep­tí­veis de 9 a 14 di­as de­pois da in­fec­ção: fe­bre (ci­clos de fe­bre tí­pi­cos, ca­la­fri­os e su­do­re­se po­dem acon­te­cer), dores nas jun­tas, dores de ca­be­ça, vô­mi­tos fre­quen­tes, con­vul­sões e co­ma. To­xo­plas­mo­se

A to­xo­plas­mo­se é uma do­en­ça cau­sa­da pe­lo pro­to­zoá­rio To­xo­plas­ma gon­dii. A transmissão se dá por con­ta­to com ani­mais do­més­ti­cos – prin­ci­pal­men­te ga­tos – ou por su­as fe­zes. As fe­zes dos ga­tos po­dem con­ter cis­tos (for­mas re­sis­ten­tes) do pa­ra­si­ta, que são dis­se­mi­na­dos por ani­mais, co­mo mos­cas e ba­ra­tas. O ho­mem ad­qui­re a do­en­ça quan­do in­ge­re di­re­ta­men­te o cis­to ou car­ne mal co­zi­da que o con­te­nha. Os sin­to­mas da do­en­ça são, na mai­o­ria das ve­zes, mui­to se­me­lhan­tes aos de vá­ri­as ou­tras do­en­ças: mal-es­tar, fe­bre, dores de ca­be­ça e mus­cu­la­res, pros­tra­ção e fe­bre que po­dem du­rar se­ma­nas ou me­ses. Após al­guns di­as, há tam­bém au­men­to dos gân­gli­os lin­fá­ti­cos em to­do o cor­po. Nor­mal­men­te, a do­en­ça evo­lui de for­ma be­nig­na e de­sa­pa­re­ce sem dei­xar se­que­las no or­ga­nis­mo. Às ve­zes, po­rém, po­de cau­sar le­sões ocu­la­res, com per­da par­ci­al ou qua­se to­tal da vi­são. Daí sua gra­vi­da­de. Em mu­lhe­res grá­vi­das, o pro­to­zoá­rio po­de atin­gir o fe­to, pro­vo­can­do-lhe ce­guei­ra, de­fi­ci­ên­cia men­tal e até mes­mo a mor­te. Tri­co­mo­nía­se

Cau­sa­da pe­lo pro­to­zoá­rio Tri­cho­mo­nas va­gi­na­lis, a tri­co­mo­nía­se é trans­mi­ti­da prin­ci­pal­men­te pe­lo con­ta­to se­xu­al. Nas mu­lhe­res, ata­ca o co­lo do úte­ro, a va­gi­na e a ure­tra, e nos ho­mens, o pê­nis. Os sin­to­mas mais co­muns são dor du­ran­te a re­la­ção se­xu­al, ar­dên­cia e di­fi­cul­da­de pa­ra uri­nar, co­cei­ra nos ór­gãos se­xu­ais, po­rém a mai­o­ria das pes­so­as in­fec­ta­das não sen­te al­te­ra­ções no or­ga­nis­mo. A do­en­ça po­de ser trans­mi­ti­da pe­lo se­xo sem ca­mi­si­nha com uma pes­soa in­fec­ta­da.

5.2.2. Al­gas

Al­gas são se­res au­tó­tro­fos, sen­do a mai­o­ria uni­ce­lu­lar. Ter­ras úmi­das e tron­cos de ár­vo­res con­sis­tem em seu ha­bi­tat na­tu­ral e po­dem ser de vi­das li­vres, vi­ver em colô­ni­as ou mu­tu­a­lis­mo. Cons­ti­tu­em o fi­to­plânc­ton e são res­pon­sá­veis por 90% do O li­be­ra­do pa­ra a at­mos

2 fera. Cons­ti­tu­em a ba­se da ca­deia ali­men­tar. Ve­ja­mos a sua clas­si­fi­ca­ção.

ChRYSOPHYTA: al­gas dou­ra­das. São uni­ce­lu­la­res que vi­vem iso­la­das ou em colô­ni­as em ma­res ou água do­ce. Com­põem o fi­to­plânc­ton, exem­plo: di­a­to­má­ce­as.

PYRROPHYTA: al­gas cor de fo­go. Co­mo as al­gas dou­ra­das, vi­vem iso­la­das ou em colô­ni­as e tam­bém ha­bi­tam ma­res e água do­ce. São res­pon­sá­veis pe­las ma­rés ver­me­lhas, exem­plo: di­no­fla­ge­la­dos.

PHAEOPHYTA: al­gas par­das. São plu­ri­ce­lu­la­res e a mai­o­ria é ma­ri­nha, al­gu­mas es­pé­ci­es são co­mes­tí­veis. Es­tas es­pé­ci­es são as mai­o­res em ta­ma­nho e com­ple­xi­da­de.

ChLOROPHYTA: al­gas ver­des. Re­ce­bem es­se no­me, pois pos­su­em clo­ro­fi­la. São uni­ce­lu­la­res e vi­vem iso­la­das ou em colô­ni­as, mas tam­bém po­dem ser en-

con­tra­das es­pé­ci­es plu­ri­ce­lu­la­res. Vi­vem no mar, água do­ce ou so­lo úmi­do.

RHODOPHYTA: al­gas ver­me­lhas. A mai­o­ria é plu­ri­ce­lu­lar ha­bi­tan­te de mar, água do­ce ou so­lo úmi­do. Fi­la­men­to­sas e fi­xa­das a subs­tra­tos, tem o Agar co­mo es­pé­cie co­mes­tí­vel.

EUGLENOPHYTA: as eu­gle­no­fi­ce­as são uni­ce­lu­la­res e de água do­ce. Quan­do a po­pu­la­ção é mui­to gran­de, su­ge­re po­lui­ção das águas por ma­té­ria or­gâ­ni­ca.

5.3. Rei­no Fun­gi

Es­tu­da­dos pe­la mi­co­lo­gia, os fun­gos po­dem ser uni­ce­lu­la­res co­mo as le­ve­du­ras ou plu­ri­ce­lu­la­res co­mo os bo­lo­res e co­gu­me­los, am­bos he­te­ró­tro­fos. Vi­vem em ambientes úmi­dos ri­cos em ma­té­ria or­gâ­ni­ca e com pou­ca luz. Al­gu­mas es­pé­ci­es co­mo os sa­pró­fa­gos são de­com­po­si­to­res, e al­gu­mas são pa­ra­si­tas, cau­san­do mi­co­ses, en­quan­to ou­tras es­pé­ci­es vi­vem em sim­bi­o­se co­mo as mi­cor­ri­zas e os li­quens. A di­ges­tão é ex­tra­cor­pó­rea e a nu­tri­ção PE por ab­sor­ção. Não pos­su­em te­ci­dos, mas as es­pé­ci­es plu­ri­ce­lu­la­res já apre­sen­tam mi­cé­lio e hi­fas es­tru­tu­ra­das ru­di­men­ta­res. Re­a­li­zam res­pi­ra­ção ae­ró­bia ou ana­e­ró­bia fa­cul­ta­ti­va, e a ex­cre­ção se dá por di­fu­são di­re­ta.

Os fun­gos têm im­por­tân­cia econô­mi­ca van­ta­jo­sa, sen­do uti­li­za­dos na pro­du­ção de cer­ve­ja, vi­nho ou an­ti­bió­ti­co, po­rém po­de ser des­van­ta­jo­sa, quan­do cau­sa apo­dre­ci­men­to de ma­dei­ra, te­ci­dos ou ali­men­tos.

Clas­si­fi­ca­ção

MIXOMICETOS: ge­la­ti­no­sos, são fun­gos sim­ples. A re­pro­du­ção é se­xu­a­da por es­po­ros. Não re­a­li­zam di­ges­tão ex­tra­cor­pó­rea.

EUCOMICETOS: con­si­de­ra­dos os fun­gos ver­da­dei­ros, é di­vi­di­do em qu­a­tro clas­ses. a) Zy­gomy­co­ta: mi­cros­có­pi­cos de for­ma tu­bu­lar, têm a re­pro­du­ção se­xu­a­da por es­po­rân­gi­os ou as­se­xu­a­da, são os res­pon­sá­veis pe­lo bo­lor ne­gro do pão; b) As­comy­co­ta: mai­or fi­lo do rei­no, a mai­o­ria é de re­pro­du­ção as­se­xu­a­da por bro­ta­men­to. São os res­pon­sá­veis pe­la pro­du­ção de be­bi­das ( Sa­cha­romy­ces ce­rei­vi­si­ae) e do an­ti­bió­ti­co pe­ni­ci­li­na ( Pe­ni­cil­lium no­ta­tum); c) Ba­si­di­omy­co­ta: fun­gos de gran­de im­por­tân­cia econô­mi­ca, sen­do os mais co­nhe­ci­dos. A par­tir des­ta clas­se já apre­sen­tam cor­po fru­tí­fe­ro; d) Deu­te­ro­mi­ce­tos: con­si­de­ra­dos fun­gos im­per­fei­tos, apre­sen­tam re­pro­du­ção as­se­xu­a­da, são pa­ra­si­tas de ani­mais e ve­ge­tais.

LI­QUENS: é uma as­so­ci­a­ção mu­tu­a­lís­ti­ca en­tre ci­a­no­bac­té­ri­as ou al­gas ver­des e fun­gos as­co­mi­ce­tos; de re­pro­du­ção as­se­xu­a­da.

MI­COR­RI­ZAS: as­so­ci­a­ção mu­tu­a­lís­ti­ca en­tre fun­gos ba­si­di­o­mi­ce­tos e raí­zes de plan­tas, co­mo nas orquí­de­as, por exem­plo.

Do­en­ças cau­sa­das por fun­gos:

Os fun­gos po­dem ser tan­to pa­ra­si­tas ex­ter­nos, quan­to ec­to­pa­ra­si­tas, cau­san­do as po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­das mi­co­ses e a do­en­ça se­xu­al­men­te trans­mis­sí­vel Can­di­día­se ( Candida al­bi­cans).

5.4. Rei­no Plan­tae

O Rei­no Plan­tae com­pre­en­de se­res eu­ca­ri­on­tes, plu­ri­ce­lu­la­res, au­to­tró­fi­cos, que re­a­li­zam fo­tos­sín­te­se. É o rei­no de tran­si­ção en­tre os se­res vi­vos ru­di­men­ta­res e os mais de­sen­vol­vi­dos. É di­vi­di­do em dois gran­des gru­pos: Crip­tó­ga­mas ( krip­to, es­con­di­do), plan­tas que pos­su­em as es­tru­tu­ras pro­du­to­ras de ga­me­tas pou­co evi­den­tes; e Fa­ne­ró­ga­mas ( pha­ne­ro, evi­den­te), que pos­su­em as es­tru­tu­ras pro­du­to­ras de ga­me­tas bem vi­sí­veis.

5.4.1. Crip­tó­ga­mas

São ve­ge­tais me­nos de­sen­vol­vi­dos, sem se­men­tes, de­pen­den­tes da água pa­ra re­pro­du­ção e vi­vem em

lo­cais úmi­dos e com som­bra. Es­se gru­po se di­vi­de em: a) brió­fi­tas (fi­lo Bryophy­ta), her­bá­ce­as de pe­que­no por­te, avas­cu­la­res com es­tru­tu­ras que se as­se­me­lham a fo­lhas, cau­les e raí­zes ver­da­dei­ras. A re­pro­du­ção ocor­re por me­ta­gê­ne­se ou al­ter­nân­cia de ge­ra­ções. Exem­plo: mus­go. b) Pte­ri­dó­fi­tas: de por­te mai­or que as brió­fi­tas, são as pri­mei­ras plan­tas ter­res­tres. São vas­cu­la­res com fo­lhas em for­ma­to de pe­nas, com raí­zes, fo­lhas e cau­les. A re­pro­du­ção é as­se­xu­a­da por frag­men­ta­ção ou se­xu­a­da por me­ta­gê­ne­se. Exem­plo: sa­mam­bai­as e aven­cas. Apre­sen­tam va­sos con­du­to­res pa­ra au­xi­li­ar a nu­tri­ção.

5.4.2. Fa­ne­ró­ga­mas

Ve­ge­tais mais de­sen­vol­vi­dos que apre­sen­tam raiz, cau­le, fo­lhas e se­men­tes nu­as (sem fru­tos), a mai­o­ria não de­pen­de da água pa­ra re­pro­du­ção, pois são vas­cu­la­res, de pe­que­no a gran­de por­te. De­pen­dem de agen­tes po­li­ni­za­do­res pa­ra uma re­pro­du­ção bem su­ce­di­da. Es­se gru­po é clas­si­fi­ca­do em:

a) gim­nos­per­mas: que não apre­sen­tam fru­tos que pro­te­gem as se­men­tes. A re­pro­du­ção se dá por me­ta­gê­ne­se ou al­ter­nân­cia de ge­ra­ções. Têm gran­de im­por­tân­cia econô­mi­ca pa­ra as in­dús­tri­as ma­dei­rei­ra, ali­men­tí­cia (pi­nhão) e or­na­men­tais (tuia). Di­vi­de-se em qu­a­tro clas­ses. I) Co­ní­fe­ras: de lon­go ci­clo de vi­da, por exem­plo, o pi­nhei­ro-do-Pa­rá ( Arau­ca­ria an­gus­ti­fó­lia) e as se­quoi­as. II) Ci­ca­dó­fi­tas: gim­nos­per­mas de­pen­den­te de água pa­ra a re­pro­du­ção. Exem­plo: Cy­cas sp. III) Gin­có­fi­tas: os in­di­ví­du­os des­ta clas­se são con­si­de­ra­dos fós­seis vi­vos. Exem­plo: Gink­go bi­lo­ba. IV) Gne­tó­fi­tas.

b) an­gi­os­per­mas: ve­ge­tais vas­cu­la­res com se­men­tes pro­te­gi­das por fru­tos e flo­res. As flo­res par­ti­ci­pam da pro­du­ção de se­men­tes e fru­tos, pois com­por­tam os ór­gãos re­pro­du­to­res mas­cu­li­nos (an­dro­ceu) e fe­mi­ni­nos (gi­ne­ceu). São com­pos­tos por pe­dún­cu­lo e re­cep­tá­cu­lo, além de ór­gãos de pro­te­ção co­mo o cá­li­ce e a co­ro­la. As an­gi­os­per­mas en­con­tram-se nos mais di­ver­sos ambientes. A re­pro­du­ção ocor­re por me­ta­gê­ne­se ou al­ter­nân­cia de ge­ra­ções. Es­te gru­po é de gran­de im­por­tân­cia econô­mi­ca. Di­vi­de-se em du­as clas­ses: a) mo­no­co­ti­ledô­ne­as (por exem­plo, o bam­bu ou a ce­bo­la); e b) di­co­ti­ledô­ne­as (por exem­plo, o aba­ca­te e a ba­ta­ta).

5.5. Rei­no Ani­ma­lia

Tam­bém co­nhe­ci­do co­mo Rei­no Ani­mal, uma di­ver­si­da­de de es­pé­ci­es mui­to gran­de, em com­pa­ra­ção aos ou­tros. O ra­mo da bi­o­lo­gia que es­tu­da os ani­mais é cha­ma­do de zo­o­lo­gia. O Rei­no Ani­ma­lia tem co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca a si­me­tria cor­po­ral, que po­de ser:

• Si­me­tria bi­la­te­ral: apre­sen­ta la­do di­rei­to e es­quer­do, fa­ce ven­tral e dor­sal, ex­tre­mi­da­de an­te­ri­or e pos­te­ri­or.

• Si­me­tria ra­di­al: ca­rac­te­rís­ti­ca de ani­mais ci­lín­dri­cos, apre­sen­ta a mes­ma si­me­tria in­de­pen­den­te do ei­xo cor­ta­do.

• As­si­me­tria: não apre­sen­tam si­me­tria.

Clas­si­fi­ca­ção

São dois gru­pos de ani­mais: ver­te­bra­dos e in­ver­te­bra­dos, di­vi­di­dos de acor­do com a pre­sen­ça ou a au­sên­cia da co­lu­na ver­te­bral.

5.5.1. In­ver­te­bra­dos

Os in­ver­te­bra­dos são ani­mais sem co­lu­na ver­te­bral e po­dem ser aquá­ti­cos ou ter­res­tres. São mui­to

di­ver­si­fi­ca­dos quan­to à for­ma, ao ta­ma­nho e aos há­bi­tos ali­men­ta­res. Des­ti­tuí­dos de sis­te­mas, pos­su­em ór­gãos ru­di­men­ta­res com te­ci­do con­jun­ti­vo bem de­sen­vol­vi­do. As es­pon­jas são os re­pre­sen­tan­tes des­te fi­lo. Vi­vem em ambientes ma­ri­nhos e ra­ra­men­te em água do­ce. O ta­ma­nho va­ria de 1mm à 2m. Sua mor­fo­lo­gia apre­sen­ta es­pon­gi­o­ce­le (in­te­ri­or das es­pon­jas) e o cor­po é or­ga­ni­za­do por ca­nais pa­ra a pas­sa­gem da água, de on­de re­ti­ram o ali­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra seu me­ta­bo­lis­mo. São de si­me­tria ra­di­al ou as­si­mé­tri­cos. Sua re­pro­du­ção po­de ser as­se­xu­a­da, que ocor­re por bro­ta­men­to ex­ter­no ou in­ter­no, além de re­ge­ne­ra­ção que dá ori­gem à um no­vo in­di­ví­duo; ou se­xu­a­da, uma vez que são her­ma­fro­di­tas al­ter­na­das, ou se­ja, pos­su­em os dois se­xos, com ga­me­tas que dão ori­gem aos ame­bó­ci­tos e co­a­nó­ci­tos. Ve­ja a se­guir os prin­ci­pais fi­los dos in­ver­te­bra­dos.

Po­rí­fe­ros (es­pon­jas): têm te­ci­dos, mas não apre­sen­tam ór­gãos nem sis­te­mas. São ex­clu­si­va­men­te aquá­ti­cos. Não pos­su­em ór­gãos es­pe­ci­a­li­za­dos pa­ra di­ges­tão, ex­cre­ção ou re­pro­du­ção, es­sas fun­ções são re­a­li­za­das por di­fe­ren­tes cé­lu­las. A re­pro­du­ção dos po­rí­fe­ros po­de ser as­se­xu­a­da, que ocor­re, por exem­plo, por bro­ta­men­to. Nes­te ca­so, for­mam-se bro­tos, que po­dem se se­pa­rar do cor­po do ani­mal e dar ori­gem a no­vas es­pon­jas; ou se­xu­a­da, que é me­nos fre­quen­te que a re­pro­du­ção as­se­xu­a­da, mas ocor­re em al­guns ti­pos de es­pon­jas.

Pos­su­em cé­lu­las es­pe­ci­a­li­za­das co­mo os po­ró­ci­tos, res­pon­sá­veis pe­la pas­sa­gem de água do meio ex­ter­no; os ame­bó­ci­tos, que dão ori­gem aos ga­me­tas mas­cu­li­nos e fe­mi­ni­nos; as es­pí­cu­las, que fa­zem par­te do es­que­le­to de sus­ten­ta­ção das es­pon­jas; e os co­a­nó­ci­tos, que pro­mo­vem mo­vi­men­ta­ção ci­li­ar e fa­zem a di­ges­tão in­tra­ce­lu­lar.

Cni­dá­ri­os ou ce­len­te­ra­dos (águas-vi­vas, anê­mo­nas e co­rais): a mai­o­ria das es­pé­ci­es é ma­ri­nha e to­das são pre­da­do­ras. São as pri­mei­ras a apre­sen­tar um tu­bo di­ges­ti­vo in­com­ple­to com au­sên­cia de ânus. O sis­te­ma ner­vo­so é ru­di­men­tar com pre­sen­ça de cé­lu­las sen­si­ti­vas. Po­dem vi­ver em sim­bi­o­se com al­gas ver­des. A re­pro­du­ção po­de ser as­se­xu­a­da, por cis­si­pa­ri­da­de lon­gi­tu­di­nal ou bro­ta­men­to; ou se­xu­a­da, sen­do di­re­ta ou in­di­re­ta. Os ce­len­te­ra­dos ou cni­dá­ri­os po­dem ser vis­tos co­mo pó­li­pos ou co­mo me­du­sas. Es­tas úl­ti­mas têm as­pec­to de cú­pu­la trans­pa­ren­te, são flu­tu­an­tes e se des­lo­cam mais fa­cil­men­te. Os ce­len­te­ra­dos di­vi­dem-se em três gran­des gru­pos: a) hi­dro­zoá­ri­os, re­pre­sen­ta­dos pe­la hi­dra e pe­la ca­ra­ve­la; b) ci­fo­zoá­ri­os, re­pre­sen­ta­dos pe­las águas-vi­vas; c) an­to­zoá­ri­os, re­pre­sen­ta­dos pe­las ac­tí­ni­as (ou anê­mo­nas-do-mar) e pe­los co­rais.

Pla­tel­min­tos, ne­ma­tel­min­tos (ver­mes): têm o cor­po acha­ta­do e tam­bém são cha­ma­dos de ver­mes em for­ma de fi­ta. Não apre­sen­tam sis­te­ma res­pi­ra­tó­rio nem cir­cu­la­tó­rio. Eles pos­su­em um sis­te­ma di­ges­ti­vo in­com­ple­to, que não apre­sen­ta ânus. A ex­cre­ção é re­a­li­za­da por cé­lu­las-fla­ma. No que diz res­pei­to à re­pro­du­ção se­xu­a­da, a mai­o­ria é her­ma­fro­di­ta, po­den­do ou não fa­zer a au­to­fe­cun­da­ção. A pla­ná­ria apre­sen­ta re­pro­du­ção as­se­xu­a­da e tem ca­pa­ci­da­de de re­ge­ne­ra­ção. Ou­tros pla­tel­min­tos são a tê­nia ou so­li­tá­ria e o es­quis­tos­so­mo, pa­ra­si­tas de ver­te­bra­dos, in­clu­si­ve do ho­mem.

Ve­ja­mos al­gu­mas do­en­ças cau­sa­das por pla­tel­min­tos. a) Es­quis­tos­so­mo­se: tam­bém co­nhe­ci­da por bar­ri­ga d'água, é cau­sa­da pe­lo es­quis­tos­so­mo. Es­se ver­me pa­ra­si­ta as vei­as do in­tes­ti­no, afe­tan­do tam­bém o fí­ga­do e as vi­as uri­ná­ri­as. b) Te­nía­se: cau­sa­da pe­la tê­nia, que tam­bém é cha­ma­da de so­li­tá­ria por ser en­con­tra­da ape­nas na for­ma de um ver­me no cor­po do hos­pe­dei­ro. Há dois ti­pos de so­li­tá­ri­as: a Ta­e­nia so­lium ea Ta­e­nia sa­gi­na­ta. Am­bas são pa­ra­si­tas in­tes­ti­nais e cau­sam a te­nía­se, sen­do que a pri­mei­ra é ad­qui­ri­da pe­la in­ges­tão de car­ne de por­co con­ta­mi­na­da e a se­gun­da pe­la car­ne de va­ca.

Já os ne­ma­tel­min­tos são ver­mes de cor­po ho­mo­ge­ne­a­men­te ci­lín­dri­co e afi­la­do em am­bas as ex­tre­mi­da­des, se­me­lhan­tes a um fio. Eles po­dem ser en­con­tra­dos em ambientes ter­res­tres e aquá­ti­cos. São ani­mais de vi­da li­vre e não têm sis­te­ma cir­cu­la­tó­rio, a res­pi­ra­ção é cu­tâ­nea, na mai­o­ria das ve­zes são se­xos se­pa­ra­dos. O an­ci­los­to­mo é um ver­me pa­ra­si­ta. A transmissão se dá pe­los ovos, que pe­ne­tram na pe­le hu­ma­na. Es­se ne­ma­tel­min­to cau­sa a an­ci­los­to­mo­se, do­en­ça co­nhe­ci­da co­mo ama­re­lão. Há tam­bém a as­cá­ri­da, mais co­nhe­ci­da co­mo lom­bri­ga ou bi­cha, cau­sa­do­ra de uma do­en­ça co­nhe­ci­da por as­ca­ri­día­se.

Ane­lí­de­os: mi­nho­cas, san­gues­su­gas. Pos­su­em o cor­po for­ma­do por anéis e que po­dem ser en­con­tra­dos no so­lo ou na água. Eles res­pi­ram pe­la pe­le e por is­so pos­su­em a pe­le úmi­da. Den­tre os fi­los já es­tu­da­dos, é o pri­mei­ro a apre­sen­tar sis­te­ma cir­cu­la­tó­rio. Eles apre­sen­tam tam­bém sis­te­mas di­ges­ti­vo, ner­vo­so, re­pro­du­tor e ex­cre­tor. A for­ma de re­pro­du­ção dos ane­lí­de­os va­ria de es­pé­cie pa­ra es­pé­cie, po­den­do ser tan­to as­se­xu­a­da co­mo se­xu­a­da. Em­bo­ra as mi­nho­cas se­jam ani­mais her­ma­fro­di­tas, fa­zem fe­cun­da­ção cru­za­da. Vi­vem em so­lo úmi­do, água do­ce e am­bi­en­te ma­ri­nho. Os in­di­ví­du­os de se­xos uni­dos apre­sen­tam de­sen­vol­vi­men­to di­re­to, en­quan­to os in­di­ví­du­os de se­xos se­pa­ra­dos apre­sen­tam de­sen­vol­vi­men­to in­di­re­to. Con­for­me a pre­sen­ça ou au­sên­cia de cer­das, di­vi­dem-se em três clas­ses. Poly­cha­e­ta: pre­sen­ça de mui­tas cer­das, mai­o­ria ma­ri­nha. Diói­cos de re­pro­du­ção se­xu­a­da com de­sen­vol­vi­men­to in­di­re­to e fe­cun­da­ção cru­za­da. Apre­sen­tam ca­be­ça di­fe­ren­ci­a­da e o sis­te­ma di­ges­ti­vo apre­sen­ta bo­ca e ânus. Exem­plo: Ne­rei­de. Oli­go­cha­e­ta: apre­sen­tam pou­cas cer­das. São ter­res­tres. Não têm ca­be­ça, o sis­te­ma di­ges­ti­vo é igual aos po­li­que­tas e a lo­co­mo­ção ocor­re por cer­das. São mo­nói­cos de fe­cun­da­ção cru­za­da e de­sen­vol­vi­men­to di­re­to. Exem­plo: mi­nho­cas. Hi­ru­dí­nea: não apre­sen­tam cer­das. São ter­res­tres e aquá­ti­cos, mo­nói­cos com de­sen­vol­vi­men­to di­re­to. Po­dem ser pre­da­do­res ou pa­ra­si­tas. Exem­plo: san­gues­su­ga.

Mo­lus­cos (ca­ra­mu­jos, ma­ris­cos e pol­vos): a mai­o­ria dos mo­lus­cos (Mol­lus­ca) ali­men­ta-se de ve­ge­tais. A re­pro­du­ção é se­xu­a­da. Exis­tem es­pé­ci­es her­ma­fro­di­tas e es­pé­ci­es com se­xos se­pa­ra­dos. A mor­fo­lo­gia dos mo­lus­cos apre­sen­ta cor­po vis­co­so, não seg­men­ta­do e com con­cha cal­cá­ria. Di­vi­di­dos em três par­tes, ca­be­ça, pé e mas­sa vis­ce­ral de si­me­tria bi­la­te­ral, os mo­lus­cos apre­sen­tam sis­te­ma di­ges­ti­vo for­ma­do por bo­ca e ânus. Pos­su­em rá­du­la (den­tes ru­di­men­ta­res) que au­xi­li­am na ras­pa­gem do ali­men­to. Po­dem ser ter­res­tres ou aquá­ti­cos. Po­dem apre­sen­tar se­xos se­pa­ra­dos ou ser her­ma­fro­di­tas, com re­pro­du­ção se­xu­a­da ou as­se­xu­a­da e de­sen­vol­vi­men­to di­re­to ou in­di­re­to. São clas­si­fi­ca­dos em seis es­pé­ci­es di­fe­ren­tes.

MONOPLACOPHORA: de con­cha úni­ca, em for­ma de ca­puz, que re­co­bre to­tal­men­te a mas­sa vis­ce­ral e o pé. Vi­vem ex­clu­si­va­men­te no mar, ali­men­tan­do-se de mi­cror­ga­nis­mos fil­tra­dos na água. Exem­plo: ne­o­pi­li­na.

AMPHINEURA: con­cha for­ma­da por oi­to pla­cas ar­ti­cu­la­das, com um cin­tu­rão car­no­so ao re­dor. Ex­clu­si­va­men­te ma­ri­nhos, vi­vem so­bre ro­chas ras­pan­do-as pa­ra ob­ter al­gas. Exem­plo: chi­ton.

SCAPHOPODA: con­cha úni­ca de for­ma cô­ni­ca aber­ta nas ex­tre­mi­da­des. Pos­sui pé afi­la­do, es­pe­ci­a­li­za­do em ca­var. Vi­ve ex­clu­si­va­men­te no mar, en­ter­ra­do na areia ou no lo­do. Tem ten­tá­cu­los mui­to fi­nos e de­li­ca­dos, com fun­ção de cap­tu­rar ali­men­tos. Exem­plo: den­ta­lium.

BIVALVIA: con­cha for­ma­da por du­as val­vas ar­ti­cu­la­das. Tem pé afi­la­do, usa­do pa­ra ca­var. Vi­ve no mar e na água do­ce, en­ter­ra­do ou fi­xa­do em ob­je­tos sub­mer­sos. Fil­tra a água pa­ra ob­ter os mi­cror­ga­nis­mos de que se ali­men­ta. Exem­plos: my­ti­lus, os­trea, pec­ten.

GASTROPODA: con­cha uni­val­ve es­pi­ra­la­da (ca­ra­mu­jos ou ca­ra­cóis) ou sem con­cha (les­mas). O pé é de­sen­vol­vi­do e per­mi­te des­li­zar so­bre as su­per­fí­ci­es. Vi­vem no mar e na água do­ce ou em ambientes ter­res­tres. Ras­pam o ali­men­to da su­per­fí­cie on­de vi­vem. Exem­plo: ca­ra­col e les­ma.

CEPHAPLOPHODA: con­cha in­ter­na (lu­las e sép­si­as) ou sem con­cha (pol­vos). Al­gu­mas es­pé­ci­es têm con­cha ex­ter­na es­pi­ra­la­da (náu­ti­los). O pé é de­sen­vol­vi­do, trans­for­man­do-se em ten­tá­cu­los do-

ta­dos de ven­to­sas. Apre­sen­tam glân­du­la que eli­mi­na tin­ta, com qual con­fun­dem os pre­da­do­res. Vi­vem ex­clu­si­va­men­te no mar, ca­mi­nhan­do so­bre a su­per­fí­cie sub­mer­sa ou na­dan­do. A mai­o­ria é car­ní­vo­ra, ali­men­tan­do-se de crus­tá­ce­os, pei­xes e ou­tros mo­lus­cos. Exem­plo: pol­vo, lu­las e náu­ti­lo.

Ar­tró­po­dos: agru­pa os arac­ní­de­os (ara­nhas, es­cor­piões, car­ra­pa­tos), crus­tá­ce­os (ca­ma­rão, ca­ran­gue­jo, la­gos­ta), unir­re­mes (cen­to­pei­as) e in­se­tos (li­bé­lu­las, ga­fa­nho­tos, cu­pins, per­ce­ve­jos, ci­gar­ras, be­sou­ros, bor­bo­le­tas, mos­cas, for­mi­gas). A ca­rac­te­rís­ti­ca des­te fi­lo (Arth­ro­po­da) são os pés ar­ti­cu­la­dos e si­me­tria bi­la­te­ral. É o mai­or em nú­me­ro de es­pé­ci­es, e os se­res abran­gi­dos por es­sa di­vi­são vi­vem em água do­ce, água sal­ga­da, ter­res­tre e aé­re­os, são de vi­da li­vre ou pa­ra­si­tas. Pos­sui exo­es­que­le­to qui­ti­no­so e mús­cu­lo es­tri­a­do; sis­te­ma ner­vo­so com cérebro e ór­gãos sen­si­ti­vos; sis­te­ma cir­cu­la­tó­rio aber­to com co­ra­ção dor­sal. De­pen­den­do da clas­se, po­dem re­a­li­zar res­pi­ra­ção bran­qui­al, pul­mo­nar ou tra­que­al. So­frem ec­di­se (mu­da) pa­ra o cres­ci­men­to. A re­pro­du­ção ge­ral­men­te apre­sen­ta se­xos se­pa­ra­dos com di­mor­fis­mo se­xu­al. Es­se fi­lo, por sua vez, se di­vi­de em ou­tros gru­pos.

INSECTA: os in­se­tos ocu­pam to­dos os ambientes, com ex­ce­ção dos ma­res. São os úni­cos in­ver­te­bra­dos vo­a­do­res. Apre­sen­tam sis­te­ma di­ges­ti­vo com­ple­to e cor­po di­vi­di­do em três re­giões (ca­be­ça, tó­rax e abdô­men). Têm res­pi­ra­ção bra­qui­al, três pa­res de pa­tas, um ou dois pa­res de asas. A re­pro­du­ção é se­xu­a­da com fe­cun­da­ção in­ter­na e pos­tu­ra de ovos, di­mor­fis­mo se­xu­al e o de­sen­vol­vi­men­to po­de ser di­re­to ou in­di­re­to. Os in­se­tos po­dem ser mas­ti­ga­do­res (ga­fa­nho­to), pi­ca­do­res (mos­qui­tos), lam­be­do­res (abe­lhas) ou su­ga­do­res (bor­bo­le­tas).

São di­vi­di­dos em qu­a­tro ti­pos di­fe­ren­tes de de­sen­vol­vi­men­to. Ame­tá­bo­los: in­se­tos sem me­ta­mor­fo­se, ou se­ja, sem lar­vas. Pa­ra­me­tá­bo­los: não so­frem me­ta­mor­fo­se, mas as trans­for­ma­ções são mais sig­ni­fi­ca­ti­vas que nos ame­tá­bo­los. He­mi­me­tá­bo­los: so­frem me­ta­mor­fo­se par­ci­al. Apre­sen­tam dois ou mais ti­pos de lar­vas. Ho­lo­me­tá­bo­los: apre­sen­tam me­ta­mor­fo­se to­tal, ou se­ja, pas­sam pe­la fa­se de ovo, lar­va, pu­pa e adul­to.

CRUSTACEA: os crus­tá­ce­os são pre­do­mi­nan­te­men­te aquá­ti­cos e dul­cí­co­las, vi­vem em fai­xas li­to­râ­ne­as ou ter­ras úmi­das. Sua mor­fo­lo­gia apre­sen­ta fu­são da ca­be­ça com o tó­rax (ce­fa­lo­tó­rax) com an­te­nas e ór­gãos sen­si­ti­vos. A re­pro­du­ção apre­sen­ta se­xos se­pa­ra­dos, com de­sen­vol­vi­men­to in­di­re­to e a pre­sen­ça de mui­tas lar­vas. Per­ten­cem ao gru­po: la­gos­tins e ca­ma­rões.

ARACNIDA: a mai­o­ria dos arac­ní­de­os é ter­res­tre, po­dem ser car­ní­vo­ros, ec­to­pa­ra­si­tas e he­ma­tó­fa­gos. A mor­fo­lo­gia apre­sen­ta ce­fa­lo­tó­rax, sem an­te­nas. Pos­su­em qu­a­tro pa­res de pa­tas e sua di­ges­tão po­de ser ex­tra­cor­pó­rea ou in­tra­cor­pó­rea. Pos­su­em que­lí­ce­ras ino­cu­la­do­ras de ve­ne­no e pe­di­pal­pos (sub­fi­lo Che­li­ce­ra­ta). A or­dem Scor­pi­o­nes apre­sen­ta cor­po alon­ga­do. A re­pro­du­ção apre­sen­ta se­xos se­pa­ra­dos com di­mor­fis­mo se­xu­al, fe­cun­da­ção in­ter­na, oví­pa­ros ou vi­ví­pa­ros e de­sen­vol­vi­men­to di­re­to. Po­de ocor­rer al­guns ca­sos de par­te­no­gê­ne­se. Ara­nhas, car­ra­pa­tos, áca­ros e es­cor­piões são os re­pre­sen­tan­tes dos arac­ní­de­os.

CHILOPODA e DIPLOPODA: ter­res­tres com ca­rac­te­rís­ti­cas mui­to pa­re­ci­das. Ve­ja na ta­be­la:

Equi­no­der­mos (es­tre­las-do-mar, ou­ri­ços-do-mar, pe­pi­nos-do-mar): ani­mais ex­clu­si­va­men­te ma­ri­nhos que apre­sen­tam si­me­tria bi­la­te­ral quan­do na fa­se adul­ta e en­do­es­que­le­to. São des­ti­tuí­dos de ca­be­ça e sis­te­ma ex­cre­tor. Sua res­pi­ra­ção é bran­qui­al. A re­pro­du­ção é se­xu­a­da com se­xos se­pa­ra­dos, fe­cun­da­ção ex­ter­na e de­sen­vol­vi­men­to in­di­re­to. Di­vi­de-se em cin­co gru­pos.

ASTEROIDEA: tem cor­po acha­ta­do, com for­ma de es­tre­la e do­ta­do de 5 a 50 bra­ços. Lo­co­mo­vem-se so­bre o lei­to oceâ­ni­co e são car­ní­vo­ros. Exem­plos: es­tre­las-do-mar.

ECHINOIDEA: seu cor­po é cir­cu­lar, sem bra­ços. Exem­plos: ou­ri­ço-do-mar e bo­la­cha-da-praia.

HOLOTHUROIDEA: apre­sen­tam cor­po alon­ga­do, se­me­lhan­te a um pe­pi­no, e não têm bra­ços. Exem­plo: pe­pi­no-do-mar.

CRINOIDEA: ani­mais com o cor­po em for­ma de ta­ça, com cin­co pro­lon­ga­men­tos que pa­re­cem plu­mas lon­gas e fle­xí­veis. A mai­o­ria dos re­pre­sen­tan­tes vi­ve fi­xa no fundo do mar. Exem­plo: lí­ri­os-do-mar.

OPHIUROIDEA: é o mai­or gru­po dos equi­no­der­mos. Cor­po acha­ta­do, com bra­ços fle­xí­veis bem dis­tin­tos, uni­dos a um dis­co cen­tral. Exem­plo: ser­pen­te-do-mar.

5.5.2. Ver­te­bra­dos

Os se­res cor­da­dos cons­ti­tu­em um fi­lo den­tro do Rei­no Ani­ma­lia que in­clui os ver­te­bra­dos, os an­fi­o­xos e os tu­ni­ca­dos, ani­mais ca­rac­te­ri­za­dos por pos­suí­rem a cor­da dor­sal no­to­cor­da, pre­sen­te em to­dos os em­briões dos cor­da­dos, is­to é, uma es­tru­tu­ra ci­lín­dri­ca lo­ca­li­za­da en­tre o tu­bo di­ges­ti­vo e o cor­dão ner­vo­so. As ca­rac­te­rís­ti­cas obri­ga­tó­ri­as dos ver­te­bra­dos são: pre­sen­ça de crâ­nio (ós­seo, car­ti­la­gi­no­so ou mem­bra­no­so) com fun­ção pro­te­to­ra do en­cé­fa­lo e pre­sen­ça de es­pi­nha dor­sal. Po­dem apre­sen­tar epi­der­me plu­ri­es­tra­ti­fi­ca­da, cir­cu­la­ção san­guí­nea fe­cha­da, co­ra­ção com du­as ca­vi­da­des, res­pi­ra­ção cu­tâ­nea, bran­qui­al ou pul­mo­nar, te­gu­men­to com ane­xo co­mo unhas, pe­los, cas­cos, chi­fres, sis­te­ma mus­cu­lar, es­que­lé­ti­co, ór­gãos sen­so­ri­ais. A tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral po­de ser ec­to­tér­mi­ca (san­gue frio) ou en­do­tér­mi­ca (san­gue quen­te). Quan­do o ani­mal não tem a op­ção de es­co­lha, cha­ma­mos de pe­ci­lo­tér­mi­co.

Pei­xes, an­fí­bi­os, rép­teis, aves e ma­mí­fe­ros são clas­ses do sub­fi­lo dos ver­te­bra­dos. Va­mos co­nhe­cer um pou­co mais so­bre ca­da uma des­tas clas­ses. Pri­mei­ra­men­te, ve­re­mos os de san­gue frio: pei­xes, an­fí­bi­os e rép­teis.

5.5.2.1. Ec­to­tér­mi­cos

Pei­xes: tan­to os elas­mo­brân­qui­os quan­to os te­leós­te­os apre­sen­tam, co­mo ca­rac­te­rís­ti­cas ge­rais, a res­pi­ra­ção bran­qui­al, ec­to­ter­mia, sis­te­ma di­ges­ti­vo com­ple­to, li­nha la­te­ral sen­so­ri­al e po­dem ser car­ní­vo­ros, planctô­ni­cos, ne­cró­fa­gos ou her­bí­vo­ros. Pos­su­em na­da­dei­ras pa­res e ím­pa­res. São diói­cos com re­pro­du­ção se­xu­a­da. Os pei­xes são clas­si­fi­ca­dos em três gran­des clas­ses: ag­natha, chon­dri­chthyes e os­tei­chthyes.

a) Ag­natha: as man­dí­bu­las es­tão au­sen­tes. As na­da­dei­ras pa­res es­tão au­sen­tes na mai­o­ria das es­pé­ci­es. As es­pé­ci­es pri­mi­ti­vas ti­nham a pe­le re­ves­ti­da por pla­cas de es­ca­mas ós­se­as, que fo­ram per­di­das nas atu­ais. As par­tes mais in­ter­nas do es­que­le­to são car­ti­la­gi­no­sas nas for­mas atu­ais e pa­re­ce que, nas es­pé­ci­es ex­tin­tas, elas tam­bém não eram os­si­fi­ca­das. As es­pé­ci­es atu­ais, co­mo a mai­o­ria das ex­tin­tas, apre­sen­tam uma na­ri­na úni­ca e me­di­a­na, lo­ca­li­za­da à fren­te do olho pi­ne­al. Se­te ou mais aber­tu­ras bran­qui­ais es­tão pre­sen­tes. A fa­rin­ge é uti­li­za­da na ali­men­ta­ção por fil­tra­ção nas lar­vas e nos adul­tos das es­pé­ci­es que es­tão atu­al­men­te ex­tin­tas, is­to é, não são mais en­con­tra­das.

b) Chon­dri­chthyes: pei­xes car­ti­la­gi­no­sos ou elas­mo­brân­qui­os. Brân­qui­as ex­ter­nas, es­ca­mas pla­cói­des. A re­pro­du­ção ocor­re por fe­cun­da­ção in­ter­na, os ór­gãos se­xu­ais mas­cu­li­nos são os clás­pe­res. Po­dem ser oví­pa­ros, vi­ví­pa­ros ou ovo­vi­ví­pa­ros. Os pei­xes car­ti­la­gi­no­sos di­vi­dem-se em: elas­mo­bran­chii, que apre­sen­tam am­po­las de Lo­ren­zi­ni cu­ja fun­ção é ele­tror­re­cep­to­ra; pleu­ro­tre­ma­ta, com brân­qui­as la­te­rais, re­pre­sen­ta­do pe­los tu­ba­rões; hi­po­tre­ma­ta, com brân­qui­as ven­trais, re­pre­sen­ta­do pe­las rai­as; e ho­lo­cepha­lii, sem di­fe­ren­ças mor­fo­ló­gi­cas, re­pre­sen­ta­dos pe­las qui­me­ras.

c) Os­tei­chthyes: pei­xes ós­se­os ou te­leós­te­os, brân­qui­as co­ber­tas pe­lo opér­cu­lo, em al­gu­mas es­pé­ci­es há pre­sen­ça de be­xi­ga na­ta­tó­ria que aju­da na flu­tu­a­ção. A re­pro­du­ção ocor­re por fe­cun­da­ção ex­ter­na e fa­se lar­val, são oví­pa­ros. Di­vi­dem-se em: ac­ti­nis­tia (exem­plo, os ce­la­can­tos); dip­noi, pei­xes pul­mo­na­dos (exem­plo, a pi­ram­boia); e ac­ti­nop­tery­gii, de na­da­dei­ras rai­a­das.

An­fí­bi­os: a pa­la­vra “an­fí­bio” sig­ni­fi­ca du­pla vi­da. São car­ní­vo­ros, ec­to­tér­mi­cos, vi­vem em ambientes úmi­dos e som­bri­os, têm res­pi­ra­ção pul­mo­nar e te­gu­men­tar. São te­trá­po­des, com es­que­le­to os­si­fi­ca­do.

Os an­fí­bi­os ini­ci­a­ram a conquista do am­bi­en­te ter­res­tre e são di­vi­di­dos em três or­dens:

a) Ápo­da: sem mem­bros lo­co­mo­to­res, têm for­ma alon­ga­da, ci­lín­dri­ca e li­sa. A re­pro­du­ção é por fer­ti­li­za­ção in­ter­na e al­gu­mas es­pé­ci­es são oví­pa­ras e ou­tras vi­ví­pa­ras. Exem­plo: co­bra-ce­ga.

b) Uro­de­la: os in­di­ví­du­os des­ta or­dem apre­sen­tam cau­da e qu­a­tro pa­tas. O se­gun­do mai­or gru­po com al­gu­mas es­pé­ci­es ve­ne­no­sas. A fe­cun­da­ção é in­ter­na. Exem­plo: sa­la­man­dra.

c) Anu­ra: prin­ci­pal or­dem. Apre­sen­tam res­pi­ra­ção cu­tâ­nea (gi­ri­nos), pul­mo­nar (pa­ra ins­pi­rar O ) e bran­qui­al (pa­ra ex­pi­rar O ). Ino­cu­lam ve­ne­no, sen­do pre­ju­di­ci­al até pa­ra o ho­mem. Pos­su­em co­ra­ção com dois átri­os se­pa­ra­dos e um ven­trí­cu­lo par­ci­al­men­te di­vi­di­do. Têm te­gu­men­to sem ane­xos e sis­te­ma di­ges­ti­vo com­ple­to. Apre­sen­tam qu­a­tro pa­tas, sem cau­da. São car­ní­vo­ros. Exem­plos: sa­pos, rãs e pe­re­re­cas.

Rép­teis: o no­me “rép­til” vem do la­tim rep­ta­re, que sig­ni­fi­ca “ras­te­jar”. Fo­ram os pri­mei­ros ani­mais adap­ta­dos à vi­da ter­res­tre. São de se­xos se­pa­ra­dos, com o ór­gão co­pu­la­dor de­no­mi­na­do he­mi­pê­nis. Têm fe­cun­da­ção in­ter­na, de­sen­vol­vi­men­to di­re­to, são oví­pa­ros e de res­pi­ra­ção pul­mo­nar, sem ex­ce­ção. A mai­o­ria é de car­ní­vo­ros. Os rép­teis são re­pre­sen­ta­dos pe­los quelô­ni­os, cro­co­di­li­a­nos, ser­pen­tes, la­gar­tos e an­fis­bê­ni­as.

a) Quelô­ni­os ( anap­si­da): são os ja­bu­tis (ter­res­tres), as tar­ta­ru­gas (vi­vem to­do o tem­po den­tro da água, sain­do ape­nas pa­ra de­so­var ou to­mar sol – há es­pé­ci­es de tar­ta­ru­ga ma­ri­nha e de água do­ce, com pa­tas trans­for­ma­das em na­da­dei­ras) e os cá­ga­dos (de água do­ce, se­mi­aquá­ti­cos com pés pal­ma­dos). Os quelô­ni­os têm o cor­po re­co­ber­to por du­as ca­ra­pa­ças: a ca­ra­pa­ça dor­sal, na par­te su­pe­ri­or do cor­po, e o plas­trão, na par­te in­fe­ri­or. Apre­sen­tam vér­te­bras e cos­te­las fu­si­o­na­das. Eles não têm den­tes. A bo­ca apre­sen­ta um bi­co cór­neo e são ve­ge­ta­ri­a­nos, car­ní­vo­ros ou oní­vo­ros. São oví­pa­ros com fer­ti­li­za­ção in­ter­na. Dei­xam os ovos na ter­ra e o se­xo da ni­nha­da é de­ter­mi­na­do pe­la tem­pe­ra­tu­ra (bai­xas tem­pe­ra­tu­ras pro­du­zem ma­chos e al­tas tem­pe­ra­tu­ras pro­du­zem fê­me­as).

b) Cro­co­di­li­a­nos ( cro­co­di­lia): cro­co­di­los, ja­ca­rés, ali­gá­to­res e ga­vi­ais (uma es­pé­cie en­con­tra­da na Ín­dia, que se di­fe­ren­cia por ter um fo­ci­nho es­trei­to e alon­ga­do). Os cro­co­di­li­a­nos vi­vem em ambientes quen­tes e ha­bi­tam ri­os e la­gos de água do­ce, sen­do pou­cas es­pé­ci­es en­con­tra­das em água sal­ga­da. Têm cor­po alon­ga­do e re­co­ber­to por pla­cas cór­ne­as (es­ca­mas). Pos­su­em qu­a­tro mem­bros, usa­dos pa­ra a lo­co­mo­ção ter­res­tre e aquá­ti­ca. São car­ní­vo­ros. São ani­mais oví­pa­ros e a re­pro­du­ção ocor­re de for­ma in­ter­na.

c) Squa­ma­ta: co­bras e la­gar­tos. Es­te gru­po ca­rac­te­ri­za-se pe­la pre­sen­ça de es­ca­mas, o que o no­meia. É com­pos­to por ser­pen­tes, la­gar­tos e an­fis­bê­ni­as (co­bras-de-du­as-ca­be­ças). Os re­pre­sen­tan­tes do Squa­ma­ta têm cor­po co­ber­to por es­ca­mas e lín­gua bí­fi­da, al­guns pos­su­em glân­du­las ino­cu­la­do­ras de ve­ne­no. São di­vi­di­dos em dois gran­des gru­pos. Ser­pen­tes: tam­bém cha­ma­das de ofí­di­os, as ser­pen­tes têm re­pro­du­ção diói­ca, aque­la em que exis­te a par­ti­ci­pa­ção de dois se­res de uma de­ter­mi­na­da es­pé­cie, pos­suin­do um de­les tes­tí­cu­los (ma­cho) e o ou­tro ová­ri­os (fê­mea). São ani­mais vi­ví­pa­ros ou ovo­vi­ví­pa­ros, com pre­sen­ça de es­ca­mas, e gran­de mo­bi­li­da­de da man­dí­bu­la, com uma du­pla ar­ti­cu­la­ção que lhes per­mi­te uma am­pla aber­tu­ra bu­cal no pla­no ver­ti­cal. Não pos­su­em mem­bros lo­co­mo­to­res e po­dem fi­car me­ses sem co­mi­da. São clas­si­fi­ca­das con­for­me a den­ti­ção. Ágli­fas: não ino­cu­lam ve­ne­no e os den­tes são iguais, por exem­plo, a ji­boia. Opis­te­ró­gi­fas: ino­cu­lam ve­ne­no sem ofe­re­cer pe­ri­go ao ho­mem, por exem­plo, a co­bra-ci­pó. Pro­te­ró­gli­fas: ino­cu­lam ve­ne­no e ofe­re­cem pe­ri­go ao ho­mem, por exem­plo, a co­ral ver­da­dei­ra. So­le­nó­gli­fas: pos­su­em pre­sas lon­gas e cur­vas, ino­cu­lam ve­ne­no e são pe­ri­go­sas ao ho­mem, por exem­plo, a cas­ca­vel. As co­bras pe­ço­nhen­tas pos­su­em um den­te di­fe­ren­te. Ele apre­sen­ta um ca­nal in­ter­no com uma aber­tu­ra em for­ma de fen­da, por on­de o ve­ne­no é se­cre­ta­do.

Sau­ria: en­tre os la­gar­tos ou sáu­ri­os (igua­nas, ca­ma­leões, la­gar­ti­xas) so­men­te dois ti­pos são ve­ne­no­sos: o mons­tro-de-gi­la, que vi­ve no su­do­es­te dos Es­ta­dos Uni­dos, e o la­gar­to-de-con­tas, do Mé­xi­co. O la­gar­to é um rép­til mui­to pa­re­ci­do com co­bras, al­guns até mes­mo as­se­me­lham-se a co­bras pro­vi­das de per­nas. Eles va­ri­am mais de ta­ma­nho e de for­ma que qual­quer ou­tro gru­po de rép­teis, e vi­vem em re­giões que va­ri­am des­de flo­res­tas até re­giões

de­sér­ti­cas. Al­gu­mas es­pé­ci­es pas­sam par­te do tem­po na água. A mai­o­ria dos la­gar­tos se re­pro­duz bo­tan­do ovos, mas pou­cos ti­pos dão à luz fi­lho­tes, em vez de bo­tar ovos.

5.5.2.2. En­do­tér­mi­cos

Aves: di­fe­ren­tes de to­dos os ou­tros ani­mais por apre­sen­ta­rem bi­co, du­as asas e não ter den­tes. Elas têm pe­nas, com a fun­ção de man­ter a ma­nu­ten­ção e im­per­me­a­bi­li­za­ção, res­pi­ra­ção pul­mo­nar, e têm se­xos se­pa­ra­dos com fe­cun­da­ção in­ter­na e de­sen­vol­vi­men­to di­re­to. São oví­pa­ros. A sua fe­cun­da­ção é in­ter­na e ocor­re no ovi­du­to, an­tes da for­ma­ção da cas­ca cal­cá­ria, quan­do são en­tão eli­mi­na­dos pe­la clo­a­ca. Ex­cre­tam áci­do úri­co. Pos­su­em adap­ta­ção pa­ra o voo co­mo os­sos pneu­má­ti­cos, fu­são de al­guns os­sos, asas nos mem­bros su­pe­ri­o­res, sa­cos aé­re­os e be­xi­ga au­sen­te. Sis­te­ma di­ges­ti­vo com den­tes au­sen­tes. As ca­rac­te­rís­ti­cas do bi­co e dos pés das aves cor­res­pon­dem a di­fe­ren­tes mo­dos de vi­da (mar­char, em­po­lei­rar, tre­par, na­dar.).

Ma­mí­fe­ros: ocu­pam to­dos os ambientes, ao con­trá­rio do que mui­tos pen­sam, a prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca des­te gru­po é a pre­sen­ça de pe­los jun­ta­men­te com a ca­pa­ci­da­de de ama­men­tar os fi­lho­tes, já que as fê­me­as apre­sen­tam glân­du­las ma­má­ri­as. São vi­ví­pa­ros, com al­gu­mas ex­ce­ções. Al­gu­mas es­pé­ci­es são car­ní­vo­ras e al­gu­mas her­bí­vo­ras, além de al­guns ru­mi­nan­tes. A re­pro­du­ção apre­sen­ta cui­da­do pa­ren­tal, diói­cos, são pla­cen­tá­ri­os e al­gu­mas es­pé­ci­es são ovo­vi­ví­pa­ras (que tem par­te do de­sen­vol­vi­men­to no in­te­ri­or da mãe e par­te no am­bi­en­te ex­ter­no). Quan­to à re­pro­du­ção, os ma­mí­fe­ros são clas­si­fi­ca­dos em três gru­pos.

a) Pla­cen­tá­ri­os: os fi­lhos com­ple­tam o de­sen­vol­vi­men­to em­bri­o­ná­rio no in­te­ri­or do úte­ro ma­ter­no. Os em­briões em de­sen­vol­vi­men­to fi­cam li­ga­dos à pa­re­de ute­ri­na por meio da pla­cen­ta, atra­vés da qual re­ce­bem nu­tri­en­tes e gás oxi­gê­nio do san­gue da mãe. Os pla­cen­tá­ri­os nas­cem em es­tá­gio avan­ça­do de de­sen­vol­vi­men­to.

b) Mar­su­pi­ais: são ani­mais ma­mí­fe­ros (can­gu­ru, co­a­la, gam­bá) que se ca­rac­te­ri­zam pe­la pre­sen­ça de uma bol­sa cen­tral, si­tu­a­da na re­gião ab­do­mi­nal e co­nhe­ci­da co­mo mar­sú­pio. Não exis­te pla­cen­ta nos ani­mais re­pre­sen­tan­tes des­se gru­po. As fê­me­as pos­su­em sis­te­ma re­pro­du­tor du­plo, com dois úte­ros e du­as va­gi­nas. Ao nas­ce­rem, os fi­lho­tes não es­tão to­tal­men­te de­sen­vol­vi­dos, e por es­sa ra­zão ter­mi­nam de se de­sen­vol­ver den­tro da bol­sa ex­ter­na do cor­po da fê­mea.

c) Mo­no­tre­ma­dos: uma or­dem de ma­mí­fe­ros (or­ni­tor­rin­co) que põem ovos si­mi­la­res aos dos rép­teis, mas nas­ce um pe­que­no em­brião que se de­sen­vol­ve­rá nu­ma bol­sa. Nas fê­me­as de mo­no­tre­ma­dos não há pre­sen­ça de ma­mi­los, e por is­so ex­pe­lem o lei­te por aber­tu­ras na pe­le.

Os ma­mí­fe­ros apre­sen­tam pe­los, glân­du­las (ma­má­ri­as, su­do­rí­pa­ras, se­bá­ce­as), gar­ras, unhas (ex­clu­si­va dos pri­ma­tas), cas­cos, cor­nos (sem ra­mi­fi­ca­ção) e chi­fres (ra­mi­fi­ca­dos). Os cor­nos e chi­fres são ex­clu­si­vos dos her­bí­vo­ros.

Dis­po­ní­vel em: http://bit.ly/1vHZwOI.Aces­so em: 26.mai.2015.

REI­NO PRO­TIS­TA – Dis­po­ní­vel em: http://bit.ly/1dvd1NjAces­so em: 12.jun.2017.

EXEM­PLO DE FUNGO – Dis­po­ní­vel em: http://bit.ly/1Rl7Tdb.Aces­so em: 12.jun.2017.

QUA­DRO RE­SU­MO DE EVO­LU­ÇÃO DO REI­NO PLAN­TAEDis­po­ní­vel em: http://bit.ly/1nriUdd. Aces­so em: 12.jun.2017.

CI­CLO DE VI­DA DA ES­QUIS­TOS­SO­MO­SE Dis­po­ní­vel em: http://bit.ly/1LGdyak. Aces­so em: 12.jun.2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.