GABARITO COMENTADO

Superguia Enem - Química e Biologia - - Biologia -

Co­men­tá­ri­os: Ita­lo Fe­li­pe, pro­fes­sor do Sis­te­ma Ari de Sá; Profª Drª Sa­bri­na Pás­co­li, pos­sui um ca­nal no YouTu­be cha­ma­do “Sa­bri­naBio”; Sil­vio Vi­ei­ra Joi­nha, pro­fes­sor e con­tri­buin­te do si­te “Ca­nal do Enem”; Luis Gustavo Me­gi­o­la­ro, co­or­de­na­dor do cur­so Po­li­e­dro de Cam­pi­nas (SP), e pro­fes­sor de bi­o­lo­gia; Raul Sou­to, Pro­fes­sor de Bi­o­lo­gia do Co­lé­gio Nos­sa Se­nho­ra das Dores, de Belo Horizonte (MG).

(ENEM 2016 - 2ª APLI­CA­ÇÃO)

1) A

As usi­nas de com­pos­ta­gem são essenciais ao pro­ces­so de trans­for­ma­ção do li­xo em subs­tân­ci­as uti­li­za­das na agri­cul­tu­ra. Nes­sas usi­nas, os pró­pri­os mi­cror­ga­nis­mos pre­sen­tes no li­xo em con­di­ções ade­qua­das de tem­pe­ra­tu­ra, ae­ra­ção e umi­da­de são uti­li­za­dos no pro­ces­so de trans­for­ma­ção de li­xo or­gâ­ni­co em hú­mus. Es­se ma­te­ri­al cha­ma­do tam­bém de adu­bo or­gâ­ni­co au­men­ta a qua­li­da­de nu­tri­ci­o­nal dos so­los, o que fa­vo­re­ce o de­sen­vol­vi­men­to das plan­tas pre­sen­tes em uma de­ter­mi­na­da área.

2) B

Se­gun­do a ideia de adap­ta­ção, os se­res apre­sen­tam ca­rac­te­rís­ti­cas que os di­re­ci­o­nam pa­ra uma mai­or ta­xa de so­bre­vi­vên­cia em um de­ter­mi­na­do meio. As te­o­ri­as la­marc­kis­tas e darwi­nis­tas, ape­sar de apre­sen­ta­rem em co­mum a ideia de adap­ta­ção, dis­cor­dam quan­to ao sur­gi­men­to de ca­rac­te­rís­ti­cas adap­ta­ti­vas. Na ideia La­marc­kis­ta, te­mos que tais ca­rac­te­rís­ti­cas adap­ta­ti­vas sur­gem por uma pres­são am­bi­en­tal, en­quan­to na ideia Darwi­nis­ta tais ca­rac­te­rís­ti­cas já são ine­ren­tes a al­gu­mas li­nha­gens da mes­ma es­pé­cie tor­nan­do-as mais adap­ta­das se­gun­do a se­le­ção na­tu­ral. As idei­as de va­ri­a­bi­li­da­de ge­né­ti­ca e me­ca­nis­mos ge­né­ti­cos só se­rão in­tro­du­zi­das no pen­sa­men­to evo­lu­ci­o­nis­ta atra­vés da Te­o­ria Sin­té­ti­ca da evo­lu­ção.

3) C

O tex­to re­fe­re-se de for­ma poé­ti­ca a uma or­ga­ne­la celular de­no­mi­na­da de mi­tocôn­dria, pois po­de­mos per­ce­ber al­gu­mas in­fe­rên­ci­as a par­tir do tre­cho “(...)sua ori­gem? Mi­cro­bi­a­na su­po­mos.”, nos re­me­ten­do à hipótese en­dos­sim­bió­ti­ca. Tal hipótese in­di­ca que mi­tocôn­dri­as e clo­ro­plas­tos são des­cen­den­tes de or­ga­nis­mos pro­ca­ri­on­tes au­tó­tro­fos, ou se­ja, bac­té­ri­as que sin­te­ti­za­vam sua pró­pria ma­té­ria or­gâ­ni­ca; es­ses se­res te­ri­am pas­sa­do a vi­ver em sim­bi­o­se com as cé­lu­las eu­ca­ri­on­tes. As idei­as de que tais or­ga­ne­las se as­se­me­lham em ta­ma­nho e for­ma, se­me­lhan­ça ge­né­ti­ca e mo­le­cu­lar, além da pre­sen­ça de DNA pró­prio re­for­çam tal hipótese.

4) E

Or­ga­nis­mos uni­ce­lu­la­res e pro­ca­ri­on­tes são co­nhe­ci­dos ge­ne­ri­ca­men­te co­mo bac­té­ri­as, sen­do as­sim, quan­do fa­la­mos em in­fec­ções bac­te­ri­a­nas pre­ci­sa­mos uti­li­zar subs­tân­ci­as no com­ba­te a es­ses mi­cror­ga­nis­mos, de­no­mi­na­das de an­ti­bió­ti­cos. Os an­ti­bió­ti­cos tra­tam de in­fec­ções bac­te­ri­a­nas pois apre­sen­tam a ca­pa­ci­da­de de ge­rar di­re­ta­men­te a mor­te des­ses mi­cror­ga­nis­mos ou re­du­zir o me­ta­bo­lis­mo a tal pon­to que os tor­nam qua­se não vi­ru­len­tos e o sis­te­ma imu­ne com­ple­men­ta a ação eli­mi­nan­do tais se­res.

5) A

Os mi­cro­tú­bu­los são fi­la­men­tos pro­tei­cos pre­sen­tes nas cé­lu­las de or­ga­nis­mos eu­ca­ri­on­tes. Tais es­tru­tu­ras par­ti­ci­pam da cons­ti­tui­ção do ci­to­es­que­le­to, cí­li­os, fla­ge­los e au­xi­li­am no mecanismo de ci­clo­se no in­te­ri­or da cé­lu­la. Os mi­cro­tú­bu­los tam­bém es­tão re­la­ci­o­na­das ao pro­ces­so de des­lo­ca­men­to de cro­má­ti­des e cro­mos­so­mos ho­mó­lo­gos du­ran­te os pro­ces­sos de di­vi­são celular. Sen­do as­sim, a ação an­ti­tu­mo­ral se da­rá pe­la in­ter­rup­ção do pro­ces­so de di­vi­são celular, o qual não po­de­rá ge­rar no­vas cé­lu­las e con­se­quen­te­men­te não con­ti­nu­a­rá o pro­ces­so de tu­mo­ra­ção.

(ENEM 2016 - 1ª APLI­CA­ÇÃO)

6) E

Quan­do pen­sa­mos des­de uma bac­té­ria, con­si­de­ra­da por al­guns as for­mas de vi­das mais sim­ples, a um ani­mal, es­sen­ci­al­men­te eles com­par­ti­lham em quais­quer de su­as cé­lu­las uma es­tru­tu­ra de RNA de­no­mi­na­da ri­bos­so­mo. Tais ri­bos­so­mos são res­pon­sá­veis pe­la tra­du­ção das mo­lé­cu­las de RNA men­sa­gei­ro e sín­te­se de pro­teí­nas. Quan­do pen­sa­mos acer­ca de de­sen­vol­vi­men­to em­bri­o­ná­rio, lem­bram que é uma ca­rac­te­rís­ti­ca re­la­ci­o­na­da ao pro­ces­so de re­pro­du­ção se­xu­a­da que não es­tá pre­sen­te em to­das as for­mas de vi­da. Da mes­ma for­ma, a ex­cre­ção uri­ná­ria é pre­sen­te em ape­nas al­guns gru­pos de ani­mais, ex­cluin­do as ou­tras for­mas de vi­da.

(ENEM 2015)

7) A

A bi­o­tec­no­lo­gia cor­res­pon­de à uti­li­za­ção de se­res vi­vos ou dos pro­ces­sos por eles re­a­li­za­dos em be­ne­fí­cio do ho­mem e de su­as ati­vi­da­des. Es­se pro­ces­so vem sen­do usa­do des­de a épo­ca dos fa­raós, na pro­du­ção, por exem­plo, de vi­nho. O ex­pe­ri­men­to re­a­li­za­do por H. Boyer con­sis­tiu em in­tro­du­zir nas bac­té­ri­as, via plas­mí­de­os, a sequên­cia de DNA res­pon­sá­vel pe­la co­di­fi­ca­ção da in­su­li­na e, des­ta for­ma, elas pas­sam a sin­te­ti­zar es­se hormô­nio res­pon­sá­vel pe­lo con­tro­le do

ní­vel de açú­car, que an­tes era pro­du­zi­do pe­lo pân­cre­as, além de, ao se mul­ti­pli­ca­rem, tam­bém pas­sar pa­ra as no­vas ge­ra­ções es­ses ge­nes.

8) B

O olho hu­ma­no é com­pos­to por três ca­ma­das – es­cle­ró­ti­ca, co­rói­de e re­ti­na -, hu­mo­res e o cris­ta­li­no, que é a len­te do olho e tem co­mo fun­ção fo­ca­li­zar a ima­gem na ca­ma­da in­ter­na de­no­mi­na­da na re­ti­na. A re­ti­na é for­ma­da a par­tir de um pro­lon­ga­men­to do ner­vo óp­ti­co e ne­la exis­tem cé­lu­las fo­tos­sen­sí­veis, os co­nes e os bas­to­ne­tes, que ao re­ce­be­rem a luz que pas­sa pe­lo cris­ta­li­no, são ex­ci­ta­das, de­sen­ca­de­an­do um im­pul­so ner­vo­so. Ao ser con­du­zi­do pe­lo ner­vo óp­ti­co, che­ga ao cérebro, on­de é in­ter­pre­ta­do.

9) D

Os an­fí­bi­os evo­lu­ti­va­men­te têm co­mo an­ces­trais os pei­xes. Po­rém, eles fo­ram os pri­mei­ros ver­te­bra­dos a ha­bi­tar o am­bi­en­te ter­res­tre, e es­sa tran­si­ção da água pa­ra a ter­ra não se deu de for­ma com­ple­ta, pois a res­pi­ra­ção dos an­fí­bi­os na fa­se adul­ta é pul­mo­nar e cu­tâ­nea. Con­tu­do, os pul­mões são pou­co de­sen­vol­vi­dos, le­van­do es­ses ani­mais a te­rem uma gran­de de­pen­dên­cia da res­pi­ra­ção atra­vés da pe­le. Sen­do as­sim, es­se ór­gão de­ve apre­sen­tar uma co­ber­tu­ra del­ga­da e al­ta­men­te per­meá­vel, pa­ra per­mi­tir as tro­cas ga­so­sas com o meio am­bi­en­te. Além dis­so, a fe­cun­da­ção des­sa clas­se de ver­te­bra­dos é ex­ter­na e, por is­so, tor­na-se mais um mo­ti­vo pa­ra eles não se afas­ta­rem mui­to da água.

10) D

O ser hu­ma­no é for­ma­do a par­tir da união do es­per­ma­to­zoi­de com o óvu­lo, pro­ces­so co­nhe­ci­do co­mo fe­cun­da­ção, que le­va à for­ma­ção da cé­lu­la ovo ou zi­go­to. Es­se zi­go­to so­fre su­ces­si­vas di­vi­sões mi­tó­ti­cas até for­mar com­ple­ta­men­te o no­vo in­di­ví­duo. Por­tan­to, to­das as cé­lu­las des­se no­vo in­di­ví­duo apre­sen­ta­rão o mes­mo ma­te­ri­al ge­né­ti­co. Sen­do as­sim, as fun­ções das cé­lu­las de ca­da ór­gão for­ma­do se­rão di­fe­ren­ci­a­das pe­las re­giões de eu­cro­ma­ti­na e he­te­ro­cro­ma­ti­na for­ma­das, le­van­do a ex­pres­sões dis­tin­tas do seu ma­te­ri­al ge­né­ti­co ou ge­no­ma.

11) E

Na au­sên­cia de oxi­gê­nio as fi­bras dos mús­cu­los es­tri­a­dos es­que­lé­ti­cos pas­sam a re­a­li­zar fer­men­ta­ção lá­ti­ca co­mo mecanismo de pro­du­ção de ener­gia, po­rém, es­se pro­ces­so que­bra par­ci­al­men­te a gli­co­se, pro­du­zin­do pou­co ATP. Des­ta for­ma, ocor­re­rá a ne­ces­si­da­de de um mai­or con­su­mo de gli­co­se. À me­di­da que a con­cen­tra­ção do oxi­gê­nio vai au­men­tan­do no meio, a cé- lula pas­sa a re­a­li­zar res­pi­ra­ção ae­ró­bi­ca, e es­se pro­ces­so pro­duz mui­to mais ATP a par­tir de uma molécula de gli­co­se, re­du­zin­do as­sim o seu con­su­mo.

(FUVEST 2017)

12) B

Pa­ra­si­to­ses são as­sun­tos bas­tan­te co­muns no ENEM e nos ves­ti­bu­la­res. A ques­tão abor­da a as­ca­ri­día­se, cau­sa­da pe­la “lom­bri­ga”, um ver­me ne­ma­tó­deo, e a ame­bía­se, cau­sa­da pe­la ame­ba, um pro­to­zoá­rio. Am­bas as do­en­ças po­dem ser pre­ve­ni­das com sa­ne­a­men­to bá­si­co e ao hi­gi­e­ni­zar ade­qua­da­men­te os ve­ge­tais con­su­mi­dos crus, já que os ovos da lom­bri­ga e os cis­tos da ame­ba con­ta­mi­nam a água e o so­lo e po­dem fa­cil­men­te con­ta­mi­nar os ali­men­tos.

DI­CA: a mai­o­ria das ver­mi­no­ses po­de ser pre­ve­ni­da a par­tir do sa­ne­a­men­to bá­si­co e cui­da­dos de hi­gi­e­ne, ex­ce­to a fi­la­ri­o­se cu­ja transmissão se dá por meio da pi­ca­da do mos­qui­to cu­lex.

13) D

(va­mos ado­tar a le­tra “E” pa­ra in­di­car o ge­ne em ques­tão) Ao ana­li­sar um he­re­dro­gra­ma, é sem­pre im­por­tan­te de­ter­mi­nar se a he­ran­ça é do­mi­nan­te ou re­ces­si­va an­tes de iniciar a re­so­lu­ção. No ca­so da ca­rac­te­rís­ti­ca que es­tá sen­do abor­da­da, a al­te­ra­ção na for­ma­ção do es­mal­te do den­te, a re­pre­sen­ta­ção da ca­rac­te­rís­ti­ca co­mo do­mi­nan­te li­ga­da ao X e re­ces­si­va es­tá na le­tra D.

Ob­ser­vem que na le­tra D, o pai é afe­ta­do, pos­suin­do o ge­nó­ti­po XEY. Obri­ga­to­ri­a­men­te ele trans­mi­te es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca pa­ra to­das as fi­lhas e não trans­mi­te pa­ra os fi­lhos do se­xo mas­cu­li­no, pois o pai pas­sa o Y pa­ra os me­ni­nos. As fi­lhas ex­pres­sam a ca­rac­te­rís­ti­ca her­da­da do pai pois a mes­ma é do­mi­nan­te.

No se­gun­do he­re­dro­gra­ma da le­tra D, po­de­mos ob­ser­var que o fi­lho apre­sen­ta uma ca­rac­te­rís­ti­ca que os pais não ex­pres­sam. Es­se é sem­pre um in­di­ca­ti­vo de he­ran­ça re­ces­si­va. Nes­se ca­so, por se tra­tar de um me­ni­no afe­ta­do, po­de­mos con­cluir que ele re­ce­beu o Xe da mãe e o Y do pai. O se­gun­do fi­lho re­ce­beu o XE, o ge­ne “sau­dá­vel” da mãe. Nes­se ca­so, po­de­mos tam­bém de­ter­mi­nar que o ge­nó­ti­po do pai é XEY e o ge­nó­ti­po da mãe é XEXe, sen­do nor­mal por­ta­do­ra.

14) A

Evi­dên­ci­as evo­lu­ti­vas apon­tam que os ve­ge­tais evo­luí­ram a par­tir de al­gas uni­ce­lu­la­res e sua di­fe­ren­ci­a­ção em re­la­ção às al­gas se de­ve ao fa­to dos ve­ge­tais apre­sen­ta­rem te­ci­dos, en­quan­to as al­gas pos­su­em uma es­tru­tu­ra bas­tan­te sim­ples. Na evo­lu­ção dos ve­ge­tais, a pri­mei­ra ca­rac­te­rís­ti­ca que sur­ge são os va­sos con­du-

to­res de sei­va (xi­le­ma e flo­e­ma). Brió­fi­tas não pos­su­em va­sos con­du­to­res, sen­do clas­si­fi­ca­das co­mo avas­cu­la­res. Os de­mais gru­pos ve­ge­tais, que pos­su­em va­sos con­du­to­res, são clas­si­fi­ca­dos co­mo tra­queó­fi­tas.

As se­men­tes sur­gem no gru­po das gim­nos­per­mas e as flo­res nas an­gi­os­per­mas.

(UNESP 2017)

15)D

Tal afir­ma­ção é um er­ro bas­tan­te co­mum pe­lo fa­to do CO2 e do O2 se­rem ga­ses pre­sen­tes na com­po­si­ção da at­mos­fe­ra. Po­rém, já foi de­mons­tra­do em ex­pe­ri­men­tos usan­do um isó­to­po do oxi­gê­nio (O18) que o O2 li­be­ra­do pa­ra at­mos­fe­ra no pro­ces­so de fo­tos­sín­te­se é pro­ve­ni­en­te da fo­tó­li­se da água. O hi­dro­gê­nio da água vai se li­gar ao CO2 na for­ma­ção da gli­co­se (C6H12O6). Por­tan­to, o O2 do CO2 es­tá na gli­co­se.

16) A

O dal­to­nis­mo é uma ca­rac­te­rís­ti­ca re­ces­si­va li­ga­da ao cro­mos­so­mo X. Se os dois são daltô­ni­cos, seus ge­nó­ti­pos são:

Pau­lo = XdY

Pau­lo obri­ga­to­ri­a­men­te her­dou o ge­ne do dal­to­nis­mo da mãe, pois os me­ni­nos her­dam o cro­mos­so­mo X da mãe e o Y do pai.

Luí­sa = XdXd

Luí­sa her­dou dois ge­nes do dal­to­nis­mo, um do pai e ou­tro da mãe.

Sen­do as­sim, po­de­mos re­sol­ver es­sa ques­tão por eli­mi­na­ção. Po­de­mos con­cluir com cer­te­za que o pai dos gê­me­os é daltô­ni­co (XdY), des­sa for­ma eli­mi­na­mos as al­ter­na­ti­vas B, C e E. Não po­de­mos con­cluir com cer­te­za se a mãe dos gê­me­os é daltô­ni­ca ou nor­mal por­ta­do­ra (XDXd), mas sa­be­mos que ape­nas mais du­as pes­so­as da fa­mí­lia são daltô­ni­cas. Se a mãe for daltô­ni­ca, obri­ga­to­ri­a­men­te seu pai se­ria daltô­ni­co, to­ta­li­zan­do três pes­so­as na fa­mí­lia com dal­to­nis­mo (além dos gê­me­os).

Sen­do as­sim, po­de­mos con­cluir que a mãe é nor­mal por­ta­do­ra (XDXd), her­dan­do o ge­ne de seu pai, daltô­ni­co (XdY). Por­tan­to, o pai e o avô ma­ter­no são os daltô­ni­cos.

(ENEM 2016 - 1ª APLI­CA­ÇÃO)

17) A

A uti­li­za­ção de ma­té­ria or­gâ­ni­ca em bi­o­di­ges­tor ge­ra gás me­ta­no de­vi­do a de­com­po­si­ção de bac­té­ri­as ana­e­ró­bi­as.

18) D

A hi­dró­li­se é res­pon­sá­vel pe­la con­ver­são do po­lis­sa­ca­rí­deo ami­do em gli­co­se. Es­ta, por sua vez, é uti­li­za­da co­mo subs­tra­to pa­ra fer­men­ta­ção al­coó­li­ca re­a­li­za­da pe­la le­ve­du­ra.

19) B

O ob­je­ti­vo é blo­que­ar o Ci­clo de Krebs, que ocor­re na ma­triz mi­to­con­dri­al. Por­tan­to, a na­no­par­tí­cu­la que car­re­ga a pro­teí­na blo­que­a­do­ra de­ve atu­ar na mi­tocôn­dria.

20) C

Os pei­xes fo­ram res­pon­sá­veis em con­tro­lar a den­si­da­de de me­xi­lhões, pre­dan­do ani­mais pe­que­nos. A po­pu­la­ção de me­xi­lhões foi con­tro­la­da pe­los pre­da­do­res (pei­xes), uma vez que a den­si­da­de des­ses ani­mais, na área sem te­la, foi me­nor do que a den­si­da­de dos mes­mos na área com te­la. Os pei­xes pre­dam pre­fe­ren­ci­al­men­te os me­xi­lhões pe­que­nos, uma vez que o ta­ma­nho mé­dio dos in­di­ví­du­os na área sem te­la foi mai­or que na área com te­la.

21) A

As al­gas pre­sen­tes no fi­to­plânc­ton são res­pon­sá­veis pe­la con­ver­são do CO2 (molécula inor­gâ­ni­ca) em mo­lé­cu­las or­gâ­ni­cas. Es­ta con­ver­são ocor­re de­vi­do a pro­ces­so de fo­tos­sín­te­se e ini­cia as ca­dei­as ali­men­ta­res

22) E

Os in­se­tos he­ma­tó­fa­gos pos­su­em na sa­li­va mo­lé­cu­las an­ti­co­a­gu­lan­tes. Es­tas subs­tân­ci­as são im­por­tan­tes pa­ra ini­bir as re­a­ções he­mos­tá­ti­cas no lo­cal on­de se ali­men­tam no hos­pe­dei­ro quan­do re­a­li­zam a re­fei­ção san­guí­nea e tam­bém pa­ra man­ter o san­gue flui­do nos seus pró­pri­os tra­tos di­ges­ti­vos.

23) E

Com a me­nor ab­sor­ção de ni­tra­to, a qua­li­da­de nu­tri­ci­o­nal afe­ta­da pri­ma­ri­a­men­te se­ri­am as pro­teí­nas, uma vez que o ni­tro­gê­nio faz par­te da cons­ti­tui­ção dos ami­noá­ci­dos.

24) D

So­lo ins­tá­vel, po­bre em oxi­gê­nio e sa­li­no. A ve­ge­ta­ção é adap­ta­da pe­la pre­sen­ça de cau­les com ri­zó­fo­ros (sus­ten­ta­ção/an­co­ra­gem), raí­zes que se ex­pan­dem com pneu­ma­tó­fo­ros (tro­cas ga­so­sas) e glân­du­las pa­ra eli­mi­nar o ex­ces­so de sais.

25) C

O uso in­te­gra­do de ár­vo­res ao sis­te­ma agrí­co­la per­mi­te a co­ber­tu­ra do so­lo com fo­lhas e ga­lhos pro­ve­ni­en­tes de po­das pro­gra­ma­das. Es­ta ma­té­ria or­gâ­ni­ca que re­co­bre a su­per­fí­cie do so­lo se­rá de­com­pos­ta, li­be­ran­do nu­tri­en­tes pa­ra a pro­du­ção agrí­co­la. Es­se sis­te­ma, que pro­mo­ve mai­or di­ver­si­da­de de vi­da no so­lo, re­duz a in­ci­dên­cia de pra­gas, não ha­ven­do ne­ces­si­da­de de uti­li­zar agro­tó­xi­cos (bi­o­ci­das).

26) E

Con­for­me ocor­re a saí­da de água na for­ma de va­por atra­vés das fo­lhas (trans­pi­ra­ção), exis­te um mo­vi­men­to da co­lu­na de água atra­vés dos va­sos, des­de as raí­zes até as fo­lhas, pois es­tão co­e­sas e sub­me­ti­das a uma for­ça de ten­são que mo­vi­men­ta a co­lu­na de água atra­vés do xi­le­ma.

27) B

O pro­bió­ti­co 4 é res­pon­sá­vel em es­ti­mu­lar a ca­deia de pro­du­ção de an­ti­cor­pos (imu­no­glo­bu­li­nas), mes­mo pro­ces­so de­sen­ca­de­a­do pe­los an­tí­ge­nos pre­sen­tes na va­ci­na.

28) E

O efei­to es­tu­fa é res­pon­sá­vel pe­la ele­va­ção da tem­pe­ra­tu­ra da Ter­ra. Uma das con­sequên­ci­as é o der­re­ti­men­to das ge­lei­ras, re­sul­tan­do na ele­va­ção do ní­vel dos oce­a­nos. Por­tan­to a cons­tru­ção de di­ques de con­ten­ção se­ria uma me­di­da adap­ta­ti­va efi­ci­en­te.

29) C

A per­mu­ta­ção ou cros­sing over é um pro­ces­so que ocor­re na mei­o­se 1/pró­fa­se 1 e pro­mo­ve a tro­ca de seg­men­tos en­tre cro­má­ti­des, ga­ran­tin­do uma mai­or re­com­bi­na­ção gê­ni­ca na for­ma­ção dos ga­me­tas.

30) E

O hormô­nio ADH é res­pon­sá­vel em abrir os ca­nais de aqua­po­ri­nas, au­men­tan­do des­ta for­ma a re­ab­sor­ção de água nos né­frons. Um por­ta­dor de di­a­be­tes in­si­pi­dus com pro­ble­mas na se­cre­ção/ação do ADH não tem es­te mecanismo ati­va­do e por­tan­to per­de uma gran­de quan­ti­da­de água na uri­na o que po­de pro­mo­ver uma de­si­dra­ta­ção.

(UNICAMP 2017)

31) C

Apro­xi­ma­da­men­te 70% das an­gi­os­per­mas são po­li­ni­za­das por in­se­tos. A me­lho­ria das con­di­ções de so­bre­vi­vên­cia des­ses ar­tró­po­des re­sul­ta­rá em pro­du­ti­vi­da­de ele­va­da do fei­jão.

32) D

Na mei­o­se, ocor­rem du­as di­vi­sões ce­lu­la­res: mei­o­se 1 e 2. Ao fi­nal da mei­o­se i, as cé­lu­las se tor­na­rão ha­ploi­des, sen­do as­sim, B, C, D e I são ha­ploi­des.

33) D

Ana­li­san­do o grá­fi­co, ve­ri­fi­ca-se que o ali­men­to A pro­vo­ca con­si­de­rá­vel au­men­to do ín­di­ce gli­cê­mi­co, es­ti­mu­lan­do o pân­cre­as a li­be­rar in­su­li­na.

34) C

O ví­rus HPV é ad­qui­ri­do pe­lo con­ta­to se­xu­al ou com se­cre­ções de por­ta­do­res. Es­sa vi­ro­se po­de cau­sar cân­cer de co­lo de úte­ro e po­de ser tra­ta­da com va­ci­na.

35) C

To­dos os gê­ne­ros ex­pos­tos no cla­do­gra­ma, in­cluin­do o dos ho­mens (Ho­mo), dos gi­bões (Hy­lo­ba­tes) e dos chim­pan­zés (Pan), com­par­ti­lham um an­ces­tral em co­mum.

36) A

O or­ni­tor­rin­co per­ten­ce à or­dem mo­no­tre­ma­ta, um ma­mí­fe­ro oví­pa­ro, po­rém a fê­mea ali­men­ta os fi­lho­tes com lei­te ma­ter­no.

37) C

O frag­men­to 1 e 3 apre­sen­tam mai­or pro­xi­mi­da­de pois, no­ta-se ape­nas uma trin­ca de ba­ses di­fe­ren­te en­tre eles.

38) D

Os dois te­ci­dos (branco e mar­rom) pro­du­zem ATP e ca­lor, sen­do que , o te­ci­do mar­rom pos­sui mais mi­tocôn­dri­as, por­tan­to ge­ra mais ener­gia.

39) B

Os me­ris­te­mas são re­giões de cres­ci­men­to da plan­ta com al­tos ín­di­ces de mi­to­ses, por­tan­to de­man­dam al­to gas­to ener­gé­ti­co, jus­ti­fi­can­do a pre­sen­ça mar­can­te de mi­tocôn­dri­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.